terça-feira, 27 de março de 2018

Porque  ofertar?
As ofertas
 ”Ninguém pode servir a dois senhores; pois odiará um e amará o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro”. “Vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro.” (Mateus 6:24)
Para algumas pessoas, o dinheiro é um deus, e dessa forma, pode ser amado, receber dedicação e reconhecimento, segundo Jesus.
Para qualquer área da nossa vida precisamos de mais que dinheiro, como por exemplo, em problemas jurídicos. As vezes alguém diz: Orei, mas o dinheiro que eu tinha também me ajudou.
Deus é o único provedor de nossas necessidades. Então, por que na maioria das vezes buscamos o dinheiro primeiro e deixamos Deus por último? É porque fizemos dele um deus em nossa vida, um salvador pessoal de nossas necessidades financeiras.
Por que o primeiro mandamento é “Não terás outros deuses além de mim?” Porque Deus não divide Sua honra e sua glória com ninguém. Adore, louve e confie em Deus sempre.

Dízimos e ofertas
” Dai a César o que é de César … ” (Mateus 22:21)
Para que um reino exista, é necessário que se tenha um rei, cidadãos, leis que regem a todos, cidades, impostos para sustentar o reino, etc …
Os impostos são o investimento do cidadão no reino. A arrecadação desses tributos, posteriormente, é devolvida em forma de benefícios como: ensino público de qualidade; saúde investida com moderna tecnologia médica; segurança equipada oferecendo ao cidadão tranquilidade para ir e vir; pavimentação das ruas, arborização de praças, novas estradas; melhoras na iluminação pública e reparos em ruas e avenidas; conservação do meio ambiente e patrimônios públicos.
Toda benfeitoria feita pelo governo, em qualquer uma destas áreas traz benefícios ao cidadão, mas não significa nenhum favor ou bondade por parte do governante. Às vezes elogiamos o prefeito, o governador e o presidente pelas grandes obras realizadas, porém os canteiros de obras que vemos diariamente nada mais são do que a devolução dos tributos investidos, aplicados na melhoria de condições de vida do povo. A nação cresce quando o cidadão cresce.

” … e a Deus o que é de Deus.” (Mateus 22:21b)
O Reino de Deus tem:
  •  Um Rei – Jesus;
  •  Governos – Os Ministros; “
  •  Leis – A do Amor;
  •  Cidadãos – Os nascidos de novo;
  •  Juiz – O próprio Deus;
  •  Impostos-Dízimos e Ofertas.
Se a César (governo) cabe reverter os tributos pagos pelos cidadãos em obras que beneficiam o povo, quanto mais a Deus, cuja palavra não muda nem falha.
Sob a lei dos dízimos e ofertas, o homem se toma um investidor do Reino Eterno, e assim, tem retorno econômico assegurado. A observação dessa lei faz crescer o reino e o contribuinte fiel.
Em primeiro lugar, toda contribuição deve ser voluntária, ou seja, sem nenhuma espécie de coação; o desejo de dizimar e ofertar deve brotar de forma voluntária no coração de cada um. Isto é uma questão de fé na palavra de Deus.
Em segundo lugar ela é metódica, não é desorganizada.
Por fim, a contribuição cristã deve seguir a exigência de dar conforme a prosperidade que se tem alcançado.
1º  Cada um dê conforme determinou em seu coração, não com pesar ou por obrigação, pois Deus ama quem dá com alegria. II Coríntios 9: 7
2º  No primeiro dia da semana, cada um de vocês separe uma quantia, de acordo com a sua renda, reservando-a para que não seja preciso fazer coletas quando eu chegar. I Coríntios 16:2

Dízimo: Mesmo antes de a lei ter sido dada por Deus a Moisés, o dízimo já era uma prática de se ofertar a Deus.
Amplamente divulgado por toda bíblia, foi efetivado como condição única para obtenção da benção econômica. Podemos citar dois exemplos de personagens bíblicos, que ofereceram seus dízimos antes mesmo de se tomar uma Lei Divina:
  • Abraão – “E bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou seus inimigos em suas mãos.” (Gênesis 14:20)
  • Jacó – “E essa pedra que hoje coloquei como coluna servirá de santuário de Deus; e de tudo o que me deres certamente te darei o dízimo.” (Gênesis 28:22)

Do que devo dar o dízimo?
– Salário, negócios, vendas, presentes.
O DÍZIMO É: 10% DE TUDO O QUE GANHO.
O valor: Na própria palavra já está estabelecido o valor do dízimo: dez por cento (10%) de tudo quanto se ganha. É um valor mínimo de quanto devo oferecer ao Senhor.
CALCULE O DÍZIMO DESTE VALOR:
“Se eu ganho R$ 1.348,00, meu dízimo é de:
1º – O ato de dizimar frequentemente dá ao homem autoridade no Reino do Espírito para viver debaixo das bênçãos econômicas. Pagamos por tudo o que temos, mesmo antes de ter. No reino de Deus não é diferente, se paga no mundo espiritual, obter o direito ao sucesso financeiro. Deus diz que abençoará quem trouxer seus dízimos no altar.
 “Tragam o dízimo todo ao depósito do templo, para que haja alimento em minha casa. Ponham-me à prova, diz o Senhor dos Exércitos, e vejam se não vou abrir as portas dos céus e derramar sobre vocês tantas bênçãos que nem terão onde guardá-las. Impedirei que pragas devorem suas colheitas, e as videiras nos campos não perderam seu fruto, diz o Senhor dos Exércitos. Então todas as nações os chamarão felizes, porque a terra de vocês será maravilhosa, diz o Senhor dos Exércitos.” (Malaquias 3:10-12)
Deus disse que abençoará o homem, se ele trouxer os dízimos no altar com estas bênçãos: abrirá as janelas dos céus e derramará bênção sobre a família de forma transbordante, de maneira que não você verá a glória de Deus em sua vida em tempos de escassez. O investimento deve acontecer em qualquer circunstância. Comece com o que tem, dando dos recursos que possui. Deus é fiel.
Mesmo não florescendo a figueira, e não havendo uvas nas videiras, mesmo faltando a safra de azeitonas, não havendo produção de alimento nas lavouras, nem ovelhas no curral, nem bois nos estábulos, ainda assim eu exultarei no Senhor e me alegrarei no Deus da minha salvação.” (Hebreus 3:17-18)

2º- Contribua de forma extraordinária: Aprendemos com a ignorância de nossos pais a dar somente quando há sobra ou quando não nos faz nenhuma falta. Aos famintos dá-se o resto do almoço e o pão velho destinado ao lixo, não se dá o da panela.
Os desnudos ficam com as roupas rasgadas, velhas, desbotadas e mofadas que ocupam lugar no fundo das gavetas, não se dá as roupas que estão nos cabides. Os descalços levam sapatos, sandálias e tênis descolados, rasgados e malcheirosos.
 Por isso vos digo: Não andeis cuidadosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer ou pelo que haveis de beber; nem quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o mantimento, e o corpo mais do que o vestuário? Mateus 6:25
Fazer o que está dentro das nossas limitações não é dar conforme a herança testamentaria deixada. Recordam do relato dos cinco pães e dois peixinhos? Era a única comida disponível daquele garotinho ali no deserto. Era sua única refeição, mas o garoto não negou a Jesus quando foi pedida.
“Aqui está um rapaz com cinco pães de cevada e dois peixinhos … ”  (João 6:9)
 Que tal a viúva que possuía duas moedas para seu sustento e podendo dar uma e ficar com a outra, preferiu investir extraordinariamente todo o seu sustento no reino.
“Todos deram do que lhes sobrava; mas ele, da sua pobreza, deu tudo oque possuía para viver.” (Marcos 12:44)
O que é comum está no nível de realização de qualquer pessoa, porém o fora do comum apenas os filhos com amor extravagante ao Pai estão aptos a fazer.
“Vocês ouviram o que foi dito: ‘Ame o seu próximo e odeio o seu inimigo. Mas eu lhes digo: Amem os seus inimigos e orem por aqueles que ospersegue…” (Mateus 5:43-44)
Ultrapassar os limites da capacidade, e ir além do que naturalmente se pode, requer uma atitude extraordinária de sacrifício e fé. Isto agrada a Deus.
3º- Crer nos resultados todo tempo: enquanto a semeadura leva dias ou semanas, a colheita leva meses. O agricultor precisa ser paciente. Seria despretensioso você plantar uma semente hoje e amanhã pela manhã estar ali cavando o lugar onde foi plantada, para ver se germinou. Do plantio à colheita, ela passa por um processo natural de desenvolvimento que leva algum tempo.
Umas sementes levam mais tempo, outras menos.
Também é possível que durante esse tempo de espera, tenhamos muitos problemas. Precisamos ter calma e crer. Não é pelo fato de uma forte tempestade ou um longo período de seca ter destruído a colheita, que o agricultor desiste de fazer novos investimentos na terra; ser paciente é não desanimar, é crer o tempo todo nos resultados.
 “Só porque um amigo nos trai, significa que não vamos confiar em mais ninguém? Alguém pode dizer: investi amor e fui traído. Investi amizade e fui insultado. Podemos sofrer alguns reverses, porém a lei da semeadura e da colheita é tão imutável quanto às verdades de Deus.” (John Haggai).
CONCLUSÃO
Deus busca o crescimento da sua obra na terra, e prometeu uma bênção especial para os que O honram com seus bens materiais.
A prosperidade do Reino de Deus está diretamente ligada à prosperidade do povo que investe nEle.
Os investidores (dizimistas e ofertantes) por natureza praticam este princípio, sabem que no fim receberão de volta bênçãos financeiras multiplicadas sem medida acima do que investiram.
“Enquanto durar a terra, plantio e colheita; frio e calor, verão e inverno, dia e noite jamais cessarão.” (Gênesis 8:22)


Nenhum comentário:

Postagem em destaque

UM OBREIRO SEM APROVAÇÃO DE DEUS, É COMO UMA OVELHA SEM REBANHO.