terça-feira, 27 de maio de 2014

NA BÍBLIA ESTÁ A MINHA E A SUA SALVAÇÃO. AMÉM


Postado em 29/08/2013 




À hora nona, clamou Jesus em alta voz: Eloí, Eloí, lamá sabactâni? Que quer dizer: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? (Marcos 15.34)
Ele, por sua vez, se afastou, cerca de um tiro de pedra, e, de joelhos, orava, dizendo: Pai, se queres, passa de mim este cálice; contudo, não se faça a minha vontade, e sim a tua. Então, lhe apareceu um anjo do céu que o confortava. E, estando em agonia, orava mais intensamente. E aconteceu que o seu suor se tornou como gotas de sangue caindo sobre a terra.  (Lucas 22.41-44)
Quando, pois, Jesus tomou o vinagre, disse: Está consumado! E, inclinando a cabeça, rendeu o espírito. (João 19.30)
Diante de nós está o capítulo mais importante deste livro, ou, como a maioria dos cristãos concordariam, o capítulo mais importante na história da humanidade. Este tema não pode ser quebrado em porções menores, mesmo que seja para a conveniência do leitor. Este é o coração do evangelho, e se devemos labutar através dele, esse é, de fato, um labor digno!
Uma dos grandes males da pregação evangelística contemporânea é que ela raramente explica a cruz de Cristo. Não é suficiente dizer que ele morreu – todos morrem. Não é suficiente dizer que ele morreu uma morte nobre – mártires fazem o mesmo. Devemos entender que não teremos proclamado completamente a morte de Cristo com poder salvador até que tenhamos limpado as confusões que a cercam e exposto seu verdadeiro significado para os nossos leitores: ele morreu carregando as transgressões de seu povo e sofreu a pena divina por seus pecados. Ele foi abandonado por Deus e esmagado sob a ira de Deus em nosso lugar.
Desamparado por Deus
Uma das passagens mais perturbadoras, até mesmo assombrosas, das Escrituras é o relato de Marcos do grande questionamento do Messias enquanto ele estava pendurado na cruz romana. Em alta voz, ele clamou “Eloí, Eloí, lamá sabactâni?”, que traduzido significa: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?”[1]
À luz do que sabemos sobre a natureza impecável do Filho de Deus e o seu relacionamento perfeito com o Pai, as palavras do Messias são difíceis de compreender, porém elas carregam o sentido da cruz e a razão pela qual ele teve que morrer. O fato de suas palavras terem sido registradas no original em hebraico nos diz algo sobre a sua grande importância. O autor não queria que compreendêssemos mal sequer um detalhe!
Nessas palavras, Cristo não apenas está clamando a Deus, mas como um consagrado professor, ele está também direcionando aqueles que o viam e todos os futures leitores para uma das mais importantes profecias messiânicas do Antigo Testamento: o Salmo 22. Todo o salmo está repleto de profecias detalhadas da cruz, mas iremos nos ocupar somente com os primeiros seis versos:
Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? Por que se acham longe de minha salvação as palavras de meu bramido? Deus meu, clamo de dia, e não me respondes; também de noite, porém não tenho sossego. Contudo, tu és santo, entronizado entre os louvores de Israel. Nossos pais confiaram em ti; confiaram, e os livraste. A ti clamaram e se livraram; confiaram em ti e não foram confundidos. Mas eu sou verme e não homem; opróbrio dos homens e desprezado do povo.
Nos tempos de Cristo, a Escritura Hebraica não era numerada por capítulos e versículos como hoje. Portanto, quando um rabi buscava direcionar seus leitores para certo salmo ou certa porção da Escritura, ele o faria recitando as primeiras linhas daquele texto. Nesse clamor da cruz, Jesus nos direciona para o Salmo 22 e nos revela algo sobre o caráter e o propósito do seu sofrimento.
No primeiro e no segundo versículo, ouvimos o Messias lamentando: ele se considera desamparado por Deus. Marcos usa a palavra grega egkataleípo, que significa desamparado, abandonado ou desertado.[2] O salmista usa a palavra hebraica azab, que significa deixar ou desamparar.[3] Em ambos os casos, a intenção é clara. O próprio Messias está consciente que Deus o desamparou e se fez de surdo ao seu clamor. Esse desamparo não é simbólico ou poético. Ele é real! Se houve uma pessoa que já se sentiu o desamparo de Deus, esse foi o Filho de Deus na cruz do Calvário!
O quarto e o quinto versículo desse salmo, a angústia sofrida pelo Messias se torna mais aguda enquanto ele se lembra da fidelidade pactual de Deus para com seu povo. Ele declara: “Nossos pais confiaram em ti; confiaram, e os livraste. A ti clamaram e se livraram; confiaram em ti e não foram confundidos.” A contradição aparente é clara. Nunca houve um episódio na história do povo da aliança em que um justo clamou a Deus e não foi livrado. Contudo, agora, o Messias imaculado está pendurado sobre o madeiro totalmente desamparado. Qual poderia ser a razão do abandono de Deus? Por que ele voltou as suas costas para seu Filho unigênito?
Jesus tece a resposta para essas questões perturbadoras em seu lamento. No verso 3, ele faz uma firme declaração dizendo que Deus é santo e, no verso 6, ele admite o indizível: ele se tornou um verme, não mais um homem. Por que Cristo falaria de si mesmo com tal linguagem degradante e depreciativa? Ele se via como um verme porque ele se tornara “opróbrio dos homens e desprezado do povo” ou havia uma razão maior e mais terrível para a sua autodepreciação?[4] Afinal, ele não clamou “Meu Deus, Meu Deus, por que as pessoas me desampararam?”, mas buscou saber porque Deus o havia feito. A resposta pode ser encontrada nesta amarga verdade: Deus fez cair sobre ele a iniquidade de nós todos, e, como um verme, ele foi desamparado e moído em nosso lugar.[5]



[1] Marcos 15.34
[2] Marcos 15.34
[3] Salmo 22.1
[4] Salmo 22.6
[5] Isaías 53.5-6


Nenhum comentário:

Postagem em destaque