sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

“Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão fartos” - Mt 5.6

Ministério de Ensino

IDENTIFICANDO-ME COM CRISTO
Pr. Bruno Marquardt

Bem-aventuranças - 4


“Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão fartos” - Mt 5.6


1)  Explicação:
       Na primeira bem-aventurança (os humildes) aprendemos a reconhecer que, de nós mesmos, nada temos para nos justificar perante Deus. Na segunda (os que choram) aprendemos que esse choro é uma atitude de inconformismo para com para com o pecado ao nosso redor; aprendemos também a chorar amargamente quando percebemos o quanto Jesus teve que sofrer por causa dos nossos pecados. Na terceira (mansidão) aprendemos a visualizar quem nós somos e quem é Deus; aprendemos também a abrir mão de nossos bens e direitos, aos quais nos apegamos como tábua de salvação. Abrindo mão passamos a depender realmente de Deus.

       Essas três bem-aventuranças nos preparam para a quarta: “Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão fartos”. Essa bem-aventurança nos mostra a real causa de todos os nossos problemas: nossa condição de pecadores. Não são os outros a causa de nossos problemas, mas nossa natureza pecaminosa, e a nossa maneira errada de reagir aos acontecimentos que todos os dias nos cercam. A descoberta dessas verdades nos motiva a querermos uma vida espiritual num nível mais elevado. É isso que significa: “ter fome e sede de justiça”.

“Justiça”

       A justiça a que Jesus está se referindo não é o desejo de que os outros nos tratem com justiça. Não é buscar os seus direitos na justiça dos homens. Disso aprende a abrir mão no estudo de mansidão. Mas essa justiça é o anseio e o desejo por retidão.

       As pessoas a quem Jesus proferiu essas palavras pela primeira vez, sabiam por experiência o que é ter fome e sede físicas. Causa uma ansiedade muito grande. Quando as pessoas aprenderem a sentir anseio por justiça, isto é, por retidão, assim como sentem por pão e água quando estão com fome, Jesus promete: “serão fartos”.

 Em outras palavras: ter fome e sede de justiça é o mesmo que dizer: ter ardente desejo por retidão. Esse desejo por retidão é despertado em nós de duas maneiras: 1. Pela gratidão do perdão; 2. Pela visão da retidão de Deus. Em cada pessoa existe um vazio com formato de Deus.


Enganos do diabo


       A arma mais poderosa do diabo na vida do homem é o engano: “Satanás se transforma em anjo de luz” (2 Co 11.14). Visto que o engano é a ação dele em nossa mente, por isso o diabo nos faz pensar de maneira errada e assim deixarmos de ser abençoados por Deus:

1.   Confunde a busca de felicidades com a busca de santidade. Temos que nos lembrar que a felicidade é um fruto ou conseqüência da santidade. Lemos em Hb 1.9: “Amaste a justiça e odiaste a iniqüidade, por isso Deus, o teu Deus, te ungiu com o óleo da alegria como a nenhum dos teus companheiros”.
2.   Rouba a certeza da salvação: (2 Co 11.3). Depois que na mente do crente começou a embaralhar o plano da salvação, o diabo o engana a pensar que por meio da retidão poderá alcançar a salvação e assim a paz com Deus. Essa é a salvação por obras. Por isso é que podemos ver pessoas se esforçando no reino de Deus, não por gratidão pelo perdão e temor diante da santidade de Deus. Esforça-se por medo do castigo de Deus e medo do inferno. Pessoas assim acabam secando espiritualmente. É a justificação por obras em ação.
Confusão sobre o valor da bênção: Muitos vivem em busca de uma vida sem problemas. Daí o motivo porque muitos vivem reclamando das dificuldades e problemas. Quando uma dificuldade ou problema é resolvido, chama isso de bênção. Isso se assemelha a um cristianismo sem cruz.

       Qual é o valor da bênção? A bênção não nos amadurece. Ela apenas nos prepara e nos fortalece para a luta. E é na luta que amadurecemos. Por isso o grande valor das lutas e problemas é que por meio deles somos amadurecidos em Cristo. Esse é o grande alvo de Deus para nós: sermos parecidos com Cristo. Rm 8.28,29.

O que buscas: vitória ou alívio?

Vitória - Implica em transformação, crescimento e amadurecimento em Cristo. Quem busca vitória considera cada
          problema que está enfrentando como um instrumento de Deus para sua purificação e aperfeiçoamento.
Alívio   -  Buscar alívio é fugir do problema. É beber vinho com fel. Quando deram vinho com fel para Jesus (é uma
          composição que age como anestésico), queriam dar a Jesus a oportunidade de sentir um alívio das dores.
          Jesus recusou. No Getsêmani Jesus orou: “Pai, se possível, passe de mim este cálice! Todavia, não seja
          como eu quero, e, sim, como tu queres”.

Vitória  - Quem busca vitória, se arrepende.
Alívio   -  Quem só busca alívio, sempre culpa os outros por seus sofrimentos. Quem pensa: “Só serei feliz quando
          tal e tal problema se resolver”, não está buscando transformação e vitória. Só quer alívio. É egoísmo.

Vitória  - Quem busca vitória pensa em santificar o nome de Deus, pensa mais na glória de Cristo, pensa não
           envergonhar o nome de Deus - Is 62.6,7.
Alívio - Quem busca alívio só pensa na sua própria felicidade e prazer. Os outros que se danem.


O que mata em nós a fome e sede por justiça?


       É a “impureza e acúmulo de maldade” conforme escreve Tiago 1.21: “Despojando-vos de toda impureza e acúmulo de maldade, acolhei com mansidão a palavra em vós implantada”.

       Algumas impurezas e maldades que tiram o apetite espiritual:

1.   Não separar um tempo considerável para estar a sós com Deus na Palavra e na oração.
2.   Desobediência constante às verdades já reveladas pelo E. Santo. Nm 14.22,23.
3.   Hipocrisia: aparentar uma cousa que no íntimo não somos. Por ex: pregar sem se preparar; não mencionar a origem das pregações; vida dupla - em casa e no púlpito.
4.   Pecado de sexo por pensamentos, desejos, palavras ou atos: Mt 5.8; Pv 23.7; Pv 28.13.
5.   Ressentimento - entristece o E. Santo - Ef 4.30,31; Hb 12.15.
6.   Tocar no ungido de Deus - Sl 105.15; Mt 7.1,2. Míriam ficou leprosa e Mical estéril.
7.   Orgulho: Ficar para si com a glória que pertence a Deus: Malaquias 2.1,2; também é sinal de orgulho o não aceitar correção: Pv 29.1; Pv 13.1.
8.   Ciúme: por denominações ou ministérios (1 Sm 18.8-10).
9.   Rebeldia - 1 Sm 15.23.
10. Temor de homens - Mt 10.28. Quem teme a Deus, não teme a homens. Temer aos homens é ter medo de se posicionar ao lado dos princípios de Deus com medo das conseqüências por parte dos homens. Ex: Medo de ser impopular - Mt 10.32.
11. Não satisfazer diariamente as condições para ser cheio do E. Santo - Ef 5.15-21.

2)  Exemplos de Cristo:
·    Lc 2.49-52: “Não sabeis que me convinha estar na casa de meu Pai?”.
·    Jo 2.16,17: “O zelo de tua casa me consumirá”.
·    Jo 14.24,25: “Eu lhes fiz conhecer o teu nome e ainda o farei”.

3)  Exemplos de fieis:
·    At 2.42-47 - “perseveravam na doutrina dos apóstolos...”
·    At 6.7 - “crescia a palavra de Deus e, em Jerusalém, se multiplicava o número dos discípulos”.
·    At 11.1 - “os gentios recebiam a Palavra de Deus”.
·    At 12.24 - “a palavra de Deus crescia e se multiplicava”.
·    At 17.11 - “os de Bereia eram mais nobres que os de Tessalônica; pois receberam a palavra com toda avidez”.

4) Atitudes positivas em quem tem fome e sede de justiça:
1.“Acha tempo” para se ocupar com a palavra e a oração.
2.Tem facilidade para deixar de lado tudo o que poderia interferir nos seus momentos de busca: TV, esportes.
3.Investe tempo e dinheiro nas cousas de Deus: livros, discos evangélicos, assistir conferências e seminários.



5)  Atitudes negativas em quem não tem fome e sede de justiça:
1.   Pessoa vazia. Sente muita solidão.
2.   Vive sempre em busca de cousas terrenas para compensar a falta de cousas celestiais em seu interior.
3.   Atitude de desinteresse espiritual.
4.   Todas as suas energias espirituais, emocionais e até físicas são consumidas em planos e projetos q      eu acabam com a volta de Cristo. Nada do que faz ou planeja fazer visa preparar a noiva para o encontro com o noivo.

6)  Auto exame:
1.   Manifesto o desejo de crescer espiritualmente?
2.   Quando o E. Santo me mostra uma fraqueza, manifesto atitude complacente do tipo “todo mundo faz isso; por que não posso também?”
3.   Busco justificativa para não dedicar um tempo considerável para me dedicar à palavra e a oração?
4.   Digo que não tenho tempo para meditar e orar, mas gastei muitas horas vendo TV?

7)  Bênçãos na vida de quem tem fome e sede de justiça:
1.   Alegria crescente - Sl 1.2,3.
2.   Espírito satisfeito.
3.   Crescimento espiritual. Eles crêem na promessa: “serão fartos”, isto é, Deus mudará o interior da pessoa, dará vitória sobre fraquezas.
4.   Aceitam como verdade as seguintes afirmações:
·    Não há segredo para sermos homens de Deus - é só começar a lutar contra o pecado.
·    Todos alcançam o nível de espiritualidade que querem ter.
·    Não temos um nível mais alto de espiritualidade porque não queremos pagar o preço.
5.   Meditam constantemente nos seguintes textos: Ez 11.19,20; Jr 29.13,14; Fp 4.13; Gl 2.19,20.


Barreiras que nos impedem de crermos que “seremos fartos”
1.Incredulidade:  assim como muitos tem forte tendência para duvidarem da proteção de Deus em todos os momentos da vida, assim também alimentam dúvidas de que “serão fartos”, isto é, de que alcançarão vitória sobre pecados e fraquezas.
2.Falta de perseverança: A santificação é um processo lento. Muitos querem solução rápida, e de preferência que não custe nada. Jesus disse: “toma a tua cruz e segue-me”.
3.Não vivem por fé, mas por emoção: As emoções do início da conversão passam, para que assim continuemos buscando a Deus por fé na Palavra. Muitos não entendem isso e logo desanimam.
4.Cegueira e orgulho: Muitos são cegos para “enxergar” a mão de Deus por trás das dificuldades para levá-los ao quebrantamento. Não encaram os problemas como o “amassar do barro” do Oleiro Celeste. E por causa do orgulho, não se humilham.
5.Traumas ainda não sarados: A amargura entristece o E. Santo e assim não conseguem perceber o amor de Deus. Precisa começar pelo perdão. Depois que o pecador alcançar vitória sobre a amargura, nasce uma luz de esperança em relação aos demais problemas.

8)  Passos para desenvolver fome e sede de justiça e depois sermos fartos:
1.   Receber Cristo como Senhor e Salvador.
2.   Examinar a relação de pecados que tiram pela justiça de Deus.
3.   Abrir a Bíblia com uma pergunta no coração: “Senhor, por que minha vida não funciona?” Deus vai revelar a causa e a solução.
4.   Por decisão própria estabelecer e colocar em prática um plano sistemático de estudo da Palavra de Deus com um objetivo claro: interiorizar os princípios da Palavra de Deus.
5.   Medita no exemplo de homens da Bíblia que venceram.
6.   Meditar constantemente nas bênçãos que temos pela morte, ressurreição e ascensão de Cristo. Esses três acontecimentos são a melhor garantia de que “serei farto”, isto é, vitorioso sobre todos os meus pecados e fraquezas.

Pr. Bruno Marquardt – E-mail: bruno.marquardt@terra.com.br

Nenhum comentário:

Postagem em destaque