domingo, 6 de julho de 2014

CAP 02 - PONTOS RELEVANTES NO LIVRO DE JÓ


CAPÍTULOS 11-20
Jó 11
Agora o terceiro (e provavelmente o mais jovem) fala. Ele é mais ousado, duro e desgastante.
Pavio curto. Este tipo de pessoa não é capaz de confortar e nem de convencer. Tiago 1: 20 - Porque a ira do homem não opera a justiça de Deus.
*Importância de controlar seu temperamento, principalmente em questões controversas. Melhor é o que tarda em irar-se do que o poderoso, e o que controla o seu ânimo do que aquele que toma uma cidade. O longânimo é grande em entendimento... O homem iracundo suscita contendas... A prudência do homem faz reter a sua ira... Misericordioso e piedoso é o SENHOR; longânimo e grande em benignidade
(Provérbios 16: 32, 14: 29, 15: 18, 19: 11, Salmo 103: 8).
I. A Repreensão, v. 1-12.
Suas razões para falar. V. 2-3.
v. 2 “Jó, você fala muito. Alguém tem que te responder alguma coisa!” *Quantas vezes estamos enxergando os erros dos outros enquanto falhamos em enxergar os nossos! Escolha as palavras com cuidado. Na multidão de palavras não falta pecado, mas o que modera os seus lábios é sábio. O que possui o conhecimento guarda as suas palavras. Porque, da muita ocupação vêm os sonhos, e a voz do tolo da multidão das palavras. Portanto, meus amados irmãos, todo o homem seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar. (Provérbios 10: 19, 17: 27, Eclesiastes 5: 3, Tiago 1: 19).
v. 3 “Você pode ficar sem uma boa resposta! Como podemos ficar em silêncio, seu cabeça oca! Você é um mentiroso! Você zomba de Deus!” Palavras duras e acusações. Isto deve ter ofendido muitíssimo a Jó, e deve ter sido uma grande tentação para ele pecar.
- Lembre-se: Tudo isso era para a glória de Deus e para o bem de Jó. Pessoas como Zofar são usadas por Satanás para tentar te desviar, porém, são usadas por Deus para prová-lo, santificá-lo e fazê-lo crescer.
Interpretação errada das palavras de Jó. v. 4.
- Distorceu as palavras de Jó. Ver 6: 10, 10: 7. (E ignora outras palavras, como 7: 20).
- Como Durham diz: Freqüentemente, os grandes debates entre o povo de Deus, giram em torno das coisas erradas que são ditas, ao invés do problema em si mesmo.
- Nunca seja desonesto a fim de vencer um debate. Faça a melhor interpretação possível do que os outros falam. Seja bondoso. Tardio em se ofender.
V. 5-6 “Vou falar por Deus!” (*Cuidado quando ouvir isso!...ou disser! Aqueles que pretendem falar por Deus, normalmente terminam sendo repreendidos por Ele, como Zofar.) “Seus pecados são o dobro do que você pensa. Você merece um castigo maior do que este que Deus tem te dado.”
É uma verdade, é claro, mas num sentido mais amplo. Salmo 103: 10 - Não nos tratou segundo os nossos pecados, nem nos recompensou segundo as nossas iniqüidades. Mas isto não explica o caso de Jó. Esta verdade não serve de ajuda na presente discussão, pois é usada de forma inadequada, forçando-a numa equação a qual não pertence. *Cuidado
V. 7-9. “Você pensa que sabe de tudo. Bom, você não sabe!” Mas Jó havia admitido sua confusão e inabilidade de resolver este quebra-cabeça (do sofrimento do justo). Mais uma vez, Zofar fala como alguém que conhece isto tudo.
V. 10-11 Zofar conhece os atributos de Deus! Sua soberania absoluta (v.10), Onisciência e Justiça (v. 11). “Você não pode ocultar nada. Os seus pecados secretos são conhecidos.”
- Conhecer doutrina é ótimo, se você a usa de forma correta. Doutrina sem sabedoria para aplicá-la, pode ser uma maldição! Estes atributos deveriam ter sido usados para confortar Jó, ao invés de condená-lo. Seja cuidadoso na maneira como usa a verdade!
V. 12 Pessoas de “Cabeça oca” querem parecer sábias, mas na verdade, são estúpidas, teimosas e turronas, impossível de serem ensinadas. Ai! (Há verdade aqui, mas não aplicável ao problema de Jó.) Pense na tentação da sabedoria que fez com que Eva caísse.
II. O Conselho, v.13-20.
1. Arrependa-se, v.13-14. Aqui há uma tremenda definição de repreensão, assumindo o fato de que o coração e as mãos de Jó estavam cheios de pecado.
2. Resultado: Serás restaurado, v.15-19.
v. 15 nenhum temor
v. 16 uma distante memória destas provações (9: 27-28)
v. 17 não haverá confusão e trevas, pois toda a luz e clareza serão plenas (10: 15)
v. 18 segurança e confiança, bem fundamentadas
v. 19 nenhum espanto, paz e respeito como antes.
3. Porém, v.20. “Se você não se arrepender, não verá o que deseja, não escapará do juízo de Deus, e tudo o que lhe resta é a morte!”
Resumo, por D. Thomas. “Já é tempo de alguém fazer calar a sua boca, Jó. Você quer marcar uma audiência no tribunal? Eu gostaria que Deus descesse agora e dissesse a você o que você é. Jó, Falando francamente, você não tem nenhuma chance. Ele não precisa investigar para descobrir quem você é. Você iria descobrir muito cedo que, de fato, tem escapado por pouco. Jó, me ouça, só há uma coisa a ser feita: Arrependa-se.”
Observações:
1. O Consolador genuíno deve ser paciente e gentil (porém, firme).
2. Deve ser um bom ouvinte. (Zofar parece ter ouvido apenas umas poucas coisas do discurso de Jó. Provérbios 18: 13 O que responde antes de ouvir comete estultícia que é para vergonha sua. Como somos apressados em tirar conclusões! * Perigo de assumir que sabemos tudo sobre o assunto. Excesso de confiança. Deus pode humilhar tal pessoa.
3. Deve ser capaz de aplicar a Palavra de Deus com sabedoria. *Ore por sabedoria.
4. Não há como convencer uma alma, até que Deus faça isso.
5. Ore para ser um verdadeiro consolador, não apenas um empecilho. “Alguns consoladores não tem mais do que uma única melodia, não tendo respeito algum por aqueles para quem ele a canta.” (Calvino)
6. Lembre-se de que alguns atos de desobediência não são imediatamente punidos, assim como alguns atos de obediência não são imediatamente recompensados. (Algumas vezes, como ocorreu com Ananias e Safira, mas nem sempre, como ocorreu com Judas.) Pense no Salmo 73, que nos fala do julgamento final versus a visão material deste mundo.
7. Lembre-se, Deus pode estar atuando por detrás dos bastidores em sua vida, ou na vida de alguém que você está tentando confortar. Pode haver muito mais detalhes fora do alcance dos olhos, de acordo com o propósito de Deus. (Assim como Ichabod Spencer, procure o auxílio do Espírito Santo enquanto trata com outras pessoas.)
#24 A posição firme de Jó
Jó 12
Aqui tem início a longa resposta de Jó para Zofar. Nestes três capítulos, Jó expõe de forma geral a sua posição, dizendo coisas muito úteis. Ele fala dos homens 12: 1-13, 19 (?), e então de Deus 13: 20- 14: 22 (note a mudança do plural para o singular.)
Jó confronta Zofar e os outros com sua própria posição: “Vocês pensam que eu sou ignorante, e que não sei nada a respeito de Deus, ficando facilmente abalado com suas profundas indagações? Bem, Eu posso discutir com o melhor de vocês. Deixe-me mostrar a vocês!” A Descrição de Jó sobre a soberania de Deus é, sem dúvida, maior do que aquela feita por Zofar no cap. 11, pois mostra uma visão mais profunda.
Introdução. V. 2-3
Há um pouquinho de sarcasmo aqui ao repreender o orgulho. “Você diz que eu sou um homem vão, como um jumento montês. Bem, caros companheiros, vocês se acham os representantes dos homens! Vocês tem o monopólio da sabedoria. Ela começa e termina com vocês. Na verdade, vocês estão se superestimando. Eu entendo tudo o que vocês disseram. De fato, qualquer um pode entender estes princípios tão simples – ex: justiça divina, plantar e colher.
- Há ocasião para se responder ao tolo em sua tolice. (Os três eram homens sábios, mas as provações de Jó trouxe a tona o pior deles! Um orgulho intelectual horroroso, etc.) Um terreno perigoso – caminhe com cuidado! – há um tempo em que não se deve responder ao tolo.
- Compare Elias no Carmelo zombando dos falsos profetas. Ou Paulo em I Coríntios 4: 10.
- Nenhum de nós pode dispensar a sabedoria! Somos tremendamente pequenos!! Mantenha uma opinião humilde sobre você mesmo. Filipenses 2: 3 cada um considere os outros superiores a si mesmo.
A descrição de Jó, v4-5
“Vocês dizem que sou um zombador (11: 3). Mas são vocês que zombam de mim! Vocês estão no alto e no seco – oram e Deus os ouve – estão tranqüilos. Podem rir e zombar por estarem seguros.”
- Se vocês estão seguros, não desprezem os que não estão. Os que estão em segurança, não deveriam zombar daqueles que estão em perigo. O forte não deve desprezar o fraco, mas antes, recebê-lo (Romanos 14: 1).
- Rir e zombar pode causar mais dano do que a própria violência. Pense em Cristo: A violência da crucificação foi enorme, mas talvez a dor maior tenha vindo das zombarias. (Aqui Jó experimenta do cálice que Cristo bebeu sem deixar uma gota.) Também foi traído pelos amigos (Salmo 55: 12-14).
A Teologia bi-dimensional de Jó, v. 6-25.
Lembre-se de que a de seus amigos era unidimensional. Talvez haja ainda uma tri-dimensional, que Jó ainda não houvera visto (a saber: que estas provações eram uma prova do amor de Deus por ele, e para o bem dele). Mas, Jó se agarra aqui ao direito que Deus tem de afligir o justo nesta vida.
V. 6 “Olhe agora para os Sabeus e os Caldeus que estão desfrutando das minhas riquezas. Ninguém na terra pode alcançá-los. Eu não pude evitar que eles levassem meus bens. De onde eles obtiveram sua riquezas? No final das contas, Deus é quem deu tudo isso á eles!”
- Declaração importante: Jó está vencendo em sua posição! Deus é Deus. Ele está no controle de tudo. Ele tem propósitos que nós não podemos enxergar. “A fórmula simplista que vocês tem, de semear e imediatamente colher, não pode ser mantida.”
Henry: “Não podemos, portanto, julgar a piedade dos homens pela abundância do que possuem, nem o que eles têm nos seus corações, por aquilo que tem em suas mãos.”
V. 7-9 O testemunho da criação.
Pode ser entendido ao se falar:
De forma geral: “Toda criação testifica da autoridade do Criador.” Salmo 19.
De forma específica: “Entre os animais, vemos as inofensíveis pombas sendo devoradas pelos pássaros carnívoros.” Pequenos e engraçadinhos cachorrinhos, sendo devorados vivos, pelos pumas selvagens. A vida na terra simplesmente não é justa aos nossos padrões. Mas, isto é a mão do Senhor.
[Note v. 9, é a única vez que a palavra Jeová é usada pelo homem no livro de Jó.]
V. 10-12 O testemunho da humanidade.
“Todas as almas estão em suas mãos. Nosso fôlego vem dEle. Nossas faculdades de raciocínio, julgamento moral, padrão da verdade e sabedoria, não passam de dons de Deus. Nós mesmos somos provas óbvias de Deus. Ele sustenta, mantém, controla e dispõe de nós, segundo a Sua vontade.”
V. 13-15 “Todos estes pontos apontam para a fonte de sabedoria e entendimento: Deus.”
A seguir, há uma série de declarações apontando para a Providência Divina em todos os acontecimentos.
- v. 14 O poder de Deus sobre todos os acontecimentos, de acordo com Sua vontade.
- v. 15 O poder de Deus sobre o dilúvio.
- v. 16 Uma das colocações mais contundentes de Jó! Aqui há comida sólida - os homens deveriam alimentar-se dela! “Deus faz muito mais do que você imagina!”
- v. 17 Deus humilha os grandes homens, rebaixando-os.
- v. 18 Ele os inutiliza (pense em Nabucodonosor).
- v. 19 Novamente, Ele depõe os poderosos.
- v. 20-21 Deus humilha o “sábio” e o poderoso.
- v. 22 Deus sabe de tudo. Ninguém pode se esconder dEle. Ninguém pode ocultar um segredo de Deus. Citado em I Coríntios 4: 5 – Verdade profunda. Pense em Davi, Hamã, Acã e até mesmo Adão.
- v. 23-25 Deus tem o controle absoluto, de todas as nações, não estando tal controle somente com os homens. Eles são meros tolos, comparados com Deus, eles não têm noção do que Ele é capaz.
V. 25 Uma descrição apropriada da nossa nação hoje! Sega, bêbada e insana.
Resumo: “Eu posso argumentar também! Eu posso debater sobre a grandeza de Deus! Vocês não detém este monopólio!”
Observe:
1. Há conforto para o Cristão nos atributos de Deus. Nada é mais relevante.
2. O principal atributo que nos dá conforto é a Sua Soberania. Que travesseiro macio para inclinar nossas cabeças cansadas! Quantas vezes já tivemos provas disso! Descanse nAquele que ordena todas as coisas! “Ele pode fazer comigo o que bem entender.”
3. Deus nunca prometeu que o justo não seria afligido. Mas, “ainda que nos aflija, não nos deixa tão fracos que não possamos servi-Lo, nos permitindo permanecer em nossa carreira, até que tenhamos passado por tudo e vencido as tentações que temos que suportar neste mundo.” (Calvino)
4. De volta ao v. 16. Alguns negam esta verdade, pensando que isto faz de Deus o autor do pecado.
Calvino: “Você pode ver então, como eles são apenas bestas arrogantes, os quais não concordam que Deus seja Todo-Poderoso, a menos que eles possam sujeitá-Lo a suas próprias idéias e fantasias”. Mas nós entendemos as “causas secundárias”, os decretadas por Deus. Ele governa. Salmo 76: 10. Até mesmo Satanás, o pai dos mentirosos, está sob o domínio de Deus! I Reis 22: 22, II Tess. 2: 11. “Permitir” é na realidade, decretar!
*Os eleitos não podem ser enganados! (Mateus 24: 24). Nós somos preservados, tentados, testados, humilhados, mas guardados no poder de Deus! “Deus não toleraria o pecado do enganador, nem a miséria do enganado, se não pudesse colocar limites a ambos, e glorificar a si mesmo através de ambos.” (Henry) Tudo para o bem Rom. 8: 28!!
#25
Jó 13
V. 1-19 Jó responde aos amigos, expondo os erros deles. (Capítulo 12 “Eu posso argumentar tanto quanto vocês.”
V. 20-28 Jó responde a Deus.
Maturidade e fraquezas são reveladas aqui. De algum modo ele aparenta estar no fundo do poço. Enquanto, de outro, ele demonstra total confiança em Deus.
Henry: “Aqueles que entram numa disputa com Deus, acabam tentados a exaltar a si mesmos (além do que é devido) e a diminuir seus irmãos, portanto, deveriam estar atentos e orando contra este tipo de orgulho.
V. 1-2 (cap. 12: 3) Jó está bem persuadido de que é justo. I João 1: 1.
V. 3-4 “Eu quero falar com Deus. (Ver cap. 5: 8 Onde ele é acusado de não orar.) Falar com vocês é de pouco proveito. Deus me daria conforto. Ele limparia meu nome.”
“Vocês são mentirosos. O evangelho da prosperidade, que vocês pregam, nem sempre serve de base para a verdade.
Vocês não trazem conforto algum, pois este tipo de conforto é de nenhum valor.
*Quando responder ás críticas, tome cuidado para não descer ao nível de quem as faz. Trate dos assuntos, não das personalidades.
V. 5-6 “Fiquem quietos e me ouçam!” Também vs. 13 e 17. Vocês não me ensinaram nada. “Deixe-me lhes ensinar uma coisa ou duas.”
*Procure ser um ouvinte justo para as outras pessoas.
V. 7-9 Perguntas. “Vocês falam sem sabedoria. Vocês acreditam que falam por Deus e são defensores da Sua honra, mas estão apenas zombando dEle com lisonjas, a minha custa. Vocês pensam que o estão bajulando quando me consideram injusto.”
*Deus nunca projeta algo que não possa terminá-lo de maneira legítima.
(ex: O conforto deles só servia para falar de Deus de maneira maldosa)
*Aqueles que dizem falar em nome de Deus, tomam para si uma solene responsabilidade. Seria bem melhor que temêssemos Aquele a quem nós dizemos representar!
V. 10-12 Jó vira a mesa. “Vocês estão preparados para serem julgados por Deus! Vocês não tem medo de Deus? Vocês estão preparados para prestar contas de tudo àquilo que tem falado?
A Sua excelência deveria nos levar a temê-Lo. Permanecer em espanto.
V.12 *O reconhecimento da nossa mortalidade, deveria nos levar a humilhar-nos diante de Deus e dos homens, temendo a Deus e sendo bondoso com todos os homens.
Durham: “Pensamentos moderados sobre Deus, e pensamentos elevados sobre pequenos cacos de barro, faz com que muitos de nós sejam derrotados.”
V.13 “Eu terei uma oportunidade com Deus. Eu prefiro o julgamento dEle, ao de vocês!”
V. 14 “Vocês acham que eu seria tão corajoso se não tivesse confiança que o meu caso é justo?
V. 15 Uma das grandes declarações de Jó. “Não importa o que aconteça, eu confio em Deus. Tudo o que Ele permitiu que acontecesse comigo, não abalou a minha confiança nEle. E se o futuro for pior do que tudo o que aconteceu até agora, ainda assim eu continuarei a confiar nEle.” (Este é o mesmo Jó que pediu a Deus que lhe tirasse a vida!)
*Aqui é o lugar para lançar a âncora e passar pela tempestade! Romanos 8: 28, Jeremias 24: 5.
*A fé verdadeira nunca abandona Deus. Quanto mais forte a tempestade, mais fortemente a fé se agarra a Deus.
V. 16 “Deus é o meu Salvador. Eu não sou hipócrita, como vocês pensam.” Nenhuma condenação! O poder de uma consciência pura.
V. 17-19 “Deus julgará a meu favor. Não posso permanecer em silêncio sobre todas estas coisas. Eu desafio vocês a continuarem me acusando. “Cri, por isso falei!”Salmo 116: 10
Uma mudança repentina. Talvez mostre a sensibilidade de Jó á presença de Deus, dando testemunho de cada palavra. Deus está perto!
V. 20-21 Dois pedidos: #1 “Remova a Tua vara. Ameniza meus sofrimentos.” #2 “Me trate usando de graça para comigo” (Durham). “Não me faça objeto da Tua ira.”
V. 22 “Então, naquele contexto de graça e misericórdia, permita que me aproxime de Ti.”
(Santa coragem ou orgulho vão? Ou talvez uma mistura dos dois? É melhor aguardar para ver em que isso se transforma! No final, Jó será repreendido brandamente, mas os três, duramente.)
Certamente um aprimoramento do cap. 10: 20!
V. 23 “Me mostre meu pecado. Minha consciência está limpa, mas eu gostaria de saber aonde eu os tenho ofendido.”
*Os cristãos verdadeiros estão prontos a serem confrontados de seus pecados, para que possam confessá-los e abandoná-los. Nunca rejeite nenhuma repreensão legítima.
V. 24 “Se eu não sou culpado, como meus amigos erroneamente me acusam, então, por que o Senhor me trata desta maneira? Por que a Sua abençoada presença se faz tão distante. Por que me trata como um inimigo?”
Aqui o sofrimento de Jó é semelhante a Cristo. Veja Salmo 22: 1
*Quando você pergunta “por que” lembre-se de que você está em boa companhia (se você pergunta com um coração submisso e reverente).
Ainda Jó confiava em Deus, como Cristo “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito.”
V. 25 “O Senhor pretende me destruir?”
V. 26-27 Como Jó se sente: “Eu sou trazido diante tribunal tendo várias acusações contra mim. Deus me chama para prestar contas. Os pecados da mocidade são um assunto corrente diante de Deus.” Enquanto Jó busca fazer um exame detalhado em sua consciência, a única coisa que lhe vem à mente, são os pecados cometidos durante os anos em que era jovem, e sem o devido temor a Deus.
* “O tempo não apaga a culpa do pecado.” (Henry)
*Jovens, seja cuidadoso em servir a Deus durante a sua mocidade. Os pecados cometidos na mocidade podem se tornar uma grande angústia, interna ou externa, na velhice.
V. 27 “Eu estou preso. O Senhor está sendo extremamente severo comigo. Cada passo meu é observado de perto por Seus olhos.”
V. 28 Caminha juntamente com 14: 1. Ele = homem. Brevidade da vida, o menor de todos os homens.
Conclusão; de volta ao versículo 15.
A despeito das dúvidas, temores, provas e tentações, continue confiando em Deus. Enquanto outros se desesperam, os Cristãos confiam em Deus.
(Não é resignação que se autoaniquila, como se não fosse humano, ou não tivesse sentimentos, ou não se importasse. Antes, uma confiança centrada em Deus, independente do que Sua providência tem preparado para mim.)
Não há outra saída! V. 15b. Ilustração de Spurgeon: Um menino fugiu de casa e temia voltar, mas depois de algumas noites de privações disse: “Eu prefiro passar o mais cedo possível pela correção do meu pai do que morrer aqui.” É melhor ser corrigido por Deus, e estar perto dEle, do que ficar longe. O único lugar seguro é perto de Deus, mesmo que Ele aplique a vara por algum tempo.
Durante toda a vida, testemunhe da infinita bondade e justiça de Deus.
“Deus é bom e justo, independente do que faça comigo.” Todas as Suas obras são justas.
A Fragilidade do homem
Jó 14
Este capítulo encerra o discurso mais longo feito por Jó. Ele ainda está se dirigindo a Deus. Vemos aqui uma mistura de confiança e queixas. (mais uma vez, algumas passagens permitem mais de uma interpretação, ou atitude da parte de Jó). Desespero em meio a esperança. Rosas entre espinhos.
*Aprenda a excelência da consistência.
V. 1-2 Se lamentando da vida
Ligado com 13: 28, o rápido declínio da vida do homem na terra.
Não há chauvinismo aqui! Apenas realidade, vista de um ponto de vista sem Deus (como várias partes do livro de Eclesiastes). Talvez uma referência á Eva.
Veja o que o pecado produziu: V. 1
v. 1 Brevidade de vida (e morte). A vida nos tempos de Jó era mais curta do que a dos seus predecessores. Duas ilustrações, a flor e a sombra. Ambas logo desaparecem. Porém, isto é uma benção em seu disfarce devido a:
v. 2 Muita inquietação. Dentro e fora. Problemas na alma, no corpo, na família, na vizinhança e no mundo. Suscetível a mudanças – para o pior. Compare com o que Jacó disse em Gênesis 47: 9. Oh, o que o pecado tem feito!
- Nosso estado é temporário, fugaz. Portanto, não pense que é eterno (como faz a maioria dos inconversos). Tenha certeza da vida eterna, vida da alma voltada para Deus. Mantenha a perspectiva correta do tempo/eternidade.
- Nosso estado é de pecado. Portanto, não espere uma vida livre de problemas. Nós passamos por uma crise maior a cada seis mêses! V. 3-6 Humilhado diante de Deus v. 3 v. 4 “Sendo a vida tão curta e cheia de problemas, Tu ainda me privas de uma parte dela? Vais torná-la ainda mais curta e problemática? A vida não é má o suficientemente sem sermos acossados por Deus? Eu sei que não posso me igualar a Ti, ou comparecer num julgamento diante de Ti.” v. 5 v. 6 “Eu não teria chances num julgamento. Sou impuro. Eu sei disso. Eu nunca poderia passar por julgamento mais minucioso da Sua parte.” v. 7 v. 8 -6 “Já que meus dias estão contados por Ti, assim como toda a minha existência, desde o início até o fim, está em Suas mãos, deixe-me apenas sobreviver. Retire a Sua ira de mim, para que eu possa terminar os meus dias em paz...para que cumpra o meu “turno” e faça meu trabalho. (Deixe-me morrer uma vez só, não muitas!)”
Palavras humildes (embora outras emoções também brotaram!).
- Temos que ser humilhados devido ao nosso estado de impureza, v.4. Não nascemos limpos. Começamos num estado de impureza. Pecado original (isto é parte da natureza caída de todo descendente de Adão). Esta verdade deveria humilhar até mesmo aquele que se considera exteriormente mais “limpo”. (Minha própria experiência).
- Deus é soberano sobre o nosso tempo de vida, v.5 (comp. 7: 1). Somente Ele é que tem o direito de tirar nossa vida. Não há motivos para temermos os acidentes, doenças, guerras, etc. (A mídia gosta de nos manter apreensivos e preocupados.) Você é imortal aqui, até que Deus o queira! Compare cap. 2 e as testemunhas de Apoc. 11: 7.
- A oração é consistente com a predestinação, v. 5-6. Deus predestinou os meios e as causas secundárias! – uma das quais é a oração. (E por que orar se Ele não é absolutamente soberano?...melhor se preocupar, manipular, etc.!)
V. 7-12 Contrastes e comparações
Homem é diferente da árvore, v. 7-9. Como é difícil matar uma árvore! Exemplo do nosso próprio jardim aqui. A vida parece impossível de ser parada. Mas (v. 10) fala que o homem é diferente, pois ele morre rápido e facilmente. Ele evapora, declína, expira e se vai! Não brota novamente.
O homem é como as muitas águas, v. 11-12, que seca, desaparece e não retorna (Saber exatamente a que Jó se refere é um mistério. Talvez algum dos efeitos causados após um dilúvio, quando as águas se secam.) Assim é o homem: ele cai para não levantar nunca mais, ou despertar, até que os céus (usado para medir o tempo) não mais existam.
Porque isto é verdade...
V. 13-15 Espere pela morte
“Deixe-me me esconder, escapar dos problemas, na morte. O pecado arruinou e domina esta vida, embora a morte seja terrível, ela não poderia ser pior do que a vida que estou vivendo agora.”
Note como Jó se sente seguro com relação a morte. ocultasses....lembrasses.
v. 14a tremenda questão! Resposta: Não, não neste mundo (comp. Salmo 115: 17, 146: 4, etc.) Mas, sim no mundo vindouro (que Jó irá declarar mais tarde no cap. 19). Talvez alguma falta de informação sobre o “estado intermediário”?
v. 14b-15 Qual mudança? Aquela no final dos dias determinados (compare v.5), ex: a morte. (Mas alguns veêm aqui uma referência a ressurreição.) Jó está contente em esperar pelo tempo em que Deus o chame através da morte. “Estou pronto, a qualquer hora que Tu queiras!
Eu tenho demonstrado a minha ânsia pela morte, mas (em momentos de maior sanidade) reconheço a Sua soberania sobre a extensão da minha vida, portanto, eu espero.
Note a confiança de Jó de que ele é fruto do trabalho e do desejo de Deus (almejarias).
- Que conforto saber que somos o cumprimento do desejo de Deus. Assim como Jó, busquemos conforto nesta verdade. Aqui vemos Jó (como Davi) encorajando a sí mesmo no Senhor, seu Deus. Aqui temos a rosa entre espinhos neste capítulo.
(Jó é o seu próprio confortador, na ausência de amigos que o façam.)
- Almas agraciadas podem responder alegremente ao chamado da morte.” (Henry)
- Na sepultura, não há mais o efeito do pecado e nem da maldição de Deus sobre ele, até onde isto se relacione a alma do remido. Simplesmente entrar na sepultura, e tudo ficará bem! A batalha e a luta acontecem agora, somente nesta vida. Morra bem, pois tudo ficará bem.
V. 16-22 A Severidade de Deus
Mas agora! (rápida alteração de tom – assim como fazemos algumas vezes em nossas próprias orações!)
v. 16a “Tu me vigias de perto em cada movimento, motivo.”
v. 16b “Eu sei que Tu vês cada um dos meus pecados e falhas.
v. 17 O costume de costurar a bolsa de dinheiro a fim de proteger seu conteúdo, e também documentos importantes, como uma intimação judicial, processo. Henry faz as seguintes observações nestes dois versículos: “Deus realmente vê todos os nossos pecados, Ele enxerga o pecado do seu próprio povo, mas não é severo em contá-los um a um para nós, nem a lei está se esticando para nos alcançar, pois somos punidos muito aquém do que merecemos. Deus sela e amontoa, para o dia da manifestação da Sua ira, a transgreção do impenitente, mas os pecados do Seu povo, Ele desfaz como uma nuvem.”
v. 18 O que sou eu comparado a uma imensa montanha ou a rocha que Tu moves? Sou mutável, inconstante, frágil, a Sua disposição.”
v. 19 “Como a água com o tempo desgata a pedra e varre o solo, assim as tribulações, que se estendem por tão longo período, estão varrendo a minha vida. Minha esperança acabou com relação a esta vida.”
- As esperanças materiais do homem, sonhos, aspirações e ambições, são todas frustradas por Deus. Ele “destrói nossos planos e alegrias terrenas”, a fim de encontrarmos nosso tudo, nEle! (Newton) Ele nos faz esse favor!!
v. 20 “Tu retiras o homem da terra. Mostra-lhe a face da morte.”
v. 21 “Tu privas o homem de saber o que acontece aqui na terra após a sua morte.”
v. 22 “Até a morte, o corpo e a alma sofrerá dor e tristeza aqui.” Compare v. 1. Muita verdade, é claro. * Mas esteja certo de declarar isso de forma doce, não amarga.
Observe:
1. Nossa vida é, em ultima estância, medida pelos dias (v. 1, 5). Como nos obituários. Viva para Deus no presente. Não presuma do dia de amanhã com idéias românticas. Não deixe a obediência para o dia seguinte. (obediência vagarosa não é obediência.)
2. Deus conhece nossa estrutura!...nossa fragilidade. Salmo 103: 13-18. Ele é misericordioso. Cristo se simpatiza com a nossa dor (Que declaração!)
3. Não espere muito da caída e amaldiçoada terra. Encontre o seu prazer e propósito em Deus, na redenção, no céu, e na obediência.
4. V. 4 Na redenção, Deus faz aquilo que o homem não pode fazer. Ele pega um pecador impuro, e o torna um santo perfeito! Como? Ao tomar um cordeiro sem mancha e oferecê-lo em humilhação e morte. Permaneça com temor e tremor diante da Sua poderosa obra de redenção!
#Elifaz retorna
Jó 15
Esta é a segunda vez que ouvimos Elifaz falar. Agora menos gentil, e mais impaciente, rígido e irritado. Ele achou que sua primeira resposta não tinha sido suficiente. “Somos propensos a pensar que as coisas que dizemos devem ser consideradas grandes e importantes, enquanto outros pensam que são pequenas e insignificantes.” (Henry)
*Não persista em manter a sua própria opinião simplesmente por causa do seu orgulho em admitir que estava errado.
O discurso de Elifaz aponta para duas coisas: 1- Acusar Jó. 2- Defender Deus. Lembre-se de que Jó tinha apenas duas opções na opinião de seus amigos: 1- Admitir seu pecado (abrindo mão da sua integridade), ou 2- Acusar Deus de agir injustamente (amaldiçoar a Deus). Porém, Jó insiste em afirmar sua integridade, e também que Deus é justo.
1. Acusando Jó, v. 1-13. (Repreensão)
V. 2-6 Introdução
v. 2 “Seu discurso é vazio.”
v. 3 “Seu discurso é de nenhum proveito”
v. 4 “Seu discurso destrói toda piedade. Se o que você diz é verdade, não há necessidade de temer a Deus ou orar para Ele [cap. 12 6] Você diz: ‘em vão tenho purificado o meu coração’.” Salmo 73: 13.
Embora Elifaz estivesse errado em sua aplicação, o principio estava correto, pois a verdadeira religião pode ser resumida em: Temer a Deus e buscá-Lo em oração.
v. 5-6 “Você se autocondena.” (Elifaz vai tentar demonstrar isso). Porém, eles o provocaram ao extremo para dizer coisas que não deveria, e agora tiram vantagem disso.
V. 7-11 Detalhes:
v. 7 resposta ao capítulo 12: 2-3 e 13: 1-2. “Você pensa que é o maioral!”
v. 8-9 resposta ao capítulo 12: 3 novamente, uma declaração cabível. Mas, Elifaz se ofende: “Você pensa que possui o monopólio da sabedoria.” – Jó nunca disse tal coisa. “Você pensa que tem algum segredo ou conhecimento superior.”
v. 10 “Respeite a minha idade e sabedoria.” *Devemos ter respeito aos mais velhos, porém, não devemos sempre assumir que a sabedoria venha com a idade. Nem sempre os mais velhos são mais sábios. Se você é sábio, não seja arrogante nem autoritário, mas humilde e acessível (que são as evidências da verdadeira sabedoria).
O ponto fraco de Elifaz parece ser o seu orgulho do conhecimento! *Vamos tomar cuidado com isso.
v. 11 Novamente, “Você não possui melhor conhecimento do que nós.”
V. 12-13 A acusação: “Jó, você perdeu completamente a perspectiva. Você está agindo contra Deus. Você blasfema de Deus!”
II. Justificando Deus, v. 14-35. (Debate)
V. 14-16 A maldade do homem. (*Até mesmo a doutrina da depravação total pode ser abusada e aplicada de forma inadequada).
v. 14 talvez uma citação do cap. 14: 1, 4. Você falou corretamente a verdade!” Mas, a aplicação no caso de Jó estava errada...considerar Jó como um peculiar pecador, digno de uma punição peculiar.
v. 15-16 “O mais santos dos homens e dos anjos não são suficientes para Deus, muito menos o homem iníquo, envolvido em pecado e blasfêmias (como você!). Deus é tão puro para tolerar você.”
V. 17-19 “Agora me ouça. Ouça a voz da experiência e sabedoria [e orgulho]. Estou passando a você o que tem vindo desde Adão, àquilo que é universalmente aceito pelos homens sábios. Nenhuma mistura de ensinos estranhos vindo de pensadores corruptos.
*Henry: “Os homens são aptos, quando condenam o raciocínio de outros, a recomendar os seus próprios raciocínios.
V. 20-35 A miséria do ímpio.
Aqui segue o mesmo velho e cansativo argumento: “Deus trata igualmente a todo homem no tempo devido.” (Quando insistimos no “tempo devido” caímos no chamado: evangelho da prosperidade).
*Aqueles que não possuem outro argumento, simplesmente tomam um pouco de fôlego para repeti-los, mesmo que seus argumentos tenham sido refutados ou provados serem falsos. Como somos teimosos!
O ímpio recebe:
- uma vida curta e cheia de dores, v.20
- destruição e más notícias, v. 21
- temor e pessimismo, v. 22
- pobreza e necessidades, v. 23
- problemas e temores, v. 24
- pobreza, v. 29
- fogo de Deus o destruirá, v. 30 (pense no cap. 1: 16)
- uma vida sem sentido, v31
- no final, a morte, v. 32-33
- desolação, v. 34-35
....tudo isso por que:
- ele se opôs a Deus, v.25
- ele obstinadamente atacou a Deus, para seu próprio prejuízo, v. 26
- ele é autoconfiante, v. 27
- ele é tolo, v. 28, Irracional. Pensa que terá sucesso onde outros falharam.
“Jó, você está enganado (v. 31) assim como os enganadores (v. 35), o hipócrita (v. 34). “Um grande pecador”
Conclusão:
Aprenda algumas coisas da natureza humana:
Como foi difícil para Jó passar por outra série de acusações da parte de seus amigos!
As inquietações (14: 1) que assolam os nossos poucos dias, vêem em parte, através dos nossos amigos. Não há amizade perfeita aqui na terra. Seja agradecido por ter Deus como amigo!
“É natural mimarmos nossos próprios sentimentos, e, portanto, nos firmarmos neles, tendo dificuldades de recuarmos.” (Henry)
Aqueles que pensam estar justificando a Deus, podem apenas estar provando a sua própria ignorância. (Como podemos saber? Permanecendo nos limites das Escrituras!)
Procure argumentar de forma justa, saudável e generosa (Caso haja qualquer sombra de dúvida). “Há uma certa injustiça, da qual mesmo homens sábios e bons freqüentemente são culpados, é a de; no calor de uma disputa, impor aos adversários as suas opiniões, as quais não são aplicadas de forma justa, levando-os a odiarem. Isto não é tratar da forma como gostaríamos de ser tratados.” (Henry)
Não coloque palavras na boca de outros a fim de condená-los por estas palavras! (“Durham: Jó nunca reivindicou ser um homem inocente, mas também nunca permitiu ser acusado de hipocrisia.”) Quão freqüentemente as ofensas se agravam por causa de argumentos errados! Esteja certo de vencer um debate com a verdade, não com um raciocínio falho, ou uma falsa lógica. Seja honesto num debate, para que você não venha a vencer uma batalha e perder a guerra. Admita que tem um conhecimento limitado. Seja humilde.
Seja cuidadoso para não cair na armadilha de argumentos falhos ou se desviar do verdadeiro assunto, apegando-se a declarações que não deveriam ser consideradas naquele momento. Ore por graça a fim de pensar com clareza, enxergar através de um argumento e responder biblicamente. Conheça bem as Escrituras!
#28
Jó 16
Jó fala. Esta é a segunda vez que ele responde a Elifaz.
Esboço:
v. 1-5 Jó repreende Elifaz e os outros amigos.
v. 6-16 Jó descreve a sua triste condição
v. 17-22 Jó mantém sua integridade
Nada disso é novo! Talvez aprendamos alguma coisa da aparente interminável provação causada pelas repetidas acusações/defesas.
Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça. Portanto, vamos prosseguir:
I. Jó repreende seus três amigos, v. 2-5.
1. Nenhum proveito para Elifaz, v.2-3
v. 2 “Seu disco está quebrado. Já ouvi tudo isso antes! Você não nada de novo para dizer?”
“Todos vocês três não me servem de nenhum conforto.” Molestos = irritantes, cansativos – causam aflição em 7: 3, maliciosos em 15: 35.
Vocês confortam com problemas! O conforto de vocês é tortura. “Vocês aumentam a minha aflição.”
v.3 “Vocês não vão parar de falar? Vocês não se envergonham de continuar falando?”
2. V. 4-5 “Se houvesse uma virada de mesa, eis aqui o que eu faria: não faria o que vocês estão fazendo – Eu não fustigaria vocês e balançaria a minha cabeça. Antes (v. 5), Eu iria fortalecer, consolar, edificar e livrar vocês de uma agonia maior.”
- Tenha o hábito de se colocar no lugar dos outros, seja simpático. É a essência da regra de ouro. (Não foi isso o que Deus mesmo fez quando pensou em nós?). Não pense de maneira egoísta. (“Henry): É mais fácil distinguirmos entre a racionalidade de uma ordem e a importância dela, quando podemos enxergar seu benefício, mais do que quando temos a oportunidade de realizá-la.”
- Há grande valor em avaliar o que você faria. Isso pode ser o meio pelo qual Deus o prepare para quando você tiver que agir.
- Aprenda através das suas calamidades a pensar como você confortaria outros que passassem pela mesma situação. II Coríntios 1, de confortado a confortador.
II. Jó descreve sua triste condição, v. 6-16.
1. Nenhum alívio, v.6. “Se eu falo ou permaneço em silêncio, não melhora em nada a minha dor. Não posso vencê-los, meus amigos, pois se eu falo; vocês julgam cada palavra, se fico calado; vocês pensam que não tenho argumento e estou admitindo minha culpa. Em ambos os casos, minha angústia continua.
2. Agora ele fala com Deus, v.7-8. “Ele é o Único que tem tocado em minha vida e me levado ao cansaço” (v.7a).
Note a rápida transição de falar a respeito de Deus e falar com Deus.
Jó sabia que Deus estava ouvindo seus discursos! Era consciente da onipresença Divina. Embora Deus pareça estar distante, Jó ainda continua orando para Ele! *Façamos o mesmo! Quando não sentirmos a presença de Deus, continuemos a orar!
V. 7b “Estou desolado, privado de companhia” ex: a família que antes o rodeava.
V. 8 “Senhor, minha aparência física testifica conta mim. Eu estou envelhecendo rapidamente agora. Estou fraco e não posso ocultar isso.”
*Não se permita cair no erro da autocomiseração.
*Não pense errado sobre Deus, ficando amargurado e impaciente com Ele. Henry: “Mesmo os bons homens, quando se encontram diante de grandes e extraordinários problemas, têm que lutar muito para não alimentar pensamentos errados contra Deus.”
3. Recordando os problemas, v.9-16 (Embora não seja um exercício saudável, é comum e compreensível.)
v. 9 De quem se trata aqui? Deus, Satanás ou Elifaz? Em sentidos diferentes, todos os três! Os instrumentos de Deus odiaram e assolaram Jó (como v.11 esclarece). Eles cerraram seus dentes contra Jó em ira. “Eles aguçaram seu olhar contra mim” como Saul olhou para Davi com ciúmes, temor e ira, buscando ocasião contra ele.
v. 10 “Eles abrem largamente sua boca com escárnios e reprovações. Eles me assaltam e atacam. Eles se juntam como conspiradores.
v. 11 “A mão de Deus está em tudo isso. Ele fez isso.”
v. 12 “Minha vida é um livro de histórias, até Deus me destruiu, quebrou, sacudiu meu pescoço como um lutador, me colocou como um alvo...
v. 13...pois Seus flecheiros. Eles me cercaram para matar. Suas flechas perfuraram minhas entranhas. Estou mortalmente ferido. Não há misericórdia para comigo. “Feriram meu fígado, nunca mais me recuperarei – líquido saindo do corpo.”
v. 14 “Ele continua a me atacar sem descanso. Não tenho como me igualar a este Gigante!
v. 15 “Minha dor é completa. Minhas feridas tenho coberto com ataduras de tecidos grosseiros e duros. Estou completamente humilhado no pó, minha força e autoridade foram removidas. Eu não sou ninguém.” Sofrimento extremo.
v. 16 “Eu tenho chorado tanto a ponto de desfigurar minha face. Meu olhar tem aparência de morte.” Em 15: 12, Elifaz acusa Jó de piscar os olhos, mas na realidade, os olhos de Jó estão à beira de se fecharem para a morte.
Que condição triste, miserável e lamentável. Apesar disso:
III. Jó mantém sua integridade, v. 17-22.
1. “Eu sou inocente, minha consciência é lúcida”, v. 17-19.
v. 17 “Não sou culpado como vocês insistem em dizer. Além do mais, não deixei de orar (comp. 15: 4), antes, minha oração é pura. Levanto as minhas mãos santas, sem ira nem contenda.” I Tim 2: 8.
*OH! A preciosa jóia de uma consciência pura! Mantenha-a para que possa caminhar em obediência. (Obviamente, em última estância, somos todos pecadores, como Jó reconheceu em 7: 20, 9: 20, 30-31.)
v. 18 “Eu sou como Abel; sangue inocente derramado na terra (se palavras pudessem matar!). Permita que me justifique! Barnes: “Ele fala como um homem prestes a morrer, mas ele diz que morreria como um homem inocente e ferido, orando sinceramente para que sua morte não deixasse de ser vingada. ‘De acordo com um ditado Árabe, o sangue de alguém que foi morto injustamente, permanecia sobre a terra, sem ser absorvido por ela, até que seu vingador surgisse. Isto era considerado como uma prova da inocência.’ Eichhorn.” Comp. Isaías 26: 21 - Porque eis que o SENHOR sairá do seu lugar, para castigar os moradores da terra, por causa da sua iniqüidade, e a terra descobrirá o seu sangue, e não encobrirá mais os seus mortos.
“Deixe o meu sangue ser vingado. Que os meus clamores não sejam impedidos de chegar até Deus (nenhum lugar para ser ocultado).”
V. 19 “Deus é minha testemunha!” (como. Cristo em João 5) *Feliz a alma que pode apelar de forma justa para Deus!...como Paulo o fez. Henry: “Nosso próprio testemunho interior não permanecerá por muito tempo, se não tivermos uma testemunha no céu em nosso favor, pois Deus é maior do que os nossos corações.”
Esta foi a dificuldade apresentada aos seus três amigos. Jó diz: “Deus está me tratando duramente, mas Ele mesmo me é testemunha de que não sou um hipócrita (como vocês dizem).” Eles ouviam desta maneira: “Deus é injusto”. A teologia unidimensional que possuíam dizia: “Deus está pesando a mão sobre Jó, portanto, ele é um grande pecador.” Eles não viam outra opção.
*Mas Jó estava aprendendo que a providência obscura não é incompatível com a bondade Divina, aprovação. Vamos aprender bem esta verdade!
2. “Eu apelo para Deus”, v. 20-21.
v. 20 * Quando abandonado pelos homens, clame firmemente a Deus.
v. 21 “Oh, se houvesse alguém que pudesse me representar diante de Deus. Preciso de um advogado que possa se simpatizar comigo, mas quem poderia argumentar com Deus de maneira que eu não possa. Jó reconhece sua necessidade de um Deus-homem! Agradeça a Deus por Cristo, perfeitamente capacitado para atender as nossas necessidades! Maravilhe-se na união das duas naturezas! Agradeça a Deus pela luz do Novo Testamento que nos revela Cristo mais claramente do que revelado a Jó.
3. Antecipando a morte, v. 22.
*Somos peregrinos, de passagem nesta vida. “Somente uma vida ‘que logo passará, permanecendo apenas aquilo que Cristo fez.” Não desperdice sua vida!
Observações finais
1. Em meio a uma forte oposição e tentação, fique firme (se a sua consciência estiver pura).
Não caia na armadilha do evangelho da prosperidade; “Se você sofre, é por causa da ira de Deus sobre você, ou sua falta de fé”.
2. Não creia em todas as acusações de Satanás, saiba quando concordar e quando discordar. “Se você sofre, não é filho de Deus.”
“Na verdade, eu sofro. Mas a inferência está errada.” Premissa falha: Todos os que sofrem nesta vida são inimigos de Deus.
3. Lute para medir o amor de Deus pela palavra de Sua promessa (fé) não pela providência e sentimentos (vista). Como é fácil deslizarmos aqui! Isto não é presunção (como Elifaz pensava), porém, fé.
4. Jó foi participante dos sofrimentos de Cristo. V 10, especialmente apropriado a boca de Cristo Salmo 22: 13 - Abriram contra mim suas bocas, como um leão que despedaça e que ruge. Ferido, abatido, abandonado, aflito, traído e entregue a morte por Deus.
- Que tenhamos isto em alto grau de honra; de sofrer por Ele e ser participante dos Seus sofrimentos. Amados, não estranheis a ardente prova que vem sobre vós para vos tentar, como se coisa estranha vos acontecesse;
Mas alegrai-vos no fato de serdes participantes das aflições de Cristo, para que também na revelação da sua glória vos regozijeis e alegreis (I Pedro 4: 12-13).
Pensamento final: “Vença o mundo suportando pacientemente toda perseguição que surgir no seu caminho. Não se ire, nem desanime. Zombarias não quebram ossos, e se você vier a ter algum osso quebrado por causa de Cristo, este será o osso mais honrado de todo seu corpo.”
#29
Jó 17
Satanás tenta provar que Jó não passa de um mercenário, um blasfemo contra Deus. O último de seus muitos e terríveis ataques é a prolongada oposição dos seus amigos, que eram vorazes em defender a glória de Deus neste caso. Como nosso Senhor Jesus Cristo, Jó sofreu sozinho e foi mal compreendido.
Os amigos de Jó não lhe davam chances para fazer qualquer negociação. Ou ele admitia que era um hipócrita (abrindo mão de sua integridade), ou acusaria Deus de agir injustamente (equivalente a blasfemar de Deus, caindo na armadilha de Satanás).
Resposta de Jó: Deve haver outra opção, pois Deus é justo e Eu inocente. Eu aguardo uma explicação mais completa. Eu não sei por que estou sofrendo desta maneira. Eu gostaria de ter alguma resposta de Deus.
No capítulo 16, Jó respondeu a Elifaz: “Seu conforto é uma miséria. Estou sendo duramente provado. Deus vai me inocentar no final. Ele é minha testemunha. Ah, se eu tivesse um advogado para defender a minha causa nesta hora.” Confiança em Deus!
Este capítulo contém aparentemente muitas declarações abruptas e desconjuntadas. Ele parece subir as partes mais altas, somente para cair novamente nas mais profundas (como Pedro, que caminha sobre as águas e depois afunda nas mesmas). No entanto, vamos tentar por em ordem e dar sentido a esta sessão.
I. A mortalidade de Jó, v.1.
Sem dividirmos o capítulo, isto pareceria uma continuação da reivindicação de Jó por um advogado (16: 21). “Meu tempo está acabando. Ao invés de anos (16: 22), eu certamente tenho poucos dias.”
O meu espírito se vai consumindo - Por causa da sua doença?
Os meus dias se vão apagando - Como uma vela quando chega ao toco.
E só tenho perante mim a sepultura – Consciência da depravação total e hereditária que atinge toda humanidade. “Estou prestes a morrer, assim como todos os outros.”
- Isto não é depressão mórbida, mas encarar o inevitável. É saudável que nos lembremos que um dia partiremos. Seja consciente do tempo e número dos seus dias. A consciência da nossa própria mortalidade deveria nos fazer mais sóbrios, a fim de vivermos a verdade, e nos alegramos nas coisas celestiais. Esteja pronto para o último suspiro, para o apagar da sua chama. Quando o cemitério estiver pronto para você, esteja certo de que você estará pronto para ele!
II. O descontentamento de Jó para com seus amigos, v. 2-5.
Eles estavam simplesmente zombando dele, v. 2.
“Meus olhos contemplam suas provocações,” Ex: “Só vejo zombaria em vocês. Não há absolutamente nenhuma ajuda ou conforto.”
V. 3-4 falando com Deus. “Vou apelar à suprema corte celestial. Não posso apelar por ajuda a esta corte terrena, composta pelos meus amigos.”
“Preciso de alguém que me assegure de que Deus irá ouvir e julgar minha causa, a garantia de alguém que me prometa, com um aperto de mão, de que se juntará a Deus em meu favor.” Comp. 16: 21.
- Temos aqui uma figura de Cristo, como o único e suficiente mediador entre Deus e os homens. Ele promete a todo aquele que nEle crer que os representará nos céus, diante de Deus. Nele nós temos: perdão, aceitação e segurança. Cristo é a garantia de que seremos representados, e a nossa dívida será paga. Louvado seja Deus!
Ele é um mediador estabelecido por Deus. Esta é a maravilha do evangelho: Deus nos dá a garantia e provê o sacrifício que satisfaz a Sua própria justiça! Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue...Rom. 3: 25.
Gill: “Assim é Jesus Cristo; Ele foi apontado por Deus para ser o mediador entre Deus e os homens; voluntariamente se apresentou e concordou em ser a garantia de um melhor testamento, sendo isto conhecido pelos santos do Velho testamento, e por Jó; e a sua oração foi uma oração de fé, e nesta obra e ofício Cristo tornou-se: a garantia da eternidade para o seu povo; ele se ofereceu a Deus em favor deles, ele selou o acordo com o Pai, ou seja: fez um concerto ou aliança com Ele a respeito da salvação do seu povo, dando sua palavra, sua fiança ao Pai por Eles, para poder salvá-los, e sobre esta certeza do comprometimento de Cristo, todos os santos do Velho Testamento foram perdoados, justificados e glorificados, ele prometeu e se entregou a si mesmo em fiança, para pagar seus débitos, seus pecados, trazendo justiça eterna á eles, e conduzindo-os em segurança e alegria para os céus; para os quais, ele se colocou como substituto, dando sua vida para resgatá-los”
V. 3b possivelmente significa: “Com tamanha certeza, quem intentará acusação contra mim? Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus?”
V. 4 “Senhor, eu sei que Tu não justificarás estes escarnecedores. Tu não revelaste a minha causa, nem minha integridade á eles. Eles não entendem o que está acontecendo aqui.”
V. 5... “Eles estão apenas lisonjeando Deus as minhas custas (comp. 13: 7-8).” Eles tinham como pretexto honrar a Deus, acusando Jó de pecados grosseiros. (* Seja cuidadoso em não dar um passo errado sob pretexto de estar defendendo a Deus...imaginando de que você esteja bem com Ele e assim ser rude, cáustico e cruel com outras pessoas. E ao servo do Senhor não convém contender, mas sim, ser manso para com todos, apto para ensinar, sofredor (II Timóteo 2: 24).
Deus não honra atitudes deste tipo! Eles pagarão por isso. *Henry: “Aqueles que são injustos com seus companheiros, no final, poderão ser injustos com seus próprios filhos, mais do que eles imaginam.”
III. A integridade de Jó, v. 6-10
O contraste entre o justo e o ímpio.
V. 6 “Foi o Senhor. Ele fez isso. Eu costumava ser como uma poesia, mas agora a minha posição mudou! Eu sou uma sátira, um provérbio de tristeza, vergonha.”
V. 7 “Minha aparência revela o meu triste estado. Eu me pareço com um morto.”
V. 8-9 “Aqueles que têm entendimento (o justo, inocente, reto, mãos limpas) ficarão do meu lado. Eles ficarão chocados ao ver o que aconteceu comigo. Mas, eles sairão em minha defesa, e serão encorajados a permanecer fies quando passarem por tribulações. Eles serão fortalecidos em suas lutas espirituais. Eles irão olhar para o evangelho da prosperidade e o pensamento pragmático como uma forma de julgamento da aparência exterior!”
- Que perspectiva profética! Como Paulo: minhas provações ajudarão aqueles que verdadeiramente temem a Deus. Fil. 1: 14. Como Durham diz: “Outros são afligidos para aprendermos a lição sem termos que pagar um preço tão alto.” Jó parece ter entendido que estava sendo usado como um exemplo. Quantos têm sido ajudados por Jó desde então!
- Aprenda com as experiências dos outros. Seja um observador, um estudante.
V. 10 “Amigos, vocês precisam repensar e se arrepender de suas tolices. Nenhum de vocês sabe realmente o que está acontecendo aqui!” *Precisamos de sabedoria, especialmente em situações difíceis! Peça a Deus (Tiago 1).
IV. Jó e sua esperança futura, v. 11-16.
Talvez Jó esteja utilizando sua reclamação apenas como um recurso aqui. Ou talvez ele esteja se referindo a discussão de um tópico anterior – que as coisas vão melhorar (se ele se acertar com Deus!), como no cap. 5: 19; 11: 17. Se for isso, a resposta de Jó seria: “Vocês tem esperanças nesta vida. Eu não. Minha esperança esta além! Já desisti de ter esperanças nesta vida, estou aguardando o conforto futuro.”
V. 11 “Estou destruído.”
V. 12 “Meus pensamentos me impedem de dormir a noite e me atormentam durante o dia.”
V. 13 “Se eu seguir as instruções que vocês me deram e esperar, não terei mais nenhuma expectativa, a não ser o túmulo, que é a minha casa!
V. 14 A decadência é a minha família.
V. 15 Não tenho esperanças nesta vida, nesta existência.
V. 16 “Minhas esperanças terrenas morrerão comigo, elas irão juntamente comigo ao pó do túmulo.”
Observe:
1. Esteja certo de não estar oferecendo conforto temporal e terreno. (“Daqui a um ano as coisas estarão melhores.”) A esperança e consolação do evangelho vai além deste mundo terreno. Henry: Aqueles que não são sábios quando confortam algum aflito, que esta tentando buscar conforto na possibilidade da sua recuperação ou da sua condição neste mundo, embora não devam ser levados ao desespero, seria na melhor das possibilidades; uma coisa incerta, pois se este conselho falhar, como isto talvez ocorra, o conforto também falhará. “Seria sábio da nossa parte, que nas aflições, buscássemos conforto para nós e para os outros naquilo que não pode falhar, ou seja: as promessas de Deus, Seu amor e graça, e a bem fundamentada esperança da vida eterna.” (Pense no evangelho social, evangelho da prosperidade, etc.)
2. Nunca assuma que você sabe tudo!... a respeito de Deus e seus propósitos para você. Embora Jó estivesse certo em buscar conforto apenas na esperança futura, ele assumiu erroneamente que Deus já havia selado seu destino aqui na terra. Não abandone a Deus enquanto Ele estiver usando você nesta vida para Sua glória, propósito, e combater o bom combate da fé, continue pensando biblicamente, mantenha uma fé viva e confie em Deus para tudo.
#30
Jó 18
O segundo discurso de Bildade. A característica mais extraordinária: Nada de novo! (Não que queiramos simplesmente novidades, mas neste caso, não há valor na mera repetição. Precisamos saber quando nos calar! E, embora venhamos a repetir a mensagem do evangelho, vamos fazê-lo utilizando sempre uma comida fresca, com novos textos, ilustrações, etc.)
Parece que ficou mais evidente para Bildade que Jó estava errado, e que Deus executou estes julgamentos todos.
I. “Jó, o problema está em você” v. 2-5.
v. 2 Esta parece ter se tornado a tônica dos discursos! “Fique calado para que eu possa falar!” (8: 2, 11: 2, 15: 2-3)
Por que no plural? Talvez alguns dos ouvintes demonstrando sinais de simpatia e concordando com Jó? Ou, Já que Jó é o único que fala deste lado, Bildade o está acusando de falar demasiadamente! “Você falou muito e por muito tempo.”
Considerai=seja inteligente, considere, entenda, perceba. “Preste atenção ao que estamos falando.”
v. 3 “Você pensa que nós somos animais!” (baseado em 12: 7?) “Você deveria ter um pensamento um pouco mais elevado sobre nós do que pensa. Nós queremos ser seguidos.”
Bildade exagera suas ofensas. Toma como ofensa pessoal aquilo que ninguém poderia ter certeza. Henry: “Os orgulhosos são aptos a se sentirem mais desprezados do que na realidade o são.”
- Cuidado com o orgulho! Comp. Romanos 12: 3. Cultive a humildade.
- Não aumente o problema adicionando ou usando palavras erradas. Se você procura por um insulto, certamente o encontrará!
“Você é tão vil, e pensa que nós também somos! (Como se eles fossem livres para pensar desta maneira, mas Jó não.)
- Nós damos outro nome aos nossos pecados. Não conseguimos identificar a nossa própria cegueira. Comp. Rom. 2: 21-23.
v. 4 Oh tu. Provavelmente Jó “Você é a causa dos seus próprios problemas. Você não pode culpar a mais ninguém (como em 16: 9). A sua ira teimosa, e a recusa em confessar seu pecado, estão te destruindo!”
- Alguns elementos de verdade no resumo principal. Henry: “A ira é um pecado que traz consigo o seu próprio castigo. Pessoas facilmente iradas choram e atormentam a si mesmos.” Erro ao aplicar este princípio ao caso de Jó.
v. 4b Você espera que Deus reformule Sua justiça para se adaptar a você?...a terra e o céu mudarão por tua causa. Quem você pensa que é? Seu arrogante, egoísta e teimoso!”
- Que virada de mesa! As piores acusações vinham daqueles que deveriam primeiro se olhar no espelho. Seja cuidadoso em se examinar primeiro, antes que venha corrigir a outros. (ex: “Escuta aqui, é bom você manter a calma e ficar quieto, agora mesmo!”) Que Deus revele nossos pecados antes deles serem revelados a outros!
II. “Este é o motivo do seu sofrimento” v. 5-21
Retrato do homem reprovado, ímpio. “Uma maldade refinada” neste capítulo. Repetição dos mesmos princípios. Talvez você não tenha ouvido na primeira (2º, 3º, 4º) vez. Como você ousa disputar esta verdade universal!”
1. Várias similaridades:
v. 5-6 A luz retirada
v. 7-10 O andar da pessoa semelhante a um animal prestes a cair na armadilha. Quanto mais ele tenta se soltar, mais enlaçado ele fica (v. 7). É vencido pelos roubadores.
v. 11-15 Um criminoso sendo perseguido pela corte para ser julgado. Pense no cap. 1, seria o mesmo que dizer que Jó estivesse sendo cassado pela ira de Deus.
O Primogênito da morte (v. 13) = a força da morte, pois o primogênito era considerado como o membro mais poderoso da família.
O Rei dos terrores (v. 14) = A morte
v. 15 o que não lhe pertence = ex: roubado, adquirido por meios escusos, não de direito seu. Pense na destruição causada pelo fogo no cap. 1.
v. 16 destruído, doente.
2. A colheita amarga:
v. 17 Esquecido
v. 18 Removido
v. 19 Desolado. Que crueldade com Jó. “Sem filhos = sem graça.”
v. 20 Citação do cap. 17: 8 “Deus usará pessoas assim como exemplo (como você, Jó). Deus enviará uma mensagem chocante àqueles que estiverem ao redor.
v. 21 Resumo: “Isto é o que acontece ao ímpio. Você tem todas as características de uma pessoa não regenerada (ex: a falta de prosperidade exterior).”
Isso não vai ter fim?! Que “amigos” cruéis e desumanos!
Aprenda:
1. Algumas verdades que Bildade diz: a vida do pecador é miserável. Ele é um terror para si mesmo e para sua própria felicidade.
2. O erro de Bildade: ele falha em provar (1) que os pecadores sempre vivem num estado miserável neste mundo. (2) que todos os que passam por grandes provações são grandes pecadores. (Tenha certeza do que são, e do que não são evidências da graça.)
3. A convicção nem sempre expressa a verdade. Não deixe que a convicção com que um erro é expresso, abale os seus fundamentos. Satanás muitas vezes nos ataca, como fez com Jó, com afirmações enfáticas do erro, ou com a verdade erroneamente aplicada.
4. Embora a morte seja o Rei dos terrores, ela não é páreo para o Rei da Glória e o Príncipe da Paz, que venceu a morte por nós, transformando-a em servo!
#31 Momento decisivo para Jó (Parte 1)
Jó 19: 1-21
Estamos na metade do caminho dos discursos entre Jó e seus três amigos.
Revisão:
O ponto: não é explicar porque o justo sofre, mas mostrar que a submissão é o caminho da sabedoria. Nós não compreendemos a maioria das coisas que diz respeito a Deus e ao Seu governo.
A frustração de Satanás: não entender a razão de alguém servir a Deus.
A Meta de Satanás: Jó amaldiçoar a Deus
Os métodos de Satanás:
- Remover todas as bênçãos externas
- Remover a saúde
- Amigos que não entendem o que está ocorrendo. Eles pensam que estavam falando em nome de Deus. Não há provação maior do que a de ser mal compreendido e rejeitado pelos melhores amigos e pelas pessoas mais consagradas que conhecemos. Isto é participar dos sofrimentos espirituais à semelhança do nosso Senhor Cristo.
Jó poderia ter agido com maior cautela antes de responder as críticas feitas por seus amigos.
Nenhum crítico é mais severo do que aquele que pensa que está servindo a Deus! Nenhum dos quatro amigos muda de opinião.
A segunda resposta de Jó á Bildade. Um capítulo de grande contraste, o maior em contraste de todos os seus discursos. O luta da fé contra o sentimento. Das profundezas às alturas... mas Jó está progredindo na escola da paciência e da confiança em Deus.
I. A repreensão de Jó, v. 2-4.
v. 2 uma pontiaguda, mas necessária pergunta. Longe de estarem confortando Jó, eles o estão fazendo em pedaços.
v. 3 “Vocês me insultaram 10 vezes [ex: medida completa]. Não é o suficiente? Se vocês não têm mais nada a dizer, exceto repetirem a visão unidimensional do evangelho da prosperidade que possuem, então fiquem calados!”
* “Henry: Aqueles que falam muito, raramente acham que falaram o suficiente, e quando abrimos a boca sob grande emoção, os ouvidos se fecham á razão.” Seja tardio para falar!
Vocês deveriam se envergonhar!...por serem estranhos ao invés de amigos.”
v. 4 “Mesmo que eu tivesse pecado, como vocês me acusam, ainda assim vocês não poderiam saber do que se trata.” Ou, “... tal pecado não atingiu vocês, pois vocês ficam distantes e condenam, ao invés de confortar e restaurar.”
II. O argumento de Jó, v. 5-20.
v. 5 “Mas, já que vocês estão determinados a continuar este debate, eu também responderei.”
v. 6 “Deus é o único que tem feito isso tudo, não eu.” Jó mantém sua integridade, embora eles o acusem de ser o culpado de tudo o que está ocorrendo. Jó afirma que Deus soberanamente impôs estas aflições com determinados propósitos (que Jó desconhece).
- Reconheça a mão de Deus em tudo. Submeta-se a Sua soberania, mesmo que não entenda os Seus propósitos. Ande pela fé. Nossa falha em entendermos o plano completo de Deus, não é motivo para murmurarmos ou achamos que isto está errado.
- Deus pode afligir a quem quiser, porém nós não!
v. 7-12 Imagens de destruição. “Deus me virou de cabeça para baixo (v. 6a). Eu caí na rede de Deus (v. 6b). Sou como um homem assaltado por um brutamonte, e ninguém há que ouça os meus gritos de socorro (v. 7). Estou numa cilada sem saída e a noite está caindo (v. 8). Sou como um príncipe derrotado cujo inimigo humilha, removendo seus emblemas de poder e honra (v. 9) Caí numa emboscada, e a minha esperança foi cortada como uma árvore (v. 10). Deus é como um inimigo que tem algo (não meramente rotineiro) pessoal contra mim (v. 11). Ele enviou todo o Seu exército contra mim! (v.12). Estou derrotado, humilhado e sem esperanças.”
- Jó foi muito apressado em falar de Deus como sendo seu inimigo? (Ainda que não tenha blasfemado contra Ele!) Não será esta uma das declarações que Eliú combateu dizendo que Jó justificava a si mesmo ao invés de Deus (espec. v. 11, 22)? Seja cuidadoso na maneira como você pensa e fala a respeito de Deus! Na vossa paciência possuí as vossas almas (Lucas 21: 19).
- Reconheça Deus nas “causas secundárias” (v. 12), mas não O culpe como se Ele estivesse errado. Reconheça a providência de Deus em tudo, mas seja cuidadoso na forma como interpretá-la. Brooks: Deus pode ter um olhar severo, desaprovar amargamente, e pegar pesado, mesmo quando e por quem Ele tenha amor. A mão de Deus pesou muito contra Jó, no entanto, o Seu coração e amor estavam sobre ele.” ex: a mão de Deus nem sempre revela o Seu coração!
v. 13-19 A solidão de Jó. “Deus me isolou dos meus irmãos e amigos (ex: Elifaz, Bildade e Zofar, v. 13); meus parentes morreram, fui esquecido por todos (v. 14); os empregados me consideram um estranho (v. 15) e não me servem (v. 16); até mesmo a minha esposa, a mãe dos meus filhos, se distanciou de mim, por causa do mau hálito que a minha doença causa (v. 17); as crianças da vizinhança que costumavam me respeitar, agora me desprezam e falam contra mim (v. 18); todos agora são antigos amigos que me abominam (v. 19).
v. 20 “Estou num estágio avançado da doença. Ao invés dos ossos sustentarem as carnes, minha pele é que parece estar sustentando os ossos” como uma vítima da fome cuja pele se estica sobre o esqueleto. “A única carne não afetada pela minha doença, está na minha boca” ou “Meus dentes todos caíram com a doença, ficando apenas as gengivas.”
III. O pedido de Jó, v. 21-22.
Portanto, vocês deveriam demonstrar piedade, misericórdia e conforto em vista de tudo o que Deus tem feito comigo. Ao invés de vocês me perseguirem como Deus. Vocês não estão satisfeitos com a minha dor física, querem acrescentar a isso uma tortura mental e emocional contra mim? Por quê?!
Aprenda:
1. Aprenda a demonstrar misericórdia. Seja misericordioso (I Pedro 3: 8) Literalmente, entranhas de misericórdia, compaixão. (“As entranhas eram consideradas como um lugar onde se manifestavam os sentimentos mais profundos e violentos, como o amor e a ira, mas para os Hebreus, como o lugar de afeições, como a bondade, benevolência, compaixão e daí, o nosso coração (afeições, misericórdia, etc.)” Se importe com a dor dos outros. Participe da dor alheia!
Levai a carga uns dos outros (Gálatas 6: 2).
Henry: “Devemos ter grande ternura por aqueles que estão aflitos, especialmente por aqueles que estão perturbados emocionalmente.”
Contradição: um Cristão desinteressado, abrasivo e sem afeto. *Veja quanta misericórdia Deus tem demonstrado por você!
Um livro secular que trata com a dor e a morte diz:
Uma pessoa que está sofrendo dor passa a ser ajudada no momento em que ela sente que começou a ser entendida. Foi perguntado a uma pessoa que estava morrendo, o que ela esperava, acima de tudo, das pessoas que estavam cuidando dela, e a resposta foi: Alguém que procure me entender, e acrescentou: Não espero que tenha sucesso, mas que se preocupe em tentar. (de Derek Thomas, entregue a mim por um amigo em sofrimento, Weldom Frazier)
Não deixe ninguém que você conheça dizer como Davi: ninguém cuidou da minha alma. (Salmo 142: 4)
2. Aguarde por situações que exijam piedade. Este é o curso desta vida, especialmente da vida Cristã.
3. Não fique surpreso se não receber demonstrações de piedade daqueles que deveriam demonstrá-la. Se eles não fizerem, não faça isso com você mesmo. Que situação triste é ver alguém demonstrando autocomiseração, tendo pena de si mesmo! Seja forte no Senhor!
Leve a sua própria carga (Gálatas 6: 5).
4. Deus é piedoso! Tiago 5: 11, literalmente “muitas ou largas entranhas”.
Nunca esqueça: Deus sabe, Deus entende, Deus se importa (I Pedro 5: 7. Ele não é um pastor assalariado que não se importa com as ovelhas, João 10: 13. Ele permanece conosco, até mesmo quando andamos pelo vale da sombra da morte...Salmo 23. Seu ministério de presença.
#31 Momento decisivo para Jó (Parte 2)
Jó 19: 23-29
Esta é a passagem mais familiar do livro de Jó. Um dos pontos mais altos do Velho Testamento. Temos visto Jó em vários estágios de sofrimento e queixas. Aqui a fé de Jó “atinge as alturas, como uma águia que voa nos céus em meio a nuvens e tempestades, contemplando por alguns momentos a luz do sol.” (Robinson)
I. A confiança de Jó, v. 23-24.
“As futuras gerações serão mais benevolentes comigo do que esta! Portanto, eu anseio para que minhas palavras sejam permanentemente escritas.” Que palavras? Provavelmente as que ele está prestes a declarar.
Ele descreve aqui o método de escrita utilizado naquele tempo, ou seja; gravado em pedras e preenchidas com chumbo, ficando registradas permanentemente. “Deus me justificará! Que estas palavras sejam como um epitáfio ou memorial.”
- O desejo de Jó foi atendido muito além do que ele imaginava! Hoje estamos lendo suas palavras!
- Deus registra nossas palavras, ainda que os homens não o façam. Vamos ser cuidadosos nas escolhas das nossas palavras. A vossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para que saibais como vos convém responder a cada um (Colos. 4: 6). Deus também lê os nossos pensamentos!
II. A esperança de Jó, v. 25-27.
Dificuldades:
1. Palavras. Note quantas vezes parecem palavras escritas em itálico! Há dificuldades em se definir o sentido de cada palavra, frase. Mas eu sigo a nossa versão Inglesa.
2. Uma aparente contradição com aquilo que Jó disse anteriormente. Exemplos: 7: 9, 14: 10-12. Temos falado que a perspectiva de Jó era limitada a terra. Ele parecia estar distante de qualquer conceito de que sua alma seria glorificada com Deus depois da sua morte, assim como a ressurreição e glorificação final do seu corpo. Porém, aqui Deus revela a Jó (ou relembra) mais claramente do que nunca, que uma vida gloriosa seria o final de tudo para ele.
3. Quantas coisas foram reveladas a respeito da Redenção e Ressurreição neste tempo? Lemos estas palavras com os olhos e entendimento no Novo Testamento, o qual Jó não possuía. Quanto Jó compreendia daquilo que escreveu? “Henry: Temos razões para acreditar que Jó estava sendo impulsionado aqui pelo abençoado Espírito Santo, que o ergueu acima de si mesmo, iluminando-o e dando-lhe palavras, para a sua própria surpresa.” Compare com I Pedro 1: 10-12, as palavras dos profetas às vezes não eram totalmente compreendidas por eles.
- Vamos ser cuidadosos em não entrar muito na mente de Jó, nem ter por pouco suas palavras!
Algumas coisas que Jó sabia:
1. Ele tinha um redentor, v.25a.
O conceito do redentor no Velho Testamento: um parente próximo (parente remidor) que pagaria o preço para livrá-los de dificuldades na família (ao invés da escravidão) ou resgatar suas propriedades, etc. (Levítico, Números, Deuteronômio, Comp. Salmos 49: 6-9)
Jó abraçou as promessas de Deus (ex: Gênesis 3: 15, o sacrifício de Abel e outros, A arca de Noé, etc.) “O redentor virá. Aquele que me libertará” e o contexto nos mostra que ele pensava não em um livramento temporário, mas futuro!
2. Este redentor se levantará sobre a terra no final, v. 25b.
Vitória final sobre o pó! Postura de conquista. Todos inimigos vencidos no final. (Como Satanás deve ter entrado em choque ao ouvir isso!...de alguém que ele esperava amaldiçoar a Deus a qualquer momento!) “Deus está controlando tudo isso.”
3. Na carne, Jó veria a Deus, v. 26-27
Jó esperava a morte e ver seu corpo corrompido. Mas, ele também esperava ver a Deus com os seus próprios olhos, na sua carne. Como? Ele estava se referindo a ressurreição! (Como se Deus lhe dissesse: “Filho, você já andou o suficiente no escuro. Deixe-me lançar um pouco de luz naquilo que você deve esperar!”)
Que visão abençoada! Ver Deus, e vê-Lo por mim mesmo (a meu favor). Ele não será um estranho para mim, mas meu parente remidor!...que ama, relembra, resgata e me exalta juntamente com ele.
(Jó anelava isso tudo! V. 27b. Palavras de profundo desejo e anseio: Meu coração se consome em meu peito!”)
Como Jó sabia destas coisas? Deus lhe revelou! Jó as abraçou pela fé, Green: “É a fé firmando-se a si mesma nas coisas invisíveis, quando não há nada exteriormente para se apoiar.” A mesma fé de Abraão: “Deus é poderoso para ressuscitar da morte, o corpo e a alma!”
Piedade convicta. Jó creu, portanto falou. Como se dissesse: “Deus parece estar contra mim agora (v. 11-12), mas no final, Ele será por mim, como tem sido até esse momento.”
- Amigo, você sabe estas coisas? Você tem este Redentor vivo a seu favor? Você poderia se juntar a Jó e dizer: “Eu sei que o meu Redentor vive!” Oh, a alegria do pronome possessivo meu! Você tem esta esperança? Olhe para Cristo como Redentor.
Cristãos, se um homem podia ser tão confiante há 2.000 anos atrás, antes da vinda de Cristo, muito mais nós deveríamos ser 2.000 anos depois! Com este Redentor vivo, você pode conquistar qualquer inimigo!
III. A coragem de Jó, v. 28-29.
“Vocês três deveriam se questionar a respeito das suas próprias ações desta maneira: “Por que estamos perseguindo este homem quando é óbvio que não há nenhuma raiz da verdade, fé e piedade nele?”Seria melhor que vocês se preocupassem com vocês mesmos! Eu advirto vocês, há um dia de julgamento que está por vir, e vocês podem não estar tão preparados como imaginam!”
Imagine a cena! O pobre, doente, frágil e solitário Jó pronunciando juízo sobre os seus mais nobres e secos amigos. Isso os encheu de fúria! “Que insulto inadequado!” * O mesmo ocorre hoje!
Aprenda:
1. Quando não houver ninguém para recorrer, recorra a Deus!
2. Tenha em vista o dia do julgamento. Esta verdade mantém tudo na sua perspectiva correta. Isto ajuda a pesar as aflições do tempo presente. Espere pacientemente por isso. Esta verdade faz com que o julgamento dos homens não tenha valor, I Coríntios 4: 3-5. “Deus me justificará!” II Timóteo 1: 12. Uma visão a longo prazo faz com que as provações sejam suportáveis. Tenha esperança!
3. As provações de Jó iriam continuar, mas de agora em diante ele não seria mais arrastado para o fundo novamente! Aqui começa o progresso...um momento definitivo...a virada de mesa...o passo decisivo. Vamos progredir da mesma maneira, aprendendo a suportar e a vencer passo a passo. Vamos orar e aguardar pelo momento decisivo quando a fé vencerá os inimigos de dentro e de fora.
Jó 20
Esta é a última vez que ouvimos Zofar falando. (Ele deveria ter exercido o direito de permanecer em silêncio muito mais cedo!)
Ele percebeu que Jó estava firme em sua posição e em seu fundamento. Este é o seu último esforço para fazer com que Jó visse as coisas do seu jeito. (O pedido de misericórdia de Jó passou despercebido.) Praticamente uma batalha de idéias, mas o problema é: Quem está do lado da verdade?
I. Introdução e Apologia (ex: defesa do seu discurso), v. 1-3.
v. 2 “Eu tenho alguns pensamentos que devem ser expressos. Não posso evitar responder a você, Jó.” (Mas, não perca o seu fôlego esperando alguma coisa nova ou compreensível! * A sabedoria humana promete, mas falha em cumprir. Desaponta. A verdade de Deus satisfaz.)
v. 3 “Eu ouvi sua advertência (19: 29). Você me considera um homem cujo caráter é vergonhoso e me reprova por isso? Bem, deixe-me falar para você algumas coisas!” Parece que Zofar não levou a sério a advertência de Jó.
- Ouça uma reprovação o tempo suficiente para avaliar o seu valor. Você pode aprender alguma coisa útil dos seus críticos! Eles podem estar preocupados com a sua alma!
- Henry: “Os homens com freqüência confundem suas emoções com a razão, pensando que estão fazendo um grande bem ao ficarem irados.”
II. O Argumento, v. 4-7
v. 4 “Meu argumento é tão velho quanto a própria terra. Você deveria saber disso, Jó.”
v. 5 Jó havia dito que o ímpio ás vezes prospera (12: 6 e 9: 24) e fala mais profundamente a respeito disso neste capítulo. “Tudo bem Jó, eu concordo que o ímpio prospera algumas vezes, mas esta prosperidade é passageira, não perdurará para sempre. Ela será corrigida pela justiça Divina nesta vida.” (uma forma moderada do evangelho da prosperidade?)
v. 6 “A grandeza do ímpio pode se elevar ao ponto mais alto, mas não importa o quão grande seja...
v. 7 ...Ele será rebaixado e destruído. Ele virá a ser nada, como o excremento que sai do seu corpo, assim ele será destruído por completo, pois nada restará dele. Será como se ele nunca houvera existido.”
- Evite a linguagem vulgar. Santos, mantenham seu vocabulário num padrão elevado. Se no calor da discussão você baixar o nível e o padrão da conversa, muito provavelmente é em razão de o seu argumento ser fraco! (mas, esta não é a maneira de fortalecê-lo!) Há uma linha muito fina entre enfatizar aquilo que é inspirado (como Paulo em Filip. 3: 8) e o uso de expressões vulgares e gírias. A palavra de Deus não é melindrosa (evitando falar de qualquer assunto em seu devido lugar), mas também não é negligente. Vamos aprender e imitar.
III. Ampliando o argumento, v. 8-28.
Uma lista de coisas que acontecem ao ímpio, ainda que próspero, quando ele partir desta vida:
v. 8 “Sua prosperidade e boa vida desaparecerão como num sonho durante a noite.”
v. 9 “Ele desaparecerá e nunca mais será visto por aqueles que buscam por ele.”
v. 10 “Seus herdeiros terminarão mais pobres do que os pobres, servindo aos pobres e oprimidos por eles. As terras de sua herança serão utilizadas para pagar os débitos deixados pelo pai.”
v. 11 “Ele não escapará dos seus pecados. Eles se apegarão á ele. Eles o caçarão até o apanharem. Ele morrerá neles.”
v. 12 “Ele esconde os seus pecados em sua boca, debaixo da sua língua, onde ninguém pode ver, e lá ele se delicía deles.”
v. 13 “Ele não o cuspirá para fora, mas o guarda e saboreia.”
v. 14 Entretanto, o pecado se faz amargo em seu ventre, como um veneno de cobra, mortal.”
v. 15 “Ele ficará doente em conseqüência das riquezas injustamente adquiridas, é será como um glutão, que passa mal e vomita aquilo que comeu. Deus não permitirá que ele desfrute do seu pecado. Seu tormento pela perda das suas riquezas será maior do que o prazer que desfrutou.”
v. 16 “Ele destruirá a si mesmo, como alguém que toma veneno de uma serpente. Suicido, na certa.”
v. 17 “Tudo o que juntou irá se perder, evaporar.”
v. 18 “Ele terá que fazer restituição de tudo o que roubou. Será deixado sem nada, não desfrutará de coisa alguma.”
v. 19 -20 “Todos os seus planos falharão. Não sentirá satisfação nenhuma pela realização ou cumprimento dos seus planos.”
v. 21 “Não deixará nada para que seus herdeiros briguem!”
v. 22 “No auge da sua plenitude ele será abatido e murchará de repente (como você Jó). Todos os coletores de impostos chegarão ao mesmo tempo para receber o valor devido e atualizado.”
v. 23 “Deus o apanhará no ato e o recompensará rapidamente.” Como aquele homem rico e cheio de planos que Deus pediu contas da sua alma imediatamente (Lucas 12: 20).
v. 24 “Enquanto ele está tentando escapar de um julgamento, outro já o atinge, ele tenta escapar de ser frito, mas acaba caindo no fogo.”
v. 25 “As armas de Deus irão abatê-lo e atravessá-lo.” (um lembrete do cap. 16: 13?)
v. 26 “Nenhuma luz. Somente trevas. O julgamento de fogo, da parte de Deus, descerá sobre ele, vindo de parte alguma, e destruirá ele e os seus.” Capítulo 1.
v. 27 “Testemunhas se levantarão contra ele na terra e nos céus. Estarão unidos contra ele em seu julgamento.”
v. 28 “Ficará desolado de possessões e família. Será drenado, esvaziado e derramado. A ira de Deus cairá sobre ele.”
IV. Conclusão:
“Este é o dia do pagamento de Deus. Jó, você não tem o direito de esperar nada, além disso, da parte de Deus. Você é um homem mau, a providência de Deus sobre você prova isso.”
Observe:
1. Ainda que Zofar estivesse certo, ele não precisava se comunicar com um espírito tão rude e severo. Se o nosso evangelho ofende, não vamos adicionar, desnecessariamente, a ele um mensageiro cruel. [Zofar estava certo no princípio geral de semear e colher – o ímpio não prosperará no final, mas estava errado quanto ao tempo de colher e em aplicar isso ao caso de Jó. Henry: Nunca houve uma doutrina tão bem exposta, mas tão mal aplicada, como esta por Zofar, que pretendia provar, através de tudo isso, que Jó era um hipócrita. Vamos receber a boa explicação e fazer uma correta aplicação, para alertarmos a nós mesmos a permanecer lúcidos e em temor, a fim de não pecarmos.”]
2. Aqueles que são contados como justos, perfeitos, e retos, por Deus, podem ser contados como maus pelos homens (v.29). Porém, isto fala mais a respeito do caráter do acusador do que do homem em si mesmo.
3. Um esquema muito bem elaborado pode ser construído tomando como base uma premissa falha. Exponha a falha e todo o esquema vem abaixo. A premissa falha de Zofar: que a prosperidade do ímpio tem um fim nesta vida. Seu erro: insistir que isso será neste mundo. Cuidado para não impor a sua idéia de tempo e juízo à Deus. Nem sempre Sua justiça é administrada nesta vida, e nem totalmente administrada até o último dia. Deus nunca se apressa! Não tente forçá-Lo a se encaixar em sua agenda. Qualquer julgamento que possa cair sobre o ímpio, não corresponde a porção final do castigo reservado para o futuro. O princípio de plantar e colher estão certos, mas nem sempre a colheita ocorre nesta vida!
4. Quando houver uma controvérsia, examine de forma objetiva os seus próprios argumentos. Se você encontrar uma falha, não continue no debate. Seja honesto com você mesmo e com o seu oponente. Por outro lado, se você estiver convicto da sua posição, não desista. Antes, como Jó, aponte para a falácia do argumento, não importando o quão forçosamente tenha que expressá-lo.
5. A aceitação universal de um “fato” não necessariamente prova que isso está certo. “Todo mundo sabe disso...você é o único que discorda” (v. 4). Se isso contraria a Palavra de Deus, não creia nisso. Fique firme em suas convicções se elas estão alicerçadas em Deus.


Nenhum comentário:

Postagem em destaque