segunda-feira, 28 de outubro de 2019


Ser fiel a Deus é saber que Ele sempre vai nos supriender em tudo. Portanto, tive por coisa necessária exortar estes irmãos, para que primeiro fossem ter convosco, e preparassem de antemão a vossa bênção, já antes anunciada, para que esteja pronta como bênção, e não como avareza. E digo isto: Que o que semeia pouco, pouco também ceifará; e o que semeia em abundância, em abundância ceifará. Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria. E Deus é poderoso para fazer abundar em vós toda a graça, a fim de que tendo sempre, em tudo, toda a suficiência, abundeis em toda a boa obra; Conforme está escrito:Espalhou, deu aos pobres;a sua justiça permanece para sempre. Ora, aquele que dá a semente ao que semeia, também vos dê pão para comer, e multiplique a vossa sementeira, e aumente os frutos da vossa justiça; Para que em tudo enriqueçais para toda a beneficência, a qual faz que por nós se dêem graças a Deus. Porque a administração deste serviço, não só supre as necessidades dos santos, mas também é abundante em muitas graças, que se dão a Deus. Visto como, na prova desta administração, glorificam a Deus pela submissão, que confessais quanto ao evangelho de Cristo, e pela liberalidade de vossos dons para com eles, e para com todos; E pela sua oração por vós, tendo de vós saudades, por causa da excelente graça de Deus que em vós há. Graças a Deus, pois, pelo seu dom inefável. 2 Coríntios 9:5-15


segunda-feira, 14 de outubro de 2019

O que Deus espera de mim? Se você é como muitos cristãos, você deseja viver uma vida que agrada a Deus. Só que ao mesmo tempo, sejamos honestos, você fica cansado de tentar viver a vida cristã. É que, às vezes, a pressão parece ser grande demais, não parece? Quando eu era ateísta, o pecado nunca representou um problema para mim. Eu particularmente não tinha consciência do pecado. Na verdade, eu nem sentia culpa. Mas quando me tornei cristã... uau! Descobri que havia coisas que eu estava fazendo que Deus não queria na minha vida. Também aprendi sobre a necessidade de amar os outros, de ler a Bíblia, de orar, de testemunhar, de discipular, etc. E muitas vezes pensei: “Era muito mais fácil ser ateísta”. Mas agora que eu conhecia a Deus, sentia um tremendo senso de responsabilidade de agradá-lo com a minha vida. Eu lia a Bíblia, encontrava um mandamento, e parecia que versículo após versículo eu era capaz de dizer com toda honestidade: “É, boa ideia. Preciso por isso em prática mais vezes”. Felizmente Deus me ensinou algo nas Escrituras que me libertaram de vez dessa mentalidade de tentar ser altamente responsável, de estabelecer propósitos, para que eu pudesse enxergar Deus de novo e ter prazer no meu relacionamento com ele. Há um princípio importantíssimo nas Escrituras que encontramos em Romanos, Gálatas, Efésios, 1 e 2Coríntios — na verdade, em todo o texto bíblico: Deus não exige de você perfeição. Deus não espera que você se prove capaz. Deus nunca pensou que você pudesse viver a vida cristã, e nem tinha a expectativa de que você realmente conseguisse cumprir seus santos requisitos. Se ele achasse que você conseguiria, ele não teria vindo ao mundo para morrer por você. Mas ele veio. Jesus disse às multidões: “Portanto, sejam perfeitos como perfeito é o Pai celestial de vocês (Mateus 5:48)”. É então verdade que as leis de Deus, seus mandamentos, exigem perfeição. E se o parâmetro para sermos aceitos por Deus fosse o modo como vivemos de acordo com seus mandamentos, teríamos de ser perfeitos. Não é de admirar que Jesus tenha vindo nos salvar da condenação pelos nossos pecados. Deus tem consciência do abismo entre sua perfeição e nossa impiedade. Mesmo sendo cristãos, há uma tensão constante dentro de nós para que tentemos estreitar esse abismo, para que assim nos sintamos mais confortáveis, mais perto de Deus. Algumas pessoas tentarão estreitar esse abismo procurando baixar os padrões de Deus: “Deus não está realmente dizendo...” Outras tentarão estreitar esse abismo buscando melhorar seu desempenho: “Vou me esforçar mais...” O que Deus diz sobre esse abismo? Ele existe e sempre existirá. Mas você que colocou sua fé em Jesus, que o recebeu em sua vida, que foi perdoado, declarado justo, que é precioso aos seus olhos e que se entregou aos seus cuidados — você é completamente dele. E ele o ama incondicionalmente, apesar desse abismo. “Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo, por meio de quem obtivemos acesso pela fé a esta graça na qual agora estamos firmes.”1 No entanto, provavelmente chegará um momento em sua vida em que você terá certeza de que Deus agora quer algo em troca. O objetivo deste artigo é evitar que você caia na armadilha de sentir que é sua responsabilidade agora satisfazer as expectativas de Deus. As Escrituras alertam contra isso, pois essa atitude roubará de você a alegria de conhecer a Cristo. Vamos então olhar com seriedade para o que Deus diz a respeito do nosso relacionamento com ele. Observemos as normas básicas, ou seja, o que ele diz sobre o nosso relacionarmos com ele. Como você se tornou cristão? Quando você se tornou cristão, veja quanta responsabilidade coube a Deus nesse processo comparado com o que seus próprios esforços realizaram: • Deus escolheu você antes da fundação do mundo e o chamou para ser dele.2 • Deus veio ao mundo por você.3 • Deus morreu pelos seus pecados.4 • Deus se certificou de que alguém explicasse o evangelho para você.5 • Deus se ofereceu para entrar na sua vida.6 • Deus colocou em você o desejo de conhecê-lo e de obedecê-lo.7 • Você se voltou para ele e o recebeu. • Deus entrou na sua vida, declarou que você agora está justificado e perdoado, e o chamou de filho.8 Você se tornou cristão simplesmente ao responder a Deus em fé. E é exatamente dessa forma que ele quer que você viva a vida cristã — simplesmente respondendo a Deus em fé. O peso da responsabilidade (e da capacidade) fica com Deus. Talvez você esteja pensando: “Isso parece bem simples. Onde está o problema?” O problema é que quase todo cristão tropeça uma vez ou outra nisso. Por quê? Faz parte da natureza humana achar que devemos alguma coisa a Deus pelo o que ele nos deu. É também da natureza humana achar que agora que você sabe um pouco de Bíblia, agora que você sabe um pouco sobre oração, ou agora que você entende um pouco sobre falar de Deus aos outros, que esse então é o momento de assumir a responsabilidade de ser um “bom cristão”. Não há nada que acabará mais rapidamente com sua alegria de conhecer a Deus. E se você não chegar a esta conclusão errada de que você deve empenhar seus próprios esforços para satisfazer a Deus, outros cristãos, infelizmente, serão muito eficazes em fazer você se sentir culpado e pressionado a obedecer melhor a Deus. Este artigo (espero) lhe dará entendimento bíblico sobre como viver a vida cristã sem que você comece a sentir o peso das falsas expectativas de satisfazer a Deus. Você verá como Deus o ama profundamente e como ele quer que você se relacione com ele. Deus não estabeleceu que seu relacionamento com ele esteja subordinado a você, mas sim a ele mesmo. Deixe-me ilustrar isso com alguns versículos: De que forma somos aceitáveis diante de Deus? Você foi declarado perdoado pela graça de Deus (sua bondade), por meio da morte de Jesus por você. Você recebeu o dom do perdão quando creu que Jesus pagou pelos seus pecados, certo? Você não fez nada para merecer esse perdão. Você simplesmente creu em Deus quando ele disse que havia lhe perdoado. “Mas quando se manifestaram a bondade e o amor pelos homens da parte de Deus, nosso Salvador, não por causa de atos de justiça por nós praticados, mas devido à sua misericórdia...”9 “Nele temos a redenção por meio de seu sangue, o perdão dos pecados, de acordo com as riquezas da graça de Deus, a qual ele derramou sobre nós com toda a sabedoria e entendimento.”10 Muito bem, agora que você é cristão, por acaso as regras mudam? Será que Deus tem agora uma longa lista de expectativas que ele espera que você satisfaça? Não! Mas agora você deve estar pensando: “Como assim? A Bíblia está REPLETA de mandamentos. É impossível ler um parágrafo e não encontrar um mandamento”. É verdade. Mas ao mesmo tempo em que Deus lhe dá mandamentos, ele também lhe diz que você não conseguirá obedecer a todos. Na verdade, ele diz que o quanto mais você se esforçar em tentar obedecê-los, mais você verá o seu pecado.11 E o quanto mais tentar, mas se sentirá um fracassado, merecedor do julgamento e da condenação de Deus, e assim mais distante você se sentirá dele. O apóstolo Paulo fala sobre essa frustração que ele também sentia. Ele olhou para a lei de Deus e disse: “De fato a lei é santa, e o mandamento é santo, justo e bom”. Mas, embora Paulo tentasse viver de acordo com ela, ele continuava pecando. Ele disse: “Porque tenho o desejo de fazer o que é bom, mas não consigo realizá-lo. Pois o que faço não é o bem que desejo, mas o mal que não quero fazer, esse eu continuo fazendo”.12 E sentindo-se completamente frustrado e ele declarou: “Miserável homem eu que sou! Quem me libertará do corpo sujeito a esta morte?” A solução dele: “Graças a Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor!”13 Os sentimentos de fracasso, pecado e condenação precisam ser confrontados com as Escrituras. “Portanto, agora já não há condenação para os que estão em Cristo Jesus.”14 “Se quando éramos inimigos de Deus fomos reconciliados com ele mediante a morte de seu Filho, quanto mais agora, tendo sido reconciliados, seremos salvos por sua vida!”15 Então, quando você olhar para os mandamentos de Deus, não tente obedecê-los por conta própria, mas em vez disso peça a Deus, que vive dentro de você, para capacitá-lo a obedecer. Se Deus nos diz para amarmos uns aos outros, a intenção dele não é que você saia por aí determinado em cumprir essa entusiasmante missão e provar para Deus o quanto você é capaz de ser amoroso. Em vez disso, ele quer que você dependa dele: “Deus, eu peço que você, que mora no meu coração, me ajude a ver esta pessoa como você a vê. Coloca no meu coração um amor como o seu por essa pessoa. Eu não posso amá-la com as minhas próprias forças, mas peço que você produza o seu grande amor por ela em mim”. Qual é a diferença? É a diferença entre tentar satisfazer as exigências de Deus por conta própria, em vez de depender dele e confiar nele para que ele viva por meio de você. Nós não amadureceremos e nos tornaremos independentes de Deus. Alcançamos a maturidade apenas quando permanecemos dependentes dele. É assim que ele quer que seja. Ele quer que você tenha prazer na liberdade e no amor de estar num relacionamento com ele, confiando nele, dependendo dele. Deus não espera que você tente satisfazer todas as suas exigências com perfeição. A Bíblia se refere aos mandamentos de Deus como “a Lei”. Agora que você é cristão, você não está mais debaixo da Lei ou do julgamento e da condenação de Deus, pelo contrário, você recebeu perdão e vida eterna. Você foi liberto das exigências da lei. Paulo disse: “...sabemos que ninguém é justificado pela prática da lei, mas mediante a fé em Jesus Cristo. Assim, nós também cremos em Cristo Jesus para sermos justificados pela fé em Cristo, e não pela prática da Lei, porque pela prática da Lei ninguém será justificado”.16 Quanto tempo e energia Paulo gastou se concentrando nos mandamentos de Deus e tentando cumpri-los? “...eu morri para a Lei, a fim de viver para Deus. Fui crucificado com Cristo. Assim, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim. A vida que agora vivo no corpo, vivo-a pela fé no filho de Deus, que me amou e se entregou por mim. Não anulo a graça de Deus; pois, se a justiça vem pela Lei, Cristo morreu inutilmente!”17 Antes de receber Jesus, você estava distante de Deus. Era capaz apenas de conhecer os seus mandamentos e estava sujeito ao julgamento de Deus. Mas agora você conhece a Cristo e o Espírito dele habita em você. Deus disse: “Porei as minhas leis em seu coração e as escreverei em sua mente”. E mais à frente ele diz: “Dos seus pecados e iniquidades não me lembrarei mais”.18 Então, em vez de a Lei estar fora de você, pairando suas demandas sobre sua cabeça, Deus a colocou dentro do seu coração. À medida que o Espírito Santo o transforma, ele lhe dá o desejo crescente de fazer aquilo que agrada a Deus. Com o passar do tempo, conforme você for crescendo no seu relacionamento com Deus, ele continuará a lhe dar o desejo e a capacidade de viver uma vida santa diante dele. “Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus; não por obras, para que ninguém se glorie. Porque somos criação de Deus realizada em Cristo Jesus para fazermos boas obras, as quais Deus preparou antes para nós as praticarmos.”19 Deus tem um plano para sua vida. Ele quer usar a sua vida para o bem dos que estão à sua volta e para a glória dele. Seu relacionamento agora é com Deus, com a vida dele que habita dentro de você e que produz boas obras em você. O que fazer com o pecado? Tenho agora uma pergunta para você: E se você pede a Deus que produza algo em sua vida ou que o liberte de um pecado em particular, mas você continua a lutar contra isso? E se você ainda manifesta seu temperamento ruim? E se você ainda cede a tentações, ou se você se pega deixando de orar ou de ler a Bíblia como deveria fazer? O que acontece? Seria agora o momento de começar a tomar a responsabilidade pela sua vida cristã e então dar o melhor de si? Não! O momento em que você começar a tentar satisfazer as exigências de Deus, mais você verá o seu fracasso, mais se distanciará de Deus e menos prazer terá em conhecê-lo. É fácil para nós cristãos pensarmos que Deus recompensa o nosso esforço porque é assim que toda a nossa sociedade funciona: seja responsável, trabalhe duro, dê o seu melhor... e você será recompensado. Um cristão é capaz de olhar para os mandamentos na Bíblia e pensar: “Sim, se eu tentar o suficiente, posso conseguir cumprir isso”. E esse cristão terá muitas frustrações pela vida, pois a Bíblia diz que manter o foco na Lei só produz uma coisa: uma consciência maior do nosso pecado. Deus não estabeleceu que seu relacionamento com ele seja baseado em esforço e recompensa. Em vez disso, Deus quer que você confie nele para gerar em sua vida aquilo que agrada a ele. Enquanto você viver neste mundo, você pecará. Você nunca será perfeito nesta vida. E não é só você que sabe disso, Deus também. À medida que você reconhecer o pecado em sua vida, confesse-o e creia no que Deus lhe prometeu: “Se afirmarmos que não temos cometido pecado, fazemos de Deus um mentiroso, e a sua palavra não está em nós.”20 Seja paciente enquanto deixa Deus transformar você Concentre-se em conhecer a Deus. Busque conhecê-lo mais por meio da oração, da leitura da Bíblia, da comunhão e do aprendizado com outros cristãos — tudo isso é bom. A sua fé não deve depender dos seus esforços, mas sim da habilidade de Deus de trabalhar na sua vida. Jesus disse que é como as uvas que crescem na videira. Jesus é a videira, e ele disse que nós somos os ramos: “Permaneçam em mim, e eu permanecerei em vocês. Nenhum ramo pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira. Vocês também não podem dar fruto, se não permanecerem em mim”.21 Jesus disse ainda: “Como o Pai me amou, assim eu os amei; permaneçam no meu amor”.22 E quanto ao que Jesus diz sobre “obedecer a tudo o que eu lhes ordenei”? A maneira certa de viver — a maneira pela qual você terá uma vida mais abundante, como Jesus havia dito, e ficar mais facilmente convencido do amor dele por você — é fazendo o que ele diz. Jesus disse: “Se vocês obedecerem aos meus mandamentos, permanecerão no meu amor, assim como tenho obedecido aos mandamentos de meu Pai e em seu amor permaneço. Tenho lhes dito estas palavras para que a minha alegria esteja em vocês e a alegria de vocês seja completa”.23 Ele quer que você viva de acordo com o que ele diz que é certo e, assim, experimente o seu amor e tenha alegria em ser cristão. A maneira de obedecer aos mandamentos dele é confiar nele à medida que ele for dando a você esses mandamentos. Então, quando me deparo com um versículo na Bíblia onde Deus diz “Faça isto...”, eu imediatamente digo a Deus: “Boa ideia. Eu quero que minha vida o agrade e peço que você produza isso em mim por meio do seu Espírito Santo. Dá-me a capacidade de obedecê-lo dessa maneira. Deus, não há nada de bom à minha espera se eu achar que posso, com as minhas próprias forças, obedecê-lo. Mas peço que você mude a minha maneira de pensar ou trabalhe na minha vida da maneira que você achar necessário para que a minha vida reflita o que diz este versículo”. E então não me preocupo mais com isso. Depois, talvez, eu copie esse versículo e tente compreendê-lo melhor, reflita um pouco sobre ele e até o memorize; mas minha fé para cumprir o que esse versículo diz permanece em Deus. Ele libertou você das exigências da Lei e agora o convida para descansar nele, depender dele. Só assim você poderá desfrutar completamente da intimidade de conhecê-lo. “Assim, meus irmãos, vocês também morreram para a Lei, por meio do corpo de Cristo, para pertencerem a outro, àquele que ressuscitou dos mortos, a fim de que venhamos a dar fruto para Deus.”24 “Mas agora, morrendo para aquilo que antes nos prendia, fomos libertados da Lei, para que sirvamos conforme o novo modo do Espírito...”25 “Porque o fim da Lei é Cristo, para a justificação de todo o que crê.”26 “Todavia, àquele que não trabalha, mas confia em Deus, que justifica o ímpio, sua fé lhe é creditada como justiça.”27 1. Romanos 5.1,2 2. Efésios 1.4; 2Timóteo 1.9 3. João 3.16 4. Romanos 5.8 5. Efésios 1.13 6. Apocalipse 3.20; João 1.12,13 7. Apocalipse 3.20 8. 1João 3.1; Colossenses 1.13,14; Efésios 1.4; João 1.12 9. Tito 3.3-7 10. Efésios 1.7 11. Romanos 3.20 12. Romanos 7.18,19 13. Romanos 7.24,25 14. Romanos 8.1 15. Romanos 5.8-10 16. Gálatas 2.16 17. Gálatas 2.19-21 18. Hebreus 10.16,17 19. Efésios 2.8,9 20. 1João 1.9 21. João 15.4 22. João 15.9 23. João 15.10,11 24. Romanos 7.4 25. Romanos 7.6 26. Romanos 10.4 27. Romanos 4.5


















segunda-feira, 7 de outubro de 2019



A UNÇÃO DO ESPÍRITO SANTO Atos 1:8 Introdução: Quero agora falar sobre um assunto especialíssimo: a unção do Espírito Santo. Em 1Jo 2.20 lemos a respeito da unção. Está escrito: "Porém sobre vocês Cristo tem derramado o Espírito Santo, e por isso todos vocês conhecem a verdade". A unção é um derramar de Deus... é quando o Espírito Santo, com o Seu poder, vem numa medida generosa, sobre aqueles que crêem. Receber a unção do Espírito Santo é a experiência de se receber um revestimento de poder. Como lemos em Lc 24.49, Jesus fazendo promessa aos discípulos, Ele disse: "...esperem aqui em Jerusalém, até que o poder de cima venha sobre vocês". Unção é o derramar desse poder que desce de cima. Unção é também como um batismo com fogo. A palavra "batismo" sugere "mergulho", onde a pessoa é envolvida pela glória de Deus, é preenchida. Essa unção do Espírito Santo na vida do crente, significa a plenitude do Espírito possuindo a plenitude do homem. Ninguém pode ser 100% feliz na vida ministerial se não for cheio do Espírito Santo. E para quem é a unção do Espírito Santo? É para todos os que são crentes em Jesus! Em Atos 2:39 está escrito: "Pois essa promessa é para vocês, para os seus filhos e para todos os que estão longe, isto é, para todos aqueles que o Senhor, o nosso Deus, chamar". Aleluia! E qual o propósito da unção? Lemos algo revelador em At 10.30. Jesus foi ungido com o Espírito Santo e, aí, diz a Bíblia que Ele "...andou por toda parte, fazendo o bem e curando a todos os oprimidos do Diabo, porque Deus era com Ele". Esse é o propósito da unção: Capacitar o crente com um poder tal, que ele ande também por toda a parte, fazendo o bem e manifestando o poder sobrenatural de Deus. Você deve receber a unção de Deus, porque a unção do Espírito Santo visa uma atuação sua, de maneira útil, na obra de Deus. Você deve receber esta unção porque ela é necessária aos servos de Deus; a unção capacita o crente para um testemunho poderoso de Jesus... como está escrito em Atos 1.8: "...quando o Espírito Santo descer sobre vocês, vocês receberão poder e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria e até nos lugares mais distantes da terra". Oh! Glória! Quando estamos cheios do Espírito Santo, cheios da unção do Alto, somos ousados, corajosos, intrépidos... o mundo das trevas nos identifica e treme. A unção é uma poderosa arma contra o diabo... é um revestimento de poder completo. E esse poder, essa unção é necessária. Você sabe que para se tornou um cristão, um crente em Jesus, você teve que nascer do Espírito de Deus. Pois, para você viver como cristão, que cresce e dá frutos, você precisa ser guiado pelo Espírito Santo... É através do Espírito Santo que somos levados a um plano de vida sobrenatural. Na história da Igreja, no decorrer do tempo, muitos receberam a unção de Deus, mas não aproveitaram esse presente, não fizeram uso desse dom. Mas hoje, vivemos um tempo profético, no qual Deus promete derramar do Seu Espírito sobre toda a carne e a terra se encherá do conhecimento da glória do Senhor, como águas cobrem o mar (Is 11.9). Amém? (aplauda ao Senhor) Quando você recebe a unção do Espírito Santo, algumas coisas acontecem com você... a unção resulta no seguinte: Você ganha mais sensibilidade contra o pecado (João16: 8) Você tem mais interesse em viver uma vida que glorifica a Jesus (João 16:13-14 Atos 4:33) Você pode ter visões da parte do Espírito, como João na Ilha de Patmos, que foi arrebatado em espírito e pode ouvir uma grande voz como de trombeta e ver o sobrenatural; Com a unção, foi pode fluir na manifestação dos dons espirituais, porque o Espírito Santo "Ele dá diferentes dons para cada pessoa, conforme ele quer". (1Co12.4-10). Na unção, você também tem um maior desejo de orar e de interceder (Atos 2:41-42, Romanos 8:26). Sabe, o Espírito Santo foi à única fonte de poder no ministério de Jesus. Foi a unção de Deus sobre Jesus que O capacitava. Lemos em Atos 10.38: "Deus derramou o Espírito Santo sobre Jesus de Nazaré e lhe deu poder. Jesus andou por toda parte fazendo o bem e curando todos os que eram dominados pelo Diabo, porque Deus estava com ele". No Velho Testamento, essa unção veio sobre Davi e, por ela, Davi conseguiu vitória contra o gigante Golias. Assim também em nós, é a unção de Deus em nossas vidas que nos capacita a lutar e vencer. Dito estas coisas, consideremos agora as condições para receber a unção do Espírito Santo. As condições são estas: Ser um crente em Jesus; Buscar e obedecer a Deus; Desejar essa unção... você deve ter grande fome e sede pela unção do Espírito Santo; e, Pedir a Deus em oração, por esta unção. Uma evidência de que você recebeu a unção do Espírito Santo, pode ser o falar em línguas. Falar em línguas é uma manifestação sobrenatural do Espírito Santo... trata-se de falar numa linguagem que você nunca aprendeu. E, esse orar em línguas, tem dois propósitos: Se tiver interpretação, serve para a edificação de toda a igreja. Se não tiver quem interprete, o falar em línguas serve como linguagem sobrenatural de oração, e edifica o crente. No v.14, Paulo declara que quando ora em línguas, o seu espírito ora bem! No v.2, ele diz isto: "Quem fala em línguas estranhas fala a Deus e não às pessoas, pois ninguém o entende". A pessoa, o crente, ora em mistérios, isto é, numa linguagem que ela mesma não entende, os outros não entendem, mas que somente Deus entende. É o que o apóstolo Paulo explicou: "...o que fala língua estranha... em espírito fala de mistérios" e no v.4, ele afirma: "O que fala língua estranha edifica-se a si mesmo". Na carta de Judas 1.20, lemos sobre orar no Espírito Santo... uma experiência que edifica a fé santíssima, que faz bem, beneficia ao espírito, edifica... Todos temos a necessidade de estar cheios do Espírito Santo. Deus quer Sua Igreja cheia do Espírito Santo... e para isso Ele unge os Seus filhos. Aleluia! Conclusão: Todos nós precisamos ser cheios do Espírito Santo, necessitamos ser renovados nEle. Neste momento, vamos orar por isso... você será cheio do Espírito Santo e, dos seus lábios, creia, poderá fluir outras línguas, línguas estranhas, que você não entende, ninguém entende, mas que Deus entende... e que edifica a sua vida. Creia na manifestação sobrenatural do Deus Todo-Poderoso!




quarta-feira, 2 de outubro de 2019

O que a Bíblia diz sobre ajudar o próximo? ABíblia diz que ajudar o próximo é uma parte muito importante da vida do crente. Ajudar o próximo é expressar o amor de Deus. Existem muitas formas de ajudar o próximo. Jesus disse que o segundo maior mandamento, depois de amar a Deus, é amar ao próximo como a si mesmo (Mateus 22:37-39). O amor verdadeiro se expressa em ações. Quem não ajuda seu próximo nas necessidades não o ama de verdade (1 João 3:16-17). Veja aqui: o que é o amor? Quem é meu próximo? Seu próximo é quem estiver perto de você. Quando um homem perguntou a Jesus quem era seu próximo, Jesus contou a parábola do bom samaritano. Um homem estava caído no chão, ferido. Três homens passaram por ele mas apenas um o ajudou. Judeus e samaritanos eram inimigos mas o samaritano ajudou o judeu ferido. Jesus disse que devemos fazer o mesmo (Lucas 10:36-37). Jesus disse que devemos ajudar quem precisa de ajuda, independentemente de quem seja. Deus ama todos, mesmo pessoas muito ruins. Ninguém merece a ajuda de Deus mas Ele dá ajuda de graça, porque nos ama. Quando ajudamos outra pessoa, mesmo sem merecer, mostramos o amor de Deus. Como ajudar meu próximo? Existem muitas maneiras de ajudar o próximo: • Dando amor – sem amor, nenhuma ação tem valor; todos precisam de amor – 1 Coríntios 13:3 • Suprindo necessidades – quem tem mais comida ou bens deve ajudar quem tem menos, para que todos tenham o necessário para viver – Lucas 3:11 • Sendo amigo – algumas pessoas simplesmente precisam de alguém para conversar e ter amizade • Ajudando com tarefas – facilitando a vida das pessoas sem esperar nada em troca • Aconselhando – estando pronto para ouvir, consolar e dar conselhos quando pedem • Defendendo – quem tem poder ou influência deve defender quem está sendo oprimido – Provérbios 31:10


































Postagem em destaque

UM OBREIRO SEM APROVAÇÃO DE DEUS, É COMO UMA OVELHA SEM REBANHO.