sexta-feira, 17 de setembro de 2021

Todos aqueles que j√° receberam o amor e perd√£o de Deus s√£o chamados para ser b√™n√ß√£o para todos aqueles que est√£o √† sua volta. A B√≠blia nos revela a import√Ęncia de ajudar o pr√≥ximo em v√°rios vers√≠culos que voc√™ pode ver nesta p√°gina. Como posso ajudar o pr√≥ximo? Neste momento voc√™ pode estar pensando: "eu n√£o tenho condi√ß√Ķes para ajudar ningu√©m". Mas ajudar algu√©m financeiramente ou com comida s√£o apenas duas maneiras de ajudar algu√©m. H√° muitas pessoas que t√™m dinheiro mas n√£o t√™m amor, n√£o t√™m pessoas que as escutem e que se importem com elas. Voc√™ pode ajudar pessoas dizendo palavras de encorajamento, dando um abra√ßo, mostrando que elas s√£o importantes. N√≥s fomos escolhidos n√£o apenas para viver uns anos neste mundo e depois ir para o c√©u. N√≥s temos uma miss√£o: anunciar o Evangelho de Jesus e expressar o amor de Deus para a humanidade. Ajuda ao pr√≥ximo na B√≠blia Assim brilhe a luz de voc√™s diante dos homens, para que vejam as suas boas obras e glorifiquem ao Pai de voc√™s, que est√° nos c√©us. Mateus 5:16 Sempre haver√° pobres na terra. Portanto, eu ordeno a voc√™ que abra o cora√ß√£o para o seu irm√£o israelita, tanto para o pobre como para o necessitado de sua terra. Deuteron√īmio 15:11 Deem e ser√° dado a voc√™s: uma boa medida, calcada, sacudida e transbordante ser√° dada a voc√™s. Pois a medida que usarem tamb√©m ser√° usada para medir voc√™s". Lucas 6:38




 

quinta-feira, 16 de setembro de 2021

Refer√™ncias b√≠blicas O Novo Testamento n√£o inclui descri√ß√Ķes da apar√™ncia f√≠sica de Jesus antes de sua morte e as narrativas do Evangelho, geralmente, s√£o indiferentes para as apar√™ncia ou caracter√≠sticas das pessoas.[3][4]:48–51 Os Evangelhos Sin√≥ticos incluem o relato da Transfigura√ß√£o de Jesus, durante o qual ele foi glorificado com "o Seu rosto brilhando como o sol",[5][6] mas essa apar√™ncia √© se referindo forma sobrenatural de Jesus. O Livro de Apocalipse inclui a vis√£o que Jo√£o teve do Filho do Homem: "e os seus p√©s eram semelhantes ao bronze, e a sua cabe√ßa e cabelos eram brancos como l√£ branca, como a neve" [outras tradu√ß√Ķes: "bronze polido"] em uma vis√£o (1:13-16), mas esta vis√£o √© normalmente considerada uma refer√™ncia a forma celestial de Jesus, n√£o necessariamente a sua apar√™ncia durante a sua vida terrena.[7][8] Tradi√ß√Ķes liter√°rias Igreja primitiva da Idade M√©dia Apesar da falta de descri√ß√Ķes b√≠blicas ou refer√™ncias hist√≥ricas, do s√©culo II em diante, v√°rias teorias sobre a apar√™ncia de Jesus estavam avan√ßando e muitas se concentraram mais na sua apar√™ncia f√≠sica do que na ra√ßa ou ascend√™ncia. Justino M√°rtir defende a genealogia de Jesus atrav√©s da linha Dav√≠dica de Maria, bem como de sua pai n√£o biol√≥gico Jos√©.[9] Mas isso s√≥ implica uma ascend√™ncia judaica, geralmente reconhecida pelos autores. Como citado por Eisler,:393–394, 414–415 Jo√£o de Damasco, afirma que o judeu Fl√°vio Josefo descreveu Cristo como tendo sobrancelhas com bons olhos e a face arredondada e bem cultivada.[10] Os Padre da Igreja, S√£o Jer√īnimo e Santo Agostinho de Hipona argumentaram a part… Representa√ß√Ķes art√≠sticas O mais velho sobrevivente Cristo Pantocrator √≠cone, do s√©culo 6, o Mosteiro de Santa Catarina, Egito.[15][16] Apesar da falta de refer√™ncias b√≠blicas ou registros hist√≥ricos, por dois mil√™nios uma ampla gama de representa√ß√Ķes de Jesus tem aparecido, muitas vezes influenciado por contextos culturais, pol√≠ticos e contextos teol√≥gicos.[17] Como em outras artes Crist√£s, as primeiras representa√ß√Ķes datam do final do segundo ou in√≠cio do s√©culo III e s√£o encontradas principalmente em Roma.[18] nestas primeiras representa√ß√Ķes, Jesus √© normalmente apresentado como um jovem sem barba e com o cabelo encaracolado, por vezes com caracter√≠sticas diferentes dos outros homens retratados, por exemplo, seus disc√≠pulos ou romanos. no entanto represe… Ver tamb√©m Representa√ß√£o de Jesus Jesus Hist√≥rico Refer√™ncias Racializing Jesus: Race, Ideology and the Formation of Modern Biblical Scholarship by Shawn Kelley 2002 ISBN 0-415-28373-6 pages 70-73 The Oxford companion to the Bible 1993 ISBN 0-19-504645-5 page 41 Robin M. Jensen "Jesus in Christian art", Chapter 29 of The Blackwell Companion to Jesus edited by Delbert Burkett 2010 ISBN 1-4051-9362-X page 477-502 The likeness of the king: a prehistory of portraiture in late medieval France by Stephen Perkinson 2009 ISBN 0-226-65879-1 page 30 The Cambridge companion to the Gospels by Stephen C. Barton ISBN pages 132–133 The Content and the Setting of the Gospel Tradition by Mark Harding, Alanna Nobbs 2010 ISBN 978-0-8028-3318-1 pages 281–282 Revelation b… Vi nesses dias muitas gentes exaltando o Cristianismo e tamb√©m outras religi√Ķes, mais na verdade ao Obs, vi que de fato elas n√£o conheciam a verdadeira f√© do Cristan√≠ssimo, amis sim o achismo. [11:09, 16/09/2021] Oficina De Autos Coringa: No planeta h√° v√°rias religi√Ķes, cada religi√£o tem seu pr√≥prio sistema de orienta√ß√£o doutrin√°ria. Por elas se distribuem milh√Ķes de pessoas. Cada pessoa que adere a determinada religi√£o recebe orienta√ß√Ķes te√≥ricas e pr√°ticas para se manter nela. Embora isso seja verdade n√£o se descarta a pretens√£o de pessoas que optam a n√£o pertencer a um grupo religioso especifico, outros que acreditam que o importante √© absorver um pouco de cada uma delas e outras que n√£o querem fazer parte de nenhuma delas. H√° religi√Ķes que abrigam uma pequena quantidade por existirem em lugares tribais de pequeno porte. Todavia, h√° aquelas que aglomeram milh√Ķes de adeptos por se situarem num conjunto cultural global no planeta. √Č certo que todas as religi√Ķes n√£o s√£o uniformes e as que apresentam maiores divis√Ķes s√£o aquelas de grande escala. Quanto maior a religi√£o, mas ela apresenta suas v√°rias divis√Ķes. As divis√Ķes se forem levadas em considera√ß√£o num racioc√≠nio integrado favorecem a unidade, tanto de cada religi√£o quanto das religi√Ķes em si. Este modo de racioc√≠nio ainda n√£o prevalece, por isso vemos as religi√Ķes se esfacelarem. Isso porque o que se estar em jogo n√£o √© o sentido sagrado do profundo da vida, mas o lucro e a ambi√ß√£o de prepot√™ncia, aquilo que a B√≠blia chama de pecado original. Dentro da historia, v√°rios reis e imperadores se consideraram um deus, chegando ao absurdo de manipularem as pessoas que estavam em seus territ√≥rios de dom√≠nio. Isso encheu os pulm√Ķes deles pela gan√Ęncia de poder econ√īmico e b√©lico, instrumentalizando pessoas e violentando-as. O Imp√©rio Romano √© o que mais de exemplar se apresenta aos ocidentais. Nele apareceram imperadores que absorveram para si toda autoridade divina. Cal√≠gula √© um exemplo desse absurdo. Nos tempos atuais, isso estar voltando com outra apar√™ncia. Como atualmente n√£o temos pessoas com grande pot√™ncia como nos grandes imp√©rios do passado, temos pessoas que se multiplicam em v√°rias partes do planeta. Essas pessoas disseminam arrog√Ęncia, gan√Ęncia de poder e crueldade. Quando algumas delas conseguem um poder de escal√£o na sociedade demonstram suas loucuras, as consequ√™ncias s√£o guerras entre pa√≠ses. Na mesma linha segue aquelas que mesmo sem alcan√ßar poder social promovem nas esquinas, pra√ßas ou lugarejos brigas e disc√≥rdias entre as pessoas. Tudo isso n√£o √© briga de deus, √© briga por que querer ser deus. Certamente querem ser o Deus que nenhuma religi√£o em s√£ raz√£o considera existir. Deus n√£o tem religi√£o, n√£o segue os padr√Ķes impostos pelas religi√Ķes e pelos n√£o religiosos. Ele n√£o se enquadra em nada que o ser humano possa estabelecer. Mas, quem √© Deus? Certamente Ele est√° na for√ßa escondida na profundidade da vida humana. Podemos encontr√°-lo quando na quisermos mais procur√°-lo. Deus √© tudo aquilo que o ser humano n√£o pode definir. O cristianismo conhece Deus a partir de Jesus Cristo, mas Jesus n√£o definiu Deus, nem fez grandes discursos ou propagandas sobre Ele. O que Cristo fez foi pregar um mundo de unidade na diversidade, sem fome, √≥dio ou guerra, um mundo de justi√ßa e paz. Podemos acrescentar que o mundo pregado por ele √© de intelig√™ncia e sabedoria humana. O erro hist√≥rico do cristianismo foi entender e criar a pr√°tica de fazer crist√£os, coisa que Jesus n√£o quis. “Cristo n√£o veio para criar crist√£os”, coloca√ß√£o inteligente e s√°bia do te√≥logo Leonardo Boff numa de suas entrevistas. Quando n√≥s crist√£os entendermos que o primordial de Jesus Cristo √© o Reinado de Deus e n√£o criar crist√£os seremos libertadores como nosso Mestre. Com isso entendemos que o cristianismo tem em sua raiz o primeiro passo para paz religiosa e para o mundo secular. Se cada crist√£o, seja ele cat√≥lico ou n√£o, entender o sentido real do Reinado de Deus far√° grandes milagres, coisa que esses doentes com a B√≠blia na m√£o gritando trazer a cura das doen√ßas e s√≥ aumentam a sua conta banc√°ria n√£o conseguem fazer. Conhecendo a Deus pessoalmente O que √© preciso para se iniciar um relacionamento com Deus? Esperar que um raio caia? Devotar-se a obras de caridades em diferentes religi√Ķes? Tornar-se uma pessoa melhor para ser aceita por Deus? NADA disso. Deus deixou muito claro na B√≠blia como podemos conhec√™-lo. Aqui est√£o Quatro Princ√≠pios que ir√£o explicar como voc√™ pode iniciar um relacionamento pessoal com Deus, agora mesmo… [11:24, 16/09/2021] Oficina De Autos Coringa: PRIMEIRO PRINC√ćPIO: Deus ama voc√™ e tem um plano maravilhoso para sua vida. O AMOR DE DEUS “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unig√™nito, para que todo o que nele cr√™ n√£o pere√ßa, mas tenha a vida eterna” (Jo√£o 3.16). O PLANO DE DEUS Cristo afirma: “…eu vim para que tenham vida e a tenham em abund√Ęncia” [Uma vida completa e com prop√≥sito] (Jo√£o 10.10). Por que a maioria das pessoas n√£o est√° experimentando essa “vida em abund√Ęncia”? Porque… SEGUNDO PRINC√ćPIO: O homem √© pecador e est√° separado de Deus; por isso n√£o pode conhecer nem experimentar o amor e o plano de Deus para sua vida. O HOMEM √Č PECADOR “Pois todos pecaram e carecem da gl√≥ria de Deus” (Romanos 3.23). O homem foi criado para ter um relacionamento perfeito com Deus, mas por causa de sua desobedi√™ncia e rebeldia, escolheu seguir seu pr√≥prio caminho e seu relacionamento com Deus se desfez. Esse estado de independ√™ncia de Deus, caracterizado por uma atitude de rebeli√£o ou indiferen√ßa, √© evid√™ncia do que a B√≠blia chama de pecado. O HOMEM EST√Ā SEPARADO “Porque o sal√°rio do pecado √© a morte…” [separa√ß√£o espiritual de Deus] (Romanos 6.23). Deus √© santo e o homem √© pecador. Um grande abismo separa os dois. O homem est√° continuamente procurando alcan√ßar a Deus e a vida abundante, atrav√©s de seus pr√≥prios esfor√ßos: vida reta, boas obras, religi√£o, filosofias, etc… A Terceira Lei nos mostra a √ļnica resposta para o problema dessa separa√ß√£o… TERCEIRO PRINC√ćPIO: Jesus Cristo √© a √ļnica solu√ß√£o de Deus para o homem pecador. Por meio dele voc√™ pode conhecer e experimentar o amor e o plano de Deus para sua vida. ELE MORREU EM NOSSO LUGAR “Mas Deus prova o seu pr√≥prio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por n√≥s, sendo n√≥s ainda pecadores” (Romanos 5.8). ELE RESSUSCITOU DENTRE OS MORTOS “…Cristo morreu pelos nossos pecados… foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras, e apareceu a Pedro e depois aos Doze. Depois disso apareceu a mais de quinhentos..” (1 Cor√≠ntios 15.3-6). ELE √Č O √öNICO CAMINHO “Respondeu Jesus: Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ningu√©m vem ao Pai, a n√£o ser por mim” (Jo√£o 14.6). Deus tomou a iniciativa de ligar o abismo que nos separa dele… QUARTO PRINC√ćPIO: Precisamos receber a Jesus Cristo como Salvador e Senhor, por meio de um convite pessoal. S√≥ ent√£o podere- mos conhecer e experimentar o amor e o plano de Deus para nossa vida. PRECISAMOS RECEBER A CRISTO “Contudo, aos que o receberam, aos que creram em seu nome, deu-lhes o direito de se tornarem filhos de Deus” (Jo√£o 1.12). RECEBEMOS A CRISTO PELA F√Č “Pois voc√™s s√£o salvos pela gra√ßa, por meio da f√©, e isto n√£o vem de voc√™s, √© dom de Deus; n√£o por obras, para que ningu√©m se glorie” (Ef√©sios 2:8-9). RECEBEMOS A CRISTO POR MEIO DE UM CONVITE PESSOAL Cristo afirma: “Eis que estou √† porta e bato. Se algu√©m ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei…” (Apocalipse 3.20). Receber a Cristo implica arrependimento, significa deixar de confia… A vida controlada pelo “EU”. O “EU” no centro da vida. Cristo fora da vida. Interesses controlados pelo “EU”, geralmente, causando disc√≥rdias e frustra√ß√Ķes. A vida controlada por Cristo. CRISTO no centro da vida. O”EU” fora do centro. Interesses controlados por Cristo, resultando em harmonia com o plano de Deus. Qual dos dois c√≠rculos representa melhor sua vida? Qual deles voc√™ gostaria que representasse sua vida?