quinta-feira, 29 de setembro de 2016

SEJA CONSAGRADO, SEJA SEPARADO PARA JESUS O DEUS VIVO!



Os 4 tipos de Vasos que Deus escolhe 


 (2 Tm 2.20; 21)

Introdução: Somos comparados na Bíblia a um vaso. Existem vários tipos de vasos. Vasos de ouro, de prata, de pau e de barro.

Talvez se nós fossemos escolher algum deles certamente escolheria o vaso de ouro. Porém Deus escolheu colocar o seu tesouro nos vasos de barro para que a excelência do poder não seja do vaso, mas do Senhor. Veremos então, que tipo de vasos somos nós e qual a nossa utilidade.

I – VASO ESCOLHIDO

(At 9.15): esta primeira revelação está no Episódio da conversão de Saulo. Após ele ter um encontro com o Senhor e ficar cego, Deus envia o seu servo, Ananias para ir ao seu encontro. Porém Ananias responde ao Senhor que muitas coisas ruins haviam sido ditas acerca de Saulo, mas o Senhor o diz: Ananias este é para mim um vaso escolhido para levar o meu nome aos gentios e aos Reis de Israel. Somos vasos escolhidos. Dentre milhares de pessoas Deus escolheu a nós.

O presente versículo ensina o propósito e desígnio de DEUS nas vidas dos homens, em termos gerais, porquanto DEUS conhecia a Saulo e Ananias, e ambos tinham lugar nesse plano, como também dele participam todos os homens. Isso é teísmo ao invés de deísmo.

O teísmo ensina que DEUS não apenas criou todas as coisas, mas também que conserva o interesse pela sua criação, dirigindo e exercendo a influência de sua vontade sobre as vidas humanas, para cumprimento de seus propósitos, determinando os seus destinos; também galardoa e pune aos homens, e, de modo geral, intervém sobre a vida humana, sendo ele o alvo apropriado de todos os homens.

Já o deísmo aceita a existência de um "deus", de deuses ou de forças cósmicas que teriam criado o universo; no entanto, não se interessam pelo mesmo, tendo-se afastado do mesmo, sendo que também nem pune e nem galardoa aos homens.

"PORQUE OS ATRIBUTOS INVISÍVEIS DE DEUS, ASSIM O SEU ETERNO PODER, COMO TAMBÉM A SUA PRÓPRIA DIVINDADE, CLARAMENTE SE RECONHECEM, DESDE O PRINCÍPIO DO MUNDO, SENDO PERCEBIDOS POR MEIO DAS COISAS QUE FORAM CRIADAS. TAIS HOMENS SÃO, POR ISSO, INDESCULPÁVEIS" (Rm. 1:20).

Além disso, este mesmo versículo ensina-nos que o interesse de DEUS não tem apenas um caráter geral, que reduz os homens a pessoas sem nome, pelo contrário, o Senhor se interessa individualmente por cada um, tendo uma missão para cada um.

Dessa forma, todos os homens, em certo sentido, podem ser vasos ou instrumentos como no bem-estar de seus semelhantes humanos.

Assim sendo, o poder de DEUS fez com que Paulo se tornasse um vaso escolhido tendo-lhe sido conferida uma missão distinta. E o próprio Paulo, já apóstolo, sentia ser um vaso de barro, indigno de encerrar tão grande tesouro.

"TEMOS, PORÉM, ESTE TESOURO EM VASOS DE BARRO, PARA QUE A EXCELÊNCIA DO PODER SEJA DE DEUS E NÃO DE NÓS"(2 Co 4. 7).

Por conseguinte, a mensagem que Ananias foi encarregado de transmitir a Saulo foi realmente grandiosa.

"ENTÃO, ANANIAS FOI E, ENTRANDO NA CASA, IMPÔS SOBRE ELE AS MÃOS, DIZENDO: SAULO, IRMÃO, O SENHOR ME ENVIOU, A SABER, O PRÓPRIO JESUS QUE TE APARECEU NO CAMINHO POR ONDE VINHAS, PARA QUE RECUPERE A VISTA E FIQUES CHEIO DO ESPÍRITO SANTO". (At 9. 17).

Deve-se observar, por semelhante modo, como DEUS determina os acontecimentos da vida de um homem, a fim de torná-lo apto para o tipo de vaso que deve ser para a obra particular que ele precisa realizar na vida.

Assim é que, no caso de Saulo de Tarso, tudo quanto ele fora e aprendera a educação que recebera, o seu prepara intelectual na religião judaica, e até mesmo o contexto de sua personalidade, contribuía para fazer dele um caso como DEUS queria.

DEUS outorga e utiliza os dotes naturais de um indivíduo, e ordena sua forma de treinamento e desenvolvimento, antes mesmo de sua conversão, a fim de prepará-lo para a obra e a missão que deve receber, após sua conversão.

"Quem quer que considere o caráter de Paulo, a sua educação, as suas realizações quanto aos conhecimentos naturais, o papel distinguido que lhe foi outorgado, primeiramente contra o cristianismo, e depois, na mais profunda convicção, o papel que desempenhou em favor do cristianismo, perceberá, de imediato, quão bem ele estava qualificado para grande obra para a qual Deus o havia chamado" (Adam Clark).

Três seriam as esferas principais das atividades de Saulo, quando fosse o grande apóstolo Paulo. Vejamos:

a) - Pregaria o evangelho às nações, porque, através dele, o evangelho seria estabelecido no mundo gentílico. Foi quase sozinho que ele ergueu o cristianismo à posição de uma religião mundial, alterando assim o curso da história da humanidade.

b) - Pregaria o evangelho a reis. Dentre todos os seguidores de JESUS, Paulo era o mais qualificado para ser testemunha perante os governadores do mundo.

c) - Pregaria o evangelho ao povo de Israel. Fora um dos seus melhores elementos, mas tornara-se elemento excelente quando de sua conversão; e foi comissionado a anunciar essa mensagem de transformação ao seu próprio povo, de forma especial e cheia de vigor.

Com sucesso e fielmente foi que Paulo cumpriu essas três esferas de atividade. Nas duas primeiras esferas ultrapassou imensamente o serviço e o poder de quaisquer outros cristãos primitivos.

É interessante observar, que Paulo seria alvo dos ataques desfechados por muitos, sendo inclusive, punido com muitos sofrimentos.

Contudo, o fato de que Paulo assim tivesse de sofrer, em defesa da fé que anteriormente havia perseguido tão ferozmente, serve de prova insofismável da autenticidade de sua conversão, bem como da veracidade do cristianismo.

É muito significativo que Paulo encarava o sofrimento como uma forma de dom dada aos cristãos, contanto que esses sofrimentos fossem em favor de CRISTO.

"PORQUE VOS FOI CONCEDIDA A GRAÇA DE PADECERDES POR CRISTO E NÃO SOMENTE DE CREDES NELE". (Fl 1.29).

II – VASO COMPRADO

Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus( 1 Co 6.20).

(1 Co 7.23; Ap 5.9,10).

• Resgatados da maldição (Gl 3.13).

• Resgatados dos pecados (Cl 1.14).

• Resgatados das vãs maneiras (1 Pe 1.18).

• Resgatados pelo sangue (Hb 9.12; 1 Pe 1.19).

• Resgatados gratuitamente (Rm 3-24).

• Resgatados para glorificar (1 Co 6.20).

• Resgatados para estarmos livres dos homens (1 Co 7.23).

• Resgatados do domínio das coisas (1 Co 7.29-31).

• Resgatados para ser rei e sacerdotes (Ap 5.9,10).

O fumo, inegavelmente, causa forte vício. Mais adiante, a mesma passagem nos diz:

A Bíblia nunca menciona diretamente o ato de fumar. Há alguns princípios, entretanto, que definitivamente se aplicam ao fumar. Primeiro, a Bíblia ordena que não permitamos que nossos corpos se tornem “dominados” por coisa alguma. I Co 6.12 declara:

“Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma.” (I Co 6.12).

“Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus” (I Co 6.19-20).

Fumar é inegavelmente muito prejudicial a sua saúde. Já foi provado que fumar causa danos aos pulmões e freqüentemente ao coração.

Pode o fumar ser considerado “benéfico” (I Co 6.12)? Pode-se dizer que fumar é verdadeiramente “honrar a Deus com seu corpo” (I Co 6.20)? Pode uma pessoa honestamente fumar “para a glória de Deus” (I Co 10.31)? Cremos que a resposta a estas três perguntas é um grande e redondo “não”.

Como resultado, cremos que fumar é um pecado, não devendo então ser praticado pelos seguidores de Jesus Cristo.

Alguns argumentam contra esta visão mostrando o fato de que muitas pessoas ingerem alimentos que não são saudáveis, que podem da mesma forma viciar e ser maléficos para o corpo.

Como exemplo, muitas pessoas são tão viciadas em cafeína que não podem funcionar sem a primeira xícara de café pela manhã. Mesmo sendo verdade, como isto faz do ato de fumar algo correto? Afirmamos que os cristãos devem evitar a glutonaria e evitar o excesso de alimentos que não sejam saudáveis.

Sim, os cristãos são muitas vezes hipócritas quando condenam um pecado e permite outro… mas mais uma vez, como isto faz que o fumar honre a Deus?

Outro argumento contra esta visão de fumar é o fato de que muitos homens piedosos têm sido fumantes, como o famoso pregador britânico C.H. Spurgeon. Novamente, não cremos que este argumento tenha qualquer peso. Cremos que Spurgeon estava errado em fumar. Mas era ele, por outro lado, um homem piedoso e fantástico professor da Palavra de Deus? Claro que sim! Isto faz com que todos os seus atos e hábitos honrem a Deus? Não.

Sim, fumar é pecado. Fumar não é menos perdoável do que qualquer outro pecado, tanto para uma pessoa se tornar um cristão, ou um cristão confessar seu pecado a Deus (I João 1.9). Ao mesmo tempo, nós cremos firmemente que fumar é um pecado que deve ser abandonado, e com a ajuda de Deus, superado.

Além de sermos escolhidos somos também vasos comprados por um bom preço: o sangue de Jesus. Isto quer dizer que temos um dono, não estamos jogados como sementes no deserto.

Nós temos quem cuida de nós. Deus é o nosso dono e ninguém pode nos resgatar das mãos Dele.

III – VASO SELADO

- Em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa ( Ef 1.13)-

A carta aos Efésios contém tesouros preciosos para vida cristã. A profundidade doutrinária produz segurança e esperança a todos os crentes.

A formação do corpo de Cristo, e sua unidade, é o propósito eterno desta carta. A família espiritual é enfatizada de forma profunda, como maneira de destacar a posição e condição do crente, de filho de Deus.

Preso, Paulo envia essa carta e, no verso 13 do capítulo primeiro, destaca a posição e a condição de crente em Jesus.

A posição é a posição de Cristo: “... é nele que vós estais depois que ouvistes a Palavra da verdade...”. O crente está em Cristo, essa é a posição, a mais alta posição que um homem pode estar. Junto ao próprio Senhor Jesus Cristo. A mais elevada posição que um homem pode ser colocado. Não é sua condição social, financeira, intelectual, mas o estar em Cristo Jesus.

Como forma de afirmação dessa posição, Paulo progride em sua carta, revelando a ação do Santo Espírito na vida do crente. “... tendo nele crido, fostes selados com o Espírito Santo da Promessa”.

Selados com o Espírito Santo significa a nossa condição: pertencemos a Deus. Nada mais poderá mudar essa condição. Somente Deus tem a primazia sobre a nossa vida e nossa alma. Nada mais nos tira a condição de filho do Deus Altíssimo. Essa é a marca da segurança eterna da salvação, daqueles que crêem em Jesus Cristo. É o penhor da herança que temos, para redenção da propriedade de Deus (os crentes em Jesus), em louvor da sua Glória (Ef. 1.14).

O crente em Jesus, já passou da morte para vida, não entrará em condenação, ele tem a vida eterna (Jo. 5.24), pois está “Selado com o Espírito Santo”.

Que maravilha! Somos selados pelo Espírito Santo! Nosso Deus é maravilhoso, além de nos selar, o que já seria suficiente, pois o selo indica propriedade. Um documento ou correspondência selada só pode ser aberta pelo dono, ou seja, somos invioláveis até que o nosso dono ( Jesus ) nos receba em seus braços.

O senhor ainda nos deu o penhor do Espírito, ou seja, para garantir que viria nos buscar deixou o Espírito Santo como penhora. No arrebatamento haverá o resgate: seremos levados até às nuvens ao encontro do Senhor e para sempre estaremos com Ele. O qual também nos selou e deu o penhor do Espírito em nossos corações ( 2Cor 1.22).

Aqui na terra somos reconhecidos pela operação do Espírito em nossas vidas: Todavia o fundamento de Deus fica firme, tendo este selo: O Senhor conhece os que são seus, e qualquer que profere o nome de Cristo aparte-se da iniquidade ( 2 Tm 2.19 ).

IV – VASO PREPARADO

– Somos vasos de barro, escolhidos, comprados, selados e preparados para toda a boa obra. Temos que honrar ao nosso Deus e nos purificar de toda malícia e obras que desagradam ao Senhor.

Portanto, devemos procurar com zelo os melhores dons e ficar atentos para a necessidade da obra de Deus. Quando Deus quiser nos usar, possamos dizer: Eis-me aqui Senhor. Que minha luz brilhe diante dos homens e eles vejam que sou nascido em ti.

1. Deus não desiste de você, mesmo quando você falha em cumprir seu propósito (Jr 18.4).

O oleiro não jogou no lixo o vaso que se lhe havia estragado nas mãos. Ele não o colocou num canto como algo imprestável. Ele não desistiu desse vaso, mas fez dele um vaso novo.

Assim, também, Deus não desiste de você. Mesmo quando você se torna como um barro sem liga ou como um vaso estragado, Deus continua investindo em sua vida. Ele não abre mão de fazer de você um vaso novo. Deus não desiste de fazer um milagre em sua vida. Ele não abdica do direito que tem de fazer de você um vaso de honra, um vaso útil, preparado para toda boa obra.

Mesmo quando você cai, fracassa e se desvia Deus não considera você como sucata imprestável. Ele não olha você com desprezo. Como oleiro divino, ele investe em sua vida e transforma você, para que você cumpra os propósitos eternos que ele mesmo estabeleceu para sua vida.

2. Deus não faz apenas remendos em sua vida; ele faz de você um vaso novo (Jr 18.4). O oleiro não remendou o vaso que se lhe havia estragado nas mãos. Ele não se contentou com meias medidas.

Ele fez um vaso novo. A obra de Deus em você é completa. Ele faz de você uma nova criatura. Ele não quer apenas uma reforma externa, um verniz de aparência. Ele quer dar-lhe uma nova vida, uma nova mente, um novo coração, uma nova família, uma nova pátria. Deus tem para você uma vida nova, com novos gostos, novas preferências, novos alvos, novos sonhos, novos compromissos. A vida com Cristo é novidade de vida.

É vida santa, é vida no altar, é vida cheia do Espírito, é vida abundante, maiúscula, superlativa, eterna. A obra de Cristo em você é um milagre extraordinário. Portanto, você deve despojar-se dos trapos da murmuração e revestir-se com as vestes de louvor. Você deve largar para trás o espírito angustiado e cobrir-se com roupagens de louvor e óleo de alegria.

3. Deus não faz de você um vaso segundo o seu querer, mas um vaso segundo o seu propósito soberano (Jr 18.4). Deus fez do vaso que se lhe havia estragado nas mãos um vaso novo, segundo bem lhe pareceu.

A obra de Deus em você não é conforme os ditames da sua vontade, mas conforme os propósitos soberanos do próprio oleiro divino. Deus tem o melhor para você. Os planos de Deus para a sua vida são mais elevados do que os seus próprios sonhos.

O projeto de Deus para a sua vida são mais altaneiros que os seus próprios projetos. A vontade de Deus e não a sua deve prevalecer em sua vida. Ele é o oleiro, e você o barro. Não é o barro que manda no oleiro; é o oleiro que molda o barro. O oleiro tem o direito de fazer do barro o que lhe aprouver.

O oleiro divino que molda você é o mesmo que espalhou as estrelas no firmamento e o mesmo que lançou os fundamentos da terra. O oleiro divino está empenhado em esculpir em você a beleza de Jesus.

Seu projeto eterno é transformar você à imagem do Rei da glória. Ele lhe predestinou para você ser conforme à imagem do seu Filho. Deus jamais desistirá desse projeto. Seus planos não podem ser frustrados. Se preciso for, ele vai quebrar o vaso e fazê-lo de novo.

Mas, jamais vai desistir de fazer de você, um vaso de honra.

Deus nos escolheu dentre milhares e nos honrou com a sua presença, fazendo que vasos de barros, passivos a se quebrarem, pudessem ter o direito de comportar em si a o próprio Deus, na pessoa do Espírito Santo.

Ele nos comprou por bom preço, usando o sangue de Jesus como uma moeda corrente para pagar todos os nossos pecados e nos preparou para toda a boa obra, para que através de nossas vidas o seu nome fosse glorificado no céu. Que Deus tremendo é o nosso Deus!

Viva abundantemente e de cabeça erguida, sabendo que tu és vaso precioso diante dos olhos do Senhor. Aquele que nem mesmo poupou o seu único filho, antes o entregou por nós, não nos dará também todas as coisas?

Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós ( 2. Cor 4.7 ).

Ora, numa grande casa não somente há vasos de ouro e de prata, mas também de pau e de barro; uns para honra, outros, porém, para desonra.

De sorte que, se alguém se purificar destas coisas, será vaso para honra, santificado e idôneo para uso do Senhor, e preparado para toda a boa obra. ( 2 Tm 2. 20.21 )

E respondeu Ananias: Senhor, a muitos ouvi acerca deste homem, quantos males tem feito aos teus santos em Jerusalém; E aqui tem poder dos principais dos sacerdotes para prender a todos os que invocam o teu nome.

Disse-lhe, porém, o Senhor: Vai, porque este é para mim um vaso escolhido, para levar o meu nome diante dos gentios, e dos reis e dos filhos de Israel ( At 9.13;14;15).

Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais. Mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado ( 1 Pe 1. 18;19).

E cantavam um novo cântico, dizendo: Digno és de tomar o livro, e de abrir os seus selos; porque foste morto, e com o teu sangue compraste para Deus homens de toda a tribo, e língua, e povo, e nação ( Ap 5.9).

Que Deus nos abençoe e nos guarde em nome de Jesus. Amém!







Nenhum comentário:

Postagem em destaque

A Pena Capital e a Lei de Deus - Crimes e Punições na Palavra de Deus Escrito por O Tempora, O Mores. Postado em Artigos Índice de Artigos Crimes e Punições na Palavra de Deus Podemos aprender bastante com os princípios que norteavam o tratamento que a Bíblia dá aos crimes e punições. Estamos tão enraizados em nossa cultura, em como ela trata a questão da quebra da lei, que talvez até nos surpreendamos com o encaminhamento dado pela Palavra de Deus à manutenção da lei e da ordem na sociedade civil de Israel. Vamos, portanto, dar uma rápida olhada em alguns princípios que encontramos, quando estudamos esse assunto nas Escrituras: 1. A primeira coisa que nos chama a atenção, é que na Bíblia não existe a provisão para cadeias. Isso mesmo! Elas nem existiam como instrumento de punição, nem como meio de reabilitação. Isso realmente nos intriga, pois estamos tão acostumados com essa instituição que não podemos imaginar uma sociedade sem cadeias. Quando um crime é cometido, a punição que pensamos de imediato é a cadeia. "Merece cadeia!; devia estar na cadeia"! Dizemos com tanta freqüência. Mas na sociedade de Israel, no Antigo Testamento, a cadeia era apenas um local onde o criminoso era colocado até que se efetivasse o julgamento devido. Em Números 15.34 lemos: "...e o puseram em guarda; porquanto não estava declarado o que se lhe devia fazer...". Logicamente encontramos na Bíblia o registro da existência de cadeias. Jeremias foi encarcerado e Paulo, igualmente, diversas vezes, dentro do sistema romano de punições. Mas estes encarceramentos eram estranhos às determinações de Deus. 2. Desta forma, por mais familiarizados que estejamos com esse conceito, não encontramos, na Palavra de Deus, o encarceramento como remédio, ou a perspectiva de reabilitação através de longas penas na prisão. Muito menos, encontramos a idéia de "proteção da sociedade" através da segregação do indivíduo que nela não se integra, ou que contra ela age. Ou seja, não encontramos, nas prescrições dadas ao povo de Deus, cadeias para punir, remediar, reabilitar ou proteger. 3. O princípio que encontramos na Bíblia é o da restituição. Em Levítico 24.21 lemos, "...quem pois matar um animal restituí-lo-á, mas quem matar um homem assim lhe fará". A restituição ou retribuição, era sempre proporcional ao crime cometido. Como a restituição da vida era impossível, ao criminoso, no seu caso a punição era a perda da própria vida. 4. Isso significa que aquela sociedade não tinha meios para lidar com o crime? Ou aplicava a pena de morte em todos os casos de quebra da lei? Não. Ela possuía determinações bem precisas e eficazes contra a banalização e proliferação da criminalidade. Ela responde à quebra da lei com medidas rápidas e que representavam prejuízo econômico para o infrator. Para os casos de furto, a Lei Civil Bíblica prescrevia a restituição múltipla. Vejamos em Êxodo 22.4 "...se o furto for achado vivo na sua mão, seja boi, seja jumento, ou ovelha, pagará o dobro". 5. Nos casos de furto de propriedade que representa o ganha pão ou meio de subsistência do prejudicado, a Bíblia prescrevia a restituição de quatro ou cinco vezes o que foi subtraído. Assim lemos em Êxodo 22.1 "...se alguém furtar boi ou ovelha e o degolar ou vender, por um boi pagará cinco bois, e pela ovelha quatro ovelhas". 6. As determinações das Escrituras procuravam proteger a vítima e colocar temor no criminoso, tirando qualquer idéia de proteção que viesse tornar a vítima em acusado também. O que queremos dizer é que, contrariamente aos nossos dias, quando as vítimas ou agentes da lei possuem as mãos amarradas pela excessiva proteção ao criminoso, o direito de cada um de defesa de sua propriedade era algo abrigado, concedido e salvaguardado, na legislação mosaica. Vemos isso em Êxodo 22.2: "...se o ladrão for achado a minar e for ferido, e morrer, o que o feriu não será culpado do sangue". 7. Aqueles que roubavam alimentos para satisfazer a fome, deviam ser tratados com clemência, mas mesmo assim, persistia a obrigação de restituir sete vezes o alimento que furtou do legítimo dono, uma vez que a própria constituição da sociedade já possuía a provisão para atendimento aos carentes, tornando desnecessário o furto, como vemos em Deuteronômio 24.19 a 21. Desta forma lemos em Pv. 6.30, 31: "...não se injuria o ladrão quando furta para saciar sua alma, tendo fome; mas encontrado, pagará sete vezes tanto: dará toda a fazenda da sua casa..". 8. Vemos então, em apenas um rápido exame das diretrizes bíblicas e um confronto destas com as opiniões que agora surgem, a sabedoria ali encontrada. Já há milênios antes de Cristo a Bíblia determinava punições pecuniárias, que o homem, a elas hoje chega, baseado na constatação empírica de que outras medidas não funcionam. Com efeito os encarceramentos prolongados, hoje aplicados, não produzem reabilitações, não são bem sucedidos em conservar o criminoso fora de ação e as prisões constituem-se, na realidade, em verdadeiras fábricas de criminosos piores e mais violentos. 9. O sistema bíblico de punição pecuniária é destinado a tornar o crime uma atividade não lucrativa. No que diz respeito àqueles criminosos que se recusavam a obedecer as autoridades constituídas, a sentença é a pena de morte. Lemos isto em Deuteronômio 17.12: "...o homem pois que se houver soberbamente, não dando ouvidos ao sacerdote, que está ali para servir ao Senhor teu Deus, nem ao juiz, o tal homem morrerá e tirarás o mal de Israel". [10] 10. Isto eqüivale a dizer que a condição de reabilitação na sociedade, para o criminoso primário, era total e absoluta. Indo na direção contrária à nossa sociedade, que coloca o criminoso iniciante enjaulado, em condições subumanas, como criminosos experientes " que se encarregam de formá-lo na escola do crime, o criminoso primário em Israel, pagando a indenização devida, estava pronto a se reintegrar na sociedade atingida pelos seus desmandos. Essa sociedade não deveria discrimina-lo de nenhuma forma, pois restituição havia sido efetivada. 11. Por outro lado, havia aqueles que se recusavam a obedecer, reincidindo no caminho do crime. A Bíblia reconhece a necessidade de proteger a sociedade desses elementos, mas não através do encarceramento " uma forma pseudo-humanitária, somente onerosa, imperfeita e impossível de produzir resultados. O sistema encontrado na Bíblia apresenta a efetivação desta proteção de uma forma radical, mas destinada a produzir frutos permanentes e a gerar a paz e a tranqüilidade em uma sociedade. Além disto, poderíamos falar no efeito didático, que a aplicação coerente e sistemática desta pena teria nos reincidentes em potencial. 12. Que diferença encontramos entre a forma de tratar o crime na sociedade de Israel e na filosofia e sistema empregados nos dias atuais! Em nossos dias, o crime prospera porque é lucrativo e porque corre impune, sendo isto também uma conseqüência da falta de adequação das penas impostas aos crimes cometidos. O sistema penal do Antigo Testamento previa não somente a adequação da penalidade aos crimes cometidos, mas a sua rápida aplicação. Lentidão da justiça é reconhecida até os dias de hoje como uma manifestação de injustiça. Nesse sentido, temos o registo apropriado da Palavra de Deus, em Eclesiastes 8.11:"Porquanto não se executa logo o juízo sobre a má obra, o coração dos filhos dos homens está inteiramente disposto para praticar o mal". 13. Obviamente não há a possibilidade da aplicação direta e total das Leis Civis prescritas por Deus ao estado teocrático de Israel, na sociedade atual. Nem podemos advocar a aplicação da pena de morte para todas as situações temporais prescritas na Lei Mosaica (como, por exemplo, pela quebra do sábado), pois destinavam-se a uma nação específica, dentro de específicas circunstâncias, e com propósitos definidos, da parte de Deus. Muitos dos princípios encontrados, naquela sociedade agrária, entretanto, são eternos e válidos até os dias de hoje e merecedores do nosso exame e estudo. A rapidez das sentenças; as penas pecuniárias e o peso econômico sofrido pelos infratores, em benefício das vítimas; a visão clara de quem é vítima e de quem é infrator, sem cometer a inversão de valores de considerar os criminosos "vítimas do sistema"; o apreço pela vida humana, acima de qualquer outra perda; o cuidado todo especial pela preservação de uma sociedade na qual liberdade também significasse ausência de violências e de ameaças trazidas por indivíduos incorrigíveis; o chamado constante ao bom senso e à preservação da lei e da ordem, não apenas com meras palavras, mas com duras penas contra os malfeitores; a ênfase, respaldada igualmente em penas severas, no respeito aos anciãos e às autoridades; são alguns desses princípios que deveriam estar presentes em qualquer sociedade. Juristas cristãos muito poderiam contribuir para um aprofundamento deste tema, penetrando a fundo na regulamentação da sociedade veto-testamentária e procurando uma adequação desses princípios às nossas condições. A questão de crimes, punições e determinações divinas está alicerçada no tema maior da Lei de Deus. Mas o que realmente significa este termo. O que a Bíblia tem a nos dizer sobre os seus diferentes aspectos? Seria difícil prosseguir em nossa caminhada, se não fizermos uma exploração, neste estágio, do significado da Lei de Deus, e da sua relevância aos nossos dias: