quinta-feira, 10 de dezembro de 2020

MUDE DE VIDA, CONHEÇA JESUS .

Interpretação de Mateus 25





Mateus 25👈

25:1-13. As Dez Virgens. Uma linda história extraída dos costumes relacionados ao casamento daquele tempo, mas interpretados pelos evangélicos de maneiras muito variadas. Alguns explicam as virgens como sendo os membros professos da Igreja à espera da volta de Cristo. Outros aplicam a parábola aos judeus remanescentes na Tribulação. Embora o tema central, que é a necessidade de se vigiar, aplica-se a qualquer dos grupos, o escritor sente que a última interpretação vai de encontro às exigências do conteúdo e do contexto mais exatamente.

1. Então coloca a parábola dentro do quadro mencionado em 24:29 e 24:40. O reino dos céus. Conf. com Mt. 3:2; 13:11.

Dez virgens... saíram a encontrar-se com o noivo. O casamento judeu tinha duas fases. Primeiro, o noivo ia à casa da noiva para buscar sua prometida e cumprir com as cerimônias religiosas. Depois levava a noiva para a sua própria casa onde recomeçavam as festividades. A parábola não dá a entender que as virgens (no plural) esperassem casar-se com o noivo. Este não é um casamento polígamo. Antes, no fim da Tribulação, Cristo retornará à terra (seu domínio) depois de tomar a Igreja por esposa no céu (seu lar durante a Tribulação). Esta explicação se reflete no texto oriental desta passagem, que diz, "para se encontrarem com o noivo e a noiva". Conf. também com Lc. 12:35,36, "que esperam o seu senhor, quando houver de voltar das bodas". Portanto a Igreja não está aqui como tal. O interesse centraliza-se sobre as virgens que querem participar da festa do casamento, representantes do remanescente judeu professo (Ap. 14:1-4).

3. As néscias. Estúpidas. Lâmpadas. Tochas, cada uma contendo um pavio e espaço para azeite. Não levaram azeite consigo. Azeite, geralmente símbolo do Espírito Santo nas Escrituras (Zc. 4; Is. 61:1). Aqui uma referência à posse do Espírito Santo na regeneração (Rm. 8:9). Todas as dez tinham exteriormente a mesma aparência (virgens, lâmpadas, mesma atividade), mas cinco não participavam do Espírito Santo, que nessa ocasião foi concedido a Israel para que os judeus estivessem prontos para a vinda do Messias (Zc. 12:10).

5. Foram tomadas de sono e adormeceram. A parábola não alia culpa a este detalhe. Por isso talvez descreva a certeza do remanescente em esperar o noivo, e não o seu descuido; mas no caso das virgens loucas, era uma certeza falsa.

6, 7. Prepararam as suas lâmpadas. Limparam os pavios, acenderam-nas e ajustaram as chamas. Uma pessoa caminhando pelas ruas do Oriente à noite precisa carregar uma tocha acesa. Por isso as virgens se prepararam para se juntarem à procissão quando o noivo vinha se aproximando.

8. As nossas lâmpadas estão se apagando. As virgens tolas, que não se forneceram de azeite, viram seus pavios secos bruxulearem por alguns momentos e depois se apagarem. Insistir que tivessem um pouco de azeite mas não o suficiente contradiz 25:3. Sua estupidez ficou demonstrada porque não providenciaram nenhum azeite.

9. Comprai-o. Linguagem da parábola. O Espírito Santo é um dom gratuito, mas pode ser descrito por essa metáfora (conf. Is. 55:1). Cada pessoa deve obter seu próprio fornecimento.

10-12. Enquanto as loucas se foram, o noivo chegou e a festa começou. Mais tarde as loucas retomaram, dando-se a entender que não puderam obter nenhum azeite àquela hora... vos não conheço. Uma declaração semelhante a 7:23 na importância. Cristo rejeitará todo o relacionamento com pessoas que são apenas professas.

14-30. Os talentos. Uma parábola semelhante a das Minas, que foi apresentada alguns dias antes em Jericó (Lc. 19:11-27). As Minas ilustravam a verdade que dons iguais, quando usados com diligência desigual, podem receber recompensa desigual. Os Talentos mostram que dons diferentes, quando usados com a mesma finalidade, serão igualmente recompensados. A parábola anterior das Virgens destacou a necessidade de se estar alerta e preparado para a vinda de Cristo. Os Talentos enfatizam a necessidade do serviço fiel durante a sua ausência.

14. A natureza elíptica da sentença, que leva os tradutores ingleses a colocar diversas palavras no começo, mostra a sua íntima ligação com o assunto anterior. Como um homem que, ausentando-se do país. homem é sem dúvida o Filho do homem (v. 13).

15. O talento era uma moeda de valor comparativamente alto. Aqui os talentos eram de prata (v. 18, argurion, "dinheiro de prata"). Dependendo de quem os cunhava, os talentos valiam de 1.180 dólares (Aegina) a 960 dólares (Attic). Um talento valia mais do que uma mina.

A cada um segundo a sua própria capacidade. Os talentos representam diferentes responsabilidades a serem executadas de acordo com a capacidade de cada homem.

16, 17. Os dois primeiros servos, embora possuíssem diferentes quantias de dinheiro, foram diligentes da mesma maneira e dobraram o seu capital.

18. O servo que possuía apenas um talento não demonstrou diligência e não sentiu o desafio de sua oportunidade. Abriu uma cova. Um esconderijo comum (Mt. 13:44).

19. Depois de muito tempo. Uma indicação de que a volta de Cristo não seria imediata, embora a expressão seja indefinida. Na parábola a volta foi ainda dentro do período de vida dos servos.

20-23. Na volta do seu senhor os dois primeiros servos tinham quantias diferentes a apresentar, mas ambos ofereceram lucro de cem por cento e receberam o mesmo elogio e recompensa.

Muito bem, servo bom e fiel. A fidelidade é a virtude que está sendo examinada. Sobre muito te colocarei. Parte da recompensa consistia em obter responsabilidade mais alta e privilégios diante do senhor. Entra no gozo do teu senhor. Provavelmente uma referência da participação que o crente tem do gozo de Cristo, o qual é dEle por direito por causa de Sua perfeita execução da vontade do Pai (Jo. 15:10, 11).

24, 25. O servo inútil, entretanto, revela pela explicação que dá, uma opinião completamente falsa que tem do seu senhor. Homem severo. Severo, cruel, sem misericórdia. Ceifas onde não semeaste, isto é, tiras proveito do trabalho dos outros. Ajuntas onde não espalhaste. Não está muito claro se esta cláusula é paralela ao pensamento da precedente, ou se descreve o próximo estágio da colheita, isto é, o joeiramento. Se este é o caso, então o servo acusa o seu senhor de ajuntar em seu celeiro aquilo que o trabalho de outro espalhou com a pá de joeirar que separa o grão da palha.

Receoso. Ele se justifica falando do seu medo de arriscar e da necessidade de contabilizar possíveis perdas. Este servo estava cego ao fato de que o seu senhor era um homem generoso e dedicado, que desejava fazê-lO participar de alegrias maravilhosas.

26. Sabias. Talvez esta parte pudesse ser considerada uma pergunta, "Tu não sabes. . .?" Sem tomar conhecimento da veracidade dessa opinião, o senhor julga o escravo com base na sua justificativa para lhe mostrar a baixeza de tal atitude.

27. Se o servo realmente temia o risco de se aventurar nos negócios, então ele devia ter depositado o talento com os banqueiros para que rendesse juros. Embora os israelitas estivessem proibidos de cobrar juros uns dos outros, podiam fazê-lo dos gentios (Dt. 23:20).

28, 29. Portanto o talento foi tirado desse servo preguiçoso e rebelde e foi dado àquele que era mais capaz de usá-lo com proveito.

30. O servo inútil. Lançai-o para fora, nas trevas. choro e tanger de dentes mostra claramente que isto simboliza o castigo eterno (8:12; 13:42, 50; 22:13; 24:51). Aí está o ponto alto da interpretação. Se esse ajustar de contas é o julgamento das obras do crente, então temos ao que parece um verdadeiro crente sofrendo a perda de sua alma por causa da esterilidade de suas obras. Mas essa interpretação viria contradizer a Jo. 5:24. Ou, se o servo inútil representa um simples cristão professo, cuja verdadeira natureza foi assim desmascarada, então parece que o julgamento das obras dos crentes e a maldição dos pecadores ocorrerá junto, ainda que Ap. 20 separe estes julgamentos com um intervalo de 1.000 anos. A melhor solução é aquela que aplica a parábola aos santos da Tribulação (quer judeus quer gentios) por causa da clara associação com os versículos precedentes. Esta explicação concorda com outras passagens que por ocasião da volta de Cristo, os crentes remanescentes serão ajuntados para desfrutarem das bênçãos do Milênio, mas aqueles que estando vivos não crerem verdadeiramente no seu Messias serão removidos (Ez. 20:37-42). É claro que, para os homens de todas as dispensações, vale o princípio de que Deus os tem por responsáveis pelo uso que fizerem dos seus dons.

 

e) Julgamento de Todas as Nações. 25:31 – 46.

31. Então se assentará no trono da sua glória. A mesma cena de 24:30, 31, marcando a vinda do Filho do homem para dar fim à Grande Tribulação introduzindo o Milênio.

32, 33. E todas as nações serão reunidas na sua presença. Esta cena de julgamento deve ser distinguida daquela de Apocalipse 20 (Grande Trono Branco), pois aquela segue-se à ressurreição dos maus no fim do Milênio. Aqui as nações devem ser as pessoas vivas sobre a terra quando Cristo voltar. Serão julgadas como indivíduos, não como grupos (uns dos outros, v. 32, está no gênero masculino, quando nações é neutro). Tal julgamento dos homens vivos por ocasião da gloriosa vinda de Cristo foi profetizado em Joel 3:1, 2. Resultará em uma separação de dois grupos, com o grupo comparado às ovelhas colocado à direita de Cristo, posição de honra e bênçãos.

34. Àqueles que ouvirem o “benditos de meu Pai”, Cristo na qualidade de Rei (único lugar onde Jesus se intitula assim) convida Vinde . . . entrai na posse do reino (Milenar). 35-40. Como evidência do caráter regenerado dessas pessoas que foram comparadas a ovelhas, Jesus menciona os atos de bondade praticados para com os “meus pequeninos irmãos”, os quais ele considera como feitos a ele mesmo. Parece claro que as ovelhas e os bodes são distintos dos “meus irmãos”. Por isso a interpretação de nações como sendo os gentios e os meus irmãos como sendo o fiel remanescente judeu que proclamará o evangelho do Reino em todo o mundo (24:14; Ap. 7:1-8) concorda com as exigências da passagem. (O fato de Jesus ter anteriormente chamado todos os crentes de seus "irmãos" não muda as exigências do contexto; 12:47-50). Os crentes judeus ocasionarão a conversão de uma multidão inumerável de gentios (Ap. 7:9-14), que evidenciarão sua fé por meio de seus atos. A visitação deles na prisão sugere que o perigo estará envolvido quando um homem aceitar Cristo e Seus emissários publicamente durante aquele período.

41. Apartai-vos de mim, malditos. Muitos têm notado a ausência do artigo grego com a palavra malditos (diferindo de "benditos", v. 34). Assim o particípio sendo mais circunstancial que substantivo, pode indicar que a frase significa "Apartai-vos de mim sob uma maldição". Embora os justos tenham sido declarados benditos pelo Pai e entrem em um reino que lhes foi preparado antes da criação, o destino dos maus não foi declarado com termos tão específicos de eleição.

fogo eterno não foi preparado para eles mas para o diabo e seus anjos (Ap. 20:10). Os homens não herdam o fogo eterno (contraste com os justos, v. 34), mas vão para lá recusando a graça de Deus.

42-45. Jesus aponta para a falta de boas características demonstrada pelos bodes em oposição às ovelhas. Pecados de omissão, não abomináveis atos de violência, são escolhidos para indicar o estado espiritual.

46. Castigo eterno fogo eterno, ambos empregam o mesmo adjetivo (aionios). Qualquer tentativa de diminuir o castigo restringindo o eterno diminui a bem-aventurança dos justos na mesma proporção. Enquanto eterno pode implicar em um conceito tanto qualificativo como quantitativo, o aspecto da duração sem fim não pode ser desassociada da palavra. É a palavra certa para o conceito de "eterno", conforme os léxicos atestam. O castigo eterno foi mencionado nestas passagens, Mt. 18:8; II Ts. 1:9; Judas 13; e outras. Portanto, no começo do Milênio, um julgamento será realizado, e os maus serão removidos, para que apenas pessoas regeneradas entrem no reino milenar (conf. Jo. 3:3).

 👏👈👈



 

Nenhum comentário:

Postagem em destaque