segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Quem Foi o Profeta Amós?
O Profeta Amós foi um homem levantado por Deus para profetizar sobre o juízo divino que seria derramado devido à infidelidade do povo. Amós é também o autor do livro do Antigo Testamento que leva seu nome. Nesse texto conheceremos quem foi Amós na Bíblia.
O profeta Amós
O profeta Amós era de Tecoa, uma aldeia situada a aproximadamente 16 km ao sul de Jerusalém, 9 km de Belém e 20 km a oeste do Mar Morto. O nome Amós significa “carregador de fardos”, do hebraico ‘amos.
Além do que é dito em seus escritos, nada se sabe sobre quem foi Amós, porém em seu livro encontramos detalhes importantes que nos fornecem informações valiosíssimas sobre sua história.
O profeta Amós viveu no século 8 a.C., e profetizou durante o reinado do rei Uzias em Judá (Reino do Sul) e do rei Jeroboão em Israel (Reino do Norte). Logo na introdução de seu livro, o profeta Amós informa seus leitores que as visões que teve da parte do Senhor ocorreram dois anos antes do “grande terremoto”.
Esse terremoto que ocorreu durante o reinado de Uzias foi um evento memorável, e foi lembrado pelo profeta Zacarias como um ato de julgamento divino (Zc 14:5).

O profeta Amós era um homem simples e de origem rural. Ele foi pastor de ovelhas (Am 1:1), boiadeiro e colhedor de sicômoros, um tipo de figo  (Am 7:14). Sua familiaridade com o campo pode ser notada várias vezes em sua mensagem profética, como por exemplo, quando ele usa palavras referindo-se a animais (Am 5:19), insetos e ervas (Am 7:1) e frutos (Am 8:1).
O ministério profético de Amós
O profeta Amós não havia estudado para ser profeta, nem mesmo foi um discípulo de profeta ou recebeu qualquer treinamento nesse sentido (cf. 1Rs 20:35; 2Rs 2:3,5; 7:15), ou seja, ele não era considerado um profeta de profissão, e não dependia desse ofício para seu sustento.
Na verdade, o próprio Amós fez questão de afirmar que não possuía conexão alguma com a escola religiosa formal de sua época. Descrevendo a si mesmo, o profeta Amós testificou: “Eu não sou profeta, nem discípulo de profeta, mas boiadeiro e colhedor de sicômoros” (Am 7:14).
O chamado de Amós para o ministério lembra em alguns aspectos a convocação de outros grandes homens de Deus, como Isaías, Jeremias e Paulo de Tarso (cf. Jr 1; Is 6; At 9).
O profeta Amós testificou sobre sua convocação da seguinte forma: “Mas o Senhor me tirou de após o gado e o Senhor me disse: Vai e profetiza ao meu povo de Israel” (Am 7:15). Assim, entendemos que foi Deus, soberanamente, quem chamou Amós para exercer o ofício de profeta.
Essa frase utilizada pelo profeta Amós para descrever sua convocação é muito semelhante à frase que descreve a escolha do Senhor de coroar Davi como rei em Israel (S2m 7:8). Isso significa claramente que Deus, conforme sua vontade, escolhia reis e profetas quando lhe aprouvesse.
Apesar de sua origem rural, o profeta Amós demonstrava conhecer muito bem a Lei de Deus e a história do povo da aliança. Em sua profecia, Amós fez várias referências aos fatos narrados no Pentateuco.
Ele, por exemplo, se referiu à destruição de Sodoma e Gomorra (Am 4:11), ao Êxodo (Am 3:1), a conquista de Canaã (Am 2:9s) e mencionou IsaqueJacó e José (Am 7:16; 3:13; 5:6).
A profecia do profeta Amós
Sem dúvida, o fato de o profeta Amós ser natural de Judá, o Reino do Sul, e ter sido convocado para profetizar, principalmente, a Israel, o Reino do Norte, chama a atenção, sobretudo pela forma ousada que seu ministério se desenvolveu.
O profeta Amós recebia do Senhor em visão as palavras que deveria profetizar (Am 1:1). Muito provavelmente Amós profetizou durante o período de paz e prosperidade que Israel experimentou no reinado de Jeroboão II.
Durante pelo menos quarenta anos o Reino do Norte não sofreu nenhuma ameaça militar significativa. O Egito e a Babilônia estavam enfraquecidos, e a Assíria estava em pleno declínio após a morte de Adade-Nirari III.
Nessa época também havia paz entre Israel e Judá, e o rei tinha restaurado as fronteiras de Israel de acordo com o que o profeta Jonas havia profetizado (2Rs 14:25).
Apesar de grande parte da mensagem profética de Amós ter sido dirigida ao Reino de Israel, Amós também denunciou os pecados de Judá (Am 2:4-5; cf. 9:11). Parte importante de seu ministério profético foi cumprida em Betel, o centro da idolatria e apostasia religiosa do Reino de Israel (1Rs 12:26-33).
A profecia de Amós censurou a condição social (Am 2:6,7), moral (Am 2:7,8) e religiosa (Am 2:8-12) da nação. O profeta Amós viveu numa época em que os ricos procuravam ficar mais ricos, a imoralidade estava num nível abominável e a perversão religiosa era tão grande que a idolatria era considerada algo normal, enquanto que os verdadeiros fiéis a Deus eram ridicularizados por sua devoção.
Então é nesse cenário que o profeta Amós profetizou sobre a severidade do julgamento de Deus que castigaria Israel e Judá por causa da infidelidade pactual característica nesses reinos. Porém, a profecia de Amós também apontou para a esperança de restauração e grande exaltação para o povo do Senhor após o exílio que se aproximava.
Também é muito significativa a forma com que as profecias de Amós revelam o nosso Senhor Jesus. O profeta falou sobre uma restauração, um governo e juízo que só encontram seu cumprimento pleno e final em Cristo, não apenas em sua primeira vinda, mas também no seu retorno em glória para estabelecer seu reino universal no novo céu e nova terra (Mt 1:1; Lc 1:32,33; Ap 22:16; At 2:34-36; 15:13-19; 1Co 15:23-25; Hb 10:26-30; 1Pe 4:17; Ap 22:16; etc.).
Um claro exemplo disto é o modo com que Tiago interpretou as palavras do profeta Amós (Am 9:11,12) no Concílio de Jerusalém, quando ele entendeu que a restauração do Tabernáculo de Davi da qual o profeta Amós falou, se cumpriu quando judeus e gentios foram chamados à salvação como um só povo em Cristo, para proclamar o Evangelho pelo mundo inteiro (At 15:14-18).

TEMA: Quem foi o Profeta Amós?

INTRODUÇÃO: Há um ditado popular que diz: quem avisa amigo é. Deus é o amigo fiel, porque sempre se preocupa com o bem estar de seu povo, sempre procurou por todos os meios mostrar que o pecado mata, destrói, degrada a vida do homem. E ele usou profetas, com o fim de tê-los bem atento as suas leis.
1 – Neste texto em Amós 3.1-7; nós vemos sete perguntas de Deus ao seu povo
a) Andarão dois juntos se não estiverem de acordo?
b) Bramira o leão no bosque sem que haja presa?
c) Levantará o leãozinho no covil a sua vós se nada tiver apanhado?
d) Cairá a ave no laço em terra se não houver laço para ela?
e) Levantar-se a o laço da terra em ter apanhado alguma coisa?
f) Tocar se a buzina na cidade e o povo não estremecera?
g) Sucederá algum mal a cidade e o Senhor não o terão feito?
h) E que nos serve hoje de lição. (I Coríntios 10.1-11) como despertamento. Porque Deus não mudou (Hebreus 13.8)
2 – No versículo 7 diz: Certamente o Senhor, não fará coisa alguma, sem antes ter revelado ao teus servos; os profetas.
Um aviso de Deus:
a) Um aviso a Adão e Eva. Gênesis 2.16-17;
b) Um aviso a Noé. Hebreus 11.7;
c) Um aviso a Ló Gênesis 19.17;
d) Um aviso a Israel. Amós 4.12.
Deus jamais toma uma atitude de Juízo, sem antes avisar. Deus não pega, ninguém de surpresa.
3 – Assim como Deus no passado avisou do perigo da desobediência ao povo de Israel, sobre pena de serem castigados. (Amós 4.9-10,11) Jesus o nosso amigo tem nos avisado. Em João 15.15; Já não chamarei servo, porque o servo sabe o que faz o seu Senhor, mas vos tenho chamado amigo porque tudo que ouvi de meu pai, vos tenho feito conhecer.
a) Um aviso aos fariseus. Mateus- 23.1-39
b) Um aviso aos discípulos. Mateus 18. 1-10
c) Um aviso a multidão Marcos. 8.34-38
d) Um aviso ao Anjo da Igreja. Apocalipse 2.1-7
e) Um aviso a Igreja. Apocalipse 22.16
f) Um aviso a todos. Apocalipse 22.15

CONCLUSÃO: Deus como um pai amoroso ele sempre quer o melhor para os seus filhos, em Hebreus 12.6; diz o autor: O Senhor corrige ao que ama e acoita qualquer que recebe por filho. Hebreus 12.7; se suportai a correção, Deus os trata como filho. Porque que filho há, que o pai não corrija.





Nenhum comentário:

Postagem em destaque

UM OBREIRO SEM APROVAÇÃO DE DEUS, É COMO UMA OVELHA SEM REBANHO.