terça-feira, 26 de setembro de 2017

Juntos somos mais fortes 💪

https://chat.whatsapp.com/9LuI4n5PDoeKLpeA9YBSiN

Grupo do Evangelista Manoel Moura-Bahia\Brasil-Luis Eduardo Magalhães

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

PORQUE SE DEVE ADORAR APENAS A DEUS

Paz  seja convosco a povo de Deus e de Jesus Cristo a todos...

Relembrando: na mensagem anterior  foi transmitido que todos os dias, o dia todo, a qualquer hora, em qualquer lugar, em qualquer circunstância é o momento propício para que Jesus Cristo se revele à vida das pessoas. E a pergunta que até hoje é ecoada: “Tua alma está salva?. Para que Você tenha esta experiência é necessário o seguinte: Então é só crer no Senhor Jesus Cristo e tua alma será salva”.

 Começando...
Hoje falaremos a respeito de “porque se deve adorar apenas a Deus”.
Bem, antes de tudo faço a seguinte pergunta: quem nunca ouviu alguém dizer que adora aquela pessoa, ou adora aquele objeto, ou adora aquele lugar, ou adora aquela comida ou adora qualquer outra coisa? Esta característica humana demonstra que o homem, por sua natureza, possui a vocação para a adoração. E o que é adoração? Adoração é o ato de adorar. Já a palavra “adorar” pode ser entendida da seguinte maneira: prestar culto de adoração; reverenciar, venerar; amar extremosamente; gostar muitíssimo; etc.
Na mensagem O HOMEM A IMAGEM E A SEMELHANÇA DE DEUS foi demonstrado que o homem foi feito para ter uma íntima comunhão com Deus. Possuía todas as coisas à sua disposição, e tinha o seu governo. E também tinha uma vida eterna com o Pai. Portanto, Deus fez o homem para que tivesse com Ele uma relação de muito amor e adoração.
Entretanto, satanás que é o pai da mentira, enganou o homem, fazendo-o pecar contra Deus. A conseqüência do pecado foi a morte. O homem perdeu a sua vida eterna com Deus e o governo das coisas criadas pelo Pai postas à sua disposição.
E por qual razão satanás quis enganar o homem? Ora, ele queria ser adorado! Conforme mencionado no estudo IDOLATRIA DENTRO DAS IGREJAStudo começou quando lúcifer (era um querubim da guarda - que era o selo da perfeição, cheio de sabedoria e perfeito em formosura – Ez 28:12) quis usurpar o lugar do Deus Altíssimo (Isaias 14:14). Foi então, expulso do Céu (Isaias 14:12) e veio para o mundo com os seus rebeldes seguidores para afastar o homem da presença de Deus. A obstinação doentia de satanás é de se opor de maneira contundente aos planos Divinos, buscando com a sua demência ímpar, destronar o Todo Poderoso, a fim de tomar-lhe o lugar (2 Ts 2:4). Por esta razão, satanás tenta desviar a adoração que é devida somente a Deus, para os ídolos. O ídolo é o subterfúgio criado por satanás para ser adorado. Por ter enganado o homem, satanás assumiu o governo deste mundo.
O constante desígnio de satanás é usurpar àquilo que é devido somente a Deus, a “adoração”. Mesmo sabendo que o homem foi feito para o louvor e a glória do Deus vivo (Efésios 1:12), o inimigo de nossas vidas tem tentado de todas as maneiras deturpar, com o seu fermento venenoso, o culto a Deus. As suas sutilezas são amplas, pois tem mesclado a simbologia da maçonaria e de outras religiões pagãs e incorporado nos ritos e no cotidiano das igrejas. Através do secularismo e do mundanismo, satanás tem introduzido suas sementes no meio das igrejas através dos usos e costumes, conceitos e filosofias vãs. Assim ocorreu com o povo de Israel e assim tem ocorrido com as igrejas. A idolatria dentro das igrejas e pela própria igreja tem se tornado uma realidade escancarada, mas suas lideranças e suas ovelhas permanecem cegas quanto esta realidade. Não se apercebem que ao invés de estarem adorando ao Verdadeiro Deus, estão sim levantando os altares do adversário.
Entenda que a loucura de satanás para ser adorado é tamanha, que até pelo Filho de Deus quis ser adorado: Mateus 4:8,9,10 – “Novamente o Diabo o levou a um monte muito alto; e mostrou-lhe todos os reinos do mundo, e a glória deles; e disse-lhe: Tudo isto te darei, se, prostrado, me adorares. Então ordenou-lhe Jesus: Vai-te, Satanás; porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás.
Bem, e é com esta palavra do Senhor Jesus que iniciamos o presente tema. Então, porque se deve adorar apenas a Deus? Devemos adorar somente a Deus, pois o próprio Filho de Deus, Jesus Cristo, nos ensinou que assim devemos proceder.
O Senhor Jesus nos transmitiu neste episódio que devemos não apenas adorar somente ao Pai, mas também servi-Lo. Ora, então porque as pessoas buscam adorar imagens, pastores e padres (líderes em geral), religiões, igrejas, instituições, obras, liturgias, filosofias e outras espécies de idolatria? Na verdade, este é o fermento de satanás que cega às igrejas e aos seus membros.
Vejamos algumas passagens bíblicas que nos ensinam que devemos adorar somente a Deus:
·Êxodo 34:14 – “(porque não adorarás a nenhum outro deus; pois o Senhor, cujo nome é Zeloso, é Deus zeloso),”.
Deuteronômio 26:10 – “E eis que agora te trago as primícias dos frutos da terra que tu, ó Senhor, me deste. Então as porás perante o Senhor teu Deus, e o adorarás;”.
1 Cronicas 16:29 – Tributai ao Senhor a glória devida ao seu nome; trazei presentes, e vinde perante ele; adorai ao Senhor vestidos de trajes santos”.
Salmo 29:2 – Tributai ao Senhor a glória devida ao seu nome; adorai o Senhor vestidos de trajes santos”.
Salmo 95:6 – “Oh, vinde, adoremos e prostremo-nos; ajoelhemos diante do Senhor, que nos criou”.
Salmo 96:9 – Adorai ao Senhor vestidos de trajes santos; tremei diante dele, todos os habitantes da terra”.
Isaías 42: 8 – Eu sou o Senhor; este é o meu nome; a minha glória, pois, a outrem não darei, nem o meu louvor às imagens de escultura”.
Zacarias 14:17 – “E se alguma das famílias da terra não subir a Jerusalém, para adorar o Rei, o Senhor dos exércitos, não cairá sobre ela a chuva”.
Mateus 4:10 – “Então ordenou-lhe Jesus: Vai-te, Satanás; porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás”.
João 4:24 – “Deus é Espírito, e é necessário que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade”.
Filipenses 4:20 – “Ora, a nosso Deus e Pai seja dada glória pelos séculos dos séculos. Amém”.
Apocalipse 14:7 – “dizendo com grande voz: Temei a Deus, e dai-lhe glória; porque é chegada a hora do seu juízo; e adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas”.
Desta forma, entendemos que somente a Deus se deve adorar. Somente Ele é digno de toda a adoração. A adoração que não é dirigida ao Pai, é considerada idolatria, que é amplamente condenada nas Escrituras Sagradas. Por esta razão que o Senhor Jesus disse: “Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás”.
Portanto, devemos nos guardar para não adorarmos a qualquer outra coisa ou pessoa, que não seja o Senhor Deus. Nem mesmo às pessoas citadas na Bíblia, nem os objetos descritos nas Escrituras e nem os símbolos ali presentes devem ser adorados. Toda a adoração deve ser dada somente a Deus! Veja em Deuteronômio 11:16 – “Guardai-vos para que o vosso coração não se engane, e vos desvieis, e sirvais a outros deuses, e os adoreis;”. Por isso, a adoração dirigida a qualquer outro objeto, pessoa ou ser, que não seja Deus, é extremamente condenada pela Palavra de Deus. Veja ainda em Êxodo 20:4, Levítico 26:1 e Isaias 42:8.
Depois de entender que somente a Deus é que se deve adorar, pode então surgir a seguinte dúvida: e a Jesus Cristo, não se pode adorá-Lo? É claro que sim!
A razão de poder adorar ao Senhor Jesus é porque Ele é Deus. Se Ele não fosse Deus, Ele não seria alvo de adoração e nem aceitaria ser adorado. Vejamos os exemplos dos anjos, em que aqueles servos (que foram assistidos por eles) tendiam sempre a adorá-los: Apocalipse 22:9 – “Mas ele me disse: Olha, não faças tal; porque eu sou conservo teu e de teus irmãos, os profetas, e dos que guardam as palavras deste livro. Adora a Deus”.
Podemos ver nos Evangelhos que várias foram as oportunidades em que o Senhor Jesus se deixou ser adorado (Mt 14:33 e 28:9; Jo 9:38). Portanto, o Senhor Jesus também deve ser adorado, da mesma forma que o Pai é adorado. Cristo deve ser adorado, pois Ele é Deus!
Vejamos algumas passagens bíblicas que nos ensinam que devemos também adorar ao Senhor Jesus:
Mateus 2:11- E entrando na casa, viram o menino com Maria sua mãe e, prostrando-se, o adoraram; e abrindo os seus tesouros, ofertaram-lhe dádivas: ouro incenso e mirra”.
Lucas 24:52 – E, depois de o adorarem, voltaram com grande júbilo para Jerusalém;”.
Hebreus 1:6 – E outra vez, ao introduzir no mundo o primogênito, diz: E todos os anjos de Deus o adorem”.
·II Pedro 3:18 – “antes crescei na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. A ele seja dada a glória, assim agora, como até o dia da eternidade”.
I João 5:20 – “Sabemos também que já veio o Filho de Deus, e nos deu entendimento para conhecermos aquele que é verdadeiro; e nós estamos naquele que é verdadeiro, isto é, em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna”.
Apocalipse 5:8 – Logo que tomou o livro, os quatro seres viventes e os vinte e quatro anciãos prostraram-se diante do Cordeiro, tendo cada um deles uma harpa e taças de ouro cheias de incenso, que são as orações dos santos”.

Concluindo meus Irmãos: pelas razões expostas entendemos que somente a Deus e a Jesus Cristo, o seu Filho, é que se deve adorar! Por esta razão que devemos nos guardar para não adorarmos a qualquer outra coisa ou pessoa, que não seja o Senhor Deus e a Cristo Jesus. Por isso, a adoração dirigida a qualquer outro objeto, pessoa, obra, instituição ou ser, que não seja Deus, é idolatria! Por isso que o Senhor Deus tem procurado os seus verdadeiros adoradores que o adorem em espírito e em verdade. VejaJo 4:23, 24 – “Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem . Deus é Espírito, e é necessário que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade”.

Na próxima mensagem, falarei a respeito de “a Obra de Deus e as obras dos homens”.

Desejo que o Senhor Deus nos abençoe e até a próxima...

“Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.”


sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Vivendo para Deus

A obra da Igreja.

"Enviados pelo Espírito Santo", Paulo e Barnabé, depois de sua ordenação pelos irmãos em Antioquia, "desceram a Selêucia e dali navegaram para Chipre." Atos 13:4. Assim começaram os apóstolos sua primeira viagem missionária.

Chipre era um dos lugares para onde os crentes tinham fugido de Jerusalém por causa da perseguição que se seguiu à morte de Estêvão. Foi de Chipre que alguns homens tinham viajado para Antioquia, "anunciando o Senhor Jesus". Atos 11:20. O próprio Barnabé era "natural de Chipre" (Atos 4:36); e agora, ele e Paulo, acompanhados por João Marcos, parente de Barnabé, visitavam essa ilha.

A mãe de Marcos era uma convertida à religião cristã, e seu lar em Jerusalém era um abrigo para os discípulos. Ali estavam sempre certos de serem bem-vindos para ocasiões de repouso. Foi durante uma dessas visitas dos apóstolos ao lar da mãe de Marcos que este propôs

AA - Pag. 167

a Paulo e Barnabé acompanhá-los em sua viagem missionária. Ele sentia o favor de Deus em seu coração, e almejava devotar-se inteiramente à obra do ministério evangélico.

Chegando a Salamina, os apóstolos "anunciavam a Palavra de Deus nas sinagogas dos judeus. ... E havendo atravessado a ilha até Pafos, acharam um certo judeu mágico, falso profeta, chamado Barjesus, o qual estava com o procônsul Sérgio Paulo, varão prudente. Este, chamando a si Barnabé e Saulo, procurava muito ouvir a Palavra de Deus. Mas resistia-lhes Elimas, o encantador (que assim se interpreta o seu nome), procurando apartar da fé o procônsul". Atos 13:5-8.

Não é sem luta que Satanás permite ser o reino de Deus estabelecido na Terra. As forças do mal estão empenhadas em incessante luta contra os instrumentos indicados para disseminar o evangelho; e esses poderes das trevas são especialmente ativos quando a verdade é proclamada diante de homens de reputação e genuína integridade.

Assim foi quando Sérgio Paulo, o procônsul de Chipre, estava ouvindo a mensagem do evangelho. O procônsul tinha solicitado a presença dos apóstolos, para ser instruído na mensagem que possuíam; e agora as forças do mal, operando por intermédio de Elimas, o encantador, procuravam com malignas sugestões desviá-lo da fé, e impedir assim o propósito de Deus.

Desta maneira sempre trabalha o inimigo caído para conservar em suas fileiras homens de influência que, se convertidos, prestariam eficiente serviço à causa de Deus. Mas o fiel obreiro do evangelho não precisa temer

AA - Pag. 168

malogro à mão do inimigo, pois é seu privilégio ser assistido com o poder do alto a fim de enfrentar cada satânica influência.

Embora penosamente assediado por Satanás, Paulo teve a coragem de repreender aquele por cujo intermédio o inimigo agia. "Cheio do Espírito Santo", o apóstolo "fixando os olhos nele, disse: Ó filho do diabo, cheio de todo o engano e de toda a malícia, inimigo de toda a justiça, não cessarás de perturbar os retos caminhos do Senhor? Eis aí, pois, agora contra ti a mão do Senhor, e ficarás cego, sem ver o sol por algum tempo. E no mesmo instante a escuridão e as trevas caíram sobre ele, e, andando à roda buscava a quem o guiasse pela mão. Então o procônsul, vendo o que havia acontecido, creu, maravilhado da doutrina do Senhor." Atos 13:9-12.

O mágico tinha cerrado os olhos às evidências da verdade evangélica, e o Senhor, em justa indignação, fez que seus olhos naturais se fechassem, deles excluindo a luz do dia. Esta cegueira não foi permanente, mas apenas por certo período, a fim de que fosse advertido e se arrependesse, buscando o perdão de Deus a quem tão gravemente ofendera. A confusão em que assim foi lançado, tornou de nenhum efeito suas artes sutis contra a doutrina de Cristo.

O fato de ter ele de andar apalpando, em sua cegueira, provou a todos que os milagres que os apóstolos haviam realizado, e que Elimas acusara de serem prestidigitações, haviam sido operados pelo poder de Deus. O procônsul, convencido da verdade da doutrina ensinada pelos apóstolos, aceitou o evangelho.

AA - Pag. 169

Elimas não era homem de cultura, no entanto estava peculiarmente capacitado para fazer a obra de Satanás. Os que pregam a verdade de Deus encontrarão o astucioso inimigo por muitas diferentes formas. Algumas vezes será na pessoa de um erudito, mas na maioria delas por intermédio de homens ignorantes, a quem Satanás treinou para se tornarem eficientes instrumentos no enganar as almas.

É dever do ministro de Cristo permanecer fiel em seu posto, no temor de Deus e na força do Seu poder. Assim poderá ele pôr em confusão as hostes de Satanás e triunfar no nome do Senhor.

Paulo e seus companheiros continuaram viagem para Perge, na Panfília. Seu caminho era penoso; encontraram dificuldades e privações, e estavam cercados de perigos por todos os lados. Nas vilas e cidades por onde passavam, e ao longo das estradas desertas, estavam rodeados de perigos visíveis e invisíveis.

Mas Paulo e Barnabé tinham aprendido a confiar no poder libertador de Deus. O coração deles estava cheio de fervente amor pelas almas a perecer. Como fiéis pastores na busca da ovelha perdida, não abrigavam o pensamento de facilidades ou conveniências próprias.

Esquecidos de si mesmos, não fraquejavam quando cansados, famintos ou com frio. Eles tinham em vista um único objetivo - a salvação dos que vagueavam distantes do redil.

Foi aqui que Marcos, dominado por temor e desânimo, hesitou por um momento em seu propósito de consagrar-se de todo o coração à obra do Senhor. Pouco habituado a sacrifícios, desanimaram-no os perigos e privações do caminho. Trabalhara com êxito sob

AA - Pag. 170

circunstâncias favoráveis, mas agora, em meio da oposição e dos perigos que tantas vezes cercam o missionário pioneiro, não suportou as dificuldades como bom soldado da cruz. Devia aprender ainda a enfrentar valorosamente os perigos, perseguições e adversidades. À medida que os apóstolos avançavam, encontrando dificuldades cada vez maiores, Marcos intimidou-se, e perdendo todo o ânimo, recusou-se a prosseguir, retornando a Jerusalém.

Esta deserção fez com que Paulo julgasse por algum tempo desfavoravelmente a Marcos; severamente mesmo. Por outro lado, Barnabé se inclinava a desculpá-lo devido a sua inexperiência. Estava ansioso por que Marcos não abandonasse o ministério, pois nele via qualidades que o habilitariam para ser útil obreiro de Cristo.

Anos depois sua solicitude por Marcos foi ricamente recompensada; pois o jovem se entregou sem reservas ao Senhor e à tarefa de proclamar a mensagem do evangelho em campos difíceis. Sob a bênção de Deus e a sábia orientação de Barnabé, ele se tornou um valoroso obreiro.

Paulo se reconciliou mais tarde com Marcos, recebendo-o como colaborador. Recomendou-o também aos colossenses, como "cooperador no reino de Deus" e como tendo para ele "sido consolação". Col. 4:11. Não muito tempo antes de sua morte, Paulo tornou a falar de Marcos como lhe sendo "muito útil para o ministério". II Tim. 4:11.

Depois da partida de Marcos, Paulo e Barnabé visitaram Antioquia da Pisídia, e no sábado entraram na sinagoga judaica e se assentaram. "E, depois da lição da lei e dos profetas, lhes mandaram dizer os principais da

AA - Pag. 171

sinagoga: varões irmãos, se tendes alguma palavra de consolação para o povo, falai." Convidado para falar, levantou-se "Paulo, e pedindo silêncio com a mão, disse: Varões israelitas, e os que temeis a Deus, ouvi". Seguiu-se então um maravilhoso discurso. Ele começou por historiar a maneira como o Senhor havia tratado com os judeus desde o tempo de seu libertamento do cativeiro egípcio, e como fora prometido um Salvador, da semente de Davi.

E ousadamente declarou que "da descendência deste, conforme a promessa, levantou Deus a Jesus para Salvador de Israel; tendo primeiramente João, antes da vinda dEle, pregado a todo o povo de Israel o batismo do arrependimento. Mas João, quando completava a carreira, disse: Quem pensais vós que eu sou? Eu não sou o Cristo; mas eis que após mim vem Aquele a quem não sou digno de desatar as alparcas dos pés". Assim com poder ele pregou a Jesus como o Salvador dos homens, o Messias da profecia.

Depois de haver feito esta declaração, disse Paulo: "Varões irmãos, filhos da geração de Abraão, e os que dentre vós temem a Deus, a vós vos é enviada a palavra desta salvação. Por não terem conhecido a Este, os que habitavam em Jerusalém, e os seus príncipes, condenaram-nO, cumprindo assim as vozes dos profetas que se lêem todos os sábados." Atos 13:13-27.

Paulo não hesitou em falar com clareza a verdade concernente à rejeição do Salvador pelos dirigentes judaicos. "E, embora não achassem alguma causa de morte, pediram a Pilatos que Ele fosse morto", declarou o

AA - Pag. 172

apóstolo. "E, havendo eles cumprido todas as coisas que dEle estavam escritas, tirando-O do madeiro, O puseram na sepultura; mas Deus O ressuscitou dos mortos. E Ele por muitos dias foi visto pelos que subiram com Ele da Galiléia a Jerusalém, e são Suas testemunhas para com o povo." Atos 13:28-31.

"E nós vos anunciamos", continuou o apóstolo, "que a promessa que foi feita aos pais Deus a cumpriu, a nós, Seus filhos, ressuscitando a Jesus; como também está escrito no salmo segundo: Meu Filho és Tu, hoje Te gerei. E que O ressuscitaria dos mortos, para nunca mais tornar à corrupção, disse-o assim: As santas e fiéis bênçãos de Davi vos darei. Pelo que também em outro salmo diz: Não permitirás que o Teu Santo veja corrupção. Porque, na verdade, tendo Davi no seu tempo servido conforme a vontade de Deus, dormiu, e foi posto junto de seus pais e viu a corrupção. Mas aquele a quem Deus ressuscitou nenhuma corrupção viu." Atos 13:32-37.

E agora, tendo falado claramente do cumprimento de profecias familiares concernentes ao Messias, Paulo pregou-lhes o arrependimento e a remissão dos pecados mediante os méritos de Jesus, Salvador deles. "Seja-vos pois notório, varões irmãos", disse ele, "que por Este se vos anuncia a remissão dos pecados. E de tudo o que, pela lei de Moisés, não pudestes ser justificados, por Ele é justificado todo aquele que crê." Atos 13:38-39.

O Espírito de Deus acompanhou as palavras faladas e os corações foram tocados. O apelo dos apóstolos às profecias do Antigo Testamento, e sua declaração de que elas haviam sido cumpridas no ministério de Jesus de Nazaré,

AA - Pag. 173

levaram a convicção a muitas almas que suspiravam pelo advento do Messias prometido. As palavras de afirmação dos apóstolos, de que "as boas novas" (Isa. 52:7) de salvação eram para judeus e gentios igualmente, trouxeram esperança e alegria a todos os que não haviam sido contados entre os filhos de Abraão segundo a carne.

"E, saídos os judeus da sinagoga, os gentios rogaram que no sábado seguinte lhes fossem ditas as mesmas coisas." Tendo finalmente a congregação se dispersado, "muitos dos judeus e dos prosélitos religiosos", que tinham aceitado as boas novas que lhes foram apresentadas naquele dia, "seguiram a Paulo e Barnabé, os quais, falando-lhes, os exortavam a que permanecessem na graça de Deus". Atos 13:42 e 43.

O interesse despertado em Antioquia da Pisídia pelo discurso de Paulo, reuniu no "sábado seguinte... quase toda a cidade a ouvir a Palavra de Deus. Então os judeus, vendo a multidão, encheram-se de inveja; e, blasfemando, contradiziam o que Paulo dizia.

"Mas Paulo e Barnabé, usando de ousadia, disseram: Era mister que a vós se vos pregasse primeiro a Palavra de Deus; mas, visto que a rejeitais, e vos não julgais dignos da vida eterna, eis que nos voltamos para os gentios; porque o Senhor assim no-lo mandou: Eu te pus para luz dos gentios, para que sejas de salvação até aos confins da Terra."

"E os gentios, ouvindo isto, alegraram-se, e glorificavam a Palavra do Senhor; e creram todos quantos estavam ordenados para a vida eterna." Eles se rejubilaram grandemente de Jesus os reconhecer como filhos de

AA - Pag. 174

Deus, e com coração grato atentavam à palavra pregada. Os que creram foram zelosos em comunicar a mensagem evangélica a outros, e assim "a Palavra do Senhor se divulgava por toda aquela província". Atos 13:44-49.

Séculos antes, a pena da inspiração tinha traçado esta colheita de gentios; mas aquelas previsões proféticas tinham sido apenas obscuramente entendidas. Oséias havia dito: "Todavia o número dos filhos de Israel será como a areia do mar, que não pode medir-se nem contar-se; e acontecerá que no lugar onde se lhes dizia: Vós não sois Meu povo, se lhes dirá: Vós sois filhos do Deus vivo." Osé. 1:10.

E outra vez: "E semeá-la-ei para Mim na terra, e compadecer-Me-ei de Lo-Ruama; e a Lo-Ami direi: Tu és Meu povo; e ele dirá: Tu és o meu Deus!" Osé. 2:23. O próprio Salvador, durante o Seu ministério terrestre, predisse a disseminação do evangelho entre os gentios. Na parábola da vinha Ele declarou aos impenitentes judeus: "O reino de Deus vos será tirado, e será dado a uma nação que dê os seus frutos." Mat. 21:43.

E depois de Sua ressurreição Ele comissionou os discípulos para irem "por todo o mundo" (Mat. 28:19), a ensinar "todas as nações". Não deviam deixar de advertir a ninguém, mas deviam pregar "o evangelho a toda a criatura". Mar. 16:15.

Voltando-se para os gentios em Antioquia da Pisídia, Paulo e Barnabé não deixaram de trabalhar pelos judeus de outras partes, onde quer que a oportunidade lhes deparasse ouvintes. Posteriormente, em Tessalônica, em

AA - Pag. 175

Corinto, em Éfeso e em outros importantes centros, Paulo e seus companheiros de trabalho pregaram o evangelho tanto a judeus como a gentios. Mas suas maiores energias eram daí por diante dirigidas no sentido de estabelecer o reino de Deus em território gentílico, entre povos que tinham pouco ou nenhum conhecimento do verdadeiro Deus e de Seu Filho.

O coração de Paulo e seus associados no trabalho estava aberto em benefício dos que estavam "sem Cristo, separados da comunidade de Israel, e estranhos aos concertos da promessa, não tendo esperança, e sem Deus no mundo". Efés. 2:12.

Mediante a incansável ministração dos apóstolos aos gentios, os "estrangeiros e forasteiros", os "que antes estáveis longe", aprenderam que "pelo sangue de Cristo", chegaram perto, e que pela fé em Seu sacrifício expiatório, podiam tornar-se "concidadãos dos santos, e da família de Deus". Efés. 2:13 e 19.

Avançando pela fé, Paulo trabalhou sem cessar pela edificação do reino de Deus entre os que tinham sido negligenciados pelos mestres de Israel. Exaltava constantemente a Cristo Jesus como o "Rei dos reis, e Senhor dos senhores" (I Tim. 6:15), e exortava os crentes a permanecerem "arraigados e sobreedificados nEle, e confirmados na fé". Col. 2:7.

Para os que crêem, Cristo é o firme Fundamento. Sobre esta Pedra viva podem edificar igualmente judeus e gentios. Ela é suficientemente grande para todos, e forte bastante para sustentar o peso e o fardo de todo o mundo. Este é um fato plenamente reconhecido pelo próprio

AA - Pag. 176

Paulo. Nos dias finais de seu ministério, quando, dirigindo-se a um grupo de crentes gentios que tinham permanecido firmes em seu amor pela verdade do evangelho, o apóstolo escreve: "Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal Pedra da esquina." Efés. 2:20.

Como a mensagem do evangelho se espalhasse na Pisídia, judeus incrédulos de Antioquia, em seu cego preconceito, "incitaram algumas mulheres religiosas e honestas, e os principais da cidade, e levantaram perseguição contra Paulo e Barnabé, e os lançaram" (Atos 13:50) fora daquele distrito.

Os apóstolos não ficaram desencorajados por este tratamento; lembraram-se das palavras de seu Mestre: "Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem, e mentindo, disserem todo o mal contra vós por Minha causa. Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos Céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós." Mat. 5:11 e 12.

A mensagem do evangelho estava avançando, e os apóstolos tinham todo o motivo de sentir-se encorajados. Suas atividades entre os de Antioquia da Pisídia, tinham sido ricamente abençoadas, e os crentes a quem tinham deixado a conduzir a obra sozinhos por algum tempo, "estavam cheios de alegria e do Espírito Santo". Atos 13:52.

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

https://chat.whatsapp.com/9LuI4n5PDoeKLpeA9YBSiN

Grupo do Evangelista Manoel Moura 149 Membros a maioria Pastores e Obreiros.

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Deus procurando os Adoradores.

Quem é a Igreja?

A igreja é o instrumento apontado por Deus para a salvação dos homens. Foi organizada para servir, e sua missão é levar o evangelho ao mundo. Desde o princípio tem sido plano de Deus que através de Sua igreja seja refletida para o mundo Sua plenitude e suficiência.

Aos membros da igreja, a quem Ele chamou das trevas para Sua maravilhosa luz, compete manifestar Sua glória. A igreja é a depositária das riquezas da graça de Cristo; e pela igreja será a seu tempo manifesta, mesmo aos "principados e potestades nos Céus" (Efés. 3:10), a final e ampla demonstração do amor de Deus.

Muitas e maravilhosas são as promessas citadas nas Escrituras com respeito à igreja. "Porque a Minha casa será chamada casa de oração para todos os povos." Isa. 56:7. "E a elas, e aos lugares ao redor do Meu outeiro, Eu porei por bênção; e farei descer a chuva a seu tempo: chuvas de bênção serão." "E lhes levantarei uma

AA - Pag. 10

plantação de renome, e nunca mais serão consumidas pela fome na Terra, nem mais levarão sobre si o opróbrio dos gentios. Saberão, porém, que Eu, o Senhor seu Deus, estou com elas, e que elas são o Meu povo, a casa de Israel, diz o Senhor Jeová. Vós, pois, ó ovelhas Minhas, ovelhas do Meu pasto: homens sois, mas Eu sou o vosso Deus, diz o Senhor Jeová." Ezeq. 34:26 e 29-31.

"Vós sois as Minhas testemunhas diz o Senhor, e o Meu servo, a quem escolhi; para que o saibais, e Me creiais, e entendais que Eu sou o mesmo, e que antes de Mim deus nenhum se formou, e depois de Mim nenhum haverá. Eu, Eu sou o Senhor, e fora de Mim não há Salvador. Eu anunciei, e Eu salvei, e Eu o fiz ouvir, e deus estranho não houve entre vós, pois vós sois as Minhas testemunhas, diz o Senhor; Eu sou Deus." Isa. 43:10-12.

"Eu o Senhor te chamei em justiça, e te tomarei pela mão e te guardarei, e te darei por concerto do povo, e para luz dos gentios; para abrir os olhos dos cegos, para tirar da prisão os presos, e do cárcere os que jazem em trevas." Isa. 42:6 e 7.

"No tempo favorável te ouvi e no dia da salvação te ajudei, e te guardarei, e te darei por concerto do povo, para restaurares a terra, e lhe dares em herança as herdades assoladas: para dizeres aos presos: Saí; e aos que estão em trevas: Aparecei: eles pastarão nos caminhos, e em todos os lugares altos terão o seu pasto. Nunca terão fome nem sede, nem a calma nem o sol os afligirá; porque o que Se compadece deles os guiará, e os levará

AA - Pag. 11

mansamente aos mananciais das águas. E farei de todos os Meus montes um caminho; e as Minhas veredas serão exaltadas.

"Exultai, ó Céus, e alegra-te tu, Terra, e vós, montes, estalai de júbilo, porque o Senhor consolou o Seu povo, e dos Seus aflitos Se compadecerá. Mas Sião diz: Já me desamparou o Senhor, e o Senhor Se esqueceu de mim. Pode uma mulher esquecer-se tanto de seu filho que cria, que não se compadeça dele, do filho do seu ventre? Mas ainda que esta se esquecesse, Eu, todavia, Me não esquecerei de ti. Eis que nas palmas das Minhas mãos te tenho gravado: os teus muros estão continuamente perante Mim." Isa. 49:8-11 e 13-16.

A igreja é a fortaleza de Deus, Sua cidade de refúgio, que Ele mantém num mundo revoltado. Qualquer infidelidade da igreja é traição para com Aquele que comprou a humanidade com o sangue de Seu unigênito Filho. Almas fiéis constituíram desde o princípio a igreja sobre a Terra. Em cada era teve o Senhor Seus vigias que deram fiel testemunho à geração em que viveram.

Essas sentinelas apregoaram a mensagem de advertência; e ao serem chamadas para depor a armadura, outros empreenderam a tarefa. Deus pôs essas testemunhas em relação de concerto com Ele próprio, unindo a igreja da Terra à do Céu. Enviou Seus anjos para cuidar de Sua igreja e as portas do inferno não puderam prevalecer contra Seu povo.

Através de séculos de perseguição, conflito e trevas, Deus tem amparado Sua igreja. Nenhuma nuvem sobre ela caiu, para a qual Ele não estivesse preparado;

AA - Pag. 12

nenhuma força oponente surgiu para impedir Sua obra, que Ele não houvesse previsto. Tudo sucedeu como Ele predisse. Ele não deixou Sua igreja ao desamparo, mas traçou em declarações proféticas o que deveria ocorrer, e aquilo que Seu Espírito inspirou os profetas a predizerem, tem-se realizado. Todos os Seus propósitos serão cumpridos. Sua lei está vinculada a Seu trono, e nenhum poder do mal poderá destruí-la. A verdade é inspirada e guardada por Deus; e ela triunfará sobre toda oposição.

Durante séculos de trevas espirituais a igreja de Deus tem sido como uma cidade edificada sobre um monte. De século em século, através de sucessivas gerações, as puras doutrinas do Céu têm sido desdobradas dentro de seus limites. Fraca e defeituosa como possa parecer, a igreja é o único objeto sobre que Deus concede em sentido especial Sua suprema atenção. É o cenário de Sua graça, na qual Se deleita em revelar Seu poder de transformar corações.

"A que", perguntava Cristo, "assemelharemos o reino de Deus? ou com que parábola o representaremos?" Mar. 4:30. Ele não podia empregar os reinos do mundo como uma similitude. Na sociedade nada achou com que o pudesse comparar. Os reinos da Terra se regem pela supremacia do poder físico; mas do reino de Cristo são banidos cada arma carnal, cada instrumento de coerção.

Este reino deve erguer e enobrecer a humanidade. A igreja de Deus é o recinto de vida santa, plena de variados dons e dotada com o Espírito Santo. Os membros devem encontrar sua felicidade na felicidade daqueles a quem ajudam e abençoam.

AA - Pag. 13

Maravilhosa é a obra que o Senhor Se propõe realizar por intermédio de Sua igreja, a fim de que Seu nome seja glorificado. Um quadro desta obra é dado na visão que teve Ezequiel, do rio de águas purificadoras: "Estas águas saem para a região oriental, e descem à campina, e entram no mar; e, sendo levadas ao mar, sararão as águas. E será que toda a criatura vivente que vier por onde quer que entrarem estes dois ribeiros, viverá." "E junto do ribeiro, à sua margem, de uma e de outra banda, subirá toda a sorte de árvore que dá fruto para se comer: não cairá a sua folha, nem perecerá o seu fruto: nos seus meses produzirá novos frutos, porque as suas águas saem do santuário; e o seu fruto servirá de alimento e a sua folha de remédio." Ezeq. 47:8-9 e 12.

Desde o início tem Deus operado por intermédio de Seu povo a fim de trazer bênçãos ao mundo. Para a antiga nação egípcia Deus fez de José uma fonte de vida. Através de sua integridade a vida de todo o povo foi preservada. Por meio de Daniel salvou Deus a vida de todos os sábios de Babilônia.

E esses livramentos são como lições objetivas; eles ilustram as bênçãos espirituais oferecidas ao mundo, pela ligação com o Deus a quem José e Daniel adoravam. Todos aqueles em cujo coração Cristo habita, cada um que mostre Seu amor ao mundo, é um cooperador de Deus, para bênção da humanidade. À medida que recebe do Salvador graça para reparti-la com outros, de seu próprio ser fluem torrentes de vida espiritual.

AA - Pag. 14

Deus escolhera Israel para revelar Seu caráter aos homens. Ele queria que eles fossem fontes de salvação no mundo. A eles foram entregues os oráculos do Céu, a revelação da vontade de Deus. Nos primeiros dias de Israel, as nações do mundo, mediante práticas corruptas tinham perdido o conhecimento de Deus.

Eles O haviam conhecido antes; mas porque "não O glorificaram como Deus, nem Lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu". Rom. 1:21. Mas em Sua misericórdia Deus não as riscou da existência. Ele Se propôs dar-lhes nova oportunidade de se familiarizarem com Ele por intermédio de Seu povo escolhido.

Mediante os ensinos do sacrifício expiatório, Cristo devia ser exaltado perante todas as nações, e todos os que olhassem para Ele viveriam. Cristo era o fundamento da organização judaica. Todo o sistema de tipos e símbolos era uma compacta profecia do evangelho, uma representação em que se continham as promessas de redenção.

Mas o povo de Israel perdeu de vista seus altos privilégios como representantes de Deus. Esqueceram-se de Deus e deixaram de cumprir Sua santa missão. As bênçãos por eles recebidas não produziram bênçãos para o mundo. Apropriaram-se de todas as suas vantagens para glorificação própria.

Excluíram-se do mundo para escapar à tentação. As restrições por Deus impostas na sua associação com os idólatras como um meio de prevenir-lhes o conformismo com as práticas pagãs, eles as usaram para levantar um muro de separação entre si e as

AA - Pag. 15

demais nações. Roubaram a Deus no serviço que Ele requerera deles e roubaram ao próximo na guia religiosa e santo exemplo.

Sacerdotes e príncipes fixaram-se numa rotina de cerimonialismo. Satisfizeram-se com uma religião legal e era-lhes impossível dar a outros as vivas verdades do Céu. Consideravam suficiente sua própria justiça e não desejavam a intromissão de um novo elemento em sua religião.

A boa vontade de Deus para com os homens não era por eles aceita como algo à parte deles próprios, mas a relacionavam com seus próprios méritos por causa de suas boas obras. A fé que opera por amor e purifica a alma não achava lugar na união com a religião dos fariseus, feita de cerimonialismo e injunções humanas.

De Israel disse Deus: "Eu mesmo te plantei como vide excelente, uma semente inteiramente fiel: como pois te tornaste para Mim uma planta degenerada, de vide estranha?" Jer. 2:21. "Israel é uma vide frondosa; dá fruto para si mesmo."Osé. 10:1. "Agora pois, ó moradores de Jerusalém, e homens de Judá julgai, vos peço, entre Mim e a Minha vinha. Que mais se podia fazer à Minha vinha, que Eu lhe não tenha feito? E como, esperando Eu que desse uvas, veio a produzir uvas bravas?

"Agora pois vos farei saber o que Eu hei de fazer à Minha vinha: tirarei a sua sebe, para que sirva de pasto; derribarei a sua parede, para que seja pisada; e a tornarei em deserto; não será podada nem cavada; mas crescerão nela sarças e espinheiros; e às nuvens darei ordem que não derramem chuva sobre ela. Porque a vinha do

AA - Pag. 16

Senhor dos Exércitos é a casa de Israel, e os homens de Judá são a planta das Suas delícias; e esperou que exercessem juízo, e eis aqui opressão; justiça, e eis aqui clamor." Isa. 5:3-7. "A fraca não fortalecestes, e a doente não curastes, e a quebrada não ligastes, e a desgarrada não tornastes a trazer, e a perdida não buscastes; mas dominais sobre elas com rigor e dureza." Ezeq. 34:4.

Os líderes judeus imaginavam-se demasiado sábios para necessitar de instrução, demasiado justos para necessitar de salvação e demasiado honrados para necessitar da honra que vem de Cristo. O Salvador afastou-Se deles para outorgar a outros os privilégios de que tinham abusado e a obra que haviam negligenciado.

A glória de Deus tinha de ser revelada e Sua Palavra confirmada. O reino de Cristo tinha de ser estabelecido no mundo. A salvação de Deus tinha que se tornar conhecida nas cidades do deserto; e os discípulos foram chamados para fazer a obra que os líderes judaicos deixaram de fazer.

Participe junto conosco.

https://www.facebook.com/manoelcarlos.santosmoura
Evangelista. Manoel Moura

Quer mostrar no Céu?

O que significa aceitar Jesus Cristo como Salvador Pessoal?

Você alguma vez já aceitou Jesus Cristo como seu Salvador pessoal? Antes de você responder, permita-me explicar a questão. Para entender, você deve primeiro compreender adequadamente “Jesus Cristo”, “pessoal” e “Salvador.”

Quem é Jesus Cristo? Muitas pessoas reconhecem Jesus Cristo como um bom homem, grande mestre, ou mesmo como um profeta de Deus. Essas coisas são definitivamente verdadeiras sobre Jesus, mas elas não definem quem Ele realmente é. A Bíblia nos diz que Jesus é Deus em carne, Deus tornou-se um ser humano (leia João 1:1,14). Deus veio à terra para nos ensinar, curar, corrigir, perdoar – e morrer por nós! Jesus Cristo é Deus, o Criador, o Senhor supremo. Você aceitou este Jesus?

O que é um Salvador e por que nós precisamos de um Salvador? A Bíblia nos diz que todos pecamos, todos cometemos atos maus (Romanos 3:10-18). Como resultado do nosso pecado, nós merecemos a ira e o julgamento de Deus. A única punição justa para pecados cometidos contra um Deus infinito e eterno é uma punição infinita (Romanos 6:23; Apocalipse 20:11-15). É por isso que nós precisamos de um Salvador!

Jesus Cristo veio à terra e morreu em nosso lugar. A morte de Jesus, como Deus em carne, foi um pagamento infinito por nossos pecados (2 Coríntios 5:21). Jesus morreu para pagar a pena pelos nossos pecados (Romanos 5:8). Jesus pagou o preço para que nós não tivéssemos que pagar nós mesmos. A ressurreição de Jesus dentre os mortos provou que Sua morte foi suficiente para pagar a pena pelos nossos pecados. É por isso que Jesus é o único Salvador (João 14:6; Atos 4:12)! Você está confiando em Jesus como seu Salvador?

Jesus é o seu Salvador “pessoal”?Muitas pessoas vêem o Cristianismo como ir à igreja, realizar rituais, não cometer certos pecados. Isso não é Cristianismo. O verdadeiro Cristianismo é uma relação pessoal com Jesus Cristo. Aceitar Jesus como seu Salvador pessoal significa colocar a própria fé pessoal e confiança Nele. Ninguém é salvo pela fé dos outros. Ninguém é perdoado por realizar certas obras. A única forma de ser salvo é pessoalmente aceitar Jesus como seu Salvador, confiando na Sua morte como pagamento pelos seus pecados, e na Sua ressurreição como a sua garantia de vida eterna (João 3:16). Jesus é pessoalmente o seu Salvador?

Se você quer aceitar Jesus como seu Salvador, diga as seguintes palavras a Deus. Lembre-se que fazer esta oração ou qualquer outra não irá salvar você. Apenas confiando em Cristo você pode ser salvo do seu pecado. Esta oração é simplesmente uma forma de expressar a Deus a sua fé Nele e agradecer por lhe dar a salvação. "Deus, eu sei que pequei contra Ti e mereço punição. Mas Jesus Cristo tomou sobre Si a punição que eu mereço para que através da fé Nele eu pudesse ser perdoado. Eu recebo Tua oferta de perdão e coloco minha fé em Ti para Salvação. Eu aceito Jesus como meu Salvador pessoal! Obrigado por Tua graça e perdão maravilhosos – o dom da vida eterna! Amém!”

Seja fiel!

“Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras, e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha; E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e não caiu, porque estava edificada sobre a rocha. E aquele que ouve estas minhas palavras, e não as cumpre, compará-lo-ei ao homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia; E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e caiu, e foi grande a sua queda.” Seja você um discípulo que ouvindo coloque em prática o que aprende, não seja imprudente e inconstante em relação a Deus. A obediência é o sólido fundamento para que possa resistir às tempestades da vida. Já as consequências de ignorar ou desprezar a mensagem de Cristo, é ter a vida desmanchada e reduzida a pó. Seja sábio, busque e adore Jesus, não pelo que pode conseguir, mas por quem Ele é, e sua vida será edificada sobre a rocha. Deus Te Abençoe!

terça-feira, 12 de setembro de 2017

É chegado o tempo do fim.

A PARABOLA DAS DEZ VIRGENS MATEUS 25 1 A 13

Jesus estava assentado no Monte das Oliveiras, quando respondeu aos seus discípulos sobre os últimos acontecimentos próximos ao fim do mundo e a sua segunda vinda.

O Mestre conta a Parábola das Dez Virgens, que traz uma mensagem de despertamento espiritual e vai de encontro ao cerne da religião.

No casamento judaico havia um rito alegre e interessante para o cortejo que conduzia a noiva. Sob a luz de lâmpadas, cânticos e sons de instrumentos musicais se aguardava o noivo.

E as Dez Virgens desta parábola eram amigas da noiva que esperavam com ela a chegada do esposo, que por morar distante, demorou a chegar para a o início das bodas.

"Então o reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram ao encontro do esposo." Mateus 25:1


"E cinco delas eram prudentes, e cinco loucas." Mateus 25:2


As Dez Virgens Com Suas Lâmpadas Nas Mãos Aguardando O Noivo.





"Mas as prudentes levaram azeite em suas vasilhas, com as suas lâmpadas." Mateus 25:4


As virgens prudentes tinham em estoque o azeite das boas obras. Estas, possuíam estoque de obras em amor, em sinceridade, em quebrantamento, que aquecia, alimentava e mantinha acesa a chama espiritual do amor que ardia em seus corações. E não andavam em escuridão, mas eram elas próprias a luz do mundo.

"Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte;" Mateus 5:14


As virgens néscias também eram "virgens", eram religiosas também, confiavam que sua "virgindade", o cumprimento religioso das prescrições rabínicas, seria o suficiente para guiá-las pelo caminho até onde o noivo estava.

"As loucas, tomando as suas lâmpadas, não levaram azeite consigo." Mateus 25:3


A sua "virgindade" pseudo santidade, seu orgulho, a sua autossuficiência, as impediu de reconhecer que elas precisavam guardar em depósito o amor ao próximo, a compaixão e a prática da piedade.

Historicamente, as sociedades religiosas acreditavam que a virgindade concedia às mulheres capacidades mágicas ou sagradas. Atrelava-se à virgindade a pureza do corpo e da alma, assim essas virgens tinham uma auto-percepção de santidade pelo simples fato de serem virgens.

E ignoravam o fato de que precisavam de alguma coisa mais além disso. Por isso não guardaram o azeite precioso do amor ao próximo em reserva.

As virgens néscias haviam decidido guardar a sua virgindade em prol de uma prática religiosa, como um meio de sacrifício auto imposto, visando apenas merecer por si mesmas a entrada nas bodas do cordeiro.

Porém isto não foi suficiente para manter acesa a chama da luz divina em seus corações. Por final, elas terminam na escuridão fria da religião.

Enquanto que as virgens prudentes sabiam e reconheciam a sua incapacidade. E elas reconhecendo o seu vazio espiritual, passam a colocar em depósito o amor, a graça e a misericórdia, para que estas virtudes espirituais, como um azeite precioso, não deixassem apagar a luz do Espírito de Deus, que alimentando a chama, queimava e brilhava suavemente em seus corações.

É fato que Jesus faz, na parábola das dez virgens, uma descrição perfeita e profética da situação espiritual que se encontrará a humanidade, quando do tempo da sua vinda.

"Mas à meia-noite ouviu-se um clamor: Aí vem o esposo, saí-lhe ao encontro." Mateus 25:6


À meia noite, ou seja, no pior momento, quando as trevas estão em toda a sua força. Jesus prediz que próximo ao fim, a humanidade estará envolvida em densas trevas de pecados. E a chama do amor se esfriará em muitos. Mas quanto mais escuro for o ambiente, mais a luz se torna percebida.

"E as loucas disseram às prudentes: Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas se apagam. Mas as prudentes responderam, dizendo: Não seja caso que nos falte a nós e a vós, ide antes aos que o vendem, e comprai-o para vós." 
Mateus 25:8-9


Na caminhada da espera da vida pela vinda do Noivo, não se pode deixar faltar o amor. Tem que se guardar o amor em depósito, no estoque dos corações, para que este brilhe iluminando o caminho que conduz à salvação.

"E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos esfriará." Mateus 24:12


Ninguém poderá viver do amor do outro, pois a salvação é individual. Cada indivíduo prestará contas da sua prática de vida, se em amor, em caridade ou em prática fria, visando o reconhecimento aos olhos dos homens, tendo já recebido sua recompensa terrena.

E este óleo precioso é de um valor tão alto, que é necessário vender tudo o que se tem para poder comprá-lo. É preciso se doar por completo. Vender tudo é se desfazer do "EU" espiritual, se entregando à Deus em ardente prática da graça.

Mas Jesus nos deixou um alerta na parábola das dez virgens, para vivermos nesta prática santa, pois pode não dar tempo de voltar, se por ventura a deixarmos.

E, tendo elas ido comprá-lo, chegou o esposo, e as que estavam preparadas entraram com ele para as bodas, e fechou-se a porta. Mateus 25:10


"E depois chegaram também as outras virgens, dizendo: Senhor, Senhor, abre-nos. E ele, respondendo, disse: Em verdade vos digo que vos não conheço." 
Mateus 25:11-12


A Parábola das Dez Virgens nos passa uma mensagem que realça a necessidade de termos uma vida de vigilância. Vigiar pois, é não deixar de fazer o bem, ainda que não reconhecidos.

Vigiar é não deixar de amar o próximo e continuar a levar esta mensagem de perdão e reconciliação entre Deus e os homens, através do seu filho Jesus.

"Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora em que o Filho do homem há de vir." Mateus 25:13


segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Receba Jesus Cristo em seu coração.

Qual a Religião certa para mim?

Os restaurantes de fast food nos seduzem permitindo-nos pedir a nossa comida exatamente como nós a queremos. Algumas cafeterias exibem mais de cem sabores e variedades de café. Mesmo quando compramos casas e carros, nós podemos procurar por um com todas as opções e recursos que desejamos. Não vivemos mais num mundo de chocolate, baunilha e morango. A escolha reina! Você pode encontrar praticamente qualquer coisa de acordo com seus gostos e necessidades pessoais.

Então que tal uma religião que seja certa para você? Que tal uma religião sem culpa, que não exige nada e que não está cheia de faças e não-faças? Está bem aí, bem como eu descrevi, mas a religião é algo a ser escolhido como o seu sabor de sorvete favorito?

Há muitas vozes pedindo a nossa atenção, então por que alguém deveria considerar Jesus acima de, vamos dizer, Maomé ou Confúcio, Buda, ou Charles Taze Russell, ou Joseph Smith? Afinal, todas as estradas não o levam para o Céu? Todas as religiões não são basicamente a mesma coisa? A verdade é que todas as religiões não o levam para o Céu, da mesma forma que nem todas as estradas o levam para São Paulo.

Somente Jesus fala com a autoridade de Deus porque somente Jesus derrotou a morte. Maomé, Confúcio e os outros estão se decompondo em suas sepulturas até o dia de hoje, mas Jesus, pelo Seu próprio poder, saiu da tumba três dias depois de morrer numa cruel cruz romana. Qualquer um com poder sobre a morte merece ser ouvido.

As provas a favor da ressurreição de Jesus são irrefutáveis. Primeiro, houve mais de quinhentas testemunhas oculares do Cristo ressuscitado! São muitas testemunhas. Quinhentas vozes não podem ser ignoradas. Há também a questão da tumba vazia; os inimigos de Jesus poderiam simplesmente ter acabado com toda a conversa sobre a ressurreição exibindo o Seu corpo morto e decadente, mas não havia corpo morto para eles exibirem! A tumba estava vazia! Poderiam os discípulos ter roubado o Seu corpo? Dificilmente. Para impedir que isso acontecesse, a tumba de Jesus havia sido fortemente guardada por soldados armados. Considerando que Seus seguidores mais próximos haviam fugido com medo durante a prisão e crucificação de Jesus, é pouco provável que este bando de pescadores assustados teriam ido corpo-a-corpo contra soldados treinados e profissionais. O simples fato é que a ressurreição de Jesus não pode ser explicada!

Mais uma vez, qualquer um com poder sobre a morte merece ser ouvido. Jesus provou o Seu poder sobre a morte, portanto nós devemos ouvir o que Ele diz. Jesus diz ser o único caminho para a salvação (João 14:6). Ele não é um caminho; Jesus não é um de vários caminhos, mas é o caminho.

E este mesmo Jesus diz: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei” (Mateus 11:28). Este é um mundo duro e a vida é difícil. Muitos de nós estão ensangüentados, arranhados e feridos pelas batalhas. Concorda? Então o que você quer? Restauração ou mera religião? Um Salvador vivo ou um de vários “profetas” mortos? Uma relação com significado ou rituais vazios? Jesus não é uma escolha – Ele é a escolha!

Jesus é a “religião” certa se você está procurando por perdão (Atos 10:43). Jesus é a “religião” certa se você está procurando por uma relação significativa com Deus (João 10:10). Jesus é a “religião” certa se você está procurando por uma morada eterna no Céu (João 3:16). Deposite a sua fé em Jesus Cristo como seu Salvador – você não vai se arrepender! Confie nele para o perdão dos seus pecados – você não vai se desapontar.

Se você quer ter uma “relação correta” com Deus, aqui está uma simples oração. Lembre-se que fazer esta oração ou qualquer outra não irá salvá-lo. Somente confiando em Cristo você pode ser salvo de seu pecado! Esta oração é simplesmente uma forma de expressar a Deus a sua fé Nele e agradecer a Ele por prover a sua salvação. “Deus, sei que pequei contra Ti e mereço punição. Mas Jesus Cristo tomou a punição que eu mereço para que através da fé Nele eu pudesse ser perdoado. Com a Tua ajuda, eu me volto contra os meus pecados e deposito a minha confiança em Ti para salvação. Obrigado pela Tua maravilhosa graça e perdão – o dom da vida eterna! Amém!”

domingo, 10 de setembro de 2017

Crê e tenha fé!

Quais são as quatro leis Espirituais?

As Quatro Leis Espirituais são uma forma de compartilhar as boas novas da salvação disponíveis através da fé em Jesus Cristo. Trata-se de uma forma simples de organizar a informação importante do Evangelho em quatro pontos.

A primeira das quatro leis espirituais é: “Deus ama você e tem um plano maravilhoso para a sua vida.” João 3:16 nos diz: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” João 10:10 nos dá a razão pela qual Jesus veio: “Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância.” O que está nos bloqueando do amor de Deus? O que está nos impedindo de ter uma vida abundante?

A segunda das Quatro Leis Espirituais é: “A humanidade está corrompida pelo pecado e portanto está separada de Deus. Como resultado, nós não podemos conhecer o maravilhoso plano de Deus para as nossas vidas.” Romanos 3:23 afirma: “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus.” Romanos 6:23 nos dá as conseqüências do pecado: “Porque o salário do pecado é a morte.” Deus nos criou para termos comunhão com Ele. No entanto, a humanidade trouxe o pecado para o mundo, e portanto está separada de Deus. Nós arruinamos nosso relacionamento com Ele, relacionamento este que Deus tinha a intenção de que nós tivéssemos. Qual é a solução?

A terceira das Quatro Leis Espirituais é: “Jesus Cristo é a única provisão de Deus para o nosso pecado. Através de Jesus Cristo, nós podemos ter os nossos pecados perdoados e restaurar uma relação correta com Deus.” Romanos 5:8 nos diz: “Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores.” 1 Coríntios 15:3-4 nos informa do que nós precisamos saber e acreditar para sermos salvos: “...que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, e que foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras.” O próprio Jesus declara que Ele é o único caminho para a salvação em João 14:6: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao pai senão por mim.” Como posso receber este maravilhoso dom da salvação?

A quarta das Quatro Leis Espirituais é: “Nós devemos depositar a nossa fé em Jesus Cristo como Salvador para que possamos receber o dom da salvação e conhecer o maravilhoso plano de Deus para as nossas vidas.” João 1:12 descreve isto para nós: “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome.” Atos 16:31 diz muito claramente: “Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa.” Nós podemos ser salvos unicamente pela graça, unicamente pela fé, unicamente em Jesus Cristo (Efésios 2:8-9).

Se você quer acreditar em Jesus Cristo como seu Salvador, diga as seguintes palavras a Deus. Dizer estas palavras não irá salvá-lo, mas confiar em Cristo irá! Esta oração é simplesmente uma forma de expressar a Deus a sua fé Nele e agradecer por prover a sua salvação. “Deus, sei que pequei contra Ti e mereço punição. Mas Jesus Cristo tomou a punição que eu mereço para que através da fé Nele eu pudesse ser perdoado. Com a Tua ajuda, eu me volto contra os meus pecados e deposito a minha confiança em Ti para salvação. Obrigado pela Tua maravilhosa graça e perdão – o dom da vida eterna! Amém!”

sábado, 9 de setembro de 2017

Jesus Cristo está voltando!

Qual é o plano de Salvação?

Você está com fome? Não fisicamente, mas você tem fome de algo mais na sua vida? Há algo no fundo da sua existência que nunca parece ficar satisfeito? Se sim, Jesus é o caminho! Jesus disse: “Eu sou o pão da vida; o que vem a mim jamais terá fome; e o que crê em mim jamais terá sede” (João 6:35).

Você está confuso? Você parece nunca encontrar um caminho ou um propósito na vida? Você tem a sensação de que alguém apagou as luzes e que você não consegue encontrar o interruptor? Se sim, Jesus é o caminho! Jesus proclamou: “Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará nas trevas; pelo contrário, terá a luz da vida” (João 8:12).

Você algumas vezes se sente como se estivesse trancado do lado de fora da vida? Você já tentou tantas portas, apenas para descobrir que o que havia atrás delas é vazio e sem sentido? Você está procurando por uma entrada para uma vida de realizações? Se sim, Jesus é o caminho! Jesus declarou: “Eu sou a porta. Se alguém entrar por mim, será salvo; entrará, e sairá, e achará pastagem” (João 10:9).

As outras pessoas sempre decepcionam você? Os seus relacionamentos têm sido superficiais e vazios? Parece que todos estão tentando tirar vantagem de você? Se sim, Jesus é o caminho! Jesus disse: “Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida pelas ovelhas... Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas, e elas conhecem a mim” (João 10:11, 14).

Você imagina o que acontece depois desta vida? Você está cansado de viver a sua vida apenas por coisas que apodrecem ou enferrujam? Você algumas vezes duvida que esta vida tenha algum significado? Você quer viver após a sua morte? Se sim, Jesus é o caminho! Jesus declarou: “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e todo o que vive e crê em mim não morrerá, eternamente (João 11:25-26).

Qual é o caminho? Qual é a verdade? Qual é a vida? Jesus respondeu: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim” (João 14:6).

A fome que você sente é uma fome espiritual, e só pode ser saciada por Jesus. Jesus é o único que pode remover a escuridão. Jesus é o portão para uma vida de satisfação. Jesus é o amigo e pastor que você tem procurado. Jesus é a vida – neste mundo e no próximo. Jesus é o caminho da salvação!

A razão pela qual você sente fome, a razão pela qual você se sente perdido na escuridão, a razão pela qual você não consegue encontrar um sentido na vida, é que você está separado de Deus. A Bíblia nos diz que todos nós pecamos e estamos portanto separados de Deus (Eclesiastes 7:20; Romanos 3:23). O vazio que você sente no seu coração é a falta de Deus na sua vida. Nós fomos criados para ter um relacionamento com Deus. Por causa do nosso pecado, nós fomos separados deste relacionamento. Pior ainda, nosso pecado nos fará permanecer separados de Deus por toda a eternidade, esta vida e a próxima (Romanos 6:23; João 3:36).

Como este problema pode ser resolvido? Jesus é o caminho! Jesus tomou o nosso pecado para si (2 Coríntios 5:21). Jesus morreu no nosso lugar (Romanos 5:8), levando a punição que nós merecemos. Três dias depois, Jesus ressuscitou dos mortos, provando a sua vitória sobre a morte e o pecado (Romanos 6:4-5) Por que ele o fez? O próprio Jesus respondeu a esta pergunta: “Ninguém tem maior amor do que este: de dar alguém a própria vida em favor dos seus amigos” (João 15:13). Jesus morreu para que nós pudéssemos viver. Se nós pusermos a nossa fé em Jesus, acreditando na Sua morte como pagamento pelos nossos pecados – todos os nossos pecados são perdoados e levados embora. Nós então teremos a nossa fome espiritual saciada. As luzes serão ligadas. Nós teremos acesso a uma vida de realizações. Nós iremos conhecer o nosso verdadeiro melhor amigo e bom pastor. Nós iremos saber que teremos uma vida depois que morrermos – uma vida ressuscitada no Céu para a eternidade com Jesus!

"Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna" (João 3:16).

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Deus está trabalhando na Unidade da Igreja

UNIAO DE IGREJAS E LIDERES DE LUIS EDUARDO MAGALHAES
ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO...

Capítulo I

DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO

Art. 1º A Associação UNILLEM é pessoa jurídica de direito privado, constituída na forma
de sociedade civil de fins não lucrativos, com autonomia administrativa e financeira, regendo-se
pelo presente Estatuto e pela legislação que lhe for aplicável.
Art.2º A Associação tem sede e foro na Cidade de LUIS EDUARDO MAGALHAES .......,
Estado da Bahia, na Rua.............................nº.......no Bairro .............. .
Art. 3º A Associação tem por finalidade prestar apoio e orientação a igrejas e lideres
religiosos, o que consistirá principalmente em:
I - fornecer ajuda financeira para projetos de resgates recuperação e manutenção de pessoas
II - prestar ajuda de transporte;
III - orientar;
IV - auxiliar.
Art. 4º Na consecução de tais objetivos a UNILLEM poderá efetivar trabalhos de
atendimento, ensino pesquisa e publicações, bem como participar na formação de pessoal técnico
relacionados com seus fins.
Art. 5º A fim de cumprir suas finalidades, a Associação se organizará em tantas unidades de
prestação de serviços, denominados departamentos, quantos se fizerem necessários, os quais se
regerão por regimentos internos específicos.
Art. 6º A Associação poderá firmar convênios ou contratos e articular-se, pela forma
conveniente, com órgão ou entidades, públicas ou privadas.
Art. 7º O prazo de duração é indeterminado.
Capítulo II
DO PATRIMÔNIO, SUA CONSTITUIÇÃO E UTILIZAÇÃO.
Art. 8º O patrimônio da....será composto de :
a) dotações ou subvenções eventuais, diretamente da União, dos Estados e Municípios ou através de
órgãos Públicos da Administração direta e indireta;
b) auxílios, contribuições e subvenções de entidades públicas e privadas, nacionais ou estrangeiras;
c) doações ou legados;
d) produtos de operações de crédito, internas ou externas, para financiamento de suas atividades;
e) rendimentos decorrentes de títulos, ações ou papéis financeiros de sua propriedade;
f) rendas em seu favor constituídas por terceiros;
g) rendimentos decorrentes de títulos ações ou papéis financeiros de sua propriedade;

Postagem em destaque