sexta-feira, 22 de abril de 2022

O que importa para mim e para você é a Graça de Deus que está em Cristo Jesus nosso SENHOR Aleluia Glória de Deus Amém O que é graça? Graça é um favor que não foi merecido. Graça é algo bom que é dado, não porque a pessoa que recebe merece mas porque a pessoa que dá é generosa. Deus nos oferece a salvação de graça. Quando alguém oferece um presente de graça, significa que quem recebe não tem de pagar pelo presente nem se esforçar por merecê-lo. Graça é um ato de amor incondicional, não depende da pessoa que recebe. A graça revela o bom caráter de quem dá, não de quem recebe. A graça de Deus Deus mostra Seu amor por nós através da graça. Nós merecemos castigo por causa de nossos pecados mas Deus nos enviou Jesus para pagar o preço e nos oferecer a salvação. Mesmo não fazendo nada para merecer, nós podemos ser libertados do poder do pecado, perdoados do castigo eterno e adotados como filhos de Deus, para morar com Ele para sempre (Efésios 2:4-5). Só precisamos ter fé. Ninguém por seu próprio mérito consegue apagar seu pecado e se purificar para entrar no Céu. Por mais que tentamos ser bons, não conseguimos evitar todo pecado. Só Deus pode nos libertar do peso do pecado (1 João 1:8-9). Ele não precisa nos libertar. Ele poderia exigir justiça e condenar todos mas Ele nos ama. Por isso, Ele nos ofereceu a salvação, de graça. A graça na vida do crente A graça não se limita à salvação no momento em que aceitamos Jesus como nosso salvador. A graça de Deus atua ao longo de nossa vida, nos dando a capacidade para fazer coisas boas e parar de pecar (Efésios 2:8-10). Sozinhos não conseguimos mas se confiamos em Deus, Ele nos transforma. A graça de Deus também atua quando fazemos coisas erradas depois de convertidos. Quando nos arrependemos do erro, Deus nos perdoa e ajuda a consertar as coisas. Isso não significa que podemos continuar pecando, sem medo das consequências, mas que a graça de Deus é muito grande (Hebreus 4:14-16). Da mesma forma que Deus nos dá Sua graça, nos perdoando muitas vezes de muitos pecados, nós podemos dar graça a outras pessoas, perdoando-as. A graça de Deus muda nossa perspectiva: como posso exigir vingança contra outra pessoa quando Deus, que é perfeito, me perdoou de tantos pecados, em vez de exigir castigo? A graça de Deus nos dá outra chance. A graça de Deus liberta. https://www.evangelistamanoelmoura.gratis/ O Evangelista Manoel Moura Ministério Palavra Poder e Unção Intinerante é um Pregador do Evangelho de Jesus Cristo, convertido no ano de 2009, recebeu de Deus uma missão Pregar com Autoridade e Ousadia. Agenda Sábados e Domingos 77 9.9900-1339 Whatsapp https://www.canva.com/design/DAEtXOTxWnQ/cCqz7_vIyDDPtndC93_i6g/edit https://www.youtube.com/channel/UCjfHzvgsY8BrIqeu1oDRTiQ https://www.linkedin.com/feed/update/urn:li:activity:6857272163368497153/ https://www.evangelistamanoelmoura.gratis/ https://twitter Grupo Somos Nova Criatura. https://chat.whatsapp.com/Jd7rIgeggA51UTZXqLqNZw 100%Cristão, Grupo totalmente ante político. Postem tudo que fale sobre Bíblia, áudios, vídeos, fotos, cartazes se cultos e festividades, proibido links de outros grupos. Amém a PAZ SEJA CONVOSCO A TODOS AMÉM PROJETO AJUDE LEVANTAR UMA VIDA 55+(77)9.9900-1339, contamos com você. www.evangelistamanoelmoura.gratis E-mail evangelistamanoelmmoura@gmail.com @evangelistamanoelmoura ministeriopalavrapodereuncao@tutanota.com Nos siga nas redes sociais


 

quinta-feira, 14 de abril de 2022

Estudo Sobre os Homens e Mulheres de Oração na Bíblia A Bíblia registra as histórias de muitos homens e mulheres de oração. O estudo bíblico revela que essas pessoas viveram em momentos distintos da história da redenção. Isso significa que foram pessoas que viveram em épocas, lugares e contextos históricos completamente diferentes umas das outras. Mas todas elas tinham em comum o fato de cultivarem uma vida de oração. São realmente muitos os exemplos de homens e mulheres de oração na Bíblia; tanto que é impossível citar todas essas pessoas de uma só vez. É verdade que não há um texto bíblico que registre especificamente um momento de oração para cada um dos homens de Deus na Bíblia, mas seus testemunhos apontam de forma geral para uma vida de oração. Vejamos a seguir apenas alguns nomes de uma extensa lista. Mulheres de oração na Bíblia Seria impossível citar num único texto todas as mulheres notáveis da Bíblia que certamente praticavam o exercício da oração. Poríamos falar de Sara, Rebeca, Raabe, Noemi, Rute, Abigail e tantas outras. Mas aqui citaremos cinco exemplos de mulheres de oração: 1. Raquel Raquel foi a segunda esposa de Jacó sofreu durante muito tempo com a esterilidade. Ela chegou a dizer a seu marido que se não tivesse filhos, iria morrer (Gênesis 30:1). Nesse tempo o texto bíblico de Gênesis 30 indica que Raquel orou muito ao Senhor. Quando ela finalmente concebeu, o escritor de Gênesis registra esse evento dizendo: “E lembrou-se Deus de Raquel; e Deus a ouviu, e abriu a sua madre” (Gênesis 30:22). Raquel foi a mãe biológica de dois filhos de Jacó: José, que se tornou governador do Egito, e Benjamim. 2. Débora Débora é chamada na Bíblia de “profetisa” (Juízes 4-5). Obviamente esse termo implica na ideia de que Débora era uma mulher de oração. A primeira vez que a palavra hebraica para “profeta” aparece na Bíblia ocorre num contexto que não apenas enfatiza a condição de alguém que recebe revelações da parte de Deus, mas que também intercede por outras pessoas (cf. Gênesis 20:7). Aplicando esse conceito a Débora, entendemos que não somente Deus falava com ela, mas que ela também falava com Deus através da oração. 3. Ana Falar de mulheres de oração na Bíblia é falar de Ana. Ana foi a mãe de Samuel, mas durante muito tempo ela sofreu com a esterilidade. Porém, em perseverante oração ela buscou um milagre da parte do Senhor. Quando o profeta Samuel nasceu, Ana declarou: “Por este menino orava eu; e o Senhor me concedeu a petição que eu lhe fizera” (1 Samuel 1:27). 4. Ester Ester foi a jovem judia que se tornou rainha da Pérsia. Num contexto de perseguição contra o povo judeu, Ester orou e jejuou ao Senhor pelo livramento de seu povo (cf. Ester 4:16). 5. Maria Não há dúvida de que Maria, mãe de Jesus, era uma mulher de oração. Não poderíamos pensar diferente da mulher que foi escolhida por Deus para dar à luz ao Messias através da obra e graça do Espírito Santo. No livro de Atos Maria é citada como uma das mulheres que se reuniam em oração com os apóstolos e os demais crentes de Jerusalém (Atos 1:14). Homens de oração na Bíblia A lista de homens de oração na Bíblia com certeza também é muito extensa. Poríamos falar de todos os profetas de Deus, tanto os escritores quanto os não-escritores. Também poderíamos falar dos apóstolos de Cristo no Novo Testamento. Sem dúvida Pedro, Tiago, João e os outros apóstolos, eram homens de oração (cf. Atos 3:1). Mas neste estudo escolhemos alguns homens que fizeram algumas das orações mais notáveis registradas na Bíblia. 1. Abraão O grande patriarca do povo de Israel era um homem de oração. Sua comunhão com o Senhor era tão intensa que ele é chamado de “amigo de Deus” (Tiago 2:23). Inclusive, o próprio Deus fala de Abraão como uma pessoa que intercedia pelos outros (Gênesis 20:7). 2. Isaque O filho de Abraão também era um homem de oração. A Bíblia diz que Isaque orou ao Senhor por sua mulher que era estéril, e o Senhor lhe ouviu as orações (Gênesis 25:21). 3. Moisés Moisés foi o homem escolhido por Deus para conduzir o povo de Israel para fora do Egito. Obviamente ele era uma pessoa de oração. O Salmo 90, por exemplo, é uma oração de Moisés. 4. Josué O sucessor de Moisés também era um homem de oração. Josué foi o líder dos israelitas na conquista da terra Prometida. Certa vez Josué orou ao Senhor na presença de todo Israel, e sob a perspectiva do observador, o sol parou e a lua se deteve (Josué 10:12,13). 5. Davi Davi foi o maior rei de Israel. Ele é conhecido como o homem segundo o coração de Deus. Sua vida foi marcada pela prática da oração. O livro de Salmos registra muitas orações de Davi (cf. Salmos 17; 86; etc.). 6. Elias O profeta Elias foi um homem muito usado por Deus. Ele era um homem de oração que viveu num tempo em que Israel experimentava um profundo declínio espiritual. Numa das passagens bíblicas mais conhecidas, Deus respondeu a oração de Elias com fogo sob o holocausto no Monte Carmelo (1 Reis 18:36,37). Através da história de Elias aprendemos que devemos manter uma vida de oração mesmo quando os caminhos do Senhor estão sendo rejeitados pelas pessoas que nos cercam. Até no Novo Testamento ele é citado como um exemplo de homem de oração (Tiago 5:17). 7. Habacuque O livro do profeta Habacuque consiste basicamente num registro de suas orações a Deus (Habacuque 2:1,2; 3:2,16). O profeta Habacuque era um homem que tinha um zelo fervoroso pela honra de Deus. 8. Jeremias O profeta Jeremias é sempre lembrado como um dos personagens bíblicos mais dedicados à oração. Na maior parte de sua vida ele esteve comprometido em interceder por seu povo (cf. Jeremias 10:23-25). 9. Daniel O profeta Daniel foi um homem de oração mesmo distante de sua terra natal. Apesar de estar morando na Babilônia, Daniel não deixou de lado seu compromisso de falar com Deus através da oração (Daniel 6:10). A vida de Daniel como um homem de oração nos ensina que podemos e devemos orar a Deus mesmo em terra estranha, num ambiente hostil. 10. Paulo Paulo de Tarso foi o maior missionário da história da Igreja. O apóstolo dos gentios teve uma vida dedicada à oração após a sua conversão. Inclusive, por várias vezes ele exorta os crentes acerca da importância da oração na vida cristã (Efésios 6:18; 1 Tessalonicenses 5:17; etc.). O maior exemplo de uma vida de oração Sem dúvida nós devemos aprender com todas essas pessoas citadas na Bíblia que tiveram um compromisso com Deus. Inclusive, o testemunho desses homens e mulheres de oração não apenas foram preservados nas Escrituras, como também são lembrados pelas antigas tradições cristãs. De Tiago, por exemplo, a tradição cristã diz que ele orava tanto ao Senhor que seus joelhos tinham a textura dos joelhos de um camelo. Contudo, em Jesus encontramos o nosso maior exemplo de uma vida de oração. Mesmo sendo o Filho de Deus, nosso Senhor não dispensava a prática da oração. A Carta aos Hebreus destaca o fervor com que Jesus orava ao Pai (Hebreus 5:7). Portanto, o ministério terreno de Cristo foi um ministério de oração; sua vida terrena foi uma vida de oração, e ainda hoje, exaltado à destra do Pai, Ele é o Sumo Sacerdote que intercede em favor de suas ovelhas (cf. Lucas 3:21; 6:12-16; João 11:41; 17; Hebreus 7:25; etc.). Então que possamos aprender com todas essas pessoas usadas por Deus ao longo da História e, principalmente, com nosso Senhor Jesus Cristo, e que sejamos homens e mulheres de oração comprometidos com a obra de Deus. Leia também sobre como foi a oração de Jesus no Getsêmani. 2 Crônicas 6:12-7:22 A oração de Salomão 12 E pôs-se em pé perante o altar do SENHOR, defronte de toda a congregação de Israel, e estendeu as mãos. 13 Porque Salomão tinha feito uma base de metal, de cinco côvados de comprimento, e de cinco côvados de largura, e de três côvados de altura, e a tinha posto no meio do pátio; e pôs-se nela em pé, e ajoelhou-se em presença de toda a congregação de Israel, e estendeu as mãos para o céu, 14 e disse: Ó SENHOR, Deus de Israel, não há Deus semelhante a ti, nem nos céus nem na terra, como tu, que guardas o concerto e a beneficência aos teus servos que caminham perante ti de todo o seu coração; 15 que guardaste ao teu servo Davi, meu pai, o que lhe prometeste; porque tu, pela tua boca, o disseste e, pela tua mão, o cumpriste, como se vê neste dia. 16 Agora, pois, SENHOR, Deus de Israel, faze a teu servo Davi, meu pai, o que prometeste, dizendo: Nunca faltará de ti varão de diante de mim, que se assente sobre o trono de Israel; tão somente que teus filhos guardem seu caminho, andando na minha lei, como tu andaste diante de mim. 17 E, agora, SENHOR, Deus de Israel, verifique-se a tua palavra que disseste ao teu servo, a Davi. 18 Mas verdadeiramente habitará Deus com os homens na terra? Eis que o céu e o céu dos céus não te podem conter, quanto menos esta casa que tenho edificado? 19 Atende, pois, à oração do teu servo e à sua súplica, ó SENHOR, meu Deus, para ouvires o clamor e a oração que o teu servo faz perante ti. 20 Que os teus olhos estejam dia e noite abertos sobre este lugar, de que disseste que ali porias o teu nome, para ouvires a oração que o teu servo fizer neste lugar. 21 Ouve, pois, as súplicas do teu servo, e do teu povo de Israel, que fizerem neste lugar; e ouve tu do lugar da tua habitação, desde os céus; ouve, pois, e perdoa. 22 Quando alguém pecar contra o seu próximo e lhe impuser juramento de maldição, para se amaldiçoar a si mesmo, e o juramento de maldição vier perante o teu altar, nesta casa, 23 ouve tu, então, desde os céus, e age, e julga a teus servos, pagando ao ímpio, lançando o seu proceder sobre a sua cabeça e justificando o justo, dando-lhe segundo a sua justiça. 24 Quando também o teu povo de Israel for ferido diante do inimigo, por ter pecado contra ti, e eles se converterem, e confessarem o teu nome, e orarem, e suplicarem perante ti nesta casa, 25 então, ouve tu desde os céus, e perdoa os pecados de teu povo de Israel, e faze-os tornar à terra que tens dado a eles e a seus pais. 26 Quando os céus se cerrarem, e não houver chuva, por terem pecado contra ti, e orarem neste lugar, e confessarem teu nome, e se converterem dos seus pecados, quando tu os afligires, 27 então, ouve tu desde os céus, e perdoa o pecado de teus servos e do teu povo de Israel, ensinando-lhes o bom caminho, em que andem, e dá chuva sobre a tua terra, que deste ao teu povo em herança. 28 Havendo fome na terra, havendo peste, havendo queimadura dos trigos, ou ferrugem, gafanhotos, ou lagarta, cercando-a algum dos seus inimigos nas terras das suas portas, ou quando houver qualquer praga, ou qualquer enfermidade, 29 toda oração, e toda súplica que qualquer homem fizer ou todo o teu povo de Israel, conhecendo cada um a sua praga e a sua dor e estendendo as suas mãos para esta casa, 30 então, ouve tu desde os céus, do assento da tua habitação, e perdoa, e dá a cada um conforme todos os seus caminhos, segundo conheces o seu coração (pois só tu conheces o coração dos filhos dos homens), 31 a fim de que te temam, para andarem nos teus caminhos, todos os dias que viverem na terra que deste a nossos pais. 32 Assim também ao estrangeiro que não for do teu povo de Israel, mas vier de terras remotas por amor do teu grande nome, e da tua poderosa mão, e do teu braço estendido, vindo ele e orando nesta casa, 33 então, ouve tu desde os céus, do assento da tua habitação, e faze conforme tudo o que o estrangeiro te suplicar, a fim de que todos os povos da terra conheçam o teu nome e te temam, como o teu povo de Israel, e a fim de saberem que pelo teu nome é chamada esta casa que edifiquei. 34 Quando o teu povo sair à guerra contra os seus inimigos, pelo caminho que os enviares, e orarem a ti para a banda desta cidade que escolheste, e desta casa que edifiquei ao teu nome, 35 ouve, então, desde os céus a sua oração e a sua súplica e executa o seu direito. 36 Quando pecarem contra ti (pois não há homem que não peque), e tu te indignares contra eles e os entregares diante do inimigo, para que os que os cativarem os levem em cativeiro para alguma terra, remota ou vizinha; 37 e, na terra para onde forem levados em cativeiro, tornarem a si, e se converterem, e, na terra do seu cativeiro, a ti suplicarem, dizendo: Pecamos, e perversamente fizemos, e impiamente procedemos, 38 e se converterem a ti com todo o seu coração e com toda a sua alma, na terra do seu cativeiro, a que os levaram presos, e orarem para a banda da sua terra que deste a seus pais, e desta cidade que escolheste e desta casa que edifiquei ao teu nome, 39 ouve, então, desde os céus, do assento da tua habitação, a sua oração e as suas súplicas, e executa o seu direito, e perdoa ao teu povo que houver pecado contra ti. 40 Agora, pois, ó meu Deus, estejam os teus olhos abertos, e os teus ouvidos atentos à oração deste lugar. 41 Levanta-te, pois, agora, SENHOR Deus, e entra para o teu repouso, tu e a arca da tua fortaleza; e os teus sacerdotes, ó SENHOR Deus, sejam vestidos de salvação, e os teus santos se alegrem do bem. 42 Ah! SENHOR Deus, não faças virar o rosto do teu ungido; lembra-te das misericórdias de Davi, teu servo. O fogo e a glória de Deus são os sinais da sua aprovação 7 E, acabando Salomão de orar, desceu fogo do céu e consumiu o holocausto e os sacrifícios; e a glória do SENHOR encheu a casa. 2 E os sacerdotes não podiam entrar na Casa do SENHOR, porque a glória do SENHOR tinha enchido a Casa do SENHOR. 3 E todos os filhos de Israel, vendo descer o fogo e a glória do SENHOR sobre a casa, encurvaram-se com o rosto em terra sobre o pavimento, e adoraram, e louvaram o SENHOR, porque é bom, porque a sua benignidade dura para sempre. 4 E o rei e todo o povo ofereciam sacrifícios perante o SENHOR. 5 E o rei Salomão ofereceu sacrifícios de bois, vinte e dois mil, e de ovelhas, cento e vinte mil; e o rei e todo o povo consagraram a Casa de Deus. 6 E os sacerdotes, segundo as suas turmas, estavam em pé, como também os levitas com os instrumentos músicos do SENHOR, que o rei Davi tinha feito, para louvarem o SENHOR, porque a sua benignidade dura para sempre, quando Davi o louvava pelo ministério deles; e os sacerdotes tocavam as trombetas defronte deles, e todo o Israel estava em pé. 7 E Salomão santificou o meio do pátio que estava diante da Casa do SENHOR; porquanto ali tinha ele oferecido os holocaustos e a gordura dos sacrifícios pacíficos; porque no altar de metal, que Salomão tinha feito, não poderia caber o holocausto, e a oferta de manjares, e a gordura. 8 E, assim, naquele tempo, celebrou Salomão a festa sete dias, e todo o Israel com ele, uma muito grande congregação, desde a entrada de Hamate até ao rio do Egito. 9 E, ao dia oitavo, celebraram o dia da restrição, porque sete dias celebraram a consagração do altar e sete dias, a festa. 10 E, no dia vigésimo terceiro do sétimo mês, o rei deixou ir o povo para as suas tendas, alegres e de bom ânimo, pelo bem que o SENHOR tinha feito a Davi, e a Salomão, e a seu povo de Israel. Deus aparece a Salomão pela segunda vez e lhe faz promessas 11 Assim, Salomão acabou a Casa do SENHOR e a casa do rei; e tudo quanto Salomão intentou fazer na Casa do SENHOR e na sua casa, prosperamente o efetuou. 12 E o SENHOR apareceu de noite a Salomão e disse-lhe: Ouvi tua oração e escolhi para mim este lugar para casa de sacrifício. 13 Se eu cerrar os céus, e não houver chuva, ou se ordenar aos gafanhotos que consumam a terra, ou se enviar a peste entre o meu povo; 14 e se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face, e se converter dos seus maus caminhos, então, eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra. 15 Agora, estarão abertos os meus olhos e atentos os meus ouvidos à oração deste lugar. 16 Porque, agora, escolhi e santifiquei esta casa, para que o meu nome esteja nela perpetuamente; e nela estarão fixos os meus olhos e o meu coração todos os dias. 17 Quanto a ti, se andares diante de mim, como andou Davi, teu pai, e fizeres conforme tudo o que te ordenei, e guardares os meus estatutos e os meus juízos, 18 também confirmarei o trono do teu reino, conforme o concerto que fiz com Davi, teu pai, dizendo: Não te faltará varão que domine em Israel. 19 Porém, se vós vos desviardes, e deixardes os meus estatutos e os meus mandamentos, que vos tenho proposto, e fordes, e servirdes a outros deuses, e vos prostrardes a eles, 20 então, os arrancarei da minha terra que lhes dei, e lançarei da minha presença esta casa que consagrei ao meu nome, e farei com que seja por provérbio e mote entre todas as gentes. 21 E, desta casa, que fora tão exaltada, qualquer que passar por ela se espantará e dirá: Por que fez o SENHOR assim com esta terra e com esta casa? 22 E dirão: Porquanto deixaram o SENHOR, Deus de seus pais, que os tirou da terra do Egito, e se deram a outros deuses, e se prostraram a eles, e os serviram; por isso, ele trouxe sobre eles todo este mal.


 

O que aconteceu em cada dia da Semana Santa, que se chama Santa? Na semana conhecida como a Semana Santa, Jesus entrou em Jerusalém para celebrar a Páscoa, passou seus últimos momentos com os discípulos, instituiu a Santa Ceia, foi crucificado e ressuscitou. Essa semana foi muito importante, porque foi aí que Jesus cumpriu sua missão de salvar o mundo. Você faz parte e é a real motivação de Jesus vem por Salvar quem o aceita. João 3-16 Domingo de Ramos: a entrada triunfal Nesse dia, Jesus entrou em Jerusalém, montado em um jumento. O povo se juntou para lhe dar as boas-vindas e muitas pessoas colocaram ramos e mantos no chão diante de Jesus (Mateus 21:8-9). A multidão aclamou Jesus como o Messias, o salvador prometido por Deus. Ao fim do dia, Jesus saiu de Jerusalém e foi dormir na cidade vizinha, Betânia. Segunda, terça e quarta-feira: Jesus ensina em Jerusalém Nos próximos dias depois da entrada triunfal, Jesus entrava em Jerusalém de manhã, depois saía ao fim da tarde para Betânia. Durante o dia, ele ensinava o povo no templo sobre o reino de Deus. Na segunda-feira, no caminho para Jerusalém, Jesus amaldiçoou uma figueira, porque não tinha fruto (Marcos 11:12-14). Depois, Jesus entrou no templo e expulsou os mercadores, acusando-os de tornar a casa de Deus em um mercado e um lugar de ladrões (Marcos 11:15-17). Quando voltou para Betânia, a figueira amaldiçoada tinha secado! Durante esses três dias, Jesus debateu com os líderes religiosos e ensinou várias coisas importantes: • Explicou sobre a ressurreição e sobre qual era o maior mandamento • Contou parábolas sobre a salvação e o fim dos tempos • Explicou sobre o pagamento de impostos • Disse quais seriam os sinais do fim dos tempos • Profetizou sobre sua morte e ressurreição Os líderes religiosos se sentiram ameaçados com os ensinamentos e a popularidade de Jesus. Por isso, durante esses dias, procuraram uma forma de matar Jesus. Foi nesse tempo que Judas se ofereceu para trair Jesus em troca de dinheiro (Lucas 22:3-5). Quinta-feira: a última ceia Essa quinta-feira era o dia de celebrar a Páscoa judaica. Seguindo as instruções de Jesus, os discípulos prepararam uma sala e se reuniram com ele para o jantar da Páscoa. Antes do jantar, Jesus lavou os pés dos discípulos, ensinando-os a ser humildes e a servirem uns aos outros (João 13:12-14). Enquanto comiam, Jesus tomou o pão, deu graças e repartiu-o com os discípulos. Ele fez o mesmo com o vinho. Jesus explicou que o pão simbolizava seu corpo e o vinho seu sangue, que em breve iriam ser dados pelos discípulos (Lucas 22:19-20). Ele ordenou que tomassem esses símbolos para lembrar de sua morte, até sua vinda. Foi assim que surgiu a Santa Ceia. Jesus também avisou que um dos doze apóstolos o iria trair. Então, Judas saiu para entregar Jesus às autoridades. Jesus ainda previu que os outros discípulos o iriam abandonar e que Pedro o iria negar. No fim do jantar, eles cantaram um hino e foram para o jardim do Getsêmani para orar. Jesus passou algum tempo em oração, se preparando para o que vinha a seguir. Então Judas veio com guardas para prender Jesus (Lucas 22:47-48). De início, os discípulos tentaram lutar mas depois fugiram, deixando Jesus sozinho. Jesus foi levado para a casa do sumo-sacerdote para ser julgado. Sexta-feira Santa: a crucificação Durante a noite e a manhã de sexta-feira, Jesus foi interrogado pelo sumo-sacerdote, o governador Pilatos e o rei Herodes. Ele foi gozado, espancado e chicoteado. Os guardas romanos colocaram uma coroa de espinhos em sua cabeça, ridicularizando-o por ser chamado de rei. Quando viu o que tinha feito, Judas cometeu suicídio. Pedro seguiu Jesus de longe mas, quando foi confrontado por ser um de seus discípulos, ele negou conhecer Jesus três vezes. Pilatos viu que Jesus era inocente e tentou livrá-lo, mas viu que a multidão estava se revoltando. Para evitar mais violência, Pilatos decidiu condenar Jesus à crucificação, apesar de ser inocente (Marcos 15:13-15). Jesus foi crucificado por volta do meio-dia, junto com dois ladrões. O céu ficou escuro até cerca das três da tarde, quando Jesus morreu. Naquele momento, houve um grande terremoto e o véu do templo foi rasgado de cima a baixo (Mateus 27:50-52). Quando ficou confirmado que Jesus estava morto, ele foi sepultado em um lugar próximo. Uma grande pedra foi colocada na entrada e todos foram embora para cumprir o sábado. Sábado: o túmulo é guardado O sábado era um dia obrigatório de descanso para os judeus, então os discípulos ficaram em casa. Os sacerdotes falaram com Pilatos e ganharam permissão para colocar um destacamento de soldados a guardar o túmulo de Jesus. Para ainda maior segurança, a pedra foi lacrada (Mateus 27:65-66). Os discípulos não teriam forma de roubar o corpo. Domingo de Páscoa: a ressurreição Logo de manhã cedo, houve mais um terremoto, a pedra foi removida do túmulo e um anjo apareceu. Os guardas ficaram cheios de medo e fugiram para contar tudo aos sacerdotes (Mateus 28:2-4). Algumas mulheres, que tinham vindo completar as tradições de sepultamento do corpo, viram o anjo e o túmulo vazio e foram contar aos apóstolos. No caminho, encontraram Jesus, que falou com elas! Quando ouviram tudo, Pedro e João foram ao sepulcro e viram que estava vazio. Jesus também apareceu a dois discípulos que estavam caminhando para Emaús. Depois, ao fim do dia, ele apareceu a todos os discípulos, que se tinham reunido e estavam trocando histórias sobre o que tinha acontecido nesse dia (João 20:19-20). Depois de uma semana de grandes eventos e uma terrível desilusão, Jesus estava vivo novamente! Ele tinha cumprido sua missão. Ele pagou pelos pecado do mundo na cruz e venceu a morte. Por causa do que aconteceu na Semana Santa, todos podemos ser salvos e ter a vida eterna.


 

segunda-feira, 11 de abril de 2022

A VIDA EM DEUS E POR DEUS EM JESUS AMÉM





 

O que é um chamado de Deus e como ele pode mudar sua vida? pode mudar sua vida? Família Cristã | maio 2, 2019 | Vida Cristã A ideia de ter um chamado de Deus é algo muito comum nas igrejas evangélicas, mas poucas pessoas entendem o real significado desse termo utilizado. O sentido primordial é: o chamado de Deus é o plano que Ele tem para cada um, o propósito principal da sua caminhada com Ele, a vocação que Ele colocou em você. Quando falamos sobre o chamado de Deus, separamos aquele que é deixado para todos os cristãos e também aquele individual para cada pessoa. Precisamos levar em conta que, como igreja, somos corpo de Cristo e cada membro do corpo não pode desempenhar a mesma função, se não de nada adianta. Um precisa ser as pernas para andar, outros a boca para falar, outros as mãos para tocar… Deus nos criou de forma distinta para, um dia, sermos um corpo perfeito para a glória Dele. Que tal saber um pouco mais sobre esse assunto? Dê uma olhada! Como identificar se estou recebendo o chamado de Deus? Como dissemos, há o chamado de Deus individual, em que cada pessoa tem seu dom e sua vocação para o crescimento do Reino, e o chamado geral, em que o primeiro passo é se relacionar intimamente com Deus e, o segundo, é levar sua palavra para toda criatura. Todos recebemos um chamado! Todos nós somos chamados para um relacionamento próximo do Pai e cada um possui objetivos atrelados ao plano eterno de Deus para a humanidade. Deus nos dá a liberdade para fazermos escolhas e para decidirmos seguir ou não a Jesus, mas isso não faz com que deixemos de ser seres espirituais que anseiam pela eternidade. Nós sentimos falta de um complemento antes de nos relacionarmos de maneira real com Cristo. O chamado de Deus é sempre prático: buscá-lo de todo o coração e fazer a sua vontade, essa é nossa maior vocação. Através do chamado geral realizado, depois de ter um relacionamento próximo com Deus, seguindo seus princípios em amor, você, aos poucos, encontra o seu chamado individual. Esse chamado pode se assumir em algum ministério, ir para algum lugar ou cuidar de alguma vida. Para identificar se você recebeu o seu chamado, fique atento ao que Deus tem colocado sob sua responsabilidade, seja o cuidado de uma célula, o dom da música ou a facilidade de falar sobre Cristo. Caso você ainda não tenha um, talvez Ele esteja te preparando ou você só não percebeu o que Ele já deixou em suas mãos. Aproxime-se mais de Deus, ore, pergunte a Ele o que Ele reservou para você! Quero cumprir o chamado: e agora? Cumprir o chamado de Deus é uma decisão maravilhosa e muito importante na vida de qualquer cristão. Não se trata apenas de fazer o que Ele diz, mas, sim, de entregar sua vida a favor do Reino. É abrir mão dos seus planejamentos para aceitar o plano de Deus que é maior e mais perfeito que os seus. E você precisa entender que toda a luta vivida te moldará para a realização do seu chamado, assim como os maiores exemplos de homens de fé que a bíblia traz, que passaram por dificuldades e situações sofridas para moldar seu caráter e se preparem para o que Deus tinha para eles. Por exemplo, Moisés, que livrou o povo do Egito, Davi, que foi um rei que seguia o coração de Deus, e até o próprio Jesus, que foi humilhado e levado para morrer na cruz. Nossa luta não é contra pessoas, mas contra o espiritual, seres que habitam nesse mundo e querem afastar o máximo possível os humanos da Graça e o amor de Deus. Nós devemos estar preparados para enfrentar as batalhas tanto carnais como espirituais. Por isso, quanto maior a luta que você enfrenta, maior é a sua capacitação para o chamado que Deus te reservou e maior é a chance de você não se abalar com as circunstâncias que o inimigo vai colocar a sua porta. E o último e mais importante ponto para cumprir o chamado, é entender que você não deve cumpri-lo por medo do inferno ou pela religiosidade humana e, sim, pelo amor por Deus, que nos amou primeiro e derramou graças sobre nós, a compaixão pela humanidade e o entendimento de que você é tão pecador quanto qualquer, mas o Pai te chamou e te transformou em filho(a). O que é um chamado de Deus e como ele pode mudar sua vida? Família Cristã | maio 2, 2019 | Vida Cristã A ideia de ter um chamado de Deus é algo muito comum nas igrejas evangélicas, mas poucas pessoas entendem o real significado desse termo utilizado. O sentido primordial é: o chamado de Deus é o plano que Ele tem para cada um, o propósito principal da sua caminhada com Ele, a vocação que Ele colocou em você. Quando falamos sobre o chamado de Deus, separamos aquele que é deixado para todos os cristãos e também aquele individual para cada pessoa. Precisamos levar em conta que, como igreja, somos corpo de Cristo e cada membro do corpo não pode desempenhar a mesma função, se não de nada adianta. Um precisa ser as pernas para andar, outros a boca para falar, outros as mãos para tocar… Deus nos criou de forma distinta para, um dia, sermos um corpo perfeito para a glória Dele. Que tal saber um pouco mais sobre esse assunto? Dê uma olhada! Como identificar se estou recebendo o chamado de Deus? Como dissemos, há o chamado de Deus individual, em que cada pessoa tem seu dom e sua vocação para o crescimento do Reino, e o chamado geral, em que o primeiro passo é se relacionar intimamente com Deus e, o segundo, é levar sua palavra para toda criatura. Todos recebemos um chamado! Todos nós somos chamados para um relacionamento próximo do Pai e cada um possui objetivos atrelados ao plano eterno de Deus para a humanidade. Deus nos dá a liberdade para fazermos escolhas e para decidirmos seguir ou não a Jesus, mas isso não faz com que deixemos de ser seres espirituais que anseiam pela eternidade. Nós sentimos falta de um complemento antes de nos relacionarmos de maneira real com Cristo. O chamado de Deus é sempre prático: buscá-lo de todo o coração e fazer a sua vontade, essa é nossa maior vocação. Através do chamado geral realizado, depois de ter um relacionamento próximo com Deus, seguindo seus princípios em amor, você, aos poucos, encontra o seu chamado individual. Esse chamado pode se assumir em algum ministério, ir para algum lugar ou cuidar de alguma vida. Para identificar se você recebeu o seu chamado, fique atento ao que Deus tem colocado sob sua responsabilidade, seja o cuidado de uma célula, o dom da música ou a facilidade de falar sobre Cristo. Caso você ainda não tenha um, talvez Ele esteja te preparando ou você só não percebeu o que Ele já deixou em suas mãos. Aproxime-se mais de Deus, ore, pergunte a Ele o que Ele reservou para você! Quero cumprir o chamado: e agora? Cumprir o chamado de Deus é uma decisão maravilhosa e muito importante na vida de qualquer cristão. Não se trata apenas de fazer o que Ele diz, mas, sim, de entregar sua vida a favor do Reino. É abrir mão dos seus planejamentos para aceitar o plano de Deus que é maior e mais perfeito que os seus. E você precisa entender que toda a luta vivida te moldará para a realização do seu chamado, assim como os maiores exemplos de homens de fé que a bíblia traz, que passaram por dificuldades e situações sofridas para moldar seu caráter e se preparem para o que Deus tinha para eles. Por exemplo, Moisés, que livrou o povo do Egito, Davi, que foi um rei que seguia o coração de Deus, e até o próprio Jesus, que foi humilhado e levado para morrer na cruz. Nossa luta não é contra pessoas, mas contra o espiritual, seres que habitam nesse mundo e querem afastar o máximo possível os humanos da Graça e o amor de Deus. Nós devemos estar preparados para enfrentar as batalhas tanto carnais como espirituais. Por isso, quanto maior a luta que você enfrenta, maior é a sua capacitação para o chamado que Deus te reservou e maior é a chance de você não se abalar com as circunstâncias que o inimigo vai colocar a sua porta. E o último e mais importante ponto para cumprir o chamado, é entender que você não deve cumpri-lo por medo do inferno ou pela religiosidade humana e, sim, pelo amor por Deus, que nos amou primeiro e derramou graças sobre nós, a compaixão pela humanidade e o entendimento de que você é tão pecador quanto qualquer, mas o Pai te chamou e te transformou em filho(a).


 

quarta-feira, 6 de abril de 2022

RESUMO Este artigo proporciona um maior entendimento sobre a oração. O objetivo é analisar a importância da oração na vida do cristão. A metodologia utilizada foi pesquisa bibliográfica com a finalidade de levantar informações para um melhor esclarecimento sobre o tema e o resultado foi satisfatório sobre a importância da intimidade com Deus através da oração. No desenvolvimento do texto observamos que a oração é mais que essencial na intimidade entre a criatura para com Criador. Palavras-chave: Oração, Intimidade com Deus, Perseverança. INTRODUÇÃO Estaremos analisando o porquê a prática da oração é preponderante na vida do cristão. Tendo como objetivo geral analisar a importância da oração na vida cristã e os seus efeitos. Apresentando como objetivo específicos pessoas que tiveram uma vida de oração. Tendo-se escolhido o tema por se tratar a oração uma das práticas cristã que nos fará estarmos mais íntimos de Deus. Primeiramente devemos entender profundamente o significado dessa tão conhecida e amável palavra Oração, segundo o Dicionário da Bíblia de Almeida (1999, p. 120) ORAÇÃO é: Uma aproximação da pessoa a Deus por meio de palavras ou de pensamento, em particular ou em público. Inclui confissão (Sl 51), adoração (Sl 95.6-9; Ap 11.17), comunhão (Sl 103.1-8), gratidão (1Tm 2.1), petição pessoal (2Co 12.8) e intercessão pelos outros (Rm 10.1) Para ser atendida, a oração requer purificação (Sl 66.18), fé (Hb 11:6), vida em união com Cristo (Jo 15.7), submissão à vontade de Deus (1Jo 5.14-15; Mc 14.32-36), direção do Espírito Santo (Jd 20), espírito de perdão (Mt 6.12) e relacionamento correto com as pessoas (1Pe 3.7). Jesus nos deu o exemplo dessa aproximação com o Pai através de palavras, ou seja, nos deu o exemplo de uma vida de oração e nos ensinou para assim fazermos também, nos ensinando a oração do Pai Nosso descrita no evangelho de Mateus: 6:9 como uma oração modelo, e nos versículos anteriores, versículo: 6, que ele diz as multidões no decorrer do seu sermão da montanha, dizendo: Mas quando você for orar, vá para seu quarto, feche a porta e ore a seu Pai, que está em secreto. Então seu Pai, que vê em secreto, o recompensará. É claro que ao lermos o contexto desse versículo de Mateus: 6:6, vemos que Jesus aconselha a multidão ao seu redor a orar dessa maneira, para fazerem diferentemente dos fariseus ao qual ele retrata no versículo: 5 como hipócritas, pois o intuito deles orarem eram de serem vistos pelos homens aonde eles gostavam de orar em pé nas sinagogas, ás esquinas das ruas para serem reconhecidos pelos homens como os “Espirituais”, aonde Jesus alerta a multidão a fazer o inverso, de orar buscando o reconhecimento celestial e não o terreno. Vejo que ao mesmo tempo que Jesus aconselhou a multidão a orar dessa forma naquela época na idade antiga, da mesma forma Jesus espera que hoje na pós-modernidade viemos assim fazer, tirando um tempo para Ele todos os dias em nosso quarto, para alcançarmos essa intimidade com Ele por meio da oração. Me lembro que esse versículo, das palavras de Jesus de Mateus: 6:6, me marcou muito a primeira vez que eu o li e outras vezes que reli em minha juventude, aonde a partir daí comecei ao colocar em pratica em minha vida, tirando todos os dias, um momento do dia, para entrar no meu quarto, fechar a porta e orar a Deus, me lembro que comecei a orar 5 minutos e a colocar uma música de fundo, para ouvir somente a minha voz, a música e nada ao meu redor em minha casa, para me concentrar melhor em minha oração, e o interessante que depois de alguns dias orando todos os dias 5 minutos no quarto, comecei a perceber que 5 minutos não estavam sendo o suficiente para tantas coisas que vinham automaticamente para orar, então passei a orar 10 minutos no quarto, depois de um tempo 15 minutos, até começar a orar 1 hora por dia no quarto. Sendo que ao obedecer a esse ensinamento de Cristo, passei a crescer muito espiritualmente e a ser transformado dia após dia por Cristo em minha juventude aos 15 anos de idade, e a perceber que são esses momentos dia após dia no quarto que nos tornamos mais forte, pois é um momento que nos desligamos completamente desse mundo (natural), para nos conectarmos diretamente com o mundo (sobrenatural) com Deus. Pois devemos entender que a oração não irá mudar Deus, mas irá mudar cada um de nós. Devemos ter em mente como se fosse cravado em nosso ser, que a intimidade com Deus através da oração é crucial na vida espiritual de todo cristão, Lopes (2000, p. 70) diz: A oração é uma via de mão dupla, onde nos deleitamos em Deus e Deus tem prazer em nós. Não apenas Jesus buscava a intimidade com o Pai, mas também o Pai tinha prazer em seu filho unigênito. “… e eis, vindo na nuvem, uma voz que dizia: Este é o meu filho amado, em quem me comprazo…” (Mateus 17:5). Diante disso pergunto, será que Deus tem tido prazer em nós? Tem se agradado de nós por estarmos nos deleitando Nele? Será que o Pai tem nos olhado lá de cima e dizendo de nós o mesmo que disse de Jesus conforme esse versículo de Mateus: 17:5: Esse é o meu filho amado em quem me comprazo? Será que Deus tem olhado para nós e tem nos dito as mesmas palavras que disse sobre Jó a Satanás, conforme descrito em Jó: 1:8: Disse então o Senhor a Satanás: “Reparou em meu servo Jó? Não há ninguém na terra como ele, irrepreensível, íntegro, homem que teme a Deus e se desvia do mal.” Charles Spurgeon um grande pregador Britânico do século: XIX, conhecido como: O príncipe dos pregadores, disse certa vez: Se formos fracos em nossa comunhão com Deus, seremos fracos em tudo. Devemos entender que a oração é mais que essencial para a nossa vida conforme Jesus nos mostrou, pois como diz certa frase: a oração através da fé, nos faz crer no incrível, ver o invisível e realizar o impossível. Nee (1986, p.51) afirma: A oração exercita o espírito, que por sua vez é fortalecido por meio de tal exercício. A negligência na oração seca o homem interior. Nada pode substituí-la, nem mesmo a obra cristã. Muitos estão preocupados com a obra, e concedem pouco tempo à oração. Essas palavras de Watchman Nee de seu livro: O homem espiritual, fala profundamente a realidade de muitos cristãos em nossa pós-modernidade, e muitos são esses cristãos que estão com o seu interior sedentos por negligenciarem a oração, aonde não conseguem serem saciados, preenchidos nem pelos seus atos corriqueiros de cristão, pois somente a oração preencherá esse vazio, por isso Jesus falando sobre a persistência da oração em Mateus capitulo 7, afirma em Mateus: 7:8: Pois todo o que pede, recebe, o que busca, encontra, e aquele que bate, a porta será aberta. Ou seja, somente buscando a intimidade com o Pai através da oração e não fazendo outros atos corriqueiros de cristão, vamos encontrar e ter o preenchimento da abundância de Cristo em nosso interior e não a seca, e assim estarmos bem com o nosso Criador, pois como se diz: Nada melhor do que estar bem com Deus. Nee (1986, p. 51) também afirma: “O homem espiritual fica mais forte por meio de tais exercícios, porque se o crente ora frequentemente com seu espírito, sua eficácia espiritual aumentará grandemente. ” Devemos compreender que a oração além de nos saciar interiormente, irá nos trazer forças para vencermos as tentações e aflições do dia-a-dia, quanto que a respeito de vencermos as tentações através da oração, Jesus bem afirmou isso no Getsêmani para Pedro, Tiago e João, conforme descrito em Mateus: 26:41: “Vigiem e orem para não caírem em tentação…”, assim devemos fazer como disse Jesus para não cairmos em tentação, pois como ele diz na sequência do versículo, o nosso espirito está pronto, mas a nossa carne é fraca, ou seja, se nós estivermos fortalecendo dia a após dia o nosso espirito através da oração, ele se tornará cada dia mais forte, e assim consequentemente venceremos mais facilmente a nossa carne que é fraca, e é tendenciosa para nos fazer afastar de Deus. Quanto vencer as aflições por meio da oração, Jesus também nos disse conforme descrito em Mateus capitulo: 7, contando a parábola da casa edificada sobre a areia e a casa edificada sobre a rocha, que se assemelha aquele que ouve as suas palavras, mas a diferença está que aquele que ouve as suas palavras e não as coloca em pratica se assemelha a casa edificada sobre a areia, aonde cai a chuva, transbordam os rios e sopram os ventos sobre essa casa, e facilmente ela cai, e assim são aqueles que apenas ouvem suas palavras mas não as praticam, mas já aqueles que ouvem as suas palavras e as colocam em pratica se assemelha a casa edificada sobre a rocha, aonde conforme o versículo: 25 de Mateus capitulo 7: Cai a chuva, transbordam os rios, sopram os ventos com impeto contra essa casa, e ela não caiu, porque esta alicerçada sobre a rocha, e assim são aqueles que as colocam as suas palavras em pratica. Ou seja assim também são todos aqueles que praticam a oração que se inclui e também nessa pratica que Jesus afirma nessa parábola, pois assim vemos Jesus dizer nos capítulos anteriores que também faz parte de tudo aquilo que Cristo disse nesse seu famoso Sermão da Montanha, começando em Mateus capitulo 5 e finalizando com essa parábola em Mateus capítulo 7. Portanto, basta orarmos para encontrarmos forças para vencermos as aflições, sendo uma casa edificada sobre a rocha como disse o Mestre. A oração além de nos fazer sermos mais íntimos do Pai, é também uma eminente ferramenta para abençoarmos ao nosso próximo, já dizia certa frase: Uma das maneiras mais poderosas de se amar alguém é orando por ela. Duewel (1996, p. 32) diz: A oração é o caminho certo para a bênção, e a oração é o maior meio de ser uma bênção para outros. A oração é o dom de Deus para abençoar outros. Oh, encha cada dia com orações de bênção e aproprie-se do tremendo poder que Deus lhe concedeu! Através de nossas orações Deus pode mudar gerações, vidas e países, que estão precisando do seu incondicional e infalível amor que um dia nos resgatou. Assim como Jesus sendo o próprio Deus nos deu um imenso exemplo de intimidade para com o Pai através da oração, dentre a história encontramos diversos homens que seguiram o seu exemplo. Um deles foi Tiago, o próprio meio-irmão de Jesus, Duewel (1996, p. 12) também em seu livro diz o que a história nos diz sobre a vida de oração de Tiago. Quando ele morreu e seu corpo foi preparado para o sepultamento, descobriram que seus joelhos estavam calejados devido às horas em que ficava ajoelhado, de tal modo que quase pareciam os joelhos de um camelo. Ele tornou-se conhecido como “Joelhos de Camelo”. Outro deles, dentre esses homens que tiveram um vida de oração, foi Jorge Muller, um servo de Deus que levantou diversos orfanatos e teve uma vida de oração. Boyer (2002, p. 125) diz sobre ele: “Certo pregador, pouco antes da morte de Jorge Muller, perguntou-lhe se orava muito. A resposta foi esta: Algumas horas todos os dias. E ainda vivo no espírito de oração; oro enquanto ando, enquanto deitado e quando me levanto.” O próprio Apostolo Paulo nos alertou em 1Tessalonicenses: 5:17, quanto o viver no espirito de oração, quando ele diz nesse versículo: Orai sem cessar. Ou seja, estarmos orando constantemente, diariamente vivendo no espirito de oração. E muitos outros servos de Deus como: Christmas Evans, Henrique Martyn Charles Spurgeon, Martinho Lutero, Jônatas Edwards, e tantos outros cristãos que encontramos na história e na Bíblia, que entenderam a importância da oração e as colocou em prática. Considerações finais: Concluímos que a oração é de extrema importância e essencial na vida cristã, para assim estarmos mais íntimos de Deus, mais mesmo tendo esse conhecimento, muitas das vezes temos a negligenciado em nosso cotidiano, por isso convido a cada um de nós, fazermos uma aliança com o nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, a partir de hoje, buscarmos e nos entregarmos mais a Deus por intermédio da oração. REFERÊNCIAS Bíblia Sagrada. Nova versão internacional. Publicada pela Sociedade Bíblica Internacional, 2003. Dicionário. Dicionário da Bíblia Almeida: Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999 DUEWEL, Wesley L. Toque o mundo através da Oração. São Paulo: Editora Candeia, 1996. LOPES, Hernandes Dias. As faces da espiritualidade. São Paulo: Editora Candeia, 2000. MCDOWELL, Josh. Mais que um carpinteiro. Belo Horizonte: Betânia, 1989. NEE, Watchman. O homem espiritual: Volume II: Belo Horizonte: Edições Parousia, 1986.