quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Deus condena o pecado, mais ama o pecador! Aduterio é pecado, como pode a Igreja de Cristo se prostituir?

Divórcio - O que Jesus disse sobre o divórcio.

O que o Senhor Jesus disse a respeito do divórcio?
Baseadas nos textos de Mateus 19:3-12; Marcos 10:2-12; Lucas 116:18):
• Porque os fariseus tinham dúvidas sobre o divórcio e experimentaram Jesus perguntando se era lícito... se Moisés permitiu é porque foi Deus quem ordenou a Moisés. Ou os fariseus não concordavam com Moisés?

• Porque Jesus diz que o que Deus ajuntou não separe o homem? Quem é esse homem que Jesus se refere? Será que é o profeta Moisés que permitiu o divórcio? Com essa resposta Jesus quis dizer que o casamento é indissolúvel?

• Porque afirma Jesus em Mateus 19:3-12... Se Moisés permitiu o divórcio, porque Jesus não?

• Em Mateus 19:9 Jesus permite o divórcio em caso de relações ilícitas. O que são relações ilícitas? Em outra versão diz que o divórcio é permitido em caso de fornicação. O que é fornicação?

• Se a separação foi por outro motivo e se o homem ou mulher passar a viver juntos com outra pessoa, eles estão em adultério?

• Se caso um era solteiro e outro casado e passam a viver juntos, quem está em adultério?
Estas perguntas são muito interessantes e merecem estudo e reflexão.

O objetivo dos fariseus ao experimentar Jesus era “arranjar um motivo pelo qual pudessem acusar a Jesus” para poder matá-lo. Eles queriam que o Senhor Jesus ‘tropeçasse’ na interpretação da lei, pois assim, teriam “com o que” acusa-lo. Eles estavam a um bom tempo tentando fazer isto, mas não conseguiam.

Jesus disse que nunca foi o propósito de Deus que o casal se separasse. Ele apoiou seu ensino com os versos Bíblicos de Gênesis 1:27; 5:2 e 2:24.

O detalhe é que os fariseus não aceitavam esta interpretação, pois não entenderam o verdadeiro significado da “permissão de Moisés acerca do divórcio”. Vejamos:

A orientação de Moisés está registrada em Deuteronômio e é mencionada também em Mateus:
“Se um homem tomar uma mulher e se casar com ela, e se ela não for agradável aos seus olhos, por ter ele achado coisa indecente nela, e se ele lhe lavrar um termo de divórcio, e lho der na mão, e a despedir de casa; e se ela, saindo da sua casa, for e se casar com outro homem; e se este a aborrecer, e lhe lavrar termo de divórcio, e lho der na mão, e a despedir da sua casa ou se este último homem, que a tomou para si por mulher, vier a morrer, então, seu primeiro marido, que a despediu, não poderá tornar a desposá-la para que seja sua mulher, depois que foi contaminada, pois é abominação perante o SENHOR; assim, não farás pecar a terra que o SENHOR, teu Deus, te dá por herança”. (Deuteronômio 24:1-4).

“Também foi dito: Aquele que repudiar sua mulher, dê-lhe carta de divórcio”. (Mateus 5:31).
Analisando o contexto externo do texto (histórico, cultural, etc), iremos ver que Jesus não estava em conflito com Moisés.

Nunca foi parte do plano original de Deus; ele “foi aprovado transitoriamente na lei de Moisés devido a “dureza” do coração dos homens (cap. 19: 7-8)” .

“Deve destacar-se que a lei de Moisés não instruiu o divórcio. Por ordem divina, Moisés tolerou o divórcio e o regulamentou a fim de evitar abusos” .

As mulheres não tinham direitos; e, para protegê-las, Deus permitiu que Moisés criasse esta lei, a fim de que as mulheres tivessem uma nova chance.
Qual era a natureza e o propósito da lei de Moisés no que diz respeito ao divórcio? Texto base: Dt 24:1-4.

Vejamos o que diz o seguinte comentário bíblico:

*Coisa indecente.
Literalmente, "desnudes"; figuradamente, como aqui: "algo vergonhoso", "uma desonra". Não podia tratar-se de adultério, porque isto devia ser castigado com a morte (Deut. 22: 22; cf. Mat. 19: 9). Devia tratar-se de alguma maneira de atuar considerada imprópria pelo marido. Os judeus entendiam que este preceito mosaico permitia a um homem divorciar-se de sua mulher quase por qualquer motivo (Mat. 19: 3, 7). Sem obstáculos, Cristo explicou que não era a vontade de Deus que se obtivesse tão facilmente o divórcio (Mat. 19: 4-6), e que esta legislação só havia sido dada por causa da "dureza" dos corações deles (Mat. 19: 8).

*Carta de divórcio.
Literalmente, "uma nota de separação".

*Lhe entregará.

Isto devia fazer-se formalmente, provavelmente perante testemunhas, a fim de que tivesse validez legal e fosse incontestável .

*A despedirá.
Novamente um ato formal. Provavelmente o esposo estava obrigado a despedi-la provida, pelo menos, com os meios suficientes como para chegar bem até a casa de seu pai (Gén. 21: 14; cf. Deut. 15: 13).

*Poderá ir.
Sua partida formal era um anúncio público de que já não era mais a esposa desse homem e que por tanto estava livre para casar-se de novo. A "nota de separação" ou "nota de corte" dissolvia por completo o matrimônio.
A consumação do matrimônio com um segundo marido a tornava "vil" para o primeiro. Se alguma vez ele tornava a toma-la por mulher, cometia adultério. Ela lhe era ilícita como esposa (ver Jer. 3: 1).

*Perverter a terra.
... Se bem que Deus tolerou algumas coisas as quais certamente não podia dar sua aprovação, havia limites mais além dos quais o homem não podia passar. Muitas vezes a "terra" aparece personificada, como si pudesse atuar e sentir (ver Lev. 18: 25; Isa.24:5).

Algumas pessoas hoje se referem a Deut. 24:1-4 como base do que chamam "divórcio cristão". Porém, na realidade, estes versículos nos revelam a vida doméstica dos judeus, na qual ao tomar uma esposa equivalia a adquirir uma propriedade. A autoridade do esposo sobre sua mulher era quase absoluta. O propósito da lei aqui enunciada era melhorar a sorte da mulher hebréia. Esta lei, longe de estabelecer uma baixa norma moral, ou de aprovar uma norma tal, representava uma norma muito mais elevada que a reconhecida pelos cruéis costumes daquele tempo.

A lei garantia à mulher divorciada certos direitos, e na realidade a protegia de ser considerada adúltera ou rejeitada pela sociedade. Deixava a casa de seu primeiro marido como mulher livre e respeitada pela sociedade, apta para contrair um matrimônio honroso.

A carta de divórcio estabelecia que seu primeiro esposo já não tinha mais jurisdição legal sobre ela e que ela não tinha nenhum tipo de obrigação para com ele, senão que estava livre para ser esposa de outro homem. Ao voltar a casar, não se fazia culpada de adultério, nem se violavam os direitos de seu primeiro marido.

A lei mosaica sobre o divórcio não foi dada para anular os ideais do matrimônio instituído por Deus na criação, senão a causa da "dureza" dos corações humanos (Mat. 19: 8). A sorte de uma mulher só e desprezada era deplorável. A carta de divórcio aliviava seu infortúnio. Esta lei simplesmente reconhecia a situação existente e buscava melhora-la. Esta era uma lei de permissão, e não de obrigação. Estas mesmas restrições tinham por objetivo eliminar o fácil processo de divórcio que evidentemente os hebreus haviam aprendido em sua associação com os povos pagãos.

Cristo falou enfaticamente contra o conceito de ter uma esposa como propriedade (Mat. 5: 27-32; 19: 3-9). Essa prática havia acarretado muita desgraça e injustiça às mulheres judias. A escola de Hillel, que sustentava a filosofia religiosa popular judia nos tempos de Cristo, interpretava como "coisa indecente" (Deut. 24: 1) qualquer coisa que lhe resultara desagradável ao marido. A escola de Shammai, mais estrita e menos popular, definia como "coisa indecente" algum ato comprovado de falta de pudor ou adultério. Nos tempos de Cristo, a escola de Hillel permitia o divórcio por pequenas coisas como a exibição do braço de uma mulher em público, ou que a esposa queimasse a comida de seu marido, ou quando o esposo encontrava outra mulher mais atraente. Desta atitude escreveu Josefo: "O que deseja divorciar-se de sua mulher por qualquer coisa (e muitas causas tais se dão entre os homens), que dê por escrito a certeza de que nunca mais a usará como sua mulher, porque assim ela estará livre de casar-se com outro marido, se bem que antes de dar-se esta carta de divorcio, não deve permitir-se-lhe faze-lo" (Antiguidades, iv. 8. 23).

A lei de Deut. 24: 1-4 não instruiu o divórcio, senão que o tolerou em vista das imperfeições da natureza humana e aos baixos conceitos morais do povo de deus nesse tempo. Para conhecer a opinião de Deus a respeito do matrimônio é preciso não se deter em Deut. 24: 1-4, senão, como o fizera Jesus, hoje se remontar a Gen. 1: 27 e 2: 24 (Mat. 5: 27-32; 19: 3-9). O conselho escrito por Moisés para a gente de seus dias deve interpretar-se à luz dos costumes de sua época, e não da nossa, e sempre tendo em vista o ideal divino. Uma vez mais Cristo elevou à vista dos homens esse divino ideal ordenado no Éden. Esse primeiro matrimônio nos proporciona o modelo dado por Deus para seu povo de hoje.
Em Mateus 19:9 Jesus permite o divórcio em caso de relações ilícitas. O que é relações ilícitas? Em outra versão diz que o divórcio é permitido em caso de fornicação. O que é fornicação?
Relações sexuais ilícitas é a toda prática sexual ilícita, ou seja, que não é conforme o plano de Deus. Neste verso, refere-se especificamente ao “adultério”.
Na outra versão bíblica, (Versão Figueiredo), há a expressão “fornicação” ao invés de “adultério”. Por que?

A palavra grega que aparece em Mateus 19:9 para “adultério” no original é porneia (porneia) Esta palavra pode ser traduzida por diferentes palavras, tais como:
- Adultério;
- Fornicação;
- Homossexualismo;
- Lesbianismo;
- Bestialidade.
- Etc.


Tanto uma quanto a outra está correta; mas, de acordo com o contexto do verso, “porneia” é melhor traduzida por “adultério”, ou seja, “relações sexuais ilícitas”.
Fornicação é “o ato sexual praticado fora do casamento”.
Se a separação foi por outro motivo e se o homem ou mulher passar a viver juntos com outra pessoa, eles estão em adultério?
Sim. A pessoa ao separar-se por qualquer motivo e casar-se com alguém, comete adultério.
Isto não quer dizer que Deus não possa ajudar tal casal; Ele tem o desejo de ajudar a todos estes casais que não estão ainda com sua situação conjugal acertada.
É importantíssimo que o casal recorra a Deus a fim de ter solucionado sua situação.
Se caso um era solteiro e outro casado e passam a viver juntos, quem está em adultério?
Os dois estão adulterando, pois “ambos estão envolvidos na prática sexual errada”.

Nenhum comentário:

Postagem em destaque

A Pena Capital e a Lei de Deus - Crimes e Punições na Palavra de Deus Escrito por O Tempora, O Mores. Postado em Artigos Índice de Artigos Crimes e Punições na Palavra de Deus Podemos aprender bastante com os princípios que norteavam o tratamento que a Bíblia dá aos crimes e punições. Estamos tão enraizados em nossa cultura, em como ela trata a questão da quebra da lei, que talvez até nos surpreendamos com o encaminhamento dado pela Palavra de Deus à manutenção da lei e da ordem na sociedade civil de Israel. Vamos, portanto, dar uma rápida olhada em alguns princípios que encontramos, quando estudamos esse assunto nas Escrituras: 1. A primeira coisa que nos chama a atenção, é que na Bíblia não existe a provisão para cadeias. Isso mesmo! Elas nem existiam como instrumento de punição, nem como meio de reabilitação. Isso realmente nos intriga, pois estamos tão acostumados com essa instituição que não podemos imaginar uma sociedade sem cadeias. Quando um crime é cometido, a punição que pensamos de imediato é a cadeia. "Merece cadeia!; devia estar na cadeia"! Dizemos com tanta freqüência. Mas na sociedade de Israel, no Antigo Testamento, a cadeia era apenas um local onde o criminoso era colocado até que se efetivasse o julgamento devido. Em Números 15.34 lemos: "...e o puseram em guarda; porquanto não estava declarado o que se lhe devia fazer...". Logicamente encontramos na Bíblia o registro da existência de cadeias. Jeremias foi encarcerado e Paulo, igualmente, diversas vezes, dentro do sistema romano de punições. Mas estes encarceramentos eram estranhos às determinações de Deus. 2. Desta forma, por mais familiarizados que estejamos com esse conceito, não encontramos, na Palavra de Deus, o encarceramento como remédio, ou a perspectiva de reabilitação através de longas penas na prisão. Muito menos, encontramos a idéia de "proteção da sociedade" através da segregação do indivíduo que nela não se integra, ou que contra ela age. Ou seja, não encontramos, nas prescrições dadas ao povo de Deus, cadeias para punir, remediar, reabilitar ou proteger. 3. O princípio que encontramos na Bíblia é o da restituição. Em Levítico 24.21 lemos, "...quem pois matar um animal restituí-lo-á, mas quem matar um homem assim lhe fará". A restituição ou retribuição, era sempre proporcional ao crime cometido. Como a restituição da vida era impossível, ao criminoso, no seu caso a punição era a perda da própria vida. 4. Isso significa que aquela sociedade não tinha meios para lidar com o crime? Ou aplicava a pena de morte em todos os casos de quebra da lei? Não. Ela possuía determinações bem precisas e eficazes contra a banalização e proliferação da criminalidade. Ela responde à quebra da lei com medidas rápidas e que representavam prejuízo econômico para o infrator. Para os casos de furto, a Lei Civil Bíblica prescrevia a restituição múltipla. Vejamos em Êxodo 22.4 "...se o furto for achado vivo na sua mão, seja boi, seja jumento, ou ovelha, pagará o dobro". 5. Nos casos de furto de propriedade que representa o ganha pão ou meio de subsistência do prejudicado, a Bíblia prescrevia a restituição de quatro ou cinco vezes o que foi subtraído. Assim lemos em Êxodo 22.1 "...se alguém furtar boi ou ovelha e o degolar ou vender, por um boi pagará cinco bois, e pela ovelha quatro ovelhas". 6. As determinações das Escrituras procuravam proteger a vítima e colocar temor no criminoso, tirando qualquer idéia de proteção que viesse tornar a vítima em acusado também. O que queremos dizer é que, contrariamente aos nossos dias, quando as vítimas ou agentes da lei possuem as mãos amarradas pela excessiva proteção ao criminoso, o direito de cada um de defesa de sua propriedade era algo abrigado, concedido e salvaguardado, na legislação mosaica. Vemos isso em Êxodo 22.2: "...se o ladrão for achado a minar e for ferido, e morrer, o que o feriu não será culpado do sangue". 7. Aqueles que roubavam alimentos para satisfazer a fome, deviam ser tratados com clemência, mas mesmo assim, persistia a obrigação de restituir sete vezes o alimento que furtou do legítimo dono, uma vez que a própria constituição da sociedade já possuía a provisão para atendimento aos carentes, tornando desnecessário o furto, como vemos em Deuteronômio 24.19 a 21. Desta forma lemos em Pv. 6.30, 31: "...não se injuria o ladrão quando furta para saciar sua alma, tendo fome; mas encontrado, pagará sete vezes tanto: dará toda a fazenda da sua casa..". 8. Vemos então, em apenas um rápido exame das diretrizes bíblicas e um confronto destas com as opiniões que agora surgem, a sabedoria ali encontrada. Já há milênios antes de Cristo a Bíblia determinava punições pecuniárias, que o homem, a elas hoje chega, baseado na constatação empírica de que outras medidas não funcionam. Com efeito os encarceramentos prolongados, hoje aplicados, não produzem reabilitações, não são bem sucedidos em conservar o criminoso fora de ação e as prisões constituem-se, na realidade, em verdadeiras fábricas de criminosos piores e mais violentos. 9. O sistema bíblico de punição pecuniária é destinado a tornar o crime uma atividade não lucrativa. No que diz respeito àqueles criminosos que se recusavam a obedecer as autoridades constituídas, a sentença é a pena de morte. Lemos isto em Deuteronômio 17.12: "...o homem pois que se houver soberbamente, não dando ouvidos ao sacerdote, que está ali para servir ao Senhor teu Deus, nem ao juiz, o tal homem morrerá e tirarás o mal de Israel". [10] 10. Isto eqüivale a dizer que a condição de reabilitação na sociedade, para o criminoso primário, era total e absoluta. Indo na direção contrária à nossa sociedade, que coloca o criminoso iniciante enjaulado, em condições subumanas, como criminosos experientes " que se encarregam de formá-lo na escola do crime, o criminoso primário em Israel, pagando a indenização devida, estava pronto a se reintegrar na sociedade atingida pelos seus desmandos. Essa sociedade não deveria discrimina-lo de nenhuma forma, pois restituição havia sido efetivada. 11. Por outro lado, havia aqueles que se recusavam a obedecer, reincidindo no caminho do crime. A Bíblia reconhece a necessidade de proteger a sociedade desses elementos, mas não através do encarceramento " uma forma pseudo-humanitária, somente onerosa, imperfeita e impossível de produzir resultados. O sistema encontrado na Bíblia apresenta a efetivação desta proteção de uma forma radical, mas destinada a produzir frutos permanentes e a gerar a paz e a tranqüilidade em uma sociedade. Além disto, poderíamos falar no efeito didático, que a aplicação coerente e sistemática desta pena teria nos reincidentes em potencial. 12. Que diferença encontramos entre a forma de tratar o crime na sociedade de Israel e na filosofia e sistema empregados nos dias atuais! Em nossos dias, o crime prospera porque é lucrativo e porque corre impune, sendo isto também uma conseqüência da falta de adequação das penas impostas aos crimes cometidos. O sistema penal do Antigo Testamento previa não somente a adequação da penalidade aos crimes cometidos, mas a sua rápida aplicação. Lentidão da justiça é reconhecida até os dias de hoje como uma manifestação de injustiça. Nesse sentido, temos o registo apropriado da Palavra de Deus, em Eclesiastes 8.11:"Porquanto não se executa logo o juízo sobre a má obra, o coração dos filhos dos homens está inteiramente disposto para praticar o mal". 13. Obviamente não há a possibilidade da aplicação direta e total das Leis Civis prescritas por Deus ao estado teocrático de Israel, na sociedade atual. Nem podemos advocar a aplicação da pena de morte para todas as situações temporais prescritas na Lei Mosaica (como, por exemplo, pela quebra do sábado), pois destinavam-se a uma nação específica, dentro de específicas circunstâncias, e com propósitos definidos, da parte de Deus. Muitos dos princípios encontrados, naquela sociedade agrária, entretanto, são eternos e válidos até os dias de hoje e merecedores do nosso exame e estudo. A rapidez das sentenças; as penas pecuniárias e o peso econômico sofrido pelos infratores, em benefício das vítimas; a visão clara de quem é vítima e de quem é infrator, sem cometer a inversão de valores de considerar os criminosos "vítimas do sistema"; o apreço pela vida humana, acima de qualquer outra perda; o cuidado todo especial pela preservação de uma sociedade na qual liberdade também significasse ausência de violências e de ameaças trazidas por indivíduos incorrigíveis; o chamado constante ao bom senso e à preservação da lei e da ordem, não apenas com meras palavras, mas com duras penas contra os malfeitores; a ênfase, respaldada igualmente em penas severas, no respeito aos anciãos e às autoridades; são alguns desses princípios que deveriam estar presentes em qualquer sociedade. Juristas cristãos muito poderiam contribuir para um aprofundamento deste tema, penetrando a fundo na regulamentação da sociedade veto-testamentária e procurando uma adequação desses princípios às nossas condições. A questão de crimes, punições e determinações divinas está alicerçada no tema maior da Lei de Deus. Mas o que realmente significa este termo. O que a Bíblia tem a nos dizer sobre os seus diferentes aspectos? Seria difícil prosseguir em nossa caminhada, se não fizermos uma exploração, neste estágio, do significado da Lei de Deus, e da sua relevância aos nossos dias: