domingo, 5 de janeiro de 2014

A natureza divina de Cristo

“A mensagem que a Bíblia nos traz, no geral, pode ser dividida em duas categorias: Teologia e Ética.
Teologia, é a  parte que nos leva a conhecer a Deus e a compreender como Ele administra o mundo
 que criou. Ética, é a conduta humana que flui deste conhecimento”.  J. Macdonald

Apesar de muitos críticos, em todo o tempo, tentarem negar a natureza divina de Jesus, quando comparamos os relatos bíblicos sobre a sua pre-existência, nascimento, ministério, morte e ressurreição etc…, com os testemunhos registrados posteriormente na história da Igreja, da qual fazemos parte, nos é impossível negar esta verdade que é a  deidade de Cristo.
Desde os tempos primitivos, e mais particularmente desde o Concílio de Calcedônia, século XVIII, a Igreja confessa a doutrina da dupla natureza de Cristo - Humano-Divina -, não porque  compreende por completo o mistério, senão porque vê nelas um mistério revelado pela Palavra de Deus.

A  Bíblia e a deidade de Jesus.

Tendo em conta a descrença de alguns quanto à deidade de Cristo, o mais importante para aquele que aceita a Bíblia como a Palavra infalível de Deus, é estar perfeitamente informado da prova que a Bíblia nos oferece sobre ela. Para uma melhor classificação bíblica da honra divina atribuída a Jesus, obrigatoriamente teríamos que nos adentrar nas provas derivadas dos nomes divinos, atributos divinos, obras divinas, etc…etc…etc…o que, implicaria também descrever sobre a Trindade. (O que deixamos aqui apenas como sugestão).
Apesar da insistêcia de alguns em negar que o A.T. (Antigo Testamento) contenha predições de um Messias divino; porém, esta afirmação fica completamente infundamentada à luz de passagens como:
·       Sal. 2:6-12.
·       Sal. 45:6,7.
·       Sal. 110:1.
·       Isa. 9:6.
·       Jer. 23:6.
·       Dan. 7:13, e tantos outros textos como estes descritos em Miquéias, Zacarias, Malaquias etc…etc…etc…., os quais, quando comparados à outras passagens do N.T. (Novo Testamento), confirmam e autentificam o seu significado no contexto Messiânico profético.

Por todo o N.T. há um abundante banco de referências que comprovam a natureza divina de Jesus, destacamos todavia os escritos de João e de Paulo, onde encontramos revelado o mais elevado conceito sobre a deidade de Jesus, como podemos ver nas seguintes passagens:

·       João 1:1-3,14,18.
·       João 2:24,25.
·       João 3:16.
·       I Co. 1:1-3.
·       I Co. 2:8.
·       II Co. 2:10.
·       I Tim. 3:16

Bem como em:
·       Heb. 1:1-3,5,8.
·       Heb. 4:14 etc…etc…etc…

Mas por mais que técnica e teoricamente defendamos a natureza divina de Jesus, para que o Evangelho seja reconhecido e respeitado por toda a terra, a maior prova  do seu poder e natureza divina, consiste naquilo que foi por Ele mesmo legado à Igreja.

“…e estes sinais hão de acompanhar os que crerem: Em meu nome expulsarão demônios; falarão novas línguas; pegarão em serpentes; e quando beberem alguma coisa mortifera, não lhes fará mal algum, imporão as mão sobre os enfermos, e os curarão”. Mar. 16:17,18.

De onde concluímos que, a prova mais contundente de que Jesus é Deus, está na vida diária da Igreja. “…contra fatos, não há argumentos”. Já dizia o
pensador.

“…No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por meio dele, e sem ele nada do que foi feito se fez. O Verbo se fez carne e habitou entre nós. Vimos a sua glória, a glória como do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade.”. João 1:1-3, 14.

Graça e paz,  José Wilson

Bibliografia.

Bíblia de referência Thompsom.
All the Messianic Prophecies of the Bible. – Herbert Lockyer
The Oxford Companion to the Bible.
Dictionary of Jesus and the Gospels.- I.V.P.
Teologia Sistemática – L. Berkhof
The Tanach – The Stone Edition




Nenhum comentário:

Postagem em destaque