quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Camelo×Agulha aprenda a simplicidade do Evangelho. Amém

Camelo e Agulha👆

“É mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus”
Quantas interpretações diferentes você já ouviu sobre esse texto? Lembra de alguma pregação ou explicação sobre o que significa o camelo? Ou a agulha? Eu gostaria de citar-lhes algumas das que já ouvi.
Em outro artigo postado aqui, falamos da Simplicidade do Evangelho. Poderíamos continuar usando o mesmo título ao abordarmos sobre o conhecido texto de Marcos 10.25; mas antes quero lembrar algumas explicações que certamente você já ouviu à respeito desse texto encontrado no livro de Marcos e também em Lucas 18.25 e curiosamente, todas as interpretações concordam apenas que o rico a quem Jesus se refere, é uma pessoa que possui muitos bens materiais, agora, quanto ao camelo e a agulha (…) quanta bobagem! Vamos a elas;
Certamente você já ouviu algum pregador dizer que esse “camelo” citado por Jesus era na verdade um fio de linha feito de algodão usado na confecção de roupas, ou seja, o que conhecemos hoje em dia pela nossa mãe ou avó fazendo roupas de tricô ou crochê. Explicam que por se tratar de um material feito manualmente, esse fio não tinha a firmeza que os fios industriais de hoje em dia possuem, dificultando assim a passagem pelo orifício de uma agulha de costura e levava-se muito tempo para conseguir fazer isso, e finalmente quando se conseguia atravessá-lo, uma parte difícil do trabalho havia sido conquistada, logo, um rico entrar no reino de Deus era tão difícil quanto a tal tarefa, por isso Jesus usou esse exemplo.
E a agulha? Dizem que a agulha era uma pequena porta nos muros da cidade e os viajantes ao chegarem durante a noite, deixavam os camelos do lado de fora do muro e passavam abaixados por essa porta, porque as outras portas que os camelos usavam ficavam fechadas durante a noite, devido ao perigo de assaltos e roubos, mas essa pequena porta deixada para as pessoas entrarem era obviamente impossível ser usada por um camelo.
Existem muitas outras explicações, dizem também que a porta era a passagem estreita de um curral e seria uma passagem muito apertada dificultando assim o camelo sair do curral. O animal ficava preso durante o tempo que não estava sendo usado em trabalhos, logo, o rico entrar no reino de Deus era semelhante a essa dificuldade que o camelo tinha em fugir do lugar onde era posto.
Você conhece mais alguma explicação que seja diferente dessas que citei? Eu conheço! Na verdade eu posso afirmar que conheço a verdadeira, quer conhecê-la também? Garanto a você que não precisa ser um profundo conhecedor de teologia ou assuntos bíblicos doutrinários, basta ler o texto com atenção e você vai ver a simplicidade do evangelho do nosso senhor Jesus! (…) vamos ao texto?
“É mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus, E eles se admiravam ainda mais, dizendo entre si: Quem poderá, pois, salvar-se?
Jesus, porem olhando para eles disse: Para os homens é impossível, mas não para Deus, porque para Deus todas as coisas são possíveis.
Em primeiro lugar, diferente do que as pessoas pensam Jesus não esta tratando aqui sobre condição financeira de ninguém, mas o texto trata de salvação. Muitos interpretam essas palavras pensando ser algo sobre prosperidade ou algo parecido, na verdade se enganam não somente sobre o que Jesus quer nos ensinar, mas também a respeito do camelo e da agulha.
O camelo aqui é exatamente o que você conhece, aquele bicho esquisito usado como transporte no deserto, cientificamente chamado de Camelus Dromedarius e certamente Jesus tinha familiaridade com esse animal que servia de transporte a todos.
E a agulha? Eu te pergunto; o que você conhece por agulha nos dias de hoje? Seria aquele pequeno objeto de metal que serve para fazer costura? Sim, esse mesmo objeto de hoje Jesus usou para fazer esse comparativo e você concordará que para um bicho de dois metros de altura passar por um buraquinho milimétrico de uma agulha além de ser impossível seria uma incoerência crer nisso, não é verdade? Pois saiba, foi exatamente isso que Jesus nos ensinou.
Troque a palavra rico por pobre, ou bebado, ladrão, prostituta ou simplismente por homem (…) qualquer ser humano independente de sua condição, cor ou idade era impossibilitado de entrar no Reino de Deus, quem nos possibilitou isso foi o Pai enviando seu filho para resgatar a dívida do pecado e da morte.
Entrar nesse reino sem o milagre da salvação, é impossível, nem eu nem você nem qualquer outro homem ou mulher que já nasceu nesse mundo teria a graça maravilhosa de entrar no Céu, mas o Senhor nosso Deus tornou isso possível!
Então, meu querido amigo, é mais fácil o camelo (bicho) passar pelo fundo de uma agulha (de costura), do que o rico, o pobre, eu e você entrar no Reino do Senhor!
Mas à Deus todas as coisas são possíveis, Aleluia!!

sábado, 26 de dezembro de 2015


A PAZ SEJA CONVOSCO POVO DE DEUS. AMÉM
ESTAMOS AQUI PARA NOS APRESENTAR, COMO OBREIRO DO SENHOR. AMÉM
ESTAMOS CHEGANDO AO FIM DO ANO, E ESTAMOS NESSA MENSAGEM LHE CONVIDADO A ENTRAR CONOSCO NA CAMPANHA,VIVENDO O CHAMADO DE CRISTO. AMÉM
PODEM DOAR, OFERTAR, DIZIMAR FAZER O QUE LHE FAZ FELIZ E ALEGRE.
AJUDANDO ÓRFÃO, VIÚVAS E ESTRANGEIROS, A VESTIR E ALIMENTAR A TODOS. AMÉM
EU NO NOME DE JESUS DETERMINO UMA BENÇÃO AS SEUS NEGÓCIOS, SUA CASA E SUA FAMÍLIA. AMÉM 



quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Tudo para a Glória de Deus. Amém

Sei que todos podem ajudar, tudo isso é para a Glória de Deus. Amém
Jesus jamais foi para a rua com as mãos vasias e o mais importante,  ele usava as pessoas para abençoar as outras. Amém
Na multiplicação de pães,  ele disse aos discípulos alimentem essas pessoas,  mais eles só tinha 5 pães e 2 peixes,  mais Jesus levantou os cestos e deu graças a Deus,  aí então foram multiplicados,  e todos de alimentaram.  Aleluia Glória a Deus. Amém

O Rei está voltando!

[17h25 23/12/2015] ��Palavra, Poder e Unção: Mateus: 11. 29. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para as vossas almas. - Bíblia JFA Offline
[17h25 23/12/2015] ��Palavra, Poder e Unção: 1 Pedro: 2. 24. levando ele mesmo os nossos pecados em seu corpo sobre o madeiro, para que mortos para os pecados, pudéssemos viver para a justiça; e pelas suas feridas fostes sarados. - Bíblia JFA Offline
[17h25 23/12/2015] ��Palavra, Poder e Unção: Atos dos Apóstolos: 2. 38. Pedro então lhes respondeu: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para remissão de vossos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo. - Bíblia JFA Offline
[17h25 23/12/2015] ��Palavra, Poder e Unção: Jó: 42. 1. Então respondeu Jó ao Senhor: 2. Bem sei eu que tudo podes, e que nenhum dos teus propósitos pode ser impedido. 3. Quem é este que sem conhecimento obscurece o conselho? por isso falei do que não entendia; coisas que para mim eram demasiado maravilhosas, e que eu não conhecia. 4. Ouve, pois, e eu falarei; eu te perguntarei, e tu me responderás. 5. Com os ouvidos eu ouvira falar de ti; mas agora te vêem os meus olhos. 6. Pelo que me abomino, e me arrependo no pó e na cinza. - Bíblia JFA Offline

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

PRIMEIRA CRUZADA EVANGÉLICA DO MINISTÉRIO PROCLAMANDO O EVANGELHO JESUS O SENHOR. EM 2016


Mobilizando a igreja para uma campanha evangelística

Um aspecto importante do ministério de evangelização é que há determinadas atividades que não podem ser realizadas sem o envolvimento efetivo de toda a igreja.  E, em alguns casos, sem a participação de outras igrejas da comunidade, não importando a denominação de cada uma.
Quando se realiza uma série de conferências para a qual se espera o comparecimento maciço das pessoas do bairro ou da cidade, e mesmo das autoridades locais, é necessário que haja uma grande mobilização de todas as igrejas da região, demonstrando que existe uma unidade de propósitos em proclamar o nome de Jesus Cristo como Salvador para todas as pessoas.
O trabalho de mobilização envolve três etapas distintas, mas que se entrecruzam antes, durante e depois da realização da campanha evangelística: oração, preparação e discipulado.
Mobilize o povo para orarA oração é fundamental na realização do trabalho evangelístico.  Por isso, deve começar ainda antes mesmo de se convidar às pessoas ou igrejas para o envolvimento na campanha evangelística, bem como deve continuar durante todo o processo.  A oração serve como preparação do coração daqueles que estarão semeando a palavra de Deus, bem como prepara aqueles que estarão sendo evangelizados.
Orar pela liderança, pelo local, por aquelas pessoas que serão convidadas, pelo pregador ou pregadores, pelas autoridades, pela segurança, pelos equipamentos, pelos conselheiros, pelos visitadores, enfim, por todos aqueles aspectos que são necessários para que trabalho a ser realizado seja coroado com pleno êxito.
Preparando os trabalhadoresIniciando o discipuladoA preparação daqueles que estarão recebendo para o aconselhamento inicial os recém-decididos, daqueles que estarão visitando, de quem estará realizando os estudos bíblicos deve preceder a realização da campanha.  Os primeiros dias após a realização de uma campanha são fundamentais para o fortalecimento da decisão que foi tomada durante sua realização, na vida do novo crente.A pessoa precisa saber que não está sozinho.  Precisa de acompanhamento e orientação e todos precisam estar preparados para fazer este trabalho de conservação dos resultados, do esforço realizado.  E a grande razão do insucesso de algumas campanhas evangelísticas é o fato de não se dar atenção adequada à preparação destes que farão o discipulado.Envolvendo os pastoresSe estes não compreenderem a necessidade do seu envolvimento como chave para participação da sua igreja, nada acontecerá.  E para isto é necessário que sejam conscientizados dos resultados que virão para sua igreja, através daqueles que serão preparados não apenas para a campanha, mas para o trabalho da igreja, e também daqueles novos decididos que poderão ser agregados, levando a igreja a crescer.Eles serão os principais motivadores de suas igrejas e para isto, precisam acreditar naquilo que está sendo feito e sentirem-se motivados.Estabelecendo alvosa-                  Restauração da membreziaO processo de crescimento de uma igreja não se dá apenas pelo acréscimo de novas almas ao rebanho de Deus, mas pela permanência daqueles que ali chegam.  E quando precisam sair é por algum motivo maior como a transferência por qualquer motivo para outro local que impossibilita sua assistência àquela igreja.Conhecemos uma igreja que era conhecida como o “celeiro da Associação”, visto que em todas as demais igrejas da região podiam ser encontrados ex–membros dela, enquanto anos e anos se passavam sem que ela conseguisse crescer significativamente.b-        EducaçãoAssim como na nossa vida de maneira geral, também espiritualmente vivemos um processo de educação constante.  O processo de santificação é o resultado de aprendermos cada dia, e vivermos mais e mais na dependência do Senhor.  Na II Carta a Timóteo 4:13, Paulo recomenda a ele que quando fosse vê-lo não se esquecesse de levar entre outras coisas os seus livros, especialmente os pergaminhos da palavra de Deus.Já estava velho e cansado, sabia que Deus o chamaria a sua presença a qualquer instante.  Continuava, no entanto, sedento de aprender e experimentar as coisas de Deus e do mundo que o cercava.c-         MotivaçãoMotivar é criar envolvimento.  Não se pode fazer com que alguém se sinta motivado se não há participação.  Quando ajudamos de alguma maneira, começamos a sentir que aquilo também nos pertence.  E se nos pertence queremos que seja cada vez melhor.Na falta de opção por oferecer coisa melhor, temos acompanhado nos últimos tempos a multiplicação de canais de televisão que oferecem programas com  características de interatividade, dando ao telespectador a opção de escolher entre os finais pré – estabelecidos por eles, criando assim uma falsa sensação de envolvimento.  Uma tentativa de motivação que seria resultante da mudança de posição de espectadores para a de participantes.  Precisamos fazer com que a igreja se sinta cada dia mais dependente de Deus e desejosa de realizar sua obra.  O evangelismo é um dos meios mais eficazes de se fazer com que cada membro da igreja sinta-se envolvido e responsável pela expansão do Reino de Deus, traduzido no crescimento da igreja da qual faz parte.d-        Crescimento da igrejaO resultado esperado por quem realiza a obra de evangelização envolve sempre o crescimento numérico da igreja, através daqueles que recebem a Jesus Cristo como Salvador e Senhor de suas vidas e integram-se na igreja através do batismo.A própria possibilidade de a igreja envolver-se na obra missionária ou evangelística deve ter sempre como objetivo básico o fortalecimento da própria igreja.Durante muito tempo costumávamos escutar orações do tipo:  “Senhor, ajuda-nos a crescer não tanto em quantidade como em qualidade”… quase sempre como uma justificativa para a estagnação da igreja em termos de crescimento quantitativo.  Precisamos observar que se queremos determinar o crescimento qualitativo da igreja, tendo como objetivo o seu fortalecimento, precisamos de quantidade.Se a igreja efetua um programa bem estruturado de crescimento, o resultado será o crescimento de sua membresia naturalmente.  Isto como o resultado de um trabalho que procura levar as pessoas a uma decisão, acompanhando-as no seu crescimento espiritual, de maneira a que venham ser cristãos maduros e reprodutivos.O envolvimento de todos, a utilização de recursos, a mobilização de outros grupos ou pessoas que não sejam da igreja, deve ser direcionado de tal forma a se alcançar o maior alcance possível. Em outras palavras, investirmos no fortalecimento da igreja significa fazer o máximo para que mais e mais  pessoas venham a conhecer o poder transformador e regenerador do Jesus Cristo, integrando-se ao corpo de Cristo.Os crescimentos que devemos buscara-        Crescimento dos membros em relação a comunidadeÀ medida que a igreja cresce mais ela precisa se envolver com a comunidade.  Sua importância cresce na mesma medida, em que através de seus membros ela passa a se importar e a atuar de forma dinâmica na resolução dos problemas que são comuns a todos.  E não há mais meios de se proclamar as verdades espirituais e eternas como se fossem dissociados dos problemas cotidianos daqueles que esperamos sejam nossos ouvintes.  O evangelho de Lucas é cheio de ilustrações acerca disto, e nos demais evangelhos encontramos Jesus atuando sempre de forma que aqueles problemas que atingiam as pessoas a quem ministrava tivessem solução.b-        Crescimento nas atividades dos membrosO maior envolvimento dos membros da igreja é característico do processo de crescimento e precisa ser planejado.  Ouvimos certa vez alguém dizer que Deus não dá o crescimento se não estamos preparados para fazer frente a ele.Isto se traduz bem na necessidade de que os membros da igreja estejam disponíveis e possam ser preparadas para as atividades que tendem a se tornar mais intensas à medida em que a igreja começa a se movimentar e crescer.  E há pessoas que dizem preferir igrejas pequenas porque podem ser mais úteis pelo fato de contarem com menos pessoas para trabalhar.  Na verdade, quanto mais se cresce, mais se precisa de pessoas preparadas para continuar crescendo.c-         Crescimento na maturidade dos membrosIsto implica num grau maior de maturidade e comprometimento dos membros.  À medida que se cresce aumenta o grau de complexidade dos relacionamentos e das atividades desenvolvidas.  Se não compreendemos isto, tornamo-nos suscetíveis a uma série de atitudes e reações que só criam  dificuldades e entraves ao objetivo maior de fazer com que o corpo de Cristo seja cada vez vivo e atuante na vida de todas as pessoas.Campanha evangelística e os demais ministérios da IgrejaI-              O Evangelismo em perspectiva com outros ministérios da igrejaO evangelismo não tem por objetivo competir com outros ministérios da igreja, mas antes ser complementar a eles.  Cada ministério necessita do outro para que o Corpo seja totalmente saudável e para o cumprimento da Grande Comissão.Quando o ministério de evangelização começa a produzir resultados efetivos na vida da igreja, torna-se necessário que os mais diversos ministérios se envolvam a fim de dar suporte a este crescimento.  Da mesma maneira, em que para que ele possa crescer precisa de pessoas maduras espiritualmente e preparadas nas mais diversas áreas da igreja a fim de estarem aptos a receberem aqueles que chegam e introduzi-los no Corpo de Cristo.Paulo nos lembra desta diversidade ao dizer que temos esta diversidade de  ministérios, bem como de dons, mas que devemos “trabalhar efetivamente, fazendo aquilo que lhe compete, afim de que todo o corpo possa crescer e se edificar a si mesmo em  amor”. (Efésios 4:16).II-               Uma cruzada/conferência evangelística precisa ser conservada em perspectiva com outras formas de evangelismoO evangelismo de massa é meramente uma extensão das outras formas de evangelismo e, em particular, do evangelismo pessoal.   Em uma cruzada/conferência evangelística muitos métodos diferentes são enfatizados”.Conforme já foi dito antes, o que diferencia o evangelismo de massa como uma série de conferência ou cruzada evangelística é o número de pessoas a serem atingidas ao mesmo tempo.  Se não formos capazes de traduzir para cada pessoa particularmente o significado de Deus e do Seu plano em sua vida, todo esforço dispensado será inútil.III-     O evangelismo cooperativo precisa ser conservado em perspectivaO evangelismo cooperativo não é uma união horizontal requerendo uniformidade entre todos os participantes, mas, uma unidade vertical onde, de formas variadas, nos dedicamos a um propósito comum:  a proclamação do evangelho”.Muitas vezes o esforço, os recursos e tudo o mais que se precisa a fim de fazer com que uma campanha evangelística seja efetiva são muito superiores ao que dispomos tanto em temos físicos quanto materiais.  Nesta hora precisamos manter a perspectiva de que o alvo maior é o crescimento do Corpo de Cristo, do Reino de Deus.  Permitirmos que pequenas diferenças nos impeçam de realizarmos um trabalho conjunto alcançando um resultado de maior envergadura tem um custo que não pode ser calculado e um preço que é muito maior do que o que podemos pagar: vidas que deixam de ser alcançadas para a vida eterna.O  ministério do evangelista em perspectivaO Dom do evangelista não é para ser exercido jamais no vácuo, mas sempre perfeitamente integrado no contexto do Corpo de Cristo e dos dons da Igreja.Ninguém substitui o trabalho da igreja.  Ainda que igreja convide alguém para realizar a pregação evangelística ela não está se isentando da sua responsabilidade.  Uma das razões principais de algumas igrejas acharem que não vale a pena o esforço e o investimento de recursos para a realização de séries de conferências ou cruzadas A missão em perspectivaUma Cruzada ou Conferência não é um método mas antes uma missão que envolve toda uma cidade ou área, empregando toda uma variedade de métodos evangelísticos baseados em princípios bíblicos.Seu princípio básico é o de uma ação sobre um espaço geográfico mais amplo, em que, utilizando-se de todos os meios possíveis procura-se alcançar pessoas que de outra maneira não seria possível à igreja.  Como formas de se realizar isto, podemos citar a pregação evangelística, a visitação de casa em casa, visitas a empresas, colégios, comércio, abordagem direta nas ruas e locais públicos.Não há um que especificamente seja mais efetivo do que outro.  Mas a conjugação dos diversos fatores é que determina sua utilização.  É a aplicação do princípio bastante prático que o apóstolo Paulo classifica como fazer de tudo, de todos os modos, para de alguma maneira alcançar a alguns pela graça de Deus.  “…me tornei todas as coisas para com todos os homens, para que eu possa de toda maneira salvar alguns.” (I Cor. 9:19-22). O que devemos considerar para realizar uma Campanha Evangelística?RelevânciaEste é o primeiro aspecto a ser considerado na hora de se iniciar o planejamento de uma campanha evangelística.  Não se trata aqui de discutir o valor de uma série de conferências ou cruzada.  Mas da importância que ela terá no momento de ser levada a efeito.  É mesmo necessária a realização de uma campanha evangelística neste momento para se alcançar os objetivos desejados?ComprometimentoSe a resposta for positiva ao primeiro aspecto, o que dizer agora daquele grupo de liderança?  Aqui queremos dizer daquelas pessoas que tendo ou não função de liderança na igreja, deverão estar trabalhando para que  a campanha aconteça.  Estão devidamente motivados, interessados para levar adiante esta tarefa?Condições existentesExistem recursos materiais e pessoais para se iniciar a campanha?  E para leva-la até o final?  Está incluído no orçamento da igreja ou será necessária uma campanha especial para isto?  O local disponível é adequado para a campanha?  Se não, pode ser providenciado algum outro?  E material de apoio?  Bíblias, hinários, folhetos, material para aconselhamento?ConveniênciaEmbora se disponha de recursos e pessoal para a realização da campanha, este é o momento quando se podem alcançar os melhores resultados na campanha?  Por exemplo, podemos marcar uma campanha evangelística para o dia de encerramento da Copa do Mundo?
1-        Preparação -  O processo organizacionalI-                   OrganizaçãoÉ preciso um mínimo de organização para estruturar a realização de uma campanha.  Não se deve pensar em grandes estruturas mas pequenas e ágeis.  Algumas funções chaves precisam de pessoas responsáveis para que possa ser levado a efeito, inclusive para que se possa controlar sua execução dentro do tempo previsto e adequado.
II-                RecrutamentoApós se estabelecer os alvos a serem alcançados e o modo como se atingirá estes alvos, através da diversas tarefas necessárias é preciso recrutar as pessoas que estarão envolvidas.  É o trabalho de motivação e identificação dos interessados, afim de se encontrar as pessoas adequadas às sua funções.
III-             TreinamentoO treinamento é fundamental.  O simples fato de recrutarmos as pessoas sem que lhes seja oferecido a possibilidade de prepararem-se para o que irão realizar pode ser motivo de frustração para elas e de fracasso em relação às metas estabelecidas.
IV-             FunçãoChegamos ao momento de definirmos as funções.  O que cada um fará e quais serão suas atribuições e limites.
2-        Promoção  – Fatores que determinam a audiênciaPropaganda & PublicidadeHouve um tempo em que se usava um ditado popular dizendo que “a propaganda é a alma do negócio”.  E há um grande respaldo para isto, embora não se possa resumir tudo desta maneira.  Depois de se estabelecer o que se quer realizar todo esforço possível deve ser empregado na sua divulgação.  Quanto maior a promoção da série de conferências ou cruzada, maior a perspectiva de termos uma boa audiência.  Se falhamos nisto, veremos acontecer uma cruzada com pouca participação e com poucos resultados em termos de decisões.  Ou como acontece em diversas ocasiões, campanhas evangelísticas onde só vem crente para ouvir a mensagem.
EnvolvimentoNão se trata aqui do envolvimento somente daqueles que estão encarregados de determinadas funções, mas de toda a igreja.  Todos precisam sentir-se envolvidos e responsáveis pelo êxito da campanha.  E quanto mais isto acontecer, maior será o empenho em promover e trazer mais pessoas para participarem.  Se planejamos a realização de uma campanha evangelística, é porque desejamos que a igreja esteja cheia de pessoas que precisam conhecer o amor de Deus.
Convite pessoalO melhor meio de divulgação que existe é aquele feito de boca em boca.  Cartazes, folhetos, rádio, jornais, bem como outros meios de divulgação são importantes.  Mas nenhum se compara a este modo pessoal e direto de dizermos que nos importamos pessoalmente com a presença e participação de alguém para ouvir a mensagem do evangelho.
Ampla cooperaçãoQuanto mais pessoas envolvidas, maior a possibilidade de êxito.  Se há a possibilidade do envolvimento de outras igrejas ou associações na campanha, todos devem ser bem-vindos na cooperação. Haverá sempre algo a ser feito que dependa de quem está disponível para cooperar.
Conservação – Decisão voltada para o discipuladoImediato trabalho de acompanhamentoEstaremos falando sobre isto mais adiante, mas é preciso estar conscientes  de que logo após a decisão, ou quando a pessoa demonstra interesse em conhecer mais sobre o plano de salvação de Deus para sua vida, que ela receba toda assistência possível, através de conselheiros ou pessoas previamente preparadas para isto.  Todo o material disponível deve ser usado: Bíblias, Novos Testamentos, outros tipos de literatura apropriado, visitação, telefonemas, cartas, etc.
Acompanhamento de longo alcancePor longo período.  É a melhor forma de expressar o alcance do trabalho de acompanhamento aos novos decididos.  Não basta que se tenham pessoas preparadas para o aconselhamento imediato, embora isto seja de fundamental necessidade.  Estas mesmas pessoas, quando possível, precisam continuar o acompanhamento daqueles a quem deram as palavras de boas-vindas à família de Deus.
Mas quando isto não for possível, a igreja precisa ter outras formas de continuar assistindo aquelas pessoas que procuram a igreja.  Seja através do pastor ou dos diversos departamentos da igreja.  A classe de novos decididos deve dispor de um ou mais orientadores que tenham não apenas preparo mais disponibilidade para dar atenção aos irmãos mais novos.
O grande agente de conservaçãoConservação de resultados é o resultado da atitude da igreja para com os novos decididos.  Uma atitude amorosa que faz com que cada um deles se sinta bem-vindo neste novo ambiente.  Que o faz saber que está se tornando membro de uma nova família onde será amado e aprenderá a amar.  Onde não apenas se ensina como ele deve agir de agora em diante, mas se mostra pelo exemplo o procedimento de alguém que se encontrou com Jesus Cristo como Senhor e Salvador da sua vidas.
Paulo na sua Carta aos Efésios diz que devemos buscar “o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para a edificação do corpo de Cristo (Efésios 4:12)”.  É necessário que todos saibam exatamente o que deve ser feito e sejam
preparados adequadamente para isto.  Devemos nos preocupar, inclusive, com aqueles que estarão envolvidos em convidar as pessoas para participarem.  A maioria das pessoas que vêm ouvir o evangelho em uma campanha evangelística, elas o fazem por que foram convidadas.  Assim, um convite mal feito, ao invés de aproximar a pessoa, pode afasta-la.




Postagem em destaque