segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Na Bíblia você encontra tudo que precisa para vive!



As Obras da Carne O Inimigo Interior

O tempo parece ser propício para o bom sentimento religioso. Há um
espírito de alegria, a mensagem é animadora. E contra isso em si não
temos queixa. O evangelho é uma mensagem bem positiva. É uma
mensagem de salvação e de redenção uma palavra de graça e de
alegria. Mas não é uma graça barata, nem uma alegria fácil. E é
exatamente aqui que me encontro ansioso com o espírito religioso de
nossos dias um espírito que embrulha e vende o "evangelho" como se
faz com óleo de cobra, um remédio de charlatão de rápida ação, que cura
tudo e nada exige. Como certa vez observou C. S. Lewis, o evangelho
no final das contas é bastante confortador, mas não se inicia assim. A
palavra de Cristo no começo nos desfaz em pedaços num desmascarar
doloroso de nossos pecados (veja Romanos 13), depois com amor e
cuidado nos torna inteiros de novo (Salmos 51:8). O evangelho é livre,
mas não é fácil. Não há nascimento sem dores de parto, não há
liberdade sem disciplina, não há vida sem morte, não há "sim" sem
"não". É nesse espírito que se escolheu o tema desta edição da revista.
Não para levantar um eterno "Não", mas para reconhecer que a vida em
Cristo tem inimigos mortais que têm que ser resistidos sem compromisso.
O que Paulo quer dizer com a "carne"? Será que os homens receberam
duas naturezas na criação uma má e outra boa? Ou será que pelo
pecado de Adão entrou no homem alguma perversidade profundamente
arraigada? A resposta a essas duas perguntas é um inequívoco "não".
Quando Deus criou o homem, este foi declarado completamente "bom"
(Gênesis 1:31). Todo homem que pecou desde Adão até os nossos dias
não o fez por necessidade, mas por livre escolha. Os homens pecam
porque querem (Eclesiastes7:29). Não somos espirituais nem carnais por
natureza, mas somos capazes das duas coisas, e, como seres humanos,
temos de escolher entre esses dois caminhos e nos responsabilizar por
nossa escolha.
Embora Paulo às vezes use "carne" (sarx) em referência ao corpo físico
(Romanos 2:28) ou ao aspecto humano (Romanos 3:20), a palavra
significa muito mais do que isso em Gálatas 5:1624.
O corpo pode
tornarse
um instrumento da glória de Deus (Romanos 12:1; 1 Coríntios
6:20), mas a "carne" não (Romanos 8:58).
O corpo pode ser redimido e
transformado (Romaos 8:23; Filipenses 3:21), mas a "carne" deve morrer
(Gálatas 5:24).
22/12/2014 As Obras da Carne O Inimigo Interior
data:text/html;charset=utf8,%
3Ctable%20border%3D%220%22%20cellpadding%3D%220%22%20cellspacing%3D%220%22%20width%3D%22100%25… 2/2
A "carne" que milita contra o Espírito não é a mente ou o intelecto, pois a
mente, como o corpo, pode ser transformada e renovada, treinada para
servir aos propósitos divinos (Romanos 12:2).
Essa "carne" não é nem a mente nem o corpo em si mesmos, mas uma
atitude pela qual o homem opta e que o põe contra Deus. Na "mente
carnal", a vontade do homem tornase
suprema. Seus desejos têm que
ser atendidos acima de todas as coisas. Estes podem ser as
concupiscências da carne ou os desejos da mente (Efésios 2:3), mas
serão satisfeitos a qualquer custo. É por isso que "as obras da carne",
contra as quais Paulo adverte, abrangem mais que os apetites do corpo.
Na realidade, se possível, estes são as menores das enfermidades
espirituais. É na mente que escolhemos servir a nós mesmos. É na
mente que nos tornamos arrogantes e egoístas e tomamos decisões que
desonram o corpo (Romanos 1:24) e escurecem o raciocínio (1:21).
Viver em toda obra da carne significa fazer o que eu quero não
simplesmente satisfazer os meus desejos carnais mais baixos, mas
atender os desejos do meu ego. O orgulho e a paixão vivem na "carne"
em perfeita harmonia.
Precisamos conhecer os nossos inimigos. Os artigos que se seguem nos
ajudarão a identificálos
melhor. Não são as pessoas, mas os desejos
perversos que procuram roubar o nosso coração de Deus. Existe uma
forma racional de enfrentarmos esses adversários crucificálos
impiedosamente e sem olhar para trás (Gálatas 5:24). Será penoso (1
Pedro 4:1), mas não tanto quanto a perda da eternidade.

Nenhum comentário:

Postagem em destaque

UM OBREIRO SEM APROVAÇÃO DE DEUS, É COMO UMA OVELHA SEM REBANHO.