quarta-feira, 9 de abril de 2014

ESTUDAR A BÍBLIA TEM QUE SER SEMPRE COM A BÍBLIA NA MÃO. AMÉM

Livro de Atos

NITERÓI, 2003
SEMEADOR
Seminário Evangélico para o
Aperfeiçoamento de Discípulos
e Obreiros do Reino - SEMEADOR
Supervisão Editorial:
Pr. Luiz Cláudio Flórido
Projeto Gráfico,
Edição e Impressão:
Mídia Express Comunicação
Todos os direitos reservados
Comunidade Cristã
Jesus para o Mundo
E ste livro foi escrito pela equipe de redatores do Seminário
Evangélico Para o Aperfeiçoamento de Discípulos e Obreiros
do Reino - SEMEADOR com base em fundamentos
recolhidos de várias fontes: autores cristãos
reconhecidamente inspirados por Deus, estudos aceitos e adotados por
outros seminários evangélicos de prestígio e, acima de tudo, a visão
específica que o Espírito Santo tem atribuído ao ministério da
Comunidade Cristã Jesus Para o Mundo.
Por se tratar de conteúdo bíblico, o assunto aqui tratado não se
esgota, em nosso entendimento, nas páginas deste ou de qualquer
outro livro. Cremos no poder revelador da Palavra de Deus, que nos
oferece novas induções a cada releitura. Por isso, o objetivo maior do
SEMEADOR não se limita ao estudo teológico, mas sim em trazer a
presença de Deus e a Palavra Rhema na vida de discípulos e obreiros
que queiram um verdadeiro compromisso com o Seu Reino.
A Bíblia e a presença de Deus são, portanto, requisitos indispensáveis
para os alunos do SEMEADOR, tanto no estudo deste livro como
durante as aulas.
“Não to mandei eu? Esforça-te, e tem bom ânimo; não te atemorizes,
nem te espantes; porque o Senhor teu Deus está contigo, por onde
quer que andares.” Josué 1:9
Equipe de Redação
Apresentação

Índice
Capítulo 1
A Fundação da Igreja 7
Capítulo 2
O Início das Perseguições 21
Capítulo 3
A Fundação da Igreja
Gentílica 35
Capítulo 4
A Terceira viagem de Paulo 51
Bibliografia 66
Resposta dos Exercícios 97
Programa Curricular 68

O Livro de Atos
A Fundação da Igreja

O livro de Atos mostra o que Jesus CONTINUOU a fazer
através do Espírito Santo, por meio dos seus discípulos.
Nesse livro Jesus é apresentado como o Senhor Exaltado.
Vemos os feitos dos ensinos de Jesus na vida dos apóstolos.
No livro de Atos a palavra “testemunha” é usada mais de trinta vezes.
Ser-me-eis testemunhas, é o coração desse livro. Jesus tinha dito aos
discípulos que enviaria o Espírito Santo. Esse dará testemunho de mim; e
vós também testemunhareis, porque estais comigo desde o princípio (Jo.
15:26,27). A promessa cumpriu-se no Dia de Pentecostes, quando Ele derramou
o Espírito Santo sobre os discípulos (At. 2:16,17,33). A partir desse
momento, ao darem testemunho do Salvador, o Espírito Santo daria testemunho,
ao mesmo tempo, no coração dos seus ouvintes, e multidões seriam
levadas ao Salvador.
O livro de Atos começa com a pregação do Evangelho em Jerusalém,
a metrópole da nação judaica, e termina com o Evangelho em Roma, a verdadeira
metrópole do poder mundial. Embora esse livro tenha o nome de
Atos dos Apóstolos, ele narra, de fato, os atos do Espírito Santo operando
através de Pedro, Paulo e seus companheiros.
De Atos 1 a 12, vemos Pedro testemunhando as judeus. Sua palavra
é: Arrependei-vos (At. 2:36-38). Dos capítulos 13 a 28, vemos Paulo testemunhando
aos gentios. Sua palavra é: Crê (At. 16:30,31). Sem dúvida,
Atos é o melhor “manual de missões” que já foi escrito. Nele encontramos
a razão de ser da obra missionária. O objetivo único dos cristãos era levar
O Derramamento do
Espírito Santo
(Capítulos 1 e 2)
10 O Livro de Atos
os homens ao conhecimento da salvação em Jesus Cristo. Este era o seu
tema exclusivo, e a Palavra de Deus sua única arma.
Vemos a igreja primitiva com um programa definido para a realização
dos seus planos. Alguns grandes centros foram escolhidos como base
de onde pudessem irradiar a influência do trabalho dos discípulos de maneira
a atingirem os lugares vizinhos. Os discípulos foram simples, diretos
e bem sucedidos. Dependeram inteiramente do poder de Deus, mediante
o Espírito Santo. Avançaram com zelo irreprimível e coragem inabalável.
O AUTOR
Não há dúvidas que é Lucas, “o médico amado”, autor também do
terceiro Evangelho. O livro de Atos é apontado como uma continuação
do Evangelho de Lucas. E de igual modo, é endereçado a um homem
chamado “Teófilo”. O Espírito Santo inspirou Lucas a escrever a Teófilo
a fim de suprir na igreja a necessidade de um relato completo dos primórdios
do cristianismo. No terceiro Evangelho, “o primeiro tratado”, foi
seu relato a respeito da vida de Jesus. Em Atos, foi seu relato sobre o
derramamento do Espírito Santo em Jerusalém e sobre o crescimento da
igreja primitiva. Torna-se claro que Lucas era um escritor habilidoso, um
historiador consciente e um teólogo inspirado.
QUEM FOI LUCAS?
O livro de Atos foi escrito, presumivelmente, cerca do ano 60dC., ano de chegada de
Paulo a Roma. Quanto à vida particular de Lucas, pouco conhecemos. Sabemos apenas
que ele era gentio, falava o grego fluentemente, era médico de refinada educação, e, após
convertido ao Cristianismo, abandonou as funções médicas, se dedicando a viajar
com o apóstolo Paulo, de quem se fez médico e amigo inseparável. Acompanhou Paulo
desde Troas até Filipos, viagem memorável durante a qual o apóstolo Paulo levou as boas-
novas desde a Ásia até a Europa. Em viagem posterior, esteve com Paulo, desde Filipos
até Jerusalém, no seu encarceramento em Cesaréia e acompanhou-o depois até Roma,
nos dias tristes do seu confinamento. Abandonado por outros cooperadores Paulo
escreveu: “Somente Lucas está comigo”. Lucas sofreu o martírio, tendo sido enforcado
em uma oliveira, na Grécia (EETAD, O Livro de Atos, pág. 3).
Semeador 11
Atos abrange, de modo seletivo, os primeiros trinta anos da história
da igreja. Como historiador eclesiástico, Lucas descreve, em Atos, a propagação
do evangelho, partindo de Jerusalém até Roma. Ele menciona nada
menos que 32 países, 54 cidades, 9 ilhas do Mediterrâneo, 95 diferentes
pessoas e uma variedade de membros e funcionários do governo com seus
pormenores. Como teólogo, Lucas descreve com habilidade a relevância de
várias experiências e eventos dos primeiros anos da igreja.
O livro de Atos desempenhou um papel substancial como elo de ligação
entre os quatros Evangelhos e as Epístolas Paulinas. Nos capítulos 13 a
28, temos o acervo histórico necessário para bem compreendermos o ministério
e as cartas de Paulo.
O TEMA
O propósito desse livro é narrar a história da formação, desenvolvimento
e expansão da Igreja, começando em Jerusalém e concluindo em
Roma. Não é uma biografia de Pedro e Paulo e de outros apóstolos. Eles
foram personagens importantes que tiveram relação direta com a formação
da Igreja. Este livro é um relato do ministério de Cristo continuado por
seus servos.
O tema do livro de Atos é a propagação triunfal do Evangelho pelo
poder do Espírito Santo. A promessa do derramamento do Espírito Santo
foi cumprida entre os discípulos no Dia de Pentecoste (At. 2), e entre os
gentios (At. 10). O livro de Atos, poderia ser chamado de “Atos do Espírito
Santo”, pois é Ele quem controla em todos os lugares o progresso do Evangelho.
“As manifestações sobrenaturais que acompanharam a propagação
do Evangelho, significaram não só a atividade do Espírito Santo,
mas também a inauguração duma nova era na qual Jesus Cristo reinaria
como Senhor e Messias” ( EETAD, O Livro de Atos, pág. 09).
O VALOR HISTÓRICO
O livro de Atos contém referências sobre os magistrados das cidades,
governadores provinciais, reis visitantes; os lugares por onde os apóstolos
passaram; as igrejas que foram abertas; e, outras informações que provam
12 O Livro de Atos
estarem corretas quanto ao lugar e ao tempo em questão. E é interessante
colocar que as informações constantes neste livro tem sido confirmadas
pelas descobertas arqueológicas posteriores.
Lucas, no livro de Atos, coloca sua narrativa dentro do contexto
histórico da época. Com poucas palavras ele transmite autenticidade com
relação as muitas cidades, pessoas e situações mencionadas. Ele, por exemplo,
cita os pretores de Filipos que aprisionaram Paulo e Silas; as autoridades
de Tessalônica, perante quem Paulo e seus cooperadores foram
acusados; decisão de Gálio, procônsul de Acaia, a favor de Paulo; na Judéia,
o governador Festo e o rei visitante Agripa II absolveram Paulo;
etc.
Registra as conquistas do Evangelho nos grandes centros gentios da
civilização imperial, a rejeição e as acusações sofridas pelos apóstolos nas
comunidades judaicas espalhadas pelo império. Tudo com detalhes, relatando
momentos históricos vividos pelos apóstolos, principalmente com
relação a implantação da igreja e os acontecimentos da época.
O VALOR PERMANENTE DE ATOS
No início do II século, quando os escritos dos quatro Evangelhos já haviam sido colecionados,
circulavam como um conjunto de livros. O Livro de Atos foi dotado de importância
sempre mais crescente, e manteve-se separado do Evangelho de Lucas. A circulação
rápida do Livro de Atos entre as igrejas no princípio, talvez se tenha dado devido ao
impulso de colecionarem as Epístolas Paulinas a partir do primeiro século.
O Livro de Atos frisa a importância da pessoa e obra de Paulo, e testifica também quanto
ao trabalho de outros apóstolos, especialmente Pedro. O valor desse livro no contexto
do Novo Testamento é sua posição entre os Evangelhos e as Epístolas Paulinas. Por
um lado ele forma a seqüência natural para os quatro Evangelhos, por outro, forma um
fundo histórico para as epístolas e atesta o caráter apostólico da maioria dos doze.
Além do que, serve ainda como documento acerca dos primórdios do Cristianismo.
Torna-se um livro de informações do mais alto valor para uma fase extremamente significativa
da história da Igreja e da civilização mundial. (EETAD, O Livro de Atos, pág.
10,11)
Semeador 13
PODER PARA TESTEMUNHAR (At. 1 e 2)
Os cinco primeiros versículos do livro de Atos, registram o cuidado
mostrado por Jesus em conscientizar os apóstolos quanto à responsabilidade
que lhes caberia daquele momento em diante, e as instruções de que
precisavam.
Quarenta dias se passaram entre a ressurreição e a ascensão de Jesus.
Durante esses dias os discípulos estiveram na companhia do Senhor Jesus.
Eles estão prontos para ouvir as últimas instruções. Jesus falava das coisas
que diziam respeito ao reino de Deus. Nessa ocasião o Mestre determina
que eles não se ausentassem de Jerusalém, mas esperassem a promessa do
Pai (At. 1:4).
Os primeiros 11 versículos do primeiro capítulo servem de introdução
para o resto do livro:
- A grande comissão (1:6-8);
- A ascensão (1:2, 9,11);
- A volta de Cristo (1:10,11).
Os discípulos ainda não estavam satisfeitos quanto à época em que
Cristo iria estabelecer o seu reino na terra. Ainda esperavam um reino que
lhes desse independência política e os colocasse em posição de liderança
mundial (1:6). A respeito disso, Jesus responde que a eles não competia
saber os tempos ou as épocas, que o Pai reservou à sua própria autoridade
(1:7).
Jesus tentava explicar que o poder deles não seria político, mas espiritual.
E continua a sua resposta dando uma promessa e uma comissão aos
discípulos: Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e
ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém, como em toda a Judéia e Samaria,
e até os confins da terra (1:8). A intenção de Jesus com estas palavras
era tirar de seus corações as ambições nacionalistas e colocar uma
conscientização do ide e pregai o evangelho a todo mundo.
Com a ascensão, o Senhor desapareceu, mas permaneceu com eles de
modo ainda mais real. Depois das suas últimas palavras, Ele foi arrebatado
e uma nuvem o encobriu dos olhos dos seus discípulos. Foi um acontecimento
tão notável, mas contado com tão poucas palavras! O Pai levou seu
Filho de volta à glória. E deixa com os seus um Consolador, o Espírito
Santo.
14 O Livro de Atos
Os discípulos perdiam a companhia física do Mestre, mas em recompensa
receberam a promessa do derramamento do Espírito Santo.
Embora tivessem tido três anos de treinamento com o Senhor, precisavam
da presença do Espírito Santo a fim de revesti-los de poder. Já haviam
dado provas, em situações anteriores de serem um grupo de homens de
pouca coragem e fé. Então, Jesus disse-lhes que não saíssem de Jerusalém,
mas esperassem. Seria natural que fugissem do lugar em que o seu
Senhor tinha sido crucificado, e voltassem para a Galiléia. Mas, como Jesus
diz que permanecessem na cidade de Jerusalém, no centro de maior
influência daquela época.
“Então voltaram para Jerusalém, do monte chamado das Oliveiras,
que está perto de Jerusalém, à distância da jornada de um sábado. E,
entrando, subiram ao cenáculo, onde permaneciam Pedro e João, Tiago
e André, Felipe e Tomé, Bartolomeu e Mateus; Tiago, filho de Alfeu, Simão
o Zelote, e Judas, filho de Tiago. Todos estes perseveravam unanimemente
em oração, com as mulheres, e Maria, mãe de Jesus, e com os
irmãos dele” (At. 1:12-14).
O cenáculo (uma sala ampla, geralmente andar superior) seria provavelmente
parte da casa de Maria, mãe de João Marcos, local em que
também, supõe-se, ter se realizado a última Ceia de Jesus com os discípulos.
O versículo acima menciona “as mulheres”. É esta a última vez que
CRISTO VOLTARÁ
Esse Jesus...assim virá do modo como o vistes subir (At. 1:11). Como será a sua volta aqui
anunciada? A promessa é que Ele vai voltar do modo como subiu. Assim sendo, devemos
examinar como Ele foi, pois, assim saberemos como Ele voltará. Sua volta será:
(1) Pessoal - “Porque o Senhor mesmo descerá do céu com grande brado, à voz do arcanjo,
ao som da trombeta de Deus, e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro” (I Tes.
4;16); (2) Visível - “Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até mesmo aqueles
que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele”(Ap. 1:7); (3) Corpórea
- “Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem, e todas as tribos da terra se lamentarão,
e verão vir o Filho do homem sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória (Mt.
24:30); (4) Local - “Então os levou fora, até Betânia; e levantando as mãos, os abençoou
(Lc. 24:50).
Semeador 15
o nome de Maria, mãe de Jesus, é mencionado. E também fala dos
“irmãos de Jesus” que certamente eram filhos de Maria e José. Seus nomes
eram: Tiago, José, Judas e Simão (Mc. 6:3).
Em Atos 1:15-26, Matias é escolhido para preencher o lugar deixado
por Judas. “E orando, disseram: Tu, Senhor, que conheces os corações de
todos, mostra qual destes dois tens escolhido para tomar o lugar neste ministério
e apostolado, do qual Judas se desviou para ir ao seu próprio lugar.
Então deitaram sortes a respeito deles e caiu a sorte sobre Matias, e
por voto comum foi ele contado com os onze apóstolos” (vs.24-26).
“Alguns comentadores ensinam que Deus não aceitou Matias como
um dos doze apóstolos, mas sim a Paulo. O Novo Testamento, entretanto,
diz o contrário (EETAD, O Livro de Atos, pág. 28).
1. Matias foi contado com os onze (At. 1:26);
2. A expressão “Pedro com os onze” (At. 2:14), inclui Matias.
Haviam doze apóstolos antes da conversão de Paulo (At.
6:2);
3. Matias foi escolhido para cumprir a profecia (At. 1:16-20;
Sl. 69:25; 109:8);
4. Matias tinha qualificações de apóstolo (At. 1:21,22);
5. A escolha de Matias se deu em resposta à oração (At. 1:24;
Jo. 14:13,14);
6. Paulo não contou a si mesmo como um entre os doze, mas
como apóstolo especial aos gentios (At. 9:15; Gl. 2:7-9). Os
doze julgariam os judeus; eram especialmente destinados
aos judeus (Mt. 19:28);
7. Paulo não era um dos doze de que se faz menção em I Coríntios
15:5.
8. Paulo tinha as qualificações de apóstolo, mas não como um
dos doze, porque não acompanhara os discípulos desde o
batismo de João (At. :21,22)”
Depois da vinda do Senhor Jesus Cristo à terra, o acontecimento de
maior importância é a vinda do Espírito Santo. A Igreja nasceu no dia de
Pentecoste. O Pentecoste era uma das festas mais populares e Jerusalém
estava repleta de peregrinos de toda parte. Cinqüenta dias tinham passado
desde a crucificação. A partir dessa data, o Pentecoste não seria mais uma
16 O Livro de Atos
festa judaica mas o raiar de um novo dia, o do nascimento da Igreja de
Cristo.
Pentecoste era uma festa sagrada do Antigo Testamento que ocorria
50 dias após a Páscoa. Pentecoste deriva da palavra grega penteekostos
que significa qüinquagéssimo. Essa festa é também chamada Festa das
Colheitas, porque nela as primícias da sega de grãos eram oferecidas a
Deus (Leia mais sobre essa festa em Levítico 23:15-21). Da mesma forma,
o dia de Pentecoste simboliza, para a igreja o início da colheita de
vidas para Deus neste mundo.
A cena abre-se com os discípulos reunidos, com os corações firmados
em Cristo, esperando o cumprimento da promessa. O próprio Espírito
Santo desceu naquele dia. Lucas não diz que apareceu um vento, mas
o som era um símbolo, assim como as línguas de fogo. O “vento impetuoso”
representava o poder celestial. As “línguas de fogo” indicavam o
poder para testemunhar. O Espírito Santo pousou sobre os discípulos
(2:1-3); entrou neles (2:4); e operou por meio deles (2:41-47). Eles foram
cheios do Espírito Santo e assim estavam capacitados para um serviço
especial. Não só foram capacitados para pregar com poder, mas para
falar nas diferentes línguas representadas naquele dia em Jerusalém (2:2-
4).
O maravilhoso no Pentecoste não foi o vento veemente e impetuoso,
nem as línguas como de fogo, mas o fato de os discípulos serem cheios
E PERSEVERAVAM UNÂNIMES EM ORAÇÃO
Antes do derramamento do Espírito Santo, no Pentecoste, podemos observar em Atos
1:12-14, que os discípulos estavam no cenáculo em Jerusalém, perseverando em oração
e súplicas. Há uma lição a ser aprendida nesses versículos. A experiência do Pentecoste
sempre envolve a responsabilidade humana. Aqueles que desejam o derramamento
do Espírito Santo em sua vida, para terem poder para realizar a obra de Deus, devem
colocar-se a disposição do Senhor mediante submissão à vontade de dEle e à ORAÇÃO.
Note os paralelos entre a vinda do Espírito Santo sobre Jesus e sobre os discípulos:
(1) veio sobre eles depois que oraram; (2) houve manifestações visíveis; (3) os ministérios
começaram depois do Espírito Santo vir sobre eles. (Bíblia Pentecostal, pág.
1629, 1630).
Semeador 17
do Espírito Santo para que pudessem testemunhar aos homens. É bem verdade
que o Espírito Santo não veio ao mundo pela primeira vez por ocasião
do Pentecoste. Por todo o Antigo Testamento encontramos narrativas
que mostram como Ele guiava e fortalecia os homens. Mas, agora o Espírito
Santo iria fazer uso de um novo instrumento, a Igreja, nascida naquele
dia.
“E todos ficaram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras
línguas, conforme o Espírito lhes concedia que falassem. Habitavam
então em Jerusalém judeus, homens piedosos, de todas as nações que há
debaixo do céu. Ouvindo-se, pois, aquele ruído, ajuntou-se a multidão; e
estava confusa, porque cada um os ouvia falar na sua própria língua” (At
2:2-5).
Todos ficaram atônitos e perplexos (2:12). O homem, por natureza, é
descrente. Alguns zombavam, dizendo: Estão embriagados (2:13-15). Os
homens sempre procuram explicar os milagres de Deus pelas leis naturais.
Mas o racionalismo nunca pode dar uma explicação razoável para aquilo
que é divino. Além disso, eram nove horas da manhã, e nenhum judeu podia
tocar em vinho até aquela hora.
Aos zombadores, Pedro explicou que os apóstolos e demais não estavam
embriagados. Ele explica que o que estava acontecendo era o cumprimento
da profecia de Joel: “E acontecerá nos últimos dias, diz o Senhor,
que derramarei do meu Espírito sobre toda a carne; e os vossos filhos
e as vossas filhas profetizarão, os vossos mancebos terão visões, os
vossos anciãos terão sonhos; e sobre os meus servos e sobre as mi-nhas
servas derramarei do meu Espírito naqueles dias, e eles profetizarão. E
mostrarei prodígios em cima no céu; e sinais embaixo na terra, sangue,
fogo e vapor de fumaça. O sol se converterá em trevas, e a lua em sangue,
antes que venha o grande e glorioso dia do Senhor. E acon-tecerá
que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo” (At. 2:17-21).
Pedro continua discursando. É o primeiro sermão evangélico e o seu
tema enfoca que Jesus é o Messias. Pedro é a figura central nos doze primeiros
capítulos de Atos. O verdadeiro poder do Espírito Santo revelou-se
quando esse humilde pescador se levantou para falar e três mil pessoas foram
salvas. Como poderíamos explicar a ousadia de um Pedro, que antes
fora covarde, ao se levantar para pregar a uma multidão nas ruas de Jerusalém?
Qual era o segredo do ministério de Pedro? O Pedro inconstante e
18 O Livro de Atos
impulsivo, que negou a seu Mestre, foi transformado pelo Espírito Santo.
Ele jamais esteve sob tão forte unção, como no dia de Pentecostes.
Suas palavras foram como flechas no coração duro dos judeus.
“E, ouvindo eles isto, compungiram-se em seu coração, e perguntaram
a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, irmãos?
Pedro então lhes respondeu: Arrependei-vos, e cada um de vós seja
batizado em nome de Jesus Cristo, para remissão de vossos pecados;
e recebereis o dom do Espírito Santo. Porque a promessa vos pertence
a vós, a vossos filhos, e a todos os que estão longe: a quantos o
Senhor nosso Deus chamar” (At. 2:37-39).
Pedro os chama ao arrependimento e menciona a promessa do
Espírito Santo que era para todos que aceitassem a Jesus. “De sorte
que foram batizados os que receberam a sua palavra; e naquele dia
agregaram-se quase três mil almas” (v. 41). Eis o resultado do sermão
de Pedro. A primeira Igreja de Jerusalém foi organizada com três mil
membros no Dia de Pentecostes. Que dias gloriosos se seguiram, de ensino,
comunhão, sinais e prodígios, e, sobretudo, salvação! Enquanto
isso, acrescentava-lhes o Senhor dia a dia os que iam sendo salvos
(v.47). Tão maravilhoso como o dom de línguas era o viver diário da
primeira Igreja. Não é de se admirar que eles contassem com a simpatia
de todo o povo e que dia a dia crescesse o número de salvos.
Nessa ocasião, como já foi mencionado, Jerusalém estava cheia de
judeus de todas as nações que estão debaixo do céu (At. 2:5). Estavam
ali muitos judeus das regiões mais afastadas do Império Romano, desde
a Mesopotânia a leste, até Roma a oeste, e até a África, a sudoeste. Não
é esclarecido que todos os que se converteram eram de todas essas nações;
mas como encontramos referências de cristãos em Damasco, Cirene,
Chipre, Roma e outras partes, é bem provável que muitos tenham se
convertido nessa ocasião.
Do versículo 42 ao 47, podemos observar como esses primeiros
cristãos viviam e como se relacionavam:
(1) perseveram na comunhão;
(2) perseveravam no partir do pão;
(3) perseveravam nas orações;
(4) em cada um havia temor;
(5) muitos sinais e prodígios eram feitos;
Semeador 19
(6) vendiam as suas propriedades e bens e distribuíam entre todos;
(7) louvavam a Deus.
O resultado era que muitas pessoas eram acrescentadas. Pessoas de
toda parte eram atraídas pelo gozo e alegria e forma de vida dos novos
convertidos.
Devido ao crescimento do Evangelho e a propagação do nome e dos
feitos de Jesus, muitos opositores começaram a se levantar contra a Igreja.
A primeira perseguição foi desencadeada pelos saduceus, mas haviam os
fariseus, os herodianos, e vários outros grupos religiosos, fazendo oposição
aos seguidores de Jesus.
20 O Livro de Atos
EXERCÍCIOS
Marque Certo ou Errado:
1. ___ O livro de Atos mostra o que Jesus continuou a fazer através do Espírito
Santo, por meio dos discípulos.
2. ___ As descobertas arqueológicas não têm confirmado o valor histórico
do livro de Atos.
3. ___ A promessa do derramamento do Espírito Santo, cumpriu-se entre
os discípulos, no Dia de Pentecostes.
4. ___ O livro de Atos é um documento de incalculável valor acerca dos
primórdios do Cristianismo.
5. ___ Os discípulos foram conscientizados por Jesus que, ao serem revestidos
de poder, se preocupassem apenas em evangelizar Jerusalém e cidades
vizinhas.
6. ___ O Cenáculo era, possivelmente a casa de Maria, mãe de João Marcos,
e onde teria se realizado a última ceia.
7. ___ O apóstolo que preencheu a lacuna deixada por Judas, chamava-se
Eliseu.
8. Pentecostes era uma festa sagrada do Antigo Testamento, que ocorria 50
dias após a Páscoa.
O liVRO DE ATOS
O Início das Perseguições

O capítulo 3 inicia junto à Porta Formosa do Templo. Pedro
havia curado um coxo de nascença, que era levado
diariamente àquele lugar para pedir esmolas. O milagre
atraiu a atenção dos líderes judeus e resultou na primeira
oposição à igreja. Ao juntar-se uma multidão ao redor do coxo, curado tão
milagrosamente, Pedro aproveitou a oportunidade para pregar o seu segundo
sermão, de que temos registro. Ele não poupou os judeus. Voltou a dizer-
lhes que Cristo, a quem haviam crucificado, era o Messias há muito
prometido. As palavras de Pedro e João foram tão poderosas que um total
de cinco mil pessoas já tinham recebido a Cristo.
Neste sermão, Pedro alcança o pico mais elevado da Cristologia. A
princípio parece que ele atribui o milagre da cura do coxo de nascença ao
“Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó” (At. 3:13), e depois a Jesus (v.
16). No entanto, vemos uma correspondência entre o Jeová do Antigo Testamento
com o “nome” de Jesus do Novo Testamento. “E matastes o Autor
da vida, a quem Deus ressuscitou dentre os mortos, do que nós somos testemunhas.
E pela fé em seu nome fez o seu nome fortalecer a este homem
que vedes e conheceis; sim, a fé, que vem por ele, deu a este, na presença
de todos vós, esta perfeita saúde” (At. 3;15,16).
Os líderes revoltaram-se porque os apóstolos ensinavam ao povo que
esse Jesus a quem eles haviam crucificado, ressuscitara dos mortos e iria
voltar (At. 4:2). Ordenaram-lhes que não pregassem, mas a oposição só
A Morte de Estevão e a
Conversão de Saulo
(Capítulos 3 a 9)
24 O Livro de Atos
fez a igreja prosperar. Vendo a crescente popularidade do nome de Jesus,
os sacerdotes mandam prender Pedro e João, para que não falassem mais
de Jesus. Nota-se a coragem de Pedro na maneira decidida com que fala
nos versículos 9-12, 19, 20 do capítulo 4. Podemos notar um Pedro totalmente
diferente de semana antes, quando negou o Senhor. Agora, sem
vestígio de medo, desafia as autoridades que mataram a Jesus.
Os sacerdotes com os guardas, leva-os presos por perturbação da
ordem e pregação de heresias. Esses sacerdotes pertenciam ao partido dos
saduceus, que não acreditavam na ressurreição dos mortos, assunto este
predominante na pregação de Pedro.
No dia seguinte a prisão, eles são levados diante do concílio religioso
dos judeus, chamado Sinédrio. Eles estavam sendo acusados de blasfêmia
contra o Deus dos judeus, por causa do homem que fora curado em
nome de Jesus. Pedro, entretanto, não volta atrás e confirma diante do Sinédrio
as suas confissões.
“Seja conhecido de vós todos, e de todo o povo de Israel, que em
nome de Jesus Cristo, o nazareno, aquele a quem vós crucificastes e a
quem Deus ressuscitou dentre os mortos, nesse nome está este aqui, são
diante de vós. Ele é a pedra que foi rejeitada por vós, os edificadores, a
qual foi posta como pedra angular. E em nenhum outro há salvação; porque
debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, em
que devamos ser salvos” (At. 4:10-12).
Como não acharam motivos para castigá-los e por causa do povo
que glorificava a Deus pelo que acontecera com o coxo, os libertaram
deixando-os ir. Assim que foram soltos, procuraram seus amigos e contaram
as experiências e se uniram em oração e louvor. Ameaçados pela
força humana, eles se voltaram para o poder que vem de Deus. Exaltavam
o poder onipotente de Deus revelado na criação (v. 24); discorrem
sobre os inimigos que se levantaram contra Jesus (vs. 25-27); e suplicam
a Deus que conceda a eles ousadia para continuar pregando a Palavra e
poder para fazer sinais e maravilhas (vs. 29,30).
A medida que oravam, recebiam respostas, conforme as petições
feitas. Segundo o texto de Atos 4:31, se lê que tendo eles orado, tremeu
o lugar em que estavam reunidos; e todos foram cheios do Espírito Santo,
e anunciavam com intrepidez a palavra de Deus.
Semeador 25
Depois dessa experiência, as pregações trouxeram ainda mais unidade
à Igreja. O poder divino manifesto no mais alto grau operava nos e através
dos apóstolos.
Da multidão dos que creram era um o coração e a alma (4:32). Os
apóstolos davam o testemunho da ressurreição do Senhor Jesus (4:33). Um
grande mover se fazia presente no meio do povo que não havia entre eles
necessitado algum; porque todos os que possuíam terras ou casas, vendendo-
as, traziam o preço do que vendiam e o depositavam aos pés dos apóstolos.
E se repartia a qualquer um que tivesse necessidade (4:34,35).
Ninguém era obrigado a desfazer-se dos seus bens. Não se esperava
isso deles. Quando alguém trazia o que tinha era um ato espontâneo. A Igreja
tornou-se tão desprendida que vendiam os seus bens e depositavam os
valores correspondentes aos pés dos apóstolos para serem distribuídos à
medida que alguém tivesse necessidade. Contudo, mesmo esse ato de amor
generosidade, estava sujeito ao abuso e ao engano.
No capítulo 5, Ananias e Safira mostravam o espírito de engano, pelo
qual iludiram a si mesmos e aos apóstolos. Mas o Espírito Santo revelou a
verdade da situação. Eles queriam glória sem pagar o preço. Queriam honra
sem honestidade. Foram punidos de morte instantânea por terem declarado
que estavam dando tudo a deus, quando guardavam uma parte para si
(At. 5:4,5).
PRONTOS A CONSIDERAR
Dessa fervorosa oração elevada a Deus pela comunidade cristã de Jerusalém, face à
perseguição sofrida pelos apóstolos Pedro e João, temos dois pontos a considerar. Primeiro,
nosso Deus é um Deus que ouve e responde as orações dos que nEle confiam e a
Ele recorrem. Como sinal de que tinham sido ouvidos “aterra tremeu”, e, em seguida,
sob a direção do Espírito Santo, com ousadia e liberdade pregavam. Em segundo lugar,
é interessante observar o sentimento que atuava nos corações daqueles cuja oração fora
atendida: (1) estavam dominados por um santo temor; (2) reinava liberdade para prosseguir
no trabalho de anunciar Cristo; (3) movidos pelo altruísmo, apresentavam o
Cristo ressurreto, poderoso para salvar. As orações dos que abrigam tão nobre sentimento
hão de ser respondidas sempre que o Reino de Deus a Sua justiça ocuparem o
primeiro lugar em suas vidas. Orações que demonstram submissão amor a Deus são orações
que jamais ficam sem resposta. (EETAD, O Livro de Atos, pág. 56)
26 O Livro de Atos
O poder do testemunho dos apóstolos residia no fato de suas vidas
serem uma confirmação da vida do Cristo ressuscitado. Quando se operavam
sinais e prodígios, as multidões vinham para ver. Quando o Espírito
Santo estava presente, o povo via o poder de Deus. O mesmo acontece
hoje. Quando as igrejas apresentam Cristo em sua formosura e o Espírito
Santo em seu poder, o povo vem. Jesus atrai todos os homens. Os milagres
em geral produzem conversões. Quando o milagre das línguas apareceu,
a multidão afluiu (2:6). Quando Pedro e João curaram o homem junto
à Porta Formosa, o povo correu atônito para junto deles no pórtico
chamado de Salomão (3:11). Quando o milagre do julgamento veio sobre
Ananias e Safira, crescia mais e mais a multidão de crentes, tanto homens
como mulheres, agregados ao Senhor (5:14). Uma igreja cheia do
Espírito Santo é uma igreja que trabalha.
“Levantando-se o sumo sacerdote e todos os que estavam com ele
(isto é, a seita dos saduceus), encheram-se de inveja, deitaram mão nos
apóstolos, e os puseram na prisão pública” (At. 5:17,18). Vemos novamente
que o trabalho maravilhoso dos apóstolos provocou a oposição do
Sinédrio (um tribunal de 70 juízes). Com o propósito de impedir a ação
dos apóstolos, as autoridades mandam prendê-los, mas a ação deles tem
êxito por pouco tempo, pois de noite um anjo do Senhor abriu as portas
do cárcere... conduzindo-os para fora (v. 19).
No dia seguinte, o conselho aguardava os presos para o julgamento,
no entanto, são surpreendidos com a notícia de que não se encontravam
O PROPÓSITO DO JULGAMENTO
“E sobreveio grande temor a toda a igreja e a todos os que ouviram estas coisas” (At.
5:11). No princípio do Cristianismo era importante que toda a corrupção fosse afãstada
do seu meio - daí o terrível castigo de Ananias e Safira. Tal castigo ensinou a todos
que a Igreja é uma instituição sagrada, e que ela não tolera a desonestidade. Muitos
dos que tiveram conhecimento do triste fato, tinham admiração pelo Cristianismo,
sem contudo ousar se filiar a ele (v. 13), porque ninguém, a não ser mediante a conversão
e transformação, iria juntar-se a uma organização em que os hipócritas caíam
mortos. O julgamento divino contra o pecado de Ananias e Safira levou a um aumento
de humildade, reverência e temor do povo para com um Deus santo. (EETAD, Livro
de Atos, pág. 58,59).
Semeador 27
na prisão. “Achamos realmente o cárcere fechado com toda a segurança, e
as sentinelas em pé às portas; mas, abrindo-as, a ninguém achamos dentro”
(v. 23), e, ficaram ainda mais surpresos quando ouviram: “Eis que os
homens que encerrastes na prisão estão no templo, em pé, a ensinar o povo”
(v. 25).
Eles são levados presos novamente perante o Conselho e chamados à
atenção por insistirem a ensinar em nome de Jesus. Mas eles respondem
que mais importava obedecer a Deus do que aos homens (v. 29). Pedro
continua com seu discurso duro e direto, dizendo que eles mataram a Jesus.
E prossegue discursando que Deus O ressuscitara e O elevara a Príncipe
e Salvador, para dar a Israel o arrependimento e a remissão dos pecados.
“Ora, ouvindo eles isto, se enfureceram e queriam matá-los” (At.
5:33). Nesse momento entra em cena um certo fariseu chamado Gamaliel,
doutor da lei, venerado pelo povo, que convence o Conselho a deixar os
apóstolos em paz com o seguinte parecer: “Agora vos digo: Dai de mão a
estes homens, e deixai-os, porque este conselho ou esta obra, caso seja dos
homens, se desfará; mas, se é de Deus, não podereis derrotá-los; para
que não sejais, porventura, achados até combatendo contra Deus”(At.
5:38,39).
Um grupo de pescadores ignorantes levantara-se para ensinar, e as
multidões os ouviam e seguiam. Esta é a razão de o Sinédrio estar perturbado.
Apesar de os apóstolos terem sido açoitados e proibidos de pregar,
sentiam-se felizes por terem sido achados dignos de sofrer pelo nome de
O SÁBIO RABINO GAMALIEL
Foi discípulo de Hilel e mestre de Saulo. Foi o rabino mais ilustre do seu tempo e
líder do partido dos fariseus no Sinédrio. Por isso o seu julgamento a respeito dos
apóstolos ser respeito pelos saduceus. Teudas, a quem Gamaliel se refere em Atos
5:33, foi um mágico que, segundo relato do historiador Flávio Josefo, guiou um
ban-do de adeptos seus ao Jordão, prometendo separar as águas para atravessarem a
pés enxuto, como fizera o povo de Israel. Considerado um elemento perigoso, foi
atacado e morto por soldados enviados pelo procurador Fado. ( EETAD, O Livro
de Atos, pág. 61)
28 O Livro de Atos
Jesus. E todos os dias, no templo e de casa em casa, não cessavam de
ensinar, e de anunciar a Jesus, o Cristo (5:42).
E crescia o número de discípulos e seguidores do cristianismo, mas
também surgiu um problema sério que precisava ser solucionado rapidamente.
No início a Igreja em Jerusalém cuidava dos seus membros pobres
e das viúvas, principalmente. Com á falta de organização desse trabalho,
as viúvas que pertenciam ao grupo helenista (grego) estavam sendo discriminadas
pelos judeus de fala hebraica, que eram a maioria. Esse acontecimento
se tornou grave pois poderia levar a uma dissensão entre os
dois grupos. Foi convocada uma reunião onde os doze apóstolos apresentaram
a questão e a seguinte solução: “Não é razoável que nós deixemos
a palavra de Deus e sirvamos às mesas. Escolhei, pois, irmãos, dentre
vós, sete homens de boa reputação, cheios do Espírito Santo e de sabedoria,
aos quais encarreguemos deste serviço. Mas nós perseveraremos na
oração e no ministério da palavra” (At. 6:2-4). Parecendo bem à todos,
foram indicados sete nomes para ficarem encarregados de trabalho: Estevão,
Felipe, Prócoro, Nicanor, Timão, Pármenas e Nicolau.
Eram homens cheios do Espírito Santo, de sabedoria e de fé. E foram
escolhidos entre os judeus helenistas, e de fala grega. Havia agora
dois de ofícios na igreja. Um era o de “servir as mesas”, cuidar da beneficência.
O outro era o da pregação e da oração. Dois deles, Estevão e
Felipe, se projetaram muito além dos limites desta função especial. Eles
tornaram-se homens de grande influência na igreja, talvez por isso a oposição
centralizou-se neles, principalmente em Estevão. Leia as experiências
registradas nos capítulo 6 e 7. Estevão era simplesmente um leigo,
mas foi um dos primeiros diáconos. Ele é descrito como homem cheio de
graça e de poder (6:8). O Espírito Santo lhe deu pode para fazer sinais
e prodígios, lhe deu grande sabedoria para pregar o evangelho de tal maneira,
que seus oponentes não encontraram nada para contestar os seus
argumentos (6:10). “Então subornaram uns homens para que dissessem:
Temo-lo ouvido proferir palavras blasfemas contra Moisés e contra
Deus” (At. 6:11).
Estevão é levado perante o conselho, o mesmo que tinha é crucificado
a Jesus e que havia proibido os apóstolos de falar de Jesus. Perante
o Sinédrio, ele discursa em defesa da fé propagada e dos apóstolos. Ele
faz um resumo histórico do Antigo Testamento, caracterizando os judeus
Semeador 29
como responsáveis pela morte de Jesus. Lucas, relata que, quando Estevão
falava, seu rosto era como de anjo. Os líderes da sinagoga não puderam
resistir à sabedoria e ao espírito com que ele falava. A ira deles transformou-
se em ódio homicida. “Então eles gritaram com grande voz, taparam
os ouvidos, e arremeteram unânimes contra ele e, lançando-o fora da cidade,
o apedrejavam. E as testemunhas depuseram as suas vestes aos pés de
um mancebo chamado Saulo. E, apedrejavam, pois, a Estêvão”(At. 7:57-
59). Estevão tornou-se o primeiro mártir da Igreja cristã. Podemos atribuir
à morte de Estevão, sem dúvida, as primeiras impressões que os seguidores
de Jesus causaram em Saulo.
No início do capítulo 8, lemos: “E também Saulo consentiu na morte
dele (Estevão)” (At. 8:1a). Saulo foi o grande líder da primeira perseguição
em grande escala contra a igreja. Homens e mulheres eram encerrados
na prisão e açoitados, e muitos foram mortos (8:3). Os discípulos tinham
sido testemunhas em Jerusalém, mas Jesus dissera que deviam ir à
Judéia e Samaria. Os guias religiosos julgavam estar fazendo a vontade de
Deus ao procurarem acabar com o Cristianismo, matando os cristãos. Sem
saber, Saulo realmente começou naquela ocasião sua obra espalhar o Evangelho.
Ele pensava estar destruindo o Cristianismo, quando, na verdade,
o estava divulgando. Entrementes, os que foram dispersos iam por toda
parte, anunciando a palavra (8:4).
O ALCANCE DA DISPERSÃO
O ataque a comunidade cristã em Jerusalém, fez com que milhares deles se espalhassem
por toda a Palestina. Os cristãos, com o coração cheio de fé e fervor, levaram o Evangelho
por onde iam. Alguns deles chegaram à grande cidade de Antioquia, na Síria.
Nessa cidade, em meio a uma população grega, os exilados tornaram Jesus conhecido
tanto de gregos como de judeus. Antioquia foi fundada cerca do ano 300 a.C. por Seleuco
I Nicator, era a mais famosa das dezesseis Antioquias. Apesar da população de
Antioquia ser mista, Josefo registra que os selêucidas encorajaram os judeus a emigrarem
para ali em grande número, dando-lhes plenos direitos de cidadãos. Foi em Antioquia
que os seguidores de Jesus foram chamados cristãos pela primeira vez. Assim, os crentes
de então deram o grande passo par o estabelecimento do Cristianismo no mundo todo,
pois mais tarde a próspera igreja de Antioquia enviaria Barnabé e Paulo para pregarem
aos gentios. (EETAD, O livro de Atos, pág. 70, 71).
30 O Livro de Atos
Esta foi a razão do Evangelho espalhar-se a princípio. Qual foi a
comissão dada aos discípulos? Ide por todo mundo e pregai o evangelho.
Quantos discípulos Jesus treinou para a sua obra? Somente doze, e um
deles o abandonou.
Lá estavam eles em Jerusalém, e todo mundo precisando do Evangelho.
A perseguição de Saulo, espalhou os cristãos pelo mundo. Não foi
a covardia que os levou a fugir, porque os encontramos em toda parte
pregando o Evangelho.
“E descendo Filipe à cidade de Samaria, pregava-lhes a Cristo. As
multidões escutavam, unânimes, as coisas que Filipe dizia, ouvindo-o e
vendo os sinais que operava; pois saíam de muitos possessos os espíritos
imundos, clamando em alta voz; e muitos paralíticos e coxos foram curados;
pelo que houve grande alegria naquela cidade” (At. 8:6-8). Filipe,
um dos sete diáconos escolhidos, era evangelista. Como resultado da perseguição,
ele se estabeleceu em Samaria. Com isso a população samaritana
foi alcançada pelo evangelho através da vida de Filipe. O êxito de sua
pregação foi tão grande que Pedro e João são enviados a Samaria para
ver o que estava acontecendo. Chegando na cidade, eles constataram a
conversão dos samaritanos e impondo-lhes as mãos eles foram cheios do
Espírito Santo.
E um certo homem chamado Simão chega próximo aos discípulos e
oferece-lhes dinheiro, dizendo: “Dai-me também a mim esse poder, para
que aquele sobre quem eu impuser as mãos, receba o Espírito Santo”
(8:19). Simão era um mágico que plantava um certo temor no povo
com seus poderes. Ele vendo o que acontecia quando os apóstolos colocavam
aos mão sobre as pessoas, ofereceu dinheiro em troca desse
“poder”. Mas, diante da dura resposta de Pedro, Simão pede: “Rogai vós
por mim ao Senhor, para que nada do que haveis dito venha sobre
mim” (At. 8:24). De acordo com Hipólito - um dos principais líderes da
Igreja antiga, a exibição final de Simào foi um fracasso. Ele foi enterrado
vivo, prometendo reaparecer dentre de três dias; mas não conseguiu.
“Ele não era de Cristo” - relata Hipólito.
Voltando a Filipe, multidões o seguiam em sua campanha de evangelização,
mas Deus lhe diz que deixasse o trabalho que estava fazendo
com tanto êxito, para ir para a banda do sul, no caminho que desce de
Jerusalém a Gaza. Filipe obedeceu e no caminho encontrou em etíope,
Semeador 31
que pelo seu testemunho, se converteu ao Cristianismo e que sem dúvida
levou o Evangelho à África. O Evangelho estava a caminho dos confins da
terra. Enquanto o novo convertido continua sua viagem, Filipe, que fora
arrebatado pelo Espírito, se achou depois em Azoto, e ia anunciando o Evangelho
em todas cidades, até que chegou a Cesaréia (v. 40).
O capítulo 9 narra a conversão de Saulo. Pouco se sabe sobre ele, no
intervalo do seu nascimento até o seu aparecimento em Jerusalém. Embora
fosse da tribo de Benjamim, era um zeloso membro da seita dos fariseus.
Era cidadão romano por ter nascido na cidade grega de Tarso, na Ásia Menor,
pertencente na época ao império romano. Ele teria sido levado para
Jerusalém ainda criança, onde foi educado aos pés de Gamaliel.
A primeira menção feita sobre Saulo foi por ocasião da morte de Estevão.
O martírio deste parece ter influenciado aquele perseguidor da Igreja.
A sua conversão é uma das mais emocionantes da História. Antes ele
estava espirando ainda ameaças e morte contra os discípulos do Senhor
(9:1), mas depois o veremos pregando nas sinagogas, afirmando que Jesus
é o Filho de Deus (9:20).
“E Saulo, dirigiu-se ao sumo sacerdote, e pediu-lhe cartas para Damasco,
para as sinagogas, a fim de que, caso encontrasse alguns do Caminho,
quer homens quer mulheres, os conduzisse presos a Jerusalém” (At.
9:2). Ele partir para Damasco, e no caminho, já próximo a cidade, é paralisado
por um jato de luz sobrenatural e poderosa que o faz ficar cego e cair
por terra. E ouve uma voz que dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues?
(9:4). Ao que ele pergunta: Quem és tu, Senhor? Respondeu o Senhor:
Eu sou Jesus, a quem tu persegues; mas levanta-te e entra na cidade,
e lá te será dito o que te cumpre fazer 9:5,6). Saulo tem uma experiência
muito forte, ao ponto de fazê-lo ouvir e obedecer à voz de Deus. Nesse
momento ele passa a ser um dos principais evangelistas do mundo cristão.
Cego, ele foi conduzido até a rua Chamada Direita, à casa de Judas,
onde permaneceu um tempo, até que Deus envia Ananias, para impor as
mãos sobre ele e tornasse a ver.
“Ananias, impondo-lhe as mãos, disse: Irmão Saulo, o Senhor Jesus,
que te apareceu no caminho por onde vinhas, enviou-me para que tornes
a ver e sejas cheio do Espírito Santo. Logo lhe caíram dos olhos como
que umas escamas, e recuperou a vista: então, levantando-se, foi batiza32
O Livro de Atos
do” (At. 9:17,18). Três dias depois da sua conversão, Saulo recebe a
plenitude do Espírito Santo. A experiência dele forma um paralelo com a
dos discípulos no dia de Pentecoste. Primeiro, experiência do novo nascimento
- da salvação; depois o de ser “cheio do Espírito Santo”.
Depois disso Saulo vai para as sinagogas pregar a Jesus, dizendo
que Ele era o filho de Deus (9:20). Podemos calcular a confusão que ocorreu
entre os judeus! Pois agora Saulo estava defendendo a causa que
antes procurou destruir. Como aceitar no meio deles um homem que havia
perseguido o povo judeu? Os judeus tentavam de toda maneira matálo.
Mas as ciladas chegavam ao conhecimento de Saulo antes e ele conseguia
fugir. Quando ele chegou em Jerusalém não foi diferente. Ele procurava
se unir aos discípulos, mas todos o temiam.
“Então Barnabé, tomando-o consigo, o levou aos apóstolos, e lhes
contou como no caminho ele vira o Senhor e que este lhe falara, e como
em Damasco pregara ousadamente em nome de Jesus. Assim andava com
eles em Jerusalém, entrando e saindo, e pregando ousadamente em nome
do Senhor. Falava e disputava também com os helenistas; mas procuravam
matá-lo. Os irmãos, porém, quando o souberam, acompanharam-no
até Cesaréia e o enviaram a Tarso” (At. 9:27-30).
Somente três anos mais tarde é que Saulo volta a cidade de Jerusalém,
onde se encontra com Pedro e Tiago.
No versículo 31 do capítulo 9, dia que a Igreja em toda a Judéia e
Galiléia, e Samaria teve paz e eram edificadas. A primeira grande perseguição
à Igreja chegava ao fim com a conversão de Saulo, o grande
perseguidor dos cristãos.
Semeador 33
EXERCÍCIOS
Marque Certo ou Errado:
1. ___ Pedro e João foram presos pelas autoridades, para que não falassem
em nome de Jesus.
2. ___ Ananias e Safira foram possuídos por Satanás, que os induziu a mentir
com relação à oferta que entregaram no templo.
3. ___ Gamaliel, um grande rabino, aconselhou as autoridades de Israel a
acabarem com Pedro, pois não era de Deus.
4. ___ Os apóstolos foram presos, porém durante a noite foram soltos por
ação de um anjo.
5. ___ Foram escolhidos dez diáconos para cuidar da beneficência.
6. ___No intuito de fazer Estevão calar-se diante das acusações que fazia
contra os judeus, uns homens foram subornados para mentirem sobre a sua
conduta.
7. ___Saulo teve uma experiência muito forte ao ponto de fazê-lo ouvir e
obedecer à voz de Deus.
8. ___Saulo depois de sua conversão continuou a perseguir os cristãos.

O Livro de Atos
A Fundação da
Igreja Gentílica

A Igreja iniciada no Pentecostes era totalmente formada de
judeus, devido a certos preconceitos, tradições e costumes
do povo judaico. Entretanto, o plano divino consistia em
alcançar todas as pessoas por meio de Jesus Cristo. Os apóstolos
após a experiência do derramamento do Espírito Santo também
desejavam a salvação de todas as pessoas. No entanto, não compreendiam
que a salvação já não se restringia a Israel, mas que agora abrangia todas
as nações. Deus estava quebrando toda a resistência dos apóstolos com relação
a pregação do Evangelho a toda criatura, quer judeu ou gentio.
O próprio apóstolo Pedro vivenciaria uma experiência maravilhosa
com relação a isto. Ele pôde então perceber que Deus não tem nenhuma
nação ou raça predileta, nem favorece qualquer indivíduo por causa da sua
nacionalidade, linhagem ou posição social.
Neste capítulo veremos Deus rompendo as barreiras ainda existentes
nos corações, principalmente, dos apóstolos com relação a aceitação da salvação
dos gentios. Deus sanou estas barreiras, promovendo um encontro
entre duas pessoas: Cornélio, um gentio interessado no Evangelho, e Pedro,
o pregador judeu. O que Pedro tinha feito desde o Pentecoste? Não é
só o que a pessoa crê, mas o que ela faz com o que crê, que importa. Cristo
havia dito a Pedro que ele seria testemunha. Ele ajudou a iniciar a primeira
igreja, realizou milagres e batizou milhares. Seu trabalho era entre
os judeus.
Encontramos Pedro agora na casa de Simão, o curtidor (At. 10:5,6).
Deus iria mostrar-lhe que o Evangelho era tanto para os gentios como para
A Primeira e Segunda
Viagens de Paulo
(Cap. 10 a 18)
38 O Livro de Atos
os judeus. O muro alto da diferença religiosa precisava ser derrubado.
Pedro foi o homem a quem Deus usou para iniciar essa tarefa. Jesus estava
construindo uma Igreja e queria que tanto judeus como gentios fossem
as pedras vivas com as quais fosse formada (Ef. 2:20-22).
No Pentecoste, Pedro usara as “chaves do reino” confiadas a ele
para abrir a porta do Evangelho aos judeus. Na casa de Cornélio, Pedro
faria uso da chave e abriria a porta que impedia os gentios de entrar no
reino de Deus.
Cornélio foi o primeiro gentio a receber a mensagem do Evangelho.
Ele era um oficial do exército romano em Cesaréia. Possivelmente, ele
fazia parte da guarda do próprio governador e tinha uma posição logo abaixo
deste. Cesaréia fica na costa marítima da Palestina, à noroeste de
Jerusalém, era a capital romana da Palestina.
Lucas descreve Cornélio como piedoso e temente a Deus com toda
a sua casa, que dava esmolas ao povo e orava a Deus. Em um desses
momentos de oração, foi que um anjo, em visão, disse a Cornélio que as
suas orações e as suas esmolas haviam subido para memória diante de
Deus (At. 10:4). Ele nessa ocasião foi instruído a enviar mensageiros a
Jope, para chamar um homem chamado Pedro, que lhe diria o que deveria
fazer.
No mesmo instante Deus preparava Pedro para o encontro com
Cornélio, um gentio. Em Atos 10:9-16, temos a narrativa da experiência
de Pedro antes de os mensageiros de Cornélio chegarem. Se não fosse a
visão especial recebida da parte de Deus, provavelmente Pedro não iria
ao encontro de Cornélio. Pedro obedece a orientação do Senhor e parte
para Cesaréia. O que aconteceu depois, foi que Cornélio e sua família receberam
a Palavra de Deus e repetiu-se a experiência do Dia de Pentecostes,
desta vez, na vida de uma família gentia.
“Enquanto Pedro ainda dizia estas coisas, desceu o Espírito Santo
sobre todos os que ouviam a palavra. Os crentes que eram de circuncisão,
todos quantos tinham vindo com Pedro, maravilharam-se de que
também sobre os gentios se derramasse o dom do Espírito Santo; porque
os ouviam falar línguas e magnificar a Deus. Respondeu então Pedro:
Pode alguém porventura recusar a água para que não sejam batizados
estes que também, como nós, receberam o Espírito Santo? Mandou, pois,
que fossem batizados em nome de Jesus Cristo. Então lhe rogaram que
Semeador 39
ficasse com eles por alguns dias” (At. 10:44-48).
Assim, Cornélio e sua família foram aceitos como membros da Igreja.
Isto deve ter acontecido aproximadamente dez anos depois da fundação
da Igreja em Jerusalém, e não há dúvida de que isso contribuiu para o início
da Igreja de Antioquia.
“Ora, ouviram os apóstolos e os irmãos que estavam na Judéia que
também os gentios haviam recebido a palavra de Deus. E quando Pedro
subiu a Jerusalém, disputavam com ele os que eram da circuncisão, dizendo:
Entraste em casa de homens incircuncisos e comeste com eles” (At.
11:1-3).
Os que eram da circuncisão, começaram a contender com Pedro. Era
muito difícil para eles aceitarem os gentios, principalmente porque não tinham
sido circuncidados conforme o Antigo Testamento mandava fazer.
Eles estavam presos a Antiga aliança. Para os judeus agradar a Deus significa
guardar a Lei. Mas Pedro teve por defesa a explicação de como tudo
aconteceu. Ele fala das palavras que ouviu na sua experiência em Jope: O
que Deus purificou não chames imundo (11:9). O discurso de Pedro silenciou
todas as objeções. Deus tinha batizado os gentios no Espírito Santo, e
este ato foi acompanhado de um sinal, o único e suficiente para ser aceito
sem mais dúvidas.
A partir desse acontecimento o Evangelho é pregado aos gentios em
Antioquia. A quem diga que o Cristianismo dos dias primitivos foi uma
OS FIÉIS ADMIRADOS
É indiscutível a providência divina quanto àqueles homens que da Judéia acompanharam
Pedro até Cesaréia. Aquilo que podemos chamar de prudência da parte de
Pedro, ele o fez movido pelo Senhor. Seriam testemunhas oculares de tudo que iria
acontecer na casa de Cornélio. Foram, pois, estes homens que ficaram admirados
porque também sobre os gentios foi derramado o Espírito Santo. O que aconteceu
foi que a conversão e o recebimento do espírito santo foram simultâneos. É provável
que, se os gentios tivessem somente crido e recebido o perdão da parte de Deus,
sem mais nada, os crentes judeus não teriam crido no testemunho deles, e não lhes
concederiam o batismo em água (EETAD, O Livro de Atos, pág. 83).
40 O Livro de Atos
história de duas cidades - Jerusalém e Antioquia. Após o acontecimento
na casa de Cornélio, os demais apóstolos, aprovando a atitude de Pedro,
contribuíram para que o Evangelho expandisse mais e mais entre os gentios,
de modo que a segunda igreja cristã foi fundada a partir desse episódio.
No restante do capítulo 11, a Palavra de Deus era anunciada entre os
gregos em Antioquia e aconteceu que a mão do Senhor era com eles, e
grande número creu e se converteu (11:21).
Com a notícia da formação de uma igreja gentílica na sua maioria,
os apóstolos enviam a Barnabé para averiguar os fatos. Ele fica maravilhado
em ver a mistura de judeus e gentios, e também, com os sinais e
prodígios que se faziam no meio deles (11:22,23).
Nessa igreja um novo nome foi dado aos discípulos de Jesus. Em
Antioquia eles foram chamados cristãos pela primeira vez (11:26). É interessante
notar que a igreja tinha perdido contato com Saulo. Não estavam
interessados no que havia acontecido com ele, mas Barnabé foi procurá-lo
(11:25). Ele tinha mantido contato com Saulo todos esses anos. Se não
fosse Barnabé, ele poderia ter permanecido na obscuridade a vida toda.
Juntos Saulo e Barnabé continuaram a promover a grande obra que Deus
iniciara em Antioquia.
“Por aquele mesmo tempo o rei Herodes estendeu as mãos sobre
alguns da igreja, para os maltratar; e matou à espada Tiago, irmão de JoÁGABO,
PROFETA EM ANTIOQUIA
Em Atos 11:27, nos diz que alguns profetas de Jerusalém desceram até Antioquia. E
levantando-se um deles de nome Ágabo anunciou na igreja de Antioquia, que estava
por vir grande e generalizada fome sobre o mundo. Suetônio, historiador romano,
confirma que no reinado do imperador Claúdio César foi assinalado que não houve safras
em certos anos. Diz-nos mais o historiador Josefo que por volta do ano 46, a Palestina
foi duramente castigada pela fome, e que a rainha-mãe judia, de Adiabene, no
norte da Mesopotâmia, comprou trigo no Egito e figos em Chipre para acudir as necessidades
dos judeus na Palestina. Nesse tempo, Saulo e Barnabé foram enviados a Jerusalém
pela igreja de Antioquia, conduzindo o produto duma coleta especial que a igreja
levantara para ajudar os cristãos palestinenses em sua situação angustiosa (EETAD, O
Livro de Atos, pág. 85).
Semeador 41
ão” (At. 12:1,2). Esse se constituiria o terceiro grande ataque contra os
discípulos. Herodes estava sempre pronto a fazer alguma coisa contra os
judeus cristãos. Ele manda matar Tiago, irmão de João. Foi o primeiro apóstolo
a morrer como mártir. Morreu pela causa de Deus. Herodes vendo
que sua atitude agradara aos líderes religiosos judeus, manda prender também
a Pedro. A situação parecia muito ruim. Tiago fora morto. Herodes
mantinha Pedro na prisão vigiado por dezesseis soldados. Todavia a igreja
permanecia em oração. E as suas orações não demoraram a ser atendidas.
Na noite anterior a sua execução, Pedro dormia tão tranqüilamente,
que o anjo teve de tocar-lhe a fim de despertá-lo do sono, e disse-lhe: Cinge-
te e calça as tuas sandálias. E ele o fez. Disse-lhe mais: Cobre-te com
a tua capa e segue-me (12:8). A libertação de Pedro é um dos acontecimentos
mais maravilhosos que temos narrado no Novo Testamento (leia o
trecho de Atos 12: 9-11). Liberto da cadeia, Pedro foi à casa de Maria,
mãe de João Marcos, onde os discípulos estavam reunidos e orando.
“Mas Pedro continuava a bater, e, quando abriram, viram-no e pasmaram.
Mas ele, acenando-lhes com a mão para que se calassem, contoulhes
como o Senhor o tirara da prisão, e disse: Anunciai isto a Tiago e aos
irmãos. E, saindo, partiu para outro lugar” (At. 12:16,17).
Aconteceu que quando já era dia os soldados estavam alvoroçados
sem saber o que tinha acontecido com Pedro. Herodes estava bastante irritado
com a situação. Em Atos 12: 21,22, Herodes teve a petulância de querer
ser visto pelo povo como se fosse Deus. Por causa disto, subitamente,
o anjo de Deus o feriu e morreu comido por vermes.
PAULO O MISSIONÁRIO
Estamos agora diante do missionário PAULO – homem que, diríamos, viveu intensamente
o antes e o depois. Isto é, antes de Cristo e, depois de Cristo. Dois períodos—
dois nomes. No seu tempo “antes de Cristo”, foi de Tarso a Damasco. Era o
valente SAULO. No seu tempo “depois de Cristo”, ou, melhor dizendo, “depois
com Cristo”, foi de Damasco até Óstia (porto de Roma). Era o intrépido PAULO.
Com Paulo o Evangelho deixaria de ser um dom judaico e se tornaria um patrimônio
outorgado por Deus a todos os povos. A Igreja adquiria uma visão global da
vontade de Jesus que era de tornar conhecida a todas as nações, tribos, povos e línguas—
a vontade salvadora de Deus (EETAD, O Livro de Ato, pág. 95)
42 O Livro de Atos
A partir do capítulo 13 nos é apresentada a maior etapa do desenvolvimento
da Igreja. No início, o Evangelho era algo somente para os
judeus, depois foi levado aos judeus gregos e helenistas, mas por último
se difundiu a todos os gentios.
A primeira viagem missionária do apóstolo Paulo
(cap. 13,14)
Havia chegado o tempo de iniciar a história missionária da evangelização
dos gentios, indicada pelo Espírito Santo aos profetas pertencentes
à igreja de Antioquia, os quais, por ordem divina separaram a Barnabé
e a Saulo esta obra a que Deus os havia chamado. Obedecendo à direção
divina e com o apoio da igreja de Antioquia, o apóstolo iniciou a primeira
viagem missionária, por volta do ano 45 a 50.
Barnabé, que era o mais velho, dirigia o movimento, mas Saulo,
em breve, ocuparia o primeiro lugar por causa de seus dotes oratórios.
Saíram de Antioquia para Selêucia, dali foram para Chipre, pátria de
Barnabé. Desembarcando em Salamina, na costa de Chipre, começaram a
trabalhar, como de costume, nas sinagogas. Percorreram toda a ilha até
chegarem a Pafos, na costa sudoeste.
Neste lugar despertaram a atenção de Sérgio Paulo, procônsul romano.
Saiu-lhes ao encontro, com violenta oposição, um feiticeiro judeu,
chamado Barjesus, também conhecido por Elimas o mago, que previamente
havia conseguido a proteção do procônsul (13:6,7). Paulo resistiulhe
indignado e repreendeu-o severamente, e feriu-o de cegueira. Resultou
disto a conversão de Sérgio Paulo (13:8-12).
No versículo 9, do capítulo 13, Saulo é citado pela primeira vez como
Paulo: “Todavia Saulo, também chamado Paulo, cheio do Espírito
Santo (...)”. A partir desse capítulo Saulo é chamado de Paulo.
Partindo de Chipre, o grupo de missionários de que Paulo era agora
o líder, navegaram para a Ásia Menor e chegaram a Perge na Panfília.
Ali, João Marcos, por motivos ignorados, deixou os seus companheiros e
regressou a Jerusalém. Os dois, Paulo e Barnabé não se detiveram em
Perge, dirigiram-se para o norte, chegaram à Frígia e foram até Antioquia
da Pisídia. Esta era a cidade principal da província romana de Galácia.
Entraram na sinagoga judaica, e a convite dos chefes da sinagoga, profeSemeador
43
riu o grande discurso, registrado em Atos 13:16-41. Este discurso fomentou
a odiosidade dos judeus, mas impressionou a alguns outros e ainda
mais aos gentios que já estavam sob a influência da sinagoga e formavam o
laço de união entre esta e o mundo gentílico para o trabalho de Paulo. No
sábado seguinte deu-se o rompimento entre a sinagoga e os missionários
cristãos, de modo que estes passaram a dirigir-se aos gentios. O povo da
cidade, excitado pelos judeus, levantou-se contra Paulo e Barnabé e os lançaram
fora (13:50).
De Antioquia passaram a Icônio, outra cidade da Frígia, onde uma
copiosa multidão de judeus e de gregos se converteram à fé. Aqui também
houve forte resistência por parte dos judeus incrédulos, irritando os ânimos
dos gentios contra seus irmãos. Daqui, passaram para Listra e Derbe,
cidades importantes da Licaônia (14:1-6).
Em Listra, o apóstolo Paulo curou um homem coxo desde o ventre
materno. O povo, tendo visto o milagre, levantou a voz dizendo: “Estes
são deuses que baixaram a nós em figura de homens; chamavam a Barnabé,
Júpiter e a Paulo Mercúrio” (At. 14:11,12). A popularidade de Paulo
durou pouco. Irrompeu nova perseguição, instigada pelos judeus (14:19),
apedrejando-o e lançando-o fora da cidade como morto.
Rodeando-o os discípulos, e levantando-se ele, entrou na cidade e no
dia seguinte, partiu com Barnabé para Derbe. Seria possível aos dois missionários
passar por Tarso e irem diretamente de regresso a Antioquia da
Síria. Mas não quiseram voltar sem antes consolidar a existência das novas
igrejas. Portanto, fizeram o caminho de volta pelas cidades antes visitadas
indo de Derbe até Perge, organizando igrejas e animando os discípulos. E
então retornaram a Antioquia da Síria (14:21-26).
E assim terminou a primeira viagem missionária do apóstolo. Esta
viagem compreendia todas as regiões para o lado do ocidente, já ocupadas
pelo Evangelho.
O Concílio de Jerusalém (cap. 15)
Os grandes resultados da obra de Paulo entre os gentios, provocaram
sérias controvérsias dentro da igreja. Certo número de cristãos, vindos do
judaísmo, foram a Jerusalém para Antioquia , ensinando ali que não poderiam
ser salvos os gentios convertidos a menos que fossem primeiramente
44 O Livro de Atos
circuncidados. Alguns anos antes, Deus havia revelado à igreja por meio
do apóstolo Pedro, que os gentios deviam ser recebidos na igreja sem a
observância das leis de Moisés.
Porém os fariseus restritos, convertidos ao Cristianismo (15:5), não
se conformação com esta doutrina vencedora na igreja da Antioquia, de
tal maneira perturbaram a consciência dos irmãos, que eles resolveram
mandar Paulo e Barnabé, acompanhados de outros irmãos, a Jerusalém
para consultarem os apóstolos e os anciãos sobre este assunto.
Paulo e Barnabé mostraram à igreja mãe o que Deus havia feito por
intermédio deles. Diante da oposição dos elementos judaicos reuniu-se
um concílio dos apóstolos e dos anciãos (15:6-29).
Pedro recordou o fato da conversão de Cornélio; Paulo e Barnabé
relataram os fatos que se deram em sua viagem missionária; Tiago, irmão
do Senhor, fez lembrar a profecia, anunciando a vocação dos gentios. resolveram
então aceitar como irmãos os conversos não circuncidados, exortando-
os apenas a se absterem de certas práticas altamente ofensivas
aos judeus. A vitória do apóstolo Paulo nesta questão serviu para conservar
a unidade da igreja e garantir a liberdade dos gentios.
O resultado da assembléia foi uma carta explicando a decisão tomada,
com o seguinte teor (At. 15:23-29):
“Aos irmãos, apóstolos e anciãos, aos irmãos dentre os gentios
em Antioquia, Síria e Cicília.
Saudações!
Portanto ouvimos que alguns dentre nós, aos quais nada mandamos,
vos têm perturbado com palavras, confundindo as vossas
almas, pareceu-nos bem, tendo chegado a um acordo, escolher
alguns homens e enviá-los com os nossos amados Barnabé e
Paulo, homens que têm exposto as suas vidas pelo nome de nosso
Senhor Jesus Cristo. Enviamos portanto Judas e Silas, os
quais também por palavra vos anunciarão as mesmas coisas.
Porque pareceu bem ao Espírito Santo e a nós não vos impor
maior encargo além destas coisas necessárias: Que vos abstenhais
das coisas sacrificadas aos ídolos, e do sangue, e da carne
sufocada, e da prostituição; e destas coisas fareis bem de vos
guardar”.
Semeador 45
A segunda viagem missionária do apóstolo Paulo
(cap. 15:36 - 18)
Paulo e Barnabé não haviam dito aos gentios nada sobre o cumprimento
da lei de Moisés. Isso como pudemos ver trouxe muitas discordância na
igreja de Jerusalém. Eles apenas afirmaram aos gentios: Crê no Senhor Jesus,
e serás salvo. Após terem solucionado o problema quanto a necessidade
do gentio passar pela circuncisão e aceitar as leis e cerimônias judaicas,
antes de tornar-se cristão, Paulo e Barnabé concordaram em visitar novamente
às igrejas estabelecidas durante a primeira viagem missionária.
Porém desta vez Paulo acha por bem que João Marcos não os acompanhe
já que os havia deixado no meio da outra viagem. Este ponto acabou por
trazer discórdia ente ele e Barnabé. E aconteceu que os dois acabaram se separando.
Barnabé prosseguiu com João marcos para Chipre, enquanto que
Paulo levando consigo Silas saiu a percorrer a Ásia Menor.
Primeiro visitaram as igrejas da Síria e da Cilícia; depois passaram para
o lado do norte, atravessaram as montanhas do Tauro e passaram às igrejas
que Paulo havia fundado na sua primeira viagem. Foram a Derbe e a Listra.
Nesta última cidade, Paulo encontrou Timóteo e tanto se agradou dele
que o levou consigo. Timóteo veio a ser tornar fiel amigo e companheiro de
Paulo nos anos seguinte. “Quando iam passando pelas cidades, entregavam
aos irmãos, para serem observadas, as decisões que haviam sido tomadas
pelos apóstolos e anciãos em Jerusalém. Assim as igrejas eram confirmadas
na fé, e dia a dia cresciam em número” (At. 16:4,5).
Saindo de Listra passou para Icônio e para Antioquia da Psídia. E passando
pela Frígia e pela província da Galácia, foram impedidos pelo Espírito
Santo de anunciar a palavra na Ásia. Depois partiram até Mísia e intentavam
passar à Bitínia, mas foram de novo impedidos pelo Espírito Santo. E, tendo
saído de Mísia, desceram a Trôade. Essa cidade ficava perto da antiga Tróia.
Em Trôade, Paulo teve a visão com o varão que o rogava: “Passa à Macedônia
e ajuda-nos” (16:9). Obedecendo a esse chamado, os missionários
juntamente com Lucas, dirigem-se para a Europa e desembarcando em Neápolis,
seguem logo para a importante cidade de Filipos (16:11-40).
Aqui fundaram uma igreja, que sempre foi cara ao coração de Paulo.
Aqui também, pela primeira vez, entrou em conflito com os magistrados romanos,
servindo-se então dos seus direitos de cidadão romano em favor de
seu trabalho.
46 O Livro de Atos
A primeira pessoa convertida nessa cidade foi Lídia, negociante de
púrpura, vinda de Tiatira. Possivelmente foi ela a organizadora da igreja
naquela cidade. Filipos foi a primeira igreja fundada por Paulo na Europa,
uma das suas igrejas mais fiéis, talvez a única, da qual recebeu ajuda pelos
seus trabalhos. Não podemos nos esquecer que foi ainda na cidade de Filipos
que se deu a dramática conversão do carcereiro (16:27-40).
De Filipos, onde Lucas ficou, Paulo e Silas e Timóteo foram para a
maior cidade da Macedônia, Tessalônica. A deficiência de informaçòes sobre
o trabalho neste lugar (At. 17:1-9), é suprida pelas alusões que a ele fazem
as duas epístolas àquela igreja. Eles alcançaram grandes resultados
entre os gentios e lançaram com grande cuidado os alicerces da igreja. Mas
alguns judeus desobedientes e religiosos, movidos de inveja, os acusaram
de “alvoroçar o mundo”, elogio que não foi pequeno à magnitude de sua
obra. De Tessalônica, seguiram para Beréia, onde tiveram um ministério
bem aceito. Deste lugar, após valiosos resultados até mesmo dentro da sinagoga,
seguiram para Atenas (At. 17:15-34).
Atenas durante mil anos (500 a.C.- 500 d.C), foi o centro da filosofia,
da literatura, da ciência, da arte; a sede da maior universidade do mundo.
Atenas era regida por um conselho denominado Aerópago. Esse conselho
O DISCURSO DE PAULO
No Aerópago, Paulo disputara com os adeptos das duas mais ilustre escolas de Atenas
formadas pelos estóicos e epicureus. O seu discurso perante aquele grupo de pessoas
começou com uma referência ao DEUS DESCONHECIDO: “passando eu e observando
os objetos do vosso culto, encontrei também um altar em que estava escrito: AO DEUS
DESCONHECIDO. Esse, pois, que vós honrais sem o conhecer, é o que vos anuncio” (At.
17:23). Paulo declarou, pois, que a sua missão era tornar conhecido esse Deus que todos
os atenienses adoravam sem conhecê-lo. E prossegui conclamando todos a se arrependerem,
porquanto Deus tem determinado um dia em que com justiça há de julgar o
mundo, por meio do varão que para isso ordenou; e disso tem dado certeza a todos, ressuscitando-
o dentre os mortos (17:31). Os ouvintes, que até então haviam se mostrado
interessados nas palavras de Paulo, passam a discordar com ele, pois tinha mencionado
“ressurreição”. Passaram a escarnecer e zombar do que Paulo dizia. A imortalidade da
alma era um ponto comum entre eles, mas a ressurreição do corpo era tão absurda
quanto indesejável (EETAD, O Livro de Atos, pág. 105,106).
Semeador 47
tinha também autoridade sobre tudo o que era ensinado. Atenas era uma cidade
religiosa - suas ruas eram cheias de ídolos, altares e templos. A estada
do apóstolo nesta cidade foi sem resultados. O que de mais importante se
deu foi o brilhante discurso por Paulo proferido no Aerópago em presença
de filósofos gregos, no qual o apóstolo fez apreciações sobre as verdades que
o Evangelho continha.
Dali, Paulo segue para Corinto, uma das principais cidades do Império
Romano, onde se deteve por dezoito meses e fundou uma forte igreja (At.
18:1-18). Travou também relações com um casal de judeus, Áqüila e Priscila
e hospedou-se em sua casa. A princípio pregava na sinagoga, depois, por
causa da oposição dos judeus, passou a pregar em casa de um homem chamado
Tito Justo, que servia a Deus, próxima a sinagoga. E muitos dos coríntios,
ouvindo-o, creram e foram batizados (v. 8). Merece destaque a conversão
de Crispo, principal da sinagoga, juntamente com toda a sua família. De
Corinto escreveu as epístolas aos Tessalonicenses com o propósito de advertir
os irmãos contra certas doutrinas e práticas nocivas que ameaçavam a igreja.
As hostilidades dos judeus continuavam. Então os judeus levantaramse
contra Paulo e o acusaram de violar a lei diante do procônsul da Acaia,
Gálio. O procônsul decidiu que a questão devia ser resolvida pelo líderes da
sinagoga e que o Paulo não havia violado lei alguma que exigisse a sua intervenção.
Nesta época, o império romano defendia os cristãos das violências
dos judeus, deste modo eles podiam continuar o trabalho sem embaraço.
UM CERTO JUDEU CHAMADO APOLO (AT. 18:24,25)
Chegou a Éfeso, Apolo, natural de Alexandria, homem eloqüente e poderoso nas
Escrituras. Era ele instruído no caminho do Senhor e, sendo fervoroso de espírito,
falava e ensinava com precisão as coisas concernentes a Jesus, conhecendo entretanto
somente o batismo de João. Apolo estava despertando o interesse na sinagoga de
Éfeso, com palavras de grande poder. Como ele conhecia o batismo de João, Áqüila
e Priscila, apressaram-se por ensinar-lhe o caminho do Senhor, conforme os ensinos
que haviam recebido de Paulo. Devidamente preparado, Apolo decidiu seguir
para a Grécia, mas os irmãos recomendaram-no à igreja de Corinto. Seu trabalho foi
de tão grande proveito para aquela igreja que Paulo mais tarde escreveu: “Eu plantei,
Apolo regou”(I Co. 3:6). Estas palavras de Paulo foram escritas em razão dos
partidos que estavam se formando no seio da igreja de Corinto, em torno das pessoas
de Paulo e Apolo (EETAD, O Livro de Atos, pág. 108).
48 O Livro de Atos
De Corinto vai para Éfeso, onde não se demorou. Éfeso, na época era
a metrópole da Ásia Menor. Ficava à margem da estrada imperial que ia de
Roma para o Oriente, sede do culto a deusa Diana. Segue então para Cesaréia
e daí apressadamente para Jerusalém. Havendo saudado a igreja mãe,
voltou a Antioquia de onde havia partido. Assim terminou ele a segunda
viagem missionária de que resultou o estabelecimento do Cristianismo na
Europa. A Macedônia e a Acaia estavam evangelizadas. O Evangelho havia
dado grande passo para a conquista do império romano.
MAPA DA PRIMEIRA VIAGEM:
Semeador 49
MAPA DA SEGUNDA VIAGEM:
50 O Livro de Atos
EXERCÍCIO 3
Marque Certo ou Errado:
1. ___ Deus preparou Pedro, através de uma visão, para ir ao encontro de
Cornélio, a fim de que ele e todos de sua casa fossem salvos.
2. ___ Os judeus presos a Antiga Aliança, recusaram-se a aceitar os gentios
se não fossem circundados.
3. ___ Os ataques das forças do mal contra os cristãos foram desencadeadas
por Herodes Agripa I.
4. ___ Enquanto, dormia na prisão, ele foi libertado por um anjo. Isso aconteceu
com Barnabé.
5. ___ Paulo fez sua primeira viagem missionária por volta dos anos 45 a 50.
6. ___ Barnabé e Silas foram os dois missionários que participaram da primeira
viagem missionária.
7. ___ Reunidos no Concílio em Jerusalém, Pedro acabou apoiando a argumentação
de Paulo.
8. ___ Barnabé não quis levar João Marcos na segunda viagem missionária.
O Livro de Atos
A TERCEIRA VIAGEM DE PAULO

Semeador 53
O apóstolo Paulo tinha como meta principal evangelizar
os povos gentílicos. As perseguições sofridas em sua
primeira e segunda viagens missionárias não o desestimularam,
pelo contrário, ele estava disposto a enfrentar
todas as dificuldades. Chega então, o momento do apóstolo empreender
sua terceira viagem missionária. Depois de algum tempo em Antioquia da
Síria, talvez no ano 54, Paulo deu início à sua terceira viagem. Primeiro
atravessou a região da Galácia e da Frígia a fim de estabelecer os discípulos,
depois partiu para Éfeso. Parece que a anterior proibição de pregar o
Evangelho na Ásia, havia sido removida.
Éfeso era a capital da Ásia e uma das cidades de maior influência
no oriente. Ela era talvez, com exceção de Roma, a maior cidade do
mundo e a mais cosmopolita. Paulo gastou três anos de seu ministério
nesta cidade. Éfeso era famoso por seu luxo, por sua licenciosidade e pelo
culto da deusa Diana. Os anos que o apóstolo passou nesta região têm
muita coisa interessante. Uma dos acontecimentos marcantes foram os
convertidos entusiastas que queimaram seus livros de artes mágicas e jogaram
fora os ídolos de prata. Houve uma grande fogueira em Éfeso.
Bênçãos como essas não podiam ficar por muito tempo sem oposição. Se
lermos o capítulo 19 até o fim, veremos os resultados do trabalho de Paulo.
Os artífices de prata fizeram um alvoroço e os apóstolos foram salvos
graças à intervenção das autoridades locais.
Em suas viagens, Paulo escrevia suas maravilhosas cartas; hoje as
lemos com grande proveito e interesse. De Éfeso ele mandou sua primei-
Paulo, o prisioneiro do
Senhor (Cap. 19 A 28)
54 O Livro de Atos
ra carta aos Coríntios. Depois de outros lugares, escreveu as cartas de
Gálatas, de Romanos e a segunda aos Coríntios.
Lucas deixa claro neste capítulo, que Éfeso já tinha sido alcançada
pelo Evangelho antes de Paulo chegar. Ele registra nos primeiros sete
versículos do capítulo 19, o encontro de Paulo com uns doze discípulos
de João Batista em Éfeso. Eles haviam aceito a mensagem pregada por
João, tinham se arrependido e sido batizados em água. Ao que parece eles
ainda esperavam a chegada do Messias. Depois de terem ouvido a respeito
de Jesus por meio de Paulo, creram e nasceram de novo pelo Espírito.
Durante três meses Paulo ensinou na sinagoga e depois durante dois
anos ensinou na escola de Tirano. Era a sala de aula de um filósofo, uma
pequena sala de aula de onde Paulo abalou a cidade até os alicerces. O
seu trabalho nesta cidade notabilizou-se pela riqueza de instrução, pela
operação de portentosos milagres e pelos resultados obtidos, porque todos
que habitavam na Ásia ouviram a palavra do Senhor e até mesmo alguns
dos principais da Ásia eram seus amigos. O trabalho desempenhado também
se notabilizou pelo tamanho cuidado que tinha de todas as igrejas.
Mas, como sempre, foi marcado também pela constante e feroz persegui-
RAZÕES DA OPERAÇÃO DE DEUS EM ÉFESO
Esses milagres especiais foram concedidos com os seguintes propósitos: (1) Derrotar
Satanás. Na região de Éfeso havia uma fortaleza do poder do diabo; (2) Desmascarar
embusteiros. Haviam mágicos que se diziam possuidores de poderes sobrenaturais para
operar maravilhas e milagres entre o povo; (3) Propagar o Evangelho. Paulo era desconhecido
naquela cidade de modo que, se não houvesse uma operação sobrenatural do
poder de Deus confirmando suas declarações, ele seria facilmente confundido com os
inúmeros mestres de religião, filósofos ou importadores de seitas que perambulavam
pelas ruas de Éfeso; (4) Libertar os prisioneiros de Satanás. Este tipo de ministério possibilitou
a Paulo exercer seu ministério de cura entre as pessoas que não podiam estar
presentes nas reuniões, e entre aqueles que estavam em cidades distantes. O resultado
da grande operaçào divina através de Paulo em Éfeso, foi que muitos daqueles que tinham
estreitos laços com a magia, se converteram a Cristo de forma tão completa, que
duma só vez queimaram livros, relacionados ao antigo modo de vida e de um grande
valor monetário (EETAD, O Livro de Atos, pág. 115).
Semeador 55
ção contra o seu ministério. Este período da vida do apóstolo é rico em
incidentes. Muitas cousas se deram que não se encontram em Atos.
De Éfeso através da Macedônia, Paulo chegou a Corinto, na Grécia
(At. 20:1-3), no inverno do ano 57-58. Durante a sua estada, completou
o serviço de organização e regulou a disciplina da igreja. Sua visita a Corinto
foi memorável pois foi a ocasião em que escreveu a epístola aos romanos,
em que expôs com toda clareza a doutrina referente à salvação da
alma. Agora inicia a sua última viagem a Jerusalém, acompanhado de
amigos, representantes das várias igrejas dos gentios (20:4). O trabalho
de Paulo entre gentios sofreu grande oposição da parte dos judeus e até
mesmo de cristãos vindos do judaísmo que tentavam desprestigiá-lo. Resultou
daí o plano de provar a lealdade das igrejas dos gentios, induzindoas
a enviar ofertas liberais aos pobres da Judéia. Foi para este fim que ele
e seus amigos saíram de Corinto com destino a Jerusalém. O seu primitivo
plano era de navegar diretamente para a Síria, mas uma conspiração
dos judeus, o obrigou a voltar pela Macedônia. Demorou-se em Filipos
enquanto que seus companheiros caminhavam para Trôade. Depois da
festa da Páscoa ele e Lucas foram para Trôade, onde os companheiros o
esperavam e onde se demoraram por sete dias. Havia lá uma igreja. Lucas
dá-nos interessante notícia do que se passou nas vésperas da partida
do apóstolo. Paulo estava pregando um longo sermão quando por volta da
meia-noite deu-se o fatal incidente com um jovem chamado Êutico (20:7-12).
De Trôade caminhou Paulo para Assôs que ficava distante cerca de
vinte milhas, para onde haviam embarcado seus companheiros. Deste
porto, navegaram para Mitilene que ficava na costa oriental da ilha de
Lesbos, e costeando pela banda do sul, passaram entre a terra firme e a
ilha de Quios; no dia seguinte aportaram em Samos e no outro, chegaram
a Mileto. Esta cidade estava a 36 milhas de Éfeso, e, como Paulo tivesse
pressa, resolveu não ir lá, e, por isso, mandou chamar os presbíteros da
igreja. Em Mileto fez as suas despedidas de modo muito emocionante
(20: 17-38). Não havia palavras capazes de exprimir mais vivamente a
dedicação pela sua obra e o amor que votava a seus irmãos convertidos.
“E, agora, eis que eu, constrangido no meu espírito, vou a Jerusalém,
não sabendo o que ali acontecerá” (20:22). Sob a unção do Espírito
Santo, Paulo prosseguia de vitória em vitória. Ele sabia o que lhe aguardava,
por isso disse: “o Espírito Santo me testifica, de cidade em cidade,
56 O Livro de Atos
dizendo que me esperam prisões e tribulações” (20:23). “Havendo dito
isto, pôs-se de joelhos, e orou com todos eles. E levantou-se um grande
pranto entre todos, e lançando-se ao pescoço de Paulo, beijavam-no. Entristecendo-
se principalmente pela palavra que dissera, que não veriam
mais o seu rosto. E eles o acompanharam até o navio” (At. 20:36-38).
Partindo de Mileto, o navio seguiu diretamente a Cós (At. 21:1); no
dia seguinte chegaram a Rodes; de Rodes passaram a Pátara, nas costas
da Lícia. Achando um navio que ia para Fenícia, entraram nele, e partiram.
Depois de estarem à vista de Chipre deixando-a à esquerda, chegaram
a Tiro, onde demoraram sete dias. Inspirados pelo Espírito Santo,
os discípulos instavam com Paulo para não ir a Jerusalém. Depois de uma
afetuosa despedida partiram para Ptolemaida, que hoje se chama Acre e
no dia seguinte chegaram a Cesaréia. Encontram Filipe, o evangelista,
novamente e Paulo hospeda-se em sua casa (21:8). Aqui também o profeta
Ágabo, tomando a cinta de Paulo, atando-se os seus próprios pés e
mãos, disse: “Assim os judeus ligarão em Jerusalém o homem a quem
pertence esta cinta, e o entregarão nas mãos dos gentios” (21:11b). A
despeito destas alarmantes predições e das lágrimas dos irmãos, ele seguiu
viagem, acompanhado de alguns de seus discípulos.
Com sua chegada a Jerusalém (21:17), finda-se a terceira viagem
missionária do apóstolo Paulo. Em breve se cumpririam as palavras de
Ágabo. Em Jerusalém Paulo foi cordialmente recebido pelos cristãos. Por
outro lado, ele foi informado de que os crentes judeus continuavam fiéis à
Lei, ainda que não obrigassem os gentios a acompanhá-los. No dia seguinte
à sua chegada, foi à casa de Tiago, irmão do Senhor, onde se haviam
congregado os anciãos, aos quais contou todas as cousas, que Deus
tinha feito entre os gentios por seu ministério. Ouvindo isto, engrandeceram
a Deus. Ao mesmo tempo disseram-lhes irmãos que muitos dos judeus
que estavam entre os gentios, haviam dado más notícias a seu respeito,
que punham em dúvida a sua fidelidade às Leis de Moisés. Era necessário,
pois, que ele desse provas visíveis que o justificassem. Aconselharam-
no a que tomasse consigo a quatro varões que tinham voto sobre
si, que os levasse ao templo, que se santificasse com eles e fizesse o pagamento
das despesas que envolviam a cerimônia. A isto Paulo acedeu de
bom grado porque era seu desejo agradar os judeus (At. 21:23-26).
Mas tudo isso não surtiu efeito. Certos judeus da Ásia o viram no
Semeador 57
templo e o acusaram de haver introduzido gentios no templo, então lançaram
mão de Paulo e tumultuaram o ambiente. O povo arrastou Paulo para
fora do templo e o teriam assassinado, se o tribuno Cláudio Lísias não tivesse
corrido para o lugar do conflito, arrebatando Paulo das mãos do povo,
levou-o para a prisão. Paulo, com permissão do tribuno, pondo-se em
pé sobre os degraus da fortaleza, fez sinal ao povo com a mão, para falar
(22: 1:21). Concedida a oportunidade, Paulo contou que era judeu de
Tarso, o que ele fez na língua hebraica. Ele fez um resumo da sua vida,
do seu nascimento, formação, religião, conversão, até ao ponto em que
falou que foi comissionado a evangelizar os gentios, quando de novo o
povo rompeu em gritos para que o matassem.
Neste ponto tribuno o mandou recolher à prisão, e que o açoitassem
e lhe dessem tormento. Tendo-o atado com muitas correias, disse Paulo a
um centurião: “É-vos lícito açoitar um cidadão romano, sem ser ele condenado?”
(22:25). Sabendo disto, Lísias, o mandou desatar, ordenando
que o conselho dos sacerdotes tomasse conhecimento do caso. O comparecimento
de Paulo perante o conselho provocou novo tumulto (23:1-10).
O apóstolo estava agora defendendo a vida, não podia esperar justiça. Se
fosse condenado, o tribuno Lísias entregá-lo-ia para ser executado. Co
muita habilidade dividiu a opinião de seus inimigos; dizendo que professava
ser fariseu, e queriam condená-lo por pregar a ressurreição dos mortos.
O ódio entre fariseus e saduceus era mais forte do que os dois juntos
AS ACUSAÇÕES CONTRA PAULO
As queixas contra Paulo eram de natureza política e religiosa: Paulo era, segundo o
conceito dos judeus, “uma peste”, criador de dissensões entre os próprios judeus de
todo o mundo e o cabeça da seita dos nazarenos (24:5). Também foi acusado de profanar
o templo, por ter introduzido gentios nele. A acusação de ser um tumultuador e
sedicioso era a mais grave que se podia apresentar a um tribunal romano, e a esperança
de ver Paulo condenado os levou a frisar mais o aspecto político do que o religioso.
Quando usaram a palavra “seita” no versículo 5, foi para descrever Paulo como uma
pessoa de má fama, já que esse termo no grego significa originalmente “partido”, por
isso ele foi empregado. Ao Cristianismo ainda não se havia concedido direitos de religião
lícita dentro do Império Romano, e por isso o judaísmo podia julgá-lo como seita,
infiel e ilegal (EETAD, O Livro de Atos, pág. 131).
contra Paulo. As duas seitas tomaram oposições opostas. O tribuno, receando
que Paulo fosse trucidado entre as duas facções, mandou que os soldados
o arrebatassem das mãos da multidão e o metessem na prisão.
Naquela noite, o Senhor apareceu a Paulo em visão dizendo-lhe:
“Tem bom ânimo: porque, como deste testemunho de mim em Jerusalém,
assim importa que o dês também em Roma” (23:11). O tribuno ficou sabendo
que havia uma conspiração para exterminar com Paulo, então mandou
que o levassem para Cesaréia, com uma carta ao procurador romano
da Judéia, Félix, para que ele resolvesse o caso (23:12-33). Quando Félix
soube que o acusado era da Cilícia, determinou que se esperasse a vinda
dos acusadores. Entretanto, conservou-o em segurança no palácio de Herodes,
que servia de pretório, ou residência do procurador.
Cinco dias depois, uma delegação do Sinédrio de Jerusalém, tendo
o sumo sacerdote Ananias à frente, chegou em Cesaréia (24:1-9). Foi
junto com a delegação, Tértulo, uma espécie de advogado,. Foi apresentar
acusação contra Paulo. Começou com um discurso num estilo pomposo,
mas foi se degenerando até não dar em nada.
A isto, Paulo respondeu com formal negação, apelando o para o
testemunho de seus acusadores (24:10-21). Paulo respondeu a cada uma
das três acusaçòes, a saber: a de ser um agitador, a de ser líder de uma
seita, e a de haver tentado profanar o templo. Negou ter perturbado a paz
em Jerusalém, pois ali foi para adorar e trazer ao seu povo esmolas e ofertas.
O Sinédrio viu-se impossibilitado de acusá-lo de qualquer coisa, a
não ser do ponto de vista teológico sobre a ressurreição.
Félix estava perfeitamente informado, e sabia que Paulo não havia
cometido nenhum crime que merecesse a morte. Despediu os acusadores
adiando o julgamento para quando chegasse o tribuno Lísias. E mandou a
um centurião que o tivesse em custódia sem tanto aperto e sem proibir
que os seus o servissem. Passados alguns dias, vindo Félix com sua mulher
Drusila, que era judia, mandou chamar a Paulo e esteve ouvindo falar
da fé que há em Jesus Cristo (24:24). O apóstolo parece ter exercido
estranha fascinação sobre o procurador que tremeu em sua presença, prometendo
ouvi-lo de novo quando tivesse tempo. Ele também esperava que
Paulo lhe desse algum dinheiro em troca de sua liberdade (24:25,26). O
apóstolo não quis subornar o procurador, que adiou o julgamento. Dois
anos depois, veio Pórcio Festo substituí-lo no governo, e Paulo ainda esSemeador
59
tava na prisão. Os judeus esperavam que o governador lhes fosse mais favorável
do que tinha sido Félix.. Festo vai até a Jerusalém a fim de encontra-
se com o sumo sacerdote e o Sinédrio, para saber das acusações
que haviam contra Paulo (25:1-6). Festo recusa-se a enviar Paulo a Jerusalém
para ser julgado, e convida-os para descerem a Cesaréia para apresentar
as queixas contra ele. Assim fizeram depois de alguns dias. Ainda
desta vez nada puderam provar. Paulo continuava confirmando a sua inocência.
Festo, querendo agradar aos judeus, perguntou a Paulo se queria
ser julgado em Jerusalém,. Sabendo que a sua vida corria perigo, serviuse
de seus privilégios de cidadão romano e apelou para César (25:9-11).
Por este modo o julgamento escapou das mãos do procurador, e o prisioneiro
tinha de ser remetido a Roma.
Antes da saída de Paulo, Agripa II e sua irmã Berenice vieram visitar
Festo. O novo procurador que não era muito versado em controvérsias
judaicas, e como tinha de enviar ao imperador um relatório de informações
sobre o caso, contou a Agripa sobre Paulo. Por sua vez, o rei
mostrou desejos de saber o que o prisioneiro dizia em sua defesa. Agripa
era versado em casos de doutrina e poderia servir para instruir o relatório
que o procurador tinha de mandar para Roma (25:13-27).
A defesa de Paulo perante o rei Agripa, é um dos seus mais notáveis
discursos. Nele revela as qualidades de homem de elevada educação,
a eloqüência de orador e firmeza de cristão. Fala sobre o seu passado afim
de provar que em todos os seus atos procurou sempre servir a Deus,
e que a sua carreira como cristão, não só obedecia a direção divina, como
ao cumprimento das profecias (26: 1-23). Quando Festo o interrompeu,
exclamando: “Tu está louco, Paulo! As muitas letras de fazem delirar!”
(26:24). Paulo vira-se para o rei e diz: “Crês tu nos profetas, ó rei
Agripa? Bem sei que crês”. (26:27). O rei estava disposto a ser simples
observador e crítico do que ele julgava ser um novo fanatismo, e respondeu
com uma frase de desprezo: “Por um pouco me persuades a me fazer
cristão!” (26:28). Contudo estava convencido que Paulo não tinha crime
e que poderia ser posto em liberdade se não tivesse apelado para César
(26: 31,32).
No outono do ano 60, Paulo foi enviado para Roma, confiado juntamente
com outros presos ao cuidado de um centurião chamado Júlio, da
corte Augusta. Lucas foi seu companheiro juntamente com Aristarco de
60 O Livro de Atos
Tessalônica (27: 1,2). Lucas é quem dá o relatório desta viagem com minúcias
muito particulares e de admirável exatidão. O apóstolo foi tratado
com muita cortesia pelo centurião. Embarcando em um navio de Adrumete,
chegaram a Sidom, donde partiram para Mirra na Lícia. E achando ali
o centurião um navio de Alexandria que fazia viagem para a Itália, embarcaram
nele.
Os ventos não eram favoráveis, e por isso foram obrigados a navegar
lentamente e apenas puderam avistar a Cnido na costa da Cária. Tomando
o rumo sul, foram costeando a ilha de Creta, junto a Salmona; navegando
com dificuldade ao longo da costa, abordaram em Bons Portos,
para um breve descanso (27:3-8).
O tempo apresentava-se ameaçador, então Paulo mostra a inconveniência
de se continuar a viagem. Paulo, por uma revelação especial de
Deus disse ao comandante e a tripulação: “Senhores, vejo que a viagem
vai ser com avaria e muita perda não só para a carga e o navio, mas
também para as nossas vidas” (27:10). Mas o centurião deu mais crédito
ao mestre e ao piloto do navio que eram de parecer contrário e desejavam
chegar a Fênix e invernar ali no porto de Creta, onde havia bom ancoradouro
(27:11,12). Logo que saíram de Bons Portos veio contra a ilha um
tufão de vento, que arrojou a nau para o sul, indo dar a uma pequena ilha
chamada Clauda. Alijada que foi a carga, e os aparelhos do navio, navegaram
assim durante catorze dias à mercê dos ventos para os lados do ocidente.
Paulo animava os companheiros, porque o Senhor lhe havia revelado
em sonhos que nenhum deles havia de perecer (27:13-26). Lan-
O CUIDADO DE DEUS
Segundo a lei romana, se os presos escapassem os soldados que estavam de guarda desses
presos, deveriam ser mortos; por isso, neste texto (27: 42)os soldados cheios de
temor, alarmados ante a iminência de uma fuga, pretenderam matar todos os presos.
No entanto o centurião Júlio, que tratava Paulo com certa consideração, não concordou
com essa idéia. Assim, ninguém foi morto. Por causa de Paulo, os soldados foram
impedidos de executarem seu intento. Todos chegaram em terra firme, a promessa do
Senhor, de que ninguém morreria, acabava de se cumprir. (EETAD, O livro de Atos,
pág. 148, 149).
Semeador 61
çando eles a sonda, perceberam que estavam perto de terra, e, lançando
as âncoras, esperavam que viesse o dia. Amanhecido o dia, não encontraram
terra firme, somente uma enseada que tinha uma ribeira, na qual intentavam
encalhar o navio. Pelo que, tendo levantado as âncoras, se entregaram
ao mar, e se encaminharam para a praia (27:27-40). O navio
deu numa língua de terra; a proa afincada permanecia imóvel, ao mesmo
tempo que a popa se abria com a força do mar. Todas se lançaram às ondas;
e, como Paulo havia dito, nenhum deles pereceu (27:41-44).
Nesta emocionante aventura, que Lucas descreve com tanta minúcia,
o proceder de Paulo ilustra muito bem a coragem de um cristão e a
influência que um homem de fé pode exercer sobre os outros indivíduos,
em tempos de perigo. A terra a que haviam chegado era a ilha de Melita
que hoje se chama Malta situada ao sul da Sicília, cujos habitantes receberam
os náufragos com muita cordialidade. Por causa da chuva e do frio
os nativos da ilha, acenderam uma grande fogueira e havendo Paulo ajuntado
uma grande quantidade de vides e pondo-as no fogo, uma víbora,
fugindo do calor lhe acometeu a mão (28:3).Quando viram a víbora dependurada
na mão de Paulo, acharam que “a justiça divina” não lhe permitiria
escapar da morte. Entretanto, ao verem-no lançar a víbora ao fogo,
sem que qualquer mal lhe atingisse, passaram os nativos a uma outra
conclusão, que Paulo seria um deus (28:6).
O procedimento maravilhoso de Paulo ganhou para ele muita honra
e simpatia (28:10). Três meses depois, embarcaram em um navio de Alexandria
que tinha invernado na ilha, no qual chegaram a Siracusa, onde
ficaram três dias. De lá, correndo a costa, foram a Régio, e dois dias
mais, aportaram em Potéoli, a sudoeste da Itália. Ali, Paulo encontrou
ENFERMOS SÃO CURADOS EM MALTA (AT. 7-9)
Paulo sempre aproveitava as oportunidades para desempenhar seu ministério. Durante
os três meses que ali permaneceu, Paulo procurou atender às necessidades do povo nativo.
Lucas diz que ele foi recebido na propriedade de Públio, o principal homem da
ilha. Seu pai estava gravemente enfermo. E Paulo orou e o homem ficou curado, bem
como todos os doentes da ilha que por ele procuraram. Paulo não deixava passar a oportunidade
de proclamar o Evangelho. (EETAD, O Livro de Atos, pág. 151).
62 O Livro de Atos
irmãos em cuja companhia se demorou sete dias (28:11-14). Entretanto a
notícia chegou a Roma. Os irmãos vieram encontrá-lo à Praça de Ápio e
às Três Vendas, nomes de dois lugares distantes de Roma.
O centurião entregou os prisioneiros ao capitão da guarda, que era
o prefeito da guarda pretoriana. Paulo ficou sob a guarda de um soldado
com licença de habitar onde quisesse (28:16). As apelações para César
eram atendidas com muita morosidade. Paulo tinha o desejo de pregar em
Roma, e era da vontade de Deus que ele assim o fizesse. Embora Paulo
fosse fiel, Deus não o proveu de um caminho fácil e livre de problemas.
Passados três dias, Paulo convocou os principais dos judeus para informá-
los dos motivos de sua prisão, designou um dia para dar testemunho
do Reino de Deus, tentando convencê-los a respeito de Jesus, pela lei de
Moisés e pelos profetas, desde a manhã até a tarde. Como não o quisesse
crer, declarou mais uma vez que aos gentios era enviada esta salvação. A
prisão não o impedia de exercer a sua atividade missionária (28:17-31).
As epístolas que ele escreveu neste período, iluminam mais de perto esta
fase de sua história: são as epístolas aos Colossenses, a Filemon, aos Efésios
e aos Filipenses. O livro de Atos termina deixando Paulo na prisão
em Roma.
Mas a história nos conta que, em 63 d.C., aproximadamente, Paulo
foi absolvido e solto. Durante uns poucos anos continuou seus trabalhos
missionários, e talvez tenha ido até à Espanha, conforme planejara. Durante
esse período, escreveu Primeiro Timóteo e Tito. Foi preso de novo
cerca de 67 d. C., e levado de volta a Roma. Segundo Timóteo foi escrito
durante esse segundo encarceramento em Roma. A prisão de Paulo só
terminou ao ser ele decapitado, sofrendo o martírio sob as ordens do imperador
romano Nero.
Semeador 63
MAPA DA TERCEIRA VIAGEM DE PAULO
64 O Livro de Atos
MAPA DA VIAGEM DE PAULO COMO PRISIONEIRO ATÉ ROMA
Semeador 65
EXERCÍCIO:
Marque certo ou errado:
1. ___ Em Éfeso, Paulo conheceu um famoso templo dedicado à deusa grega
Afrodite.
2. ___ Em Éfeso, Paulo exerceu um ministério de milagres e pôde libertar
prisioneiros de Satanás.
3. ___ Enquanto Paulo pregava, em Trôade, um jovem caiu do terceiro andar,
por ter adormecido.
4. ___ Chegando a Cesaréia, Paulo encontra, novamente, um dos sete diáconos.
Seu nome era Estevão.
5. ___ Á medida que Paulo viajava de um porto para outro, ele sabia, que
difíceis momentos o guardavam em Jerusalém.
6. ___ Paulo foi muito mal recebido pelos cristãos em Jerusalém.
7. ___ Paulo foi informado em Jerusalém, que os crentes judeus, continuavam
fiéis à Lei de Moisés.
8. ___ Cláudio Lísias, através de uma carta, apresentou Paulo ao governador
da Judéia chamado Félix.
66 O Livro de Atos
BIBLIOGRAFIA:
􀀉 Bíblia de Estudo Pentecostal
􀀉 Dicionário da Bíblia. John D. Davis.
􀀉 O Livro de Atos. EETAD.
􀀉 Estudo Panorâmico da Bíblia. Henritta C. Mears .
Semeador 67
GABARITO DOS EXERCÍCIOS
lição 1 lição 2 lição 3 lição 4
Questão 1 C C C E
Questão 2 E C C C
Questão 3 C E C C
Questão 4 C C E E
Questão 5 E E C C
Questão 6 C C E E
Questão 7 E C C C
Questão 8 C E E C
68 O Livro de Atos
Seminário Evangélico Para Aperfeiçoamento de
Discípulos e Obreiros do Reino - SEMEADOR
Programa Curricular
LIVRO 1 Doutrina da Salvação
LIVRO 2 Pentateuco
LIVRO 3 Louvor e Adoração
LIVRO 4 Os Evangelhos
LIVRO 5 Livro de Atos
LIVRO 6 História da Igreja
LIVRO 7 Família Cristã
LIVRO 8 Epístolas aos Hebreus
LIVRO 9 Cura e Libertação
LIVRO 10 Aconselhamento Cristão
LIVRO 11 Oração Intercessória
LIVRO 12 Epístolas Paulinas 1
LIVRO 13 Epístolas Paulinas 2
LIVRO 14 Epístolas Paulinas 3
LIVRO 15 Homilética
LIVRO 16 Espírito Santo
LIVRO 17 Cristologia
LIVRO 18 Princípios da Hermenêutica
LIVRO 19 Escatologia Bíblica
LIVRO 20 As Epístolas Gerais
LIVRO 21 Criação e o Mundo Espiritual
LIVRO 22 História de Israel
LIVRO 23 Seitas e Heresias
LIVRO 24 Profetas Maiores
LIVRO 25 Profetas Menores
LIVRO 26 Batalha Espiritual
LIVRO 27 Discipulado Prático

Nenhum comentário:

Postagem em destaque