quinta-feira, 13 de setembro de 2018

LABAXURIA CANTARARAMÁS. ISSO É 

Uma coisa que sempre me chamou atenção no cristianismo é o dom de línguas. Mesmo quando era recém convertido, sempre achei estranho ver as pessoas falando daquele jeito na igreja, mas com o passar do tempo fui me acostumando.
Agora essa doutrina espalhou e prosperou de tal maneira, que já atinge o espiritismo e até o catolicismo. Sendo assim, me coloquei diante do Altíssimo e pedi direção sobre esse dom.
Ainda estamos orando e estudando, mas vale colocar o que me foi revelado até agora. Me diz o que você acha sobre isso!
Até agora minha conclusão é: língua é não é “labaxuria cantararamás”, mas a capacidade de falar novos idiomas. Onde foi a primeira manifestação expressiva do dom de línguas? Em pentecostes! Para que serviu? Para levar o evangelho a todas as nações. Vamos analisar as Escrituras:
Atos 2
4 – E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.
5 – E em Jerusalém estavam habitando judeus, homens religiosos, de todas as nações que estão debaixo do céu.
Repare que havia pessoas de todas as nacionalidades, logo, de idiomas diferentes.
7 – E todos pasmavam e se maravilhavam, dizendo uns aos outros: Pois quê! Não são galileus todos esses homens que estão falando? 8 – Como, pois, os ouvimos, cada um, na nossa própria língua em que somos nascidos?
9 – Partos e medos, elamitas e os que habitam na Mesopotâmia, Judéia, Capadócia, Ponto e Ásia, 10 – E Frígia e Panfília, Egito e partes da Líbia, junto a Cirene, e forasteiros romanos, tanto judeus como prosélitos,
11 – Cretenses e árabes, todos nós temos ouvido em nossas próprias línguas falar das grandezas de Deus.
Viu? Eles eram galileus e estavam falando noutras línguas/idiomas, pois todos estavam entendendo. Até aqui podemos afirmar que línguas são idiomas.
Mas 1 Co 13 : 1 justifica o “labaxuria cantararamás”? Vamos ver…
1 Co 13 : 1 – Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.
Veja que Paulo está fazendo uma suposição, mesmo porque ele continua dizendo…
2 – E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
Ok! Paulo está falando que o amor supera todos os dons. E mesmo assim, qual língua os anjos falam? Quando Gabriel chegou até Maria ele disse: “labaxuria cantararamás” ou conversou no idioma dela? Analisando as Escrituras no grego você verá que:
1) A expressão grega para “língua”, usada em Coríntios é a mesma utilizada em Atos 2: “glôssa”, que significa “língua de nações” ou “idiomas”;
2) O verbo grego “falar” – “laléo” no mesmo capítulo refere-se à “linguagem humana usual”, do “dia-a-dia”;
Sendo assim, o dom de línguas de 1 Coríntios 14 (e de outros textos) era o mesmo dado pelo Espírito Santo em Pentecostes. E, o problema na igreja de Corinto girava em torno da forma desordenada como o dom era usado.
Como o dom de línguas tem propósitos evangelísticos, Paulo desceu a lenha nos discípulos em Corinto que estavam usando o dom para se mostrar na reunião da igreja. Assim, quem passava por lá não entendia nada. E se o evangelho não for compreendido, as pessoas não serão salvas. Simples assim!
Quero fechar com esses textos de Paulo para Corinto:
1 Coríntios 14 : 5 – E eu quero que todos vós faleis em línguas, mas muito mais que profetizeis; porque o que profetiza é maior do que o que fala em línguas, a não ser que também interprete para que a igreja receba edificação.
2 – E agora, irmãos, se eu for ter convosco falando em línguas, que vos aproveitaria, se não vos falasse ou por meio da revelação, ou da ciência, ou da profecia, ou da doutrina?
No versículo dez ele afirma categoricamente que não existem vozes sem “significação”.
9- Assim também vós, se com a língua não pronunciardes palavras bem inteligíveis, como se entenderá o que se diz? porque estareis como que falando ao ar. 10 – Há, por exemplo, tanta espécie de vozes no mundo, e nenhuma delas é sem significação.
Continuando…
19 – Todavia eu antes quero falar na igreja cinco palavras na minha própria inteligência, para que possa também instruir os outros, do que dez mil palavras em língua desconhecida. 20 – Irmãos, não sejais meninos no entendimento, mas sede meninos na malícia, e adultos no entendimento.
21 – Está escrito na lei: Por gente de outras línguas, e por outros lábios, falarei a este povo; e ainda assim me não ouvirão, diz o Senhor.
Novamente! Está escrito na lei: “Por gente de outras línguas”, ou seja, outros idiomas. Sabemos que o apóstolo Paulo foi um grande missionário e pregou por todo o mundo praticamente, por isso ele disse no versículo dezoito…
18 – Dou graças ao meu Deus, porque falo mais línguas do que vós todos.
Ele falava mais idiomas que todos os outros, mas sempre com o objetivo de pregar e não de falar besteiras na igreja. Até acredito em uma manifestação especial do Espírito em algumas pessoas, mas jamais isso estará associado ao dia de pentecostes. Pentecostes está para missão, assim como missão está para pregação do evangelho, Na igreja atual, pentecostes está para pessoas caindo e rodopiando na igreja.
Quero fechar dizendo. Não gosto do termo pentecostal, pois tem uma conotação voltada ao “dom de línguas”, quando na verdade trata-se de um acontecimento puramente evangelístico, onde a Verdadeira igreja do Salvador começou a expandir. Hoje vemos pessoas “falando em línguas” e nunca tiveram capacidade de pregar, nem para seus familiares.
Veja o que Jesus falou sobre o tema.
E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado. E estes sinais seguirão aos que crerem: Em meu nome expulsarão os demônios; falarão novas línguas;
Como os apóstolos cumpririam o “ide” para todas as nações sem falar novas línguas? Mais uma prova impossível de argumentar.
Espero que esse estudo tenha sido esclarecedor, como foi para mim. Se gostou ou não, espalhe essa mensagem!



Nenhum comentário:

Postagem em destaque

“Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.” Poucas palavras na Bíblia são tão claras, mas ao mesmo desobedecidas justamente por pessoas que afirmam ser cristãs, como a que ensina que a única possibilidade de chegarmos a Deus é por meio do Seu filho Jesus Cristo. Única. E olha que a Bíblia traz isso na boca do próprio Jesus. Lembremos o que está em João 14:6: “Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, se não por mim.” Há quem leia a passagem, a ache correta, concorde, proclame que faz justamente isso na sua vida por ser cristão, mas quando indagado por sua fé em outros personagens bíblicos afirmam que pedem para que estes “intercedam” por ele para chegar a Deus. Sem noção do que diz a palavra de Deus, acham que não estão desobedecendo e, portanto, não estão fazendo nada errado. Ledo engano. Salientando que não se quer aqui atacar ou diminuir a missão dada por Deus a Maria, a mãe de Jesus, ou a nenhum personagem bíblico, a frase citada entre aspas deve ser de longe o maior exemplo de quando uma pessoa diz ser fiel à palavra de Deus, mas a distorce completamente. Percebam que, ao usar a expressão “o caminho”, Jesus não deixou o ensinamento de que devemos ter quem interceda por nós. Ele diz claramente que está nos dando um presente maravilhoso: pela nossa fé chegarmos ao Pai pelo único caminho que é ele, Jesus. Ponto final. A gramática nos ajuda a entender a frase. Se Jesus tivesse dito “um caminho” e não “o caminho”, aí, sim, poderíamos ter opções. Perceba, internauta, que há mais de um caminho para se chegar à praia, ao centro… Mas imagine, por exemplo, um apartamento no 10º andar com apenas uma porta. Será que esta porta é o caminho para o elevador ou um caminho? Alguém arriscaria pular a janela para chegar ao elevador ou só restaria uma única possibilidade: a porta? Para chegarmos a Deus, Jesus é essa única porta. Qualquer outro caminho representa o perigo da janela. E note-se que a Bíblica é didática. Não há passagem nenhuma falando em usar outro caminho para se chegar a Deus, exceto Jesus. Os que usam Maria, por exemplo, o fazem por conta própria. Não tem respaldo bíblico. Percebam que isso não sonega, como por ignorância teológica alguns acreditam, o importante papel que Deus reservou a Maria. A Bíblia, em João 1:1, diz que “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.” Mais adiante um pouquinho, no mesmo livro, lê-se: “E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade (João 1:14). Ou seja, está cristalino que Jesus veio à terra para cumprir a missão de salvar a humanidade das garras de satanás. E no plano de Deus para o verbo se fazer carne era preciso nascer igual a todos nós – inclusive para nos deixar a lição que qualquer pessoa de carne e osso que tenha fé em Deus é capaz de superar as adversidades impostas pelo inimigo e conseguir a salvação. Assim, Deus escolheu Maria. Evidente que pelo mérito dela. Deus não escolheria qualquer uma para trazer o Seu filho ao mundo. Mas optou uma mulher também de carne e osso como todos nós. A partir do momento em que Jesus começou o seu ministério, era ele e o Pai. Só ele e o Pai. Uma decisão de Deus, e que quem tem fé Nele não discute. Prestem atenção a estas palavras de Jesus: “E, faltando vinho, a mãe de Jesus lhe disse: Não têm vinho. Disse-lhe Jesus: Mulher, que tenho eu contigo? Ainda não é chegada a minha hora (João 2:3-4). Percebam que, para quem não vive a fé na palavra de Deus, não entende que Jesus é, de fato, o único caminho para se chegar a Deus, as palavras soam ríspidas – sobretudo dirigidas à própria mãe. Todavia uma reflexão com o auxílio de outras passagens bíblicas joga luz no fato de Jesus ter uma missão dada por Deus, e somente Deus poderia colocar no seu coração o que fazer, como fazer e quando fazer. Aliás, a própria Maria, que nunca disse a ninguém que seria um caminho para Deus, ao menos não existe isso na Bíblia, testemunhou esta aliança Deus x Jesus. “Sua mãe disse aos serventes: Fazei tudo quanto ele vos disser” (João 2:5). Portanto, está evidente que tanto Jesus quanto Maria, assim como todos nós, temos missões dadas por Deus. Missões distintas. A partir do momento em que se pauta a vida na obediência à palavra de Deus, na fé na Bíblia, deixando ensinamentos religiosos à parte (Bíblia é bíblia. Religião é religião), entende-se isso e a frase que serve de título para este texto claramente. Mas, como diz Jesus, quem tem ouvidos que ouça. Deus no comando.